Por onde andei escrevendo

Hoje é dia 25 de dezembro, também conhecido como dia de Natal, e eu decidi parar um pouco com a comilança e as comemorações para fazer uma retrospectiva aqui no blog. Só que um pouco diferentes daquelas retrospectivas mais pessoais – que eu também amo fazer e talvez até traga para o blog antes do ano acabar -, essa daqui é apenas focada em uma coisa (que não por coincidência é também uma das coisas que eu mais amo fazer na vida): escrever.

Montei uma lista desavergonhadamente egocêntrica de textos que escrevi esse ano e que não só foram legais demais de fazer, mas que também me deram um orgulho danado do seu resultado. Tudo, é claro, com seu devido link relacionado, e a torcida para que vocês não hesitem em clicar e ler cada uma dessas matérias!

Johnny Tattoo Studio

Esse ano continuei a escrever para o Johnny Tattoo e lá em fevereiro falei sobre os filmes que estavam concorrendo na categoria de melhor figurino do Oscar. “Animais Fantásticos e Onde Habitam” acabou levando a estatueta para casa, mas no texto falo um pouquinho sobre todo os longas, e como os figurinos de cada um foram pensados e produzidos.

Por onde andei escrevendo

Croquis de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” – Imagens: Divulgação

Conexão Teen

Fiz uma matéria para o Conexão Teen falando sobre como podemos usar as roupas do namorado misturando elas com as roupas do nosso próprio armário. A ideia do texto era fazer a gente sair da caixinha na hora de pensar nosso looks e trazer algumas referências legais de combinações para peças específicas.

Por onde andei escrevendo

Imagem: Pixabay

aLagarta

Em 2017 estive mais uma vez participando da aLagarta, uma revista digital que tem foco na liberdade criativa e que já está na sua 22ª edição (tô na revista desde a 8ª!). Dessa vez, o desafio foi ainda maior, porque me aventurei pelo campo da ficção de um jeito que nunca tinha feito antes. O resultado foi o texto “Sobre a vida quando já não se há mais vida”, um escrito que reacendeu em mim a vontade de escrever um livro.

Por onde andei escrevendo

Foto: Divulgação

No Episódio Anterior

A maravilhosa newslettter No Episódio Anterior me chamou para participar do especial de convidados que eles fizeram entre setembro e outubro, e eu muito feliz escrevi sobre Confissões de Adolescente, uma série que marcou minha vida. O texto me deu um quentinho bom no coração enquanto eu o estava escrevendo e continua a causar o mesmo efeito sempre que o leio.

Por onde andei escrevendo

Imagem: Divulgação

Site Todateen

Desde abril até o começo de dezembro passei a escrever um texto por dia, de segunda a sexta, pro site da Todateen. Foi uma experiência muito, muito incrível e que me ensinou um zilhão de coisas sobre esse universo.

O “problema” é que com tantos textos que eu amei escrever publicados lá no site, foi muito difícil escolher quais compartilhar aqui. Mas, com muito esforço, cheguei em uma seleção dos que mais me marcaram (por diversos motivos) e que me dão muito orgulho.

Plus: um videozinho entrevistando a Malena, que gravei na cobertura de um evento pra tt.

Revista Todateen

E para encerrar o ano com chave de ouro, escrevi um texto para a edição de dezembro da Todateen sobre viagem de formatura. Essa edição, aliás, foi comemorativa de 22 anos (!) da revista, o que só deixou essa matéria ainda mais especial para mim. <3

Por onde andei escrevendo

Imagem: Divulgação

Espero que vocês tenham curtido ler essas matérias tanto quanto eu amei escrevê-las, e para encerrar esse post, queria agradecer muito a quem acompanhou meus textos esse ano, seja aqui ou em qualquer um desses lugares que citei. Vocês fizeram esse 2017 valer ouro! Um beijo e Feliz Natal :)

Sobre os últimos e os próximos dias

http://charlottedaydesign.com/

Como vocês devem ter notado, durante esse mês tem rolado post quase todos os dias aqui no blog. Digo quase porque nos finais de semana eu me permiti ficar longe da internet (exceto no primeiro final de semana do mês, em que falei sobre minha mudança de visual e fiz a resenha de Precisamos falar sobre o Kevin) e também porque houveram dois dias ~normais~ em que também não postei, já que precisava entregar alguns freelas.

A minha vontade de escrever mais por aqui vem de dois motivos: o primeiro é que eu sentia que tava muito displicente com a minha escrita, e ainda que o blog seja apenas um hobby, eu gosto de o levar bastante a sério. E o segundo é que sentar na frente do computador e escrever todo dia tem me ajudado muito no projeto-mor desse ano – e de que eu falei nesse post aqui. Ter mais foco é a minha grande meta de 2016 e ainda que a internet seja uma das minhas maiores aliadas nesse processo, ela também é uma das minhas maiores inimigas. Louco, não?

Quando eu preciso sentar aqui e fazer algo rápido e sério e que na maioria das vezes envolve escrita, eu acabo demorando muito mais tempo do que deveria porque me distraio facilmente. E não dá pra ser assim. Se eu não sou assim no trabalho, por que raios vou ser assim na minha casa?

Foi por tudo isso que decidi que iria tentar postar todos os dias esse mês e, hoje, 20 dias depois, venho aqui contar que tenho conseguido fazer isso com bastante sucesso. 😀

http://charlottedaydesign.com/

Como eu não deixo os posts agendados, todo dia depois do trabalho (em que, aliás, eu já tava escrevendo, só que pra revistas), eu tenho que vir aqui na frente do computador e escrever sobre o tema do dia.

Tenho que admitir que tá sendo mega cansativo. Mas tá valendo a pena. Eu tenho conseguido focar muito mais nos textos, indo lá e fazendo o que tem de ser feito, sem muita distração. E isso tá me ajudando muito, inclusive em freelas que eu tenho conseguido fazer com mais rapidez.

Por outro lado, existem alguns dias em que eu fico completamente sem ideia do que postar. Eu sou muito movida a inspiração e o blog tem essa função de ser o lugar onde eu deposito tudo isso, além das minhas dúvidas, meu dia a dia, meus gostos, minha visão da moda… E se não tem algo que eu ache verdadeiramente legal e interessante pra escrever, eu deixo quieto e espero surgir um novo tópico na minha vida. Postar ~qualquer coisa~ só por postar não rola e deturpa completamente a ideia que eu faço da blogosfera.

Portanto, encerro esse post com duas considerações. A primeira é que de tão positiva que tá sendo a experiência desse mês, eu quero leva-la – ainda que de forma muito menos rigorosa – pra frente, ou seja, que mesmo depois que abril acabar, a ideia é postar ainda com bastante assiduidade aqui no blog. Não vai ter post todo dia, mas vai ter muito mais post do que tinha antes.

A segunda é que tanto agora em abril quanto depois que o mês terminar, eu já imagino que vão rolar alguns dias de “falta de inspiração” de temas. Normal, né. E aí queria pedir a ajuda de vocês pra me ajudarem com sugestões. Vale TAG, bate papo, resenha, história de algum estilista, o que vocês acharem interessante. Se for algo que me inspire, que me faça pensar, que me chame a atenção, certeza que eu vou escrever sobre o assunto aqui. E mesmo que não role de fazer exatamente aquilo que foi sugerido, às vezes uma ideia dada me ascende outra na cabeça  e isso acaba virando post também.

Então, é isso. Espero muito contar com a ajuda de você! E podem deixar ideias aqui ou em qualquer outra rede social, mandar email, etc, que eu vou olhar tudo. Qualquer sugestão é mais do que bem-vinda!

Bisous, bisous e até amanhã.

– As ilustras desse post fazem parte de uma série linda, linda da ilustradora Charlotte Day. Aqui o link do site dela, cheinho de imagens maravilhosas.

Eu escrevo, tu escreves

Eu admiro pessoas que conseguem escrever com leveza. Gente que consegue transformar um tema quase considerado bobo, como, sei lá, o brinquedo novo que comprou para o cachorro, em algo que a gente tem um prazer gigantesco de ler. E com a mesma maestria, de um jeito descomplicado que é de dar inveja, vai lá e fala também sobre a viagem que mudou a sua vida, sobre como é ter o emprego dos sonhos, sobre uma história de amor que já viveu, e sobre qualquer outro tema enorme e profundo, de um jeito descolado de quem tá contando um causo para um amigo no bar.

Ainda que eu não seja nenhuma especialista em técnicas de escrita, nesses muitos anos de ávida leitora e nesses outros tantos como jornalista, eu aprendi a ver e apreciar diferentes estilos de texto. Só que muito raramente, quando menos eu espero, alguém assim aparece. Alguém que escreve de um jeito que eu paro e penso: é isso. Essa pessoa conseguiu.

Vejam bem, eu amo escrever matérias. Pesquisar, selecionar informações, responder ao lead e desenvolver o texto de um jeito que informe, que envolva, que cutuque o leitor. E amo escrever ficção. Taí algo que talvez vocês não saibam sobre mim, mas eu sempre tive um apreço especial por textos em que eu podia criar a minha própria história. Tanto que foram por causa desses textos que eu decidi cursar a universidade que cursei. Mas o fato é que eu tenho esse amor escrachado, desbundado, sem o mínimo pudor por textos que tenham um pé ali entre a crônica e a carta, entre a conversa de portão e o bilhetinho deixado correndo na geladeira.

Textos que falem sobre a vida, ou sobre parte dela, sobre um dia, ou sobre morrer de amor. Textos de gente com o Caio Fernando Abreu (um dos meus escritores preferidos), que falam com a mesma intensidade e loucura sobre conviver com uma doença como o HIV ou sobre as previsões do horóscopo.

Textos como esse que li essa semana, do Leo Aversa. Tão corriqueiro, tão divertido e leve. Uma gostosura de ler.

Ou textos ainda como os que o Gian Lucca escrevia para o GWS. Sempre sobre umas paradas doidas que passavam pela cabeça dele e que eram maravilhosamente alucinantes de acompanhar.

Me encham de textos assim na vida, por favor. Me deixem ir ali mergulhar neles. De corpo, cabeça, alma e inspiração.

Bisous, bisous e até amanhã!