Revistas de setembro #2 2015

Em setembro, no blog, tá rolando uma série de posts com as capas das revistas de moda mais legais do mês. Para ver a primeira parte, é só clicar aqui.

A Interview desse mês botou na capa e no recheio da edição um dos temas mais falados – e vividos – do momento: a superexposição nas redes sociais, nesse espécie de reality show que nós mesmo gravamos, editamos e protagonizamos todos os dias.

Para ilustrar o assunto, nada melhor do que os grandes sucessos da internet. Gente que tem uma legião de seguidores no Instagram e em todas as outras redes, e que viraliza cada vírgula ou cada foto postada.

Uma lista com 100 dessas personalidades é apresentada na edição, e dela, oito pessoas foram escolhidas para terem uma selfie estampando a capa da revista: Miley Cyrus, Madonna, Zayn Malik, Selena Gomez, Kim Kardashian, Jennifer Lopez, Victoria Beckham e Mert Alas

O resultado é que a edição de setembro da Interview vem com oito capas nada convencionais, mas superinteressantes para o mercado. Já escolheu a sua preferida?

Apesar de já ter feito um post inteirinho dedicado a essa edição maravilhosa da W de setembro, eu precisava muito colocá-la aqui como uma das minhas capas preferidas desse mês.

No post que fiz falando sobre ela, contei que além de Gigi Hadid estar estampando a capa e o miolo da edição, a revista ainda aproveita esse gancho pra discutir o fenômeno das novas modelos que vem fazendo um sucesso estrondoso nas redes sociais (olha elas aí de novo!). A grande diferença é que esse fenômeno acontece antes mesmo delas estourarem como modelos, quase que em um processo inverso ao que sempre estivemos acostumados. Algo como “modelos que fazem sucesso porque são um sucesso”, sabem?

Além disso, achei de muito bom gosto as cores e a foto da capa, assim como todas as imagens que estampam o editorial estrelado por Gigi.

É daquela edições que eu queria demais ter uma aqui do lado pra passar a tarde toda lendo.

Não é a primeira vez que a linda da Emma Watson estampa a capa da Vogue UK, mas nessa sua segunda cover ela tá ainda mais linda, mais imponderada e inspiradora. Na chamada de capa da revista ela é inclusive chamada de “a voz de uma geração”, o que se torna muito plausível quando a gente pensa no trabalho fantástico que a atriz vez desenvolvendo desde o ano passado quando foi nomeada embaixadora da boa vontade da ONU Mulheres.

À frente da campanha HeforShe, que mais do que trazer à tona um debate saudável e necessário sobre a igualdade de gêneros, convoca os homens a se envolverem nessa luta, Emma vem emocionando e fazendo um trabalho sensacional, de orgulhar qualquer mulher. Ela se tornou de fato uma voz importantíssima pra essa geração que a viu crescer – e cresceu junto com ela – em frente às câmeras.

Além de estampar a capa da revista – Emma foi fotografada por Josh Olins em um vestido branco e dourado de jacquard belíssimo da Stella McCartney – a Vogue Uk também liberou um vídeo em que Emma e outras personalidades falam sobre a importância do feminismo e da igualdade de gêneros.

O que seria maravilhoso por si só, se torna ainda mais especial por estar sendo debatido em uma revista de moda e alcançar um público gigante de mulheres. Obrigada, Emma!

Bisous, bisous

Gigi Hadid, a nova geração de modelos e um pouco da W de setembro

Não sei se já aconteceu com vocês esse tipo de situação, mas ela funciona mais ou menos do seguinte jeito: em uma bela manhã você “descobre” a existência de uma pessoa e pronto, do dia pra noite, ela coincidentemente começa a aparecer em todos os lugares por onde você vai, todos os livros e revistas que você lê e em todas as conversas que você se mete. O que te leva logo a pensar se a pessoa em questão sempre esteve por lá e você que nunca havia notado, ou se é só a vida mesmo brincando um pouquinho com a sua cara.

Eu não sei em qual dos dois casos eu me encaixo, mas sei que há alguns meses eu resolvi ler uma matéria sobre a Gigi Hadid, modelo que desde o ano passado vem tendo uma projeção meteórica na moda, e de repente começou a rolar uma profusão de fotos, notícias, imagens, curiosidades e tudo mais sobre essa mulher na minha vida. E sim, eu sei que é normal esse assédio louco da imprensa em cima dela por causa do momento da sua carreira, mas acreditem quando eu digo que comigo, em especial, tá rolando uma perseguição haha

Eu decidi então que seria melhor não nadar contra a corrente dessa conspiração e, ao contrário, olhar com mais atenção pra essa modelo que chegou de voadora na moda conquistando todo mundo e que, de quebra, ainda entrou pra gangue de amigas da Taylor Swift!

A Gigi Hadid vem dessa geração de modelos que transformou as redes sociais, especialmente o Instagram, em um veículo tão importante quanto as capas de revistas que faz. A gente já tinha visto esse fenômeno com outras (lembram quando Cara Delavigne estourou?) e Gigi entrou pra esse clubinho, que parece crescer cada vez mais e ditar um novo panorama no mercado: o das modelos que fazem sucesso porque são um sucesso, quase num fenômeno a la Kim Kardashian. E por falar em Kardashians, não dá pra esquecer de citar a irmã mais nova da família, Kylie Jenner, que também é um bom exemplo desse time.

Ainda que o estereótipo das supermodelos não tenho mudado em quase nada, o jeito de se fazer publicidade com ela e sobre elas, tem. E muito.  Por exemplo: ainda que eu acredite de fato que a gangue da Taylor é só feita de amigas, não é coincidência demais o fato de todas elas serem fenômenos no Instagram? E de Bad Blood ter sido gravado com todas juntas, gerando um buzz absurdo em cima da sua produção? E de elas fazerem uma aparição maravilhosa em um show da turnê de 1989, gerando notícias em todos os sites e revistas?

Eu acho que não e, na real, nem acho isso ruim. Acho apenas um novo jeito de se jogar o jogo.

A Gigi Hadid é uma das modelos que mais exemplificam esse cenário e é exatamente esse o assunto da W de setembro, que traz a modelo na capa, bem bombshell, e também no miolo, com um texto que tenta “desvendar o fenômeno Gigi” e com as fotos que ilustram esse post.

Fotografado por Steven Meisel e maquiada por Pat McGrath, nesse ensaio Gigi me lembra mais do que nunca Brigitte Bardot. Eu já havia notado a semelhança antes, mas nessas fotos, além da própria modelo, tem também o cenário, as fotos preto e brancas, os efeitos borrados e a atmosfera retrô e elegante que me transportam diretamente para as fotos e imagens de BB. E Gigi arrasa muito no editorial com seu jeito atrevido, ar glamouroso e roupas e lingeries sensuais.

Eu vejo as fotos e fico com vontade de usar uma lingerie bem linda, uns lenços poderosos na cabeça, um perfume bem cheiroso (daqueles que parece que abraçam a gente, sabem?) e ficar bem bonita pra mim mesma. Porque é assim que eu vejo esse ensaio: uma mulher agradando a si mesma, se dando o direito de ser linda e sensual pra ela e mais ninguém.

As fotos tão maravilhosas demais e vale lembrar que as revistas de moda de setembro são sempre mais especiais, o que só prova como Gigi Hadid é mesmo a garota da vez.

Fotos | Steven Meisel
Make up | Pat McGrath
Hair | Guido Palau
Styled | Edward Enninful

Bisous, bisous

The Movie Issue

Ontem a W revelou as sete capas que vão estampar sua edição de fevereiro e já podemos dizer que sim, 2015 começou bem para as revistas de moda.

Além dessa edição ser dedicada ao cinema e as personalidades que brilharam nas telonas em 2014, as fotos de capa são maravilhosas… Melhor dizendo, MARAVILHOSAS, em letras garrafais mesmo, porque elas merecem.

Emma Stone, minha capa preferida de todas, foi escolhida pela sua atuação em Birdman (com estreia prevista para 29 de janeiro aqui no Brasil). O filme teve sete indicações (número cabalístico, hein?) ao Globo de Ouro de 2015 e as críticas ao filme e principalmente a Emma têm sido tão maravilhosas, que minha vontade de assistir ao longa só cresce. Principalmente depois de ter visto essa cena aqui.

Benedict Cumberbatch e Keira Knightley estão no elenco de The Imitation Game, ainda sem previsão de estreia aqui no Brasil. O que muita gente já dá como certo é a indicação de Benedict para o Oscar de melhor ator, principalmente depois do sucesso que ele e o longa alcançaram no Festival de Toronto.

Eu confesso que não tinha me interessado muito pelo filme até assistir o trailer e ir procurar mais sobre a vida de Alan Turing, o matemático a quem Benedict dá vida no filme. Ele contribuiu tanto para a ciência da computação, teve um papel tão importante nos rumos que a Segunda Guerra Mundial tomou e foi tão duramente massacrado pela opinião pública por simplesmente ser quem ele era, que eu já criei uma puta admiração e respeito pelo cara.

Eu devo ser provavelmente a única garota que ainda não assistiu A Culpa é Das Estrelas, filme que fez Shailene estampar uma das sete capas da W [aqui o trailer]. Eu arriscaria dizer que ele foi um dos filmes mais vistos – se não dos mais vistos, mas com certeza dos mais comentados – do ano passado. O que não foi muita surpresa já que ele vinha sendo aguardado muito ansiosamente por meio mundo, desde que a notícia de que o livro viraria filme pipocou na imprensa.

Um dos motivos pra eu não ter visto o filme ainda é que eu fiquei com birra da Shailene desde aquele comentário infeliz que ela fez sobre feminismo. Tô, no entanto, tentando botar em prática o que aprendi com o Think Olga sobre sororidade e pensar que ela, assim como tantas outras meninas por aí, só propaga um discurso que foi mostrado pra ela desde sempre. Com a repercussão ruim que a declaração teve, me dá um pouco de esperança de que ela e quem mais diz isso tenha entendido que esse conceito de feminismo tá definitivamente errado.

A capa que traz Amy Adams (e que tá muito incrível) tem tudo a ver com o filme que a colocou aí: Big Eyes, o novo longa-metragem de Tim Burton, que chega aqui no Brasil dia 29 de janeiro.

Desde que eu vi o trailer do filme, fiquei numa ansiedade level hard, afinal Tim Burton é um dos meus diretores preferidos e eu tô bastante curiosa pra ver os toques tão característicos dele em um filme que não é nem de terror e nem de fantasia.  Acho que essa é a chance de Tim voltar a fazer trabalhos tão incríveis quanto os seus mais antigos.

Wild, que vem dia 15 de janeiro para o Brasil e é estrelado por Reese Witherspoon, é mais um filme que promete aparecer na lista do Oscar [aqui o trailer]. Inspirado no livro que conta a história real de Cheryl Strayed, uma mulher que se aventura sozinha e em busca de si mesma na selva, ele parece ter mesmo virado queridinho da crítica.

Um detalhe de behind the scenes do filme que me chamou a atenção é que como Reese precisava viver essa mulher tão intensa, que tava em um lugar tão isolado e passando por um momento de raiva tremenda, o diretor pediu pra que todos os espelhos do trailer-camarim dela fossem tampados. Ela não podia ver sua aparência, porque esse tipo de preocupação e de vaidade não podiam ter espaço naquele papel.

Essas curiosidades sobre construção de personagem sempre me chamam a atenção. Eu fico pensando quão louco e maravilhoso é, por um tempo, você praticamente viver uma outra vida, completamente diferente da sua e mergulhar naquilo de cabeça. É muito incrível quando a gente para pra pensar no papel da atuação sobre esse aspecto.

Filme novo de Clint Eastwood merece atenção! E é graças a ele, chamado American Sniper, que Bradley Cooper entrou na lista das sete capas de fevereiro da W. Parece que o filme chega por aqui só dia 19 de fevereiro, mas pelo trailer já dá pra ter uma ideia do que vem por aí. E se eu fiquei tensa só com isso, não quero nem pensar na hora que ele chegar nos cinemas daqui…

Teremos Julianne Moore como melhor atriz desse ano no Oscar? Muita gente tá fazendo apostas de que sim, mas eu sempre deixo pra formar minha opinião só depois de ver todos os filmes (esse ano vai ter #aquecimentoOscar de novo aqui no blog, aguardem!). Se isso realmente acontecer, vai ser a primeira vez que a atriz vai ganhar a estatueta. E isso aos 54 anos de idade, gente, o que pra mim torna tudo ainda mais especial.

Still Alice, o longa responsável por todo esse burburinho, conta a história de uma renomada professora que é diagnosticada com Alzheimer e passa a sofrer os terrores da doença em todos os aspectos da sua vida. Ele chega dia 26 de fevereiro no Brasil, mas tem o trailer aqui pra quem quiser assistir. Vale notar que esse é mais um filme que veio adaptado de um livro. Coisa que sempre aconteceu no cinema, mas que eu tenho a impressão que nos últimos anos cresceu de uma forma gigantesca e tem sido responsável por inúmeros filmes com sucesso de crítica e público.

Enfim, listadinhos aqui todos os filmes que mereceram a atenção da W, já pode começar a contagem regressiva pra estreia deles no Brasil, pro Oscar e pra comprar a revista (eu quero MUITO essa edição). E se isso não te convenceu ainda, vai aí o plus de que apesar de sete estrelas terem sido escolhidas pra capa, o miolo conta com a participação de 39 atrizes e atores que arrasaram em 2014. Todos em fotos fodas clicadas por Tim Walker.

Tudo tão bonito quanto uma sessão de cinema em um fim de tarde.

Bisous, bisous