Shooting: vestido vintage e colar courado com pérola

{God Help The Girl – Emily Browning}

Essa é a primeira vez que faço uma sessão de fotos para o blog e tenho certeza de que a estreia dessa categoria de shootings não poderia ter começado de um jeito mais legal!

Resultado de uma parceria com a loja Rosegal, – lembram quando eu falei sobre ela aqui, explicando direitinho como comprar por lá? – esse vestido vintage lindo (rodadão do jeito que eu gosto) e o colar de pérola foram pedidos por mim pra um review mais detalhado.

Fiquei muito interessada quando vi eles no site porque além do vestido ter essa silhueta em A que eu tanto gosto e ter cores neutras que são mais fáceis de combinar com sapatos e acessórios, o colar é super delicado e clássico, e pérolas estão no topo da minha lista de paixões.

O vestido faz parte da categoria “Vintage Dresses”, é feito de poliéster, tem tamanho único, custa $20,91 e é extremamente confortável. Eu gostei muito da sua parte de baixo porque a saia é rodada na medida certa, com um volume bem gracinha que não fica exagerado. O zíper de trás é bem resistente e eu gostei de como ele vestiu no meu corpo. Sabe quando você veste uma roupa e se sente bem dentro dela? Mais bonita e confiante? Pois foi assim com esse vestido.

O colar dourado tem uma pérola solitária na sua ponta bem delicadinha. Ele faz parte da categoria “Acessories”, custa $3,53 e tem seu comprimento em torno de 22cm a 25cm, o que não o deixa muito justinho no pescoço e faz a pérola ganhar destaque sobre a roupa.

Uma coisa bem legal a se dizer da encomenda foi que os produtos chegaram bem depressa aqui em Bauru. Sete dias depois de postados eles já estavam no Brasil (muito, muito rápido!) e depois só demoraram mais onze dias pra vir dos correios de Curitiba até aqui. No total, achei um tempo mais do que excelente pra uma compra internacional.

Espero que vocês tenham gostado das fotos – que foram todas batidas pela amiga de todas as horas Ariane Silva (thanks, Ari!) – e deem um pulinho lá no site da Rosegal pra conferir os outros muitos produtos que eles têm.

Bisous, bisous e boa semana!

A hora do sim

Foram 11 anos de namoro entre a minha irmã e o Murilo. 11 anos de uma história que eu vi em parte diariamente, na época em que eu ainda morava em Leme e eu e minha irmã dividíamos o mesmo teto (aliás, não só o mesmo teto, mas também o mesmo quarto, que agora perdeu sua última moradora) e outra parte esporadicamente, nos feriados ou finais de semana em que eu ia visitar minha família.

11 anos. 132 meses. 4015 dias.

Agora para pra pensar quanta história cabe em todo esse tempo.

Acho que exatamente por ter acompanhado tantos dias, tantos momentos e tantas histórias dos dois, que esse casamento foi muito importante pra mim.

Foi uma honra ter sido chamada pra madrinha, é claro. E confesso, foi muito emocionante também. Nunca fui madrinha na vida e fui bem saltitante mandar fazer o vestido (do jeito, tom e detalhes exatos que eu queria), organizar o chá de panela, planejar o cabelo, ajudar na escolha dos docinhos (essa parte foi bem boa mesmo) e todas as coisas que desde o começo do ano foram acontecendo e saltando na agendinha de “tarefas da madrinha”. Mas acho que ainda mais importante do que ter sido chamada pra ocupar um lugar na igreja mais perto dos dois, foi ver uma história de 11 anos, que eu acompanhei toda de pertinho, ter um novo começo.

Olha, não quero entrar em méritos sobre religião nesse post. Até mesmo porque eu tenho umas opiniões bem contundentes sobre o assunto, já que acredito que o casamento independe da festa, da cerimônia religiosa, do papel passado ou não, do que os outros pensam. Tem a ver só com esse momento em que a gente tem certeza de que é isso. É essa pessoa mesmo que vai ficar do nosso lado sorrindo junto, segurando as pontas juntos, criando um gato ou cachorro, dividindo sonhos, torcendo e fazendo parte da nossa felicidade. Por tanto tempo quanto a vida permitir.

Casamento pra mim sempre significou isso. E ver duas pessoas que eu tanto gosto e que são tão importantes pra mim chegando nesse momento da vida em que as duas pensam “é isso”, é extraordinário. E meio mágico também.

As fotos aqui desse post são, portanto, uma maneira de lembrar e re-comemorar esse momento tão bonito, para a Fer e para o Murilo, é claro, mas também pra quem entende quanta beleza existe por trás dessas fotos.

A maioria das imagens é um apanhado de fotos de facebook de amigos e da minha máquina (que o Diego que bateu), mas as de rosto foram batidas pela talentosíssima – responsável pelo cabelo e maquiagem meu e da minha irmã – Juliana Balduino. Além de maquiadora, a Ju dá cursos de maquiagem e tem um canal maravilhoso no youtube que vale a pena conferir. Segue o link. Vale também falar que meu vestido foi feito pelo Ricardo Miller, que foi um anjo e ouviu atentamente todas as instruções (e chatices) que eu queria nele. Fiquei meio enfofada que algumas pessoas me disseram que eu tava parecendo a Elsa do Frozen <3

E um último parabéns e abraço (virtual também valé, né?) para os noivos. Obrigada mesmo por ter deixado eu também fazer parte dessa história.

Bisous, bisous