Passeando por Londres

Tava TÃO ansiosa por publicar logo esse vídeo aqui! Ver os vlogs (sim, tem vários vlogs espalhados ao longo do vídeo!) e falar sobre cada um dos lugares que a gente foi em Londres dá um quentinho bom aqui dentro do peito e uma vontade danada de voltar correndo pra lá.

Aproveitei também pra postar algumas fotos da viagem que eu havia amado, mas que ainda não tinha publicado em lugar nenhum (tem várias outras que eu já havia postado lá no meu instagram @paulinhav).

Tomara que vocês consigam sentir um pouco do gostinho de felicidade e realização dessas imagens e se animem a ir viajar também (:

Bisous, bisous

Os melhores curtas de animação #aquecimentoOscar

Sempre que sai a lista de concorrentes do Oscar, eu corro pra fazer uma maratona e assistir o máximo de indicados possíveis antes do dia da cerimônia! As categorias ‘mais importantes da noite’ eu sempre faça questão de assistir, mas outras não tão óbvias assim me encantam tanto quanto as principais.

Uma dessas categorias é a de curtas de animação. Esses pequeninos filmes sempre me emocionam, seja pela sua história, seja pelos seus efeitos, seja pela forma como condensam em poucos minutos personagens e enredos tão complexos. Dos curtas mais românticos como Paperman aos mais encantadores como La Luna e dos mais divertidos como Maggie Simpson in The Longest Daycare aos mais geniais como Logorama, os indicados dos últimos anos do Oscar foram animações fantásticas! Por isso mesmo, achei que nada mais justo do que estrear o #aquecimentoOscar 2015 com os ganhadores de curtas de animação das últimas cinco premiações.

Estão todos aqui embaixo na íntegra, e eu apenas acho que você vai me culpar eternamente por agora ficar sempre de olho nessa categoria.

Mr. Hublot é um curta francês que levou três anos pra ser finalizado e que encantou tanto a academia no ano passado que conseguiu superar “Get a Horse”, curta da Disney indicado ao prêmio e que era o grande favorito da noite. A animação se passa em um mundo robótico, onde um senhor que sofre de TOC (transtorno obsessivo compulsivo), mora sozinho e enfrenta um terrível medo da “vida lá fora”, se vê abrigando um cachorro-robô que estava abandonado na rua. A relação de amizade, companheirismo e bagunça que o cachorro traz na vida do senhor Hublot transforma completamente a sua rotina e muda também a forma como o protagonista passa a se enxergar no mundo.

Com efeitos visuais lindos (eu fico completamente encantada com as cenas da cidade e dos mecanismo que o senhor Hublot cuida), o curta foi produzido pela dupla Laurent Witz e Alexandre Espigares e é daquelas histórias que a gente assiste e não consegue não se encantar.

Paperman é um curta de animação da Disney que tem como pano de fundo a linda New York dos anos 40. É nesse cenário que um casal se apaixona à primeira vista e acaba se encontrando e desencontrando de uma forma bastante curiosa (e fofinha!) pelas ruas e prédios da cidade. Dirigido por John Kars, Paperman levou o Oscar pra casa e felicidade em dobro pra Disney, já que fazia 43 anos que o estúdio não conseguia ganhar a estatueta nessa categoria.

Todo em preto e branco e com efeitos visuais lindos, Paperman encanta sem fazer muito esforço. Assisti o curta pela primeira vez no cinema (ele passava na abertura de Detona Ralph), e lembro que fiquei com uma sensação mega leve e com um sorrisinho feliz de canto de boca. Acho linda essa ideia que o curta explora de que mesmo durante a correria do dia a dia, dessa coisa louca de trabalho e mais trabalho, seja possível que coisas tão maravilhosas aconteçam. É como dizem, né, o amor pode estar onde menos se espera (:

The fantastic flying books of Mr. Morris Lessmore, vencedor no Oscar 2012, é uma homenagem ao livros, aos apaixonados por livros e as histórias maravilhosas que só eles nos oferecem e nos fazem viver. Dirigido pela dupla William Joyce e Brandon Oldenburg, o Morris Lessmore do título é levado por um furacão (a semelhança com O Mágico de Oz não é à toa) para um lugar onde livros ganham vida e precisam de alguém que lhes dê atenção e carinho. Todas as cenas, as mudanças de cores, a fotografia (ai, essa fotografia <3) desse curta me deixam à flor da pele e muito emocionada.

Vale dizer também que, ainda nesse ano, um dos indicados nessa categoria foi La Luna, um dos meus curtas preferidos da vida. Aqui o link dele pra quem quiser assistir.

The Lost Thing mesmo tendo um enredo completamente diferente de Paperman, me lembra um pouco o curta vencedor de 2013 porque também faz a gente refletir sobre a importância de olhar para o nosso dia a dia sempre de uma maneira nova, procurando enxergar as coisas lá escondidas que ninguém mais vê.

Essa animação australiana foi dirigida por Andrew Ruhemann e também por Shaun Tan, o autor e ilustrador do livro que deu origem a essa produção. O curta conta a história de um garoto que um dia, passeando pela praia, encontra uma criatura perdida que ninguém mais parece notar e se importar. Ele acolhe a criatura e passa a procurar um novo lar para que ela possa viver.

Cheio de poesia e com uma mensagem muito bonita, The Lost Thing concorreu nesse ano com Day & Night, uma animação fofita e engraçadinha demais da Pixar que passou antes de Toy Story 3 nos cinemas.

Logorama é um curta francês que aposta numa linha completamente diferentes dos últimos vencedores do Oscar nessa categoria. Ele é uma sátira ao consumismo desenfreado e a presença de marcas e logos em todas as coisas que fazemos, usamos e queremos no nosso dia a dia.

Dirigido por François Alaux, Hervé de Crécy e Ludovic Houplain, a animação se passa nas ruas de Los Angeles, em uma perseguição de dois policiais a um criminoso. O que a torna realmente especial é que os policiais da história são representados pelos bonecos símbolos da Michelin enquanto o bandido em fuga é ninguém menos que Ronald McDonald. Ao longo da perseguição, propagandas, símbolos e personagens famosos de marcas aparecem em todos os cantos da cidade e são tantos detalhes que é preciso assistir muitas e muitas vezes pra se enxergar tudo.

Inteligente, irônico e com uma grande crítica por trás de si, Logorama foi um sucesso gigante em 2010 e é até hoje um curta lembrado pela forma engenhosa com que foi feito.

Bisous, bisous

Little Vlog | Bookshelf Tour #2

A segunda (e última) parte do Bookshelf Tour do blog tá no ar (uhull!)  e dessa vez consegui ser um pouco mais sucinta, já que normalmente eu começo a falar sobre livros, me empolgo e quando vejo já foi meia-hora :p

Espero mesmo que vocês curtam a gravação e contem aqui nos comentários o que já leram ou querem ler dos livros que aparecem no vídeo. E ah, quem aí tiver bookshelf tour gravado, deixa o link aqui também!

Livros citados no vídeo e o link da sua resenha no blog:

MarilynNorman Mailer

Quinta avenida, 5 da manhã – Audrey Hepburn, Bonequinha de Luxo e o surgimento da mulher moderna  – Sam Wasson

Dormindo com o Inimigo – A Guerra Secreta de Coco Chanel – Hal Vaughan

Serena – Ian Mc Ewan

A Guerra dos Tronos – As Crônicas de Gelo e Fogo – George R. R. Martin

A Fúria dos Reis – As Crônicas de Gelo e Fogo – George R. R. Martin

A Tormenta de Espadas – As Crônicas de Gelo e Fogo – George R. R. Martin

Feios – Scott Westerfeld

Perfeitos – Scott Westerfeld

Morte Súbita – J. K. Rowling

O universo mágico de vídeos da Kate Spade

Eu não posso falar em nome de todas as garotas do planeta (apesar de desconfiar que nesse caso até rolaria abrir uma exceção), mas posso falar que pra mim a Kate Spade é a típica marca suspiro. Suspiro pelas roupas, suspiro pelos acessórios, suspiro pelos sapatos, suspiro pela estética, suspiro por essa garota Kate Spade que conforme a gente vai conhecendo mais e mais da marca, vai catando que é uma menina toda sonhadora, que ama ler, se veste de um jeito todo lady like, – mas que também sabe ser básica com detalhes de interessância – que ama tons pastel, poás, macarrons, pequenos prazeres do dia a dia e músicas com cara de antiguinhas – mas que tem todo um gingado moderninho.

Pode parecer exagero, mas pra mim a Kate Spade é uma das marcas que mais tem definida o público consumidor a que se destina. E, no meio do caminho, mesmo as meninas que não são totalmente essa garota Kate Spade acabam se identificando com muito do universo da marca e amando também. Tipo histeria coletiva, sabe? haha.

Mas essa garota Kate Spade mesmo, essa que reúne todas as características da marca, tem uma imagem muito viva na nossa cabeça. E se tem algo que reproduz perfeitamente essa imagem para o nosso “mundo real”, com certeza são os vídeos produzidos por eles, que de um monte de maneiras diferentes traduzem essa garota-musa muito bem.

Reuni então 10 vídeos da Kate Spade (sim, 10, porque aqui é amor mesmo haha) que na humilde opinião desta que vos escreve são os dez vídeos mais fofos, girlies e representativos dessa imagem de menina inspiradora da marca. Eu amo todos de maneiras diferentes e acho que eles têm umas sacadas muito legais de como transmitir um mesmo espírito de alegria e feminilidade usando histórias, lugares e brincadeiras diferentes, porém extremamente belos.

Já aviso que eu não segui a ordem deles de lançamento e muito menos de preferência (isso seria impossível!), mas achei que a seleção final ficou bem legal. E o bom é que esse post já serviu também pra inaugurar a categoria de listas aqui do blog, que eu tava querendo fazer há um tempão.

E agora, chega de mais delongas.  Dá o play e vem se divertir junto comigo!

A Kate Spade fez uma parceria com a grife de bicicletas Adeline Adeline e sob a batuta da designer Julie Hirschfeld foi criada a própria bike da marca. Toda vintage, com cestinha e selim de couro. Morrendo de amores em 3,2,1…

Amo que o vídeo resume todos os benefícios da bicicleta sem ficar merchan demais, tipo mostrando que você pode usar a cestinha dela pra passear com o cachorro ou levar flores para casa, que o modelo dela é confortável a ponto de você passear de vestido e salto e que ela é uma alternativa inteligente e sustentável em meio ao trânsito das grandes cidades. Fora que as paisagens e as cores que aparecem no vídeo são uma delícia à parte.

Só a Kate mesmo (intimidades) pra transformar o vídeo da sua campanha de primavera 2012 literalmente em uma dança das cadeiras. Enquanto as meninas vão brincando para ver quem consegue sentar em todas as rodadas – tudo isso ao som de musiquinhas divertidíssimas – a câmera vai focando nos detalhes da nova coleção, toda com ilustrações da artista australiana Florence Broadhurst.

“This is the story of a charming girl
she laughs out loud, sings off key and believes in taking chances
she is quick and curious and playful and strong
she lets her imagination run away with her
she has never been one to stick to convention
she is fond of daydreams that take her places
she can order a cocktail in six different languages
she feels that understated is overrate

E essa é a história da garota criada pela Kate Spade (de quem eu quero ser BFF), nesse vídeo fofo gravado em uma casa em Covent Garden, Londres, onde a marca fez uma loja pop-up de um mês. Ah,  a música fofa de fundo se chama “I will never love you more” e é da francesa Soko.

Essa campanha da Kate Spade é a mais recente da marca e tem um nome que traduz muito bem seu espírito, afinal, o vídeo todo é cheio de brilhos, luzes, glamour e celebração, bem a cara do Natal e das festas de final de ano.  Mas o mais legal mesmo dessa campanha é que nela a Kate apostou em uma maneira diferente de vender seus produtos. No vídeo original, que dá pra ver aqui nesse link, conforme as cenas da historinha vão se desenrolando, os produtos mostrados – roupas, bolsas, acessórios, etc – aparecem numa barra de rolagem no canto inferior. Por ali, é só você clicar no que gostou que você compra o produto na hora.

Diz se não é sensacional?!

A campanha de outono 2013 da KS leva a gente para passear pelas ruas de Nova York, – tema chave dessa coleção que se inspirou nas cores, arquitetura e sons da cidade – acompanhando uma garota em busca de pistas secretas. No final do vídeo (spilers! haha) a gente descobre que essa caça ao tesouro tinha como prêmio final a 2 Park Avenue Beau, bolsa bapho da marca.

Não só acho o vídeo uma gracinha (adorei que uma das pistas tava no livro), como também acho essa coleção super clássica e elegante.

Na campanha de verão 2012 da KS, para celebrar a empreitada da marca também na moda praia, com roupas e acessórios girlies para o mundo aquático foi gravado esse vídeo que em tradução livre seria algo como “mergulho de cisne ou bala de canhão?” Tem toda a bossa de sempre da brand levada para um dia de muito sol na beira da piscina. Uma delícia!

Essa é uma das ideias de vídeos mais legais que a KS já fez e, – olha que legal! – ele não foi gravado especificamente para divulgar nenhuma coleção! Roupas e acessórios, aliás, só aparecem no look da menina de bicicleta. A ideia da marca, na verdade, é simples e fofa: dizer boas-vindas para a primavera de um jeito ‘fresco, otimista e colorido’. E, para isso, a Kate Spade usou dezenas de cataventos, que todos juntos e pendurados na grade, formam uma imagem tão gostosa de ver que a gente até sente como se essa brisa também estivesse batendo aqui.

Mas gente, e esse inverno 2012 da Kate cheio de cores e bolonas e patins e dancinhas e uma musiquinha animada?! Ah <3 E detalhe que essa pista de patinação foi improvisada dentro da galeria Robert Miller, em Manhattan (chique!). Nesse clima de diversão fica impossível a gente não arriscar uns passinhos junto com as meninas.

Essa animação é meio que o resume daquilo que a Kate Spade bate na tecla em todos os seus vídeos: vamos viver uma vida altamente colorida e bem-humorada! Além disso, ele foi produzido pela Lacey, que tem no seu portfólio a produção de vídeos incri para marcas de peso como Louis Vuitton e Coca-Cola.

Vamos viajar?

No verão 2013 da marca, a gente aprende que fazer mala não precisa ser assim uma coisa chata. Dá pra se divertir sim arrumando as roupas, acessórios e makes que a gente vai usar nas nossas férias de verão. Seguindo a regra número um, é claro, de que tudo deve ser sempre bem colorido 😉

Para mais vídeos da Kate Spade (sim, são muitos!) é só clicar.

E me contem se vocês gostam de posts assim, estilo “listinha”.

Bisosu, bisous