O que aconteceu em 2017

Vou ser sincera: eu não tenho muito do que reclamar de 2017.

Eu comecei o ano de casa nova, depois de ter saído de um apartamento onde eu e Diego éramos muito felizes, mas onde já não fazia mais sentido estar. Mudamos entre o Natal e o Ano Novo, e passamos a virada do ano aqui, no nosso canto novo, comemorando a chegada de 2017 com um jantar feito pelo Di, sem nem imaginar o tanto de coisa que nos aguardava nos próximos 365 dias.

O que aconteceu em 2017

Foi em 2017 que eu terminei meu curso de inglês. depois de dois anos de aulas incríveis e um professor de que eu sempre vou sentir saudades. E tudo bem que eu ainda não seja fluente no idioma (estamos trabalhando pra isso melhorar), mas é inegável o quanto evoluí. Os jogos em inglês que joguei esse ano não me deixam mentir.

Aliás, por falar em jogos, 2017 foi o ano deles.

Eu descobri um amor por jogos que nem sabia que existia em mim. Nunca fui tão assídua na steam e nunca joguei tanto. Life is Strange, The Legendo of Zelda, Cuphead e Stranger Things são só alguns nomes, assim como CS:GO, jogo que há um ano eu jamais pensaria que ia jogar e muito menos acompanhar os campeonatos.

O que aconteceu em 2017

2017 foi o ano em que eu e Di conhecemos Bueno Aires, uma cidade que tem um charme muito peculiar e pela qual eu me apaixonei. Foi o ano em que minha sobrinha, a Gigi, nasceu e assim acabei voltando muito mais pra Leme. O ano em que comecei a fazer pole dance, trabalhei feito louca e fiz fotos muito legais para o blog.

2017 foi o ano em que renovei amizades, em que trouxe gente que amo e me faz bem ainda mais pra perto, e em que percebi que algumas pessoas entraram mesmo na minha vida pra ficar. Foi o ano em que fui madrinha de casamento de uma das minhas melhores amigas, uma pessoa incrível que tá na minha vida há quase 20 anos.

O que aconteceu em 2017

2017 foi o ano em que eu e o Diego voltamos a ver um show do Paul McCartney juntos, sete anos depois de termos assistido uma apresentação dele pela primeira vez. Foi o ano em que decidimos planos maiores para as nossas vidas, já com data marcada e tudo. O ano em que fomos na exposição do castelo Rá-Tim-Bum em São Paulo, e o ano em que conhecemos ainda mais bares, restaurantes e cafés – um “passatempo” de que eu nunca me canso.

O que aconteceu em 2017

2017 foi o ano em que não li tanto ou vi tantos filmes quanto gostaria, mas foi o ano em que mais fui ao cinema e o ano em que tive poucas, porém incríveis leituras.  Foi o ano em que meu cabelo cresceu, engordei alguns quilinhos, abracei meus gatos um dia sim e no outro também, e maratonei séries como se não houvesse amanhã.

2017 foi o ano em que muita coisa mudou por fora, mas principalmente por dentro. O ano em que eu mais cresci e o ano em que antigos sonhos que pareciam meio adormecidos voltaram a inquietar minha cabeça. Um ano muito bom, desses pra ficar na memória.

Que 2018 seja ainda mais maravilhoso e inesquecível do que ele foi. Pra todos nós.

Feliz ano novo e até janeiro!

TAG: 15 coisas legais que aconteceram em 2015

Meu 2015 foi um ano loucamente confuso, é verdade, mas foi também um ano loucamente importante. Muita coisa aconteceu desde o dia 01/01 até aqui e ainda que tenham rolados alguns tropeços no meio do caminho, problemas sérios (que, ainda bem, foram devidamente solucionados) e momentos em que eu me senti completamente perdida, tiveram muito mais momentos libertadores, lindos, emocionantes, inspiradores e apaixonantes em 2015.

Eu não poderia jamais reclamar de um ano que me ensinou tanto, que me fez crescer, profissional e pessoalmente, e que fez eu gritar de felicidade muitas vezes. A real é que eu tenho muito a agradecer e muito a comemorar por esses últimos 365 dias.

Essa tag aqui, criada originalmente pela Bruna Vieira do Depois dos Quinze, é, portanto, uma forma de eu fazer isso. Ela relembra os 15 momentos mais marcantes do meu ano, me faz revivê-los um pouquinho e me enche de vontade de fazer de 2016 um ano tão ou mais importanto do que esse.

Porque, afinal, esse espírito de final de ano tá sendo um só: olhar pra trás com um sorriso no rosto de felicidade e olhar pra frente com uma vontade danada de botar pra quebrar e fazer acontecer.

A viagem dos meus sonhos aconteceu em 2015 e foi ainda mais bonita do que eu imaginava. Conhecer Londres e Paris, especialmente ao lado do Diego, foi uma sensação indescritível.

Ver a Torre Eiffell, andar pela Champs-Élysées, passear na London Eye, chorar de emoção na Abbey Road, sentir o cheiro dos jardins de Versailles, tomar café na cafeteria onde foi gravado “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, brincar na plataforma 9 3/4 e ver a imensidão do Big Ben foram só algumas das emoções que essa viagem me proporcionou. O que ficou de tudo isso foram duas certezas: a de que nunca vou esquecer esses dias em que estive por lá, e a de que sei que vou voltar e aproveitar essas duas cidades ainda mais.

Uma coisa que eu queria muito fazer em 2015 era ir mais em shows, porque apesar de eu escutar muita música em casa, no trabalho, no banho, na rua e em praticamente todo lugar, shows não costumavam figurar na minha lista de programas corriqueiros. E eu consegui! Meta anotada e meta cumprida! Fui em três shows esse ano: do Capital Inicial e do Roupa Nova aqui em Bauru mesmo, e do Los Hermanos em São Paulo.

Viajar de trem era algo que eu queria fazer há muito tempo. Muito tempo mesmo. Eu nunca nem tinha botado os pés dentro de um, e achei que não poderia haver situação mais propícia pra finalmente fazer isso do que dispensar o avião e ir de trem de Londres pra Paris. Além de ser mais barato e rápido, foi muito mais divertido e interessante: as paisagens são lindas e em determinado momento da viagem você passa em um túnel por baixo do Canal da Mancha, que apesar de ser todo escuro, dá um frio enorme na barriga só de pensar que você tá há 50m abaixo do mar, e em uma região histórica tão incrível.

2015 foi o ano em que eu verdadeiramente me descobri feminista. Eu aprendi uma infinidade de coisas sobre o movimento e sei que vou aprender muito mais sobre isso em 2016, especialmente por causa da Babi, que tá sendo uma guia pra mim nisso tudo. Quando eu estiver mais preparada (porque eu acho mesmo que ainda não tô o suficiente), eu quero vir aqui e conversar sobre isso com vocês. Vai ser muito importante pra mim e espero que também seja legal e empoderador pra quem ler.

2015 foi o ano em que eu tomei coragem pra fazer shootings aqui no blog e o resultado foi muito mais legal do que eu imaginava. Um deles foi em maio, e foi absurdamente especial e belo porque foi fotografado pela Natália Dian, uma amiga fotógrafa muito querida, que tá aprontando todas agora na Alemanha, mas que quando estava aqui no Brasil me deu esse presente maravilhoso. As fotos ficaram incríveis e eu fiquei completamente apaixonada por todo o ensaio.

Em abril eu mudei de equipe e de turno na editora onde trabalho, e junto com isso acabei mudando também toda minha rotina de horários. De uma menina que dormia tarde (muito tarde mesmo), acordava tarde, dormia mal e pulava o café da manhã eu me transformei em alguém que dorme antes da uma da manhã, – o que não faz muito tempo era meio que inimaginável pra mim – acorda cedo, toma café e as sete e meia já tá na frente do computador trabalhando. Isso foi uma mudança absurda na minha vida porque eu não apenas tenho conseguido dormir seis horas quase todo dia, como passei a me alimentar melhor, engordei o quanto queria e me sinto mais desperta o dia todo.

Claro que eu continuo amando as madrugadas haha, mas consegui finalmente acertar meus horários e ganhar mais qualidade de vida na minha rotina.

Aconteceram duas coisas profissionais muito legais esse ano. Eu comecei a escrever para o Johnny Tattoo Studio em uma coluna quinzenal sobre moda (aguardem que em 2016 a coluna não só continua como já tô cheia de ideias de temas que quero escrever) e tive a oportunidade de voltar a trabalhar com o Lu, meu ex-chefinho da Luminosidade, na montagem da exposição do FFW Fashion Tour aqui em Bauru. Foi uma correria, uma loucura, mas muito maravilhoso.

Em 2015 eu e o Di completamos seis anos de namoro, viajamos juntos pra Londres e Paris, nos organizamos melhor pra poder cuidar do Batman, dividimos mais um ano sob o mesmo teto, assistimos a uma lista gigante de filmes juntos, nos amamaos cada dia mais e estivemos lá um pelo outro em todos os momentos. Eu olho pra isso tudo e só consigo pensar em como é maravilhoso ter alguém assim do nosso lado, que decide embarcar nessa aventura doida que é a vida juntinho com a gente.

Quando estava em Londres, descobri que a exposição Alexander McQueen: Savage Beauty também tinha acabado de chegar na terra da rainha. Ela estava sendo exposta no Victoria and Albert Museum, um dos museus mais maravilhosos de Londres, que se dedica em grande parte à história da moda. Consegui ingressos de última hora e fui ver essa exposição que é uma das coisas mais belas que já vi na minha vida e que rendeu um post aqui no blog pelo qual eu tenho o maior carinho.

2015 foi um ano de reforçar os laços, o carinho e a lealdade com amigos de longa data, mas foi também um ano de novas amizades. Gente que me ensinou, que me inspirou, que me fez aprender um pouquinho mais sobre diferenças (e sobre como aceitá-las). Eu desejo muito que essas pessoas continuem ao meu lado em 2016 – e por muito mais tempo depois disso – e que o ano que vem traga novos laços, novas pessoas, novos aprendizados.

Uma das metas de 2015 era voltar a estudar numa sala de aula. E já que isso era algo que tava me fazendo falta de verdade e eu queria muito praticar minha conversação de inglês (que é, de longe, minha maior dificuldade com o idioma), juntei as duas vontades em uma realização só: comecei um curso de conversação aqui em Bauru que faço todas as segundas-feiras à tarde. O mais incrível disso tudo é que na minha aula, além de aprender a conversar em inglês, eu aprendo um pouquinho de tudo. De música à literatura, de cinema à política. Eu adoro meu professor, adoro as pessoas da minha sala e os debates que rolam. Mal vejo a hora de voltar do recesso do final de ano pra continuar a aprender um mundaréu de coisas.

Eu não vi muitos filmes em 2015, é verdade (pelo menos não tantos quantos eu vi no ano passado), mas nesse ano fui muito mais ao cinema, comi muita mais pipoca, tomei muito mais coca e me emocionei ainda mais ao ver filmes tão maravilhosos assim na telona. De Divertida Mente a Star Wars, de Jogos Vorazes: A Esperança – O Final a Operação Big Hero, sessões de cinema são uma coisa que povoaram meu 2015 e que eu espero que povoem meu 2016.

Não é segredo pra ninguém que eu sou fissurada em restaurantes e cafés, e adoro descobrir estabelecimentos assim novos pra ir. E o que definitivamente não faltou esse ano foram idas a restaurantes e cafés, fosse pra comer comidas doces ou salgadas, ou às vezes só para tomar uns bons drinks. Descobri vários lugares novos (e ótimos!) e redescobri outros diversos lugares que são sempre uma delícia de estar, que são super confortáveis e aconchegantes.

Desde que criei esse blog aqui eu tento me jogar um pouquinho mais no universo da beleza – que nunca me interessou tanto quanto o universo da moda, por exemplo, – e aprender um pouquinho mais sobre maquiagem. Talvez esse ano eu não tenha falado muito sobre isso aqui no blog, mas esse foi com certeza o ano em que eu mais testei produtos, em que eu assumi sem pudores meus batons vermelhos e roxos, em que eu passei a usar primer, em que eu usei e abusei de delineador, em que eu me rendi as águas termais e esfoliantes, em que eu aprendi a cuidar mais da minha pele e em que eu não tive medo de tentar, errar e tentar de novo. E nem medo também de não usar um pingo de maquiagem se eu não estivesse afim. Porque o legal da beleza é isso: nos alegrar e não nos escravizar.

Não, eu não consegui postar de segunda a sexta em 2016 (na real, eu não cheguei nem perto disso), mas eu continuei a escrever no blog com uma regularidade até que boa e sem forçações de barra. Escrevi só sobre o que queria, só sobre o que me inspirava, me fazia pensar, me tirava do lugar. Escrevi sobre viagens, sobre paixões, sobre roupas, sobre pessoas, sobre filmes, sobre músicas, sobre sentimentos. E postei muitas fotos, respondi algumas tags, crei categorias novas e fiz até algumas parcerias lindas, que me deixaram muito feliz de ver o blog dando resultados além do esperado.

2015 foi de fato um ano pra nunca mais se esquecer :)
Eu espero do fundo do coração que o de vocês também tenha sido incrível e que o próximo seja ainda mais legal, mais cheio de lições, mais repleto de pessoas e lugares e momentos maravilhosos.

Feliz Ano Novo e até 2016!

TAG: os livros que li esse ano

Eu vi essa tag lá no blog da Irena Freitas, que por sua vez viu a tag no blog da Tany e que foi quem traduziu a tag do blog da Jamie, a criadora de fato dessas perguntas. Eu gostei tanto da ideia (não me lembro de já ter visto uma tag de final de ano só de livros) que quis trazer pra cá do jeitinho que a Tany traduziu. Ficou beem grande, mas acho que é um bom panorama de tudo que eu li esse ano, quero ler ano que vem e planejo pra 2015.

Quem quiser pode ficar a vontade pra fazer a tag também, lembrando só de dar os créditos pras criadoras 😉

Lidos: 28 (mas na esperança de terminar mais um até o final do ano)
Relidos: “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice e “O Diário da Princesa” da Meg Cabot. Os outros foram todos leituras novas.
Gênero mais lido: Distopias

1. Melhor livro que você leu em 2014: já vou começar roubando e escolhendo dois; “A Metamorfose” de Franz Kafka e “Jogador Nº1” de Ernest Cline
2. Livro que estava ansiosa e achou que ia amar, mas não amou: “Especiais” do Scott Westerfeld.  Apesar de amar a série, acho que entre o segundo e terceiro livro o autor se perdeu um pouco.
3. Livro mais surpreendente (positiva ou negativamente) que você leu: “Bidu – Caminhos” do Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho. Apesar de já ter vontade de ler os livros dessa coleção, Bidu se mostrou ser uma HQ ainda mais bonita do que eu imaginava e de uma delicadeza gigantesca.
4. Livro que você mais recomendou para as pessoas lerem (e elas leram): “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath. Ainda na época que tava lendo o livro, lá pelo meio de fevereiro, mandei o pdf que tinha achado pra Babi pra ela também poder ler (só saiu uma nova versão desse livro agora no final do ano, já que até então ele tava esgotado). Além dela, a Isa do Refletindo Moda também leu o livro
5. Melhor série iniciada em 2014? Melhor sequência de 2014? Melhor final de série de 2014? “Jogos Vorazes” da Suzanne Collins que iniciei e terminei esse ano. Vale também uma menção honrosa pra “Feios” do Scott Westerfeld que eu terminei esse ano e “O Diário da Princesa”, uma delícia de guilty pleasure que comecei agora no final de 2014.
6. Autor favorito descoberto este ano: Ai, que pergunta difícil! Acho que tenho que dizer Neil Gaiman, já que ler Coraline e me deparar com a forma como ele conseguiu escrever uma história tão pesada de maneira tão fluida, pura e direta, me despertou uma vontade gigantesca de ler mais coisas do autor.
7. Melhor livro de um gênero que você normalmente não lê/fora da zona de conforto: Sem sombra de dúvida foi “Jogador nº1”. Costumeiramente quem lê livros assim é meu namorado (o livro que eu li, aliás, é dele) e não eu haha.
8. Livro mais cheio de ação/empolgante/impossível de largar: “Battle Royale” do Koushun Takami.
9. Livro que você leu este ano e provavelmente lerá novamente ano que vem: Sinceramente? Nenhum. Apesar de ter amado muitos livros que li esse ano, prefiro deixar pra ler livros novos em 2015, ou então reler apenas livros que faz muito tempo que eu li.
10. Capa favorita dos livros lidos: mais uma roubadinha pra poder escolher dois; “Bidu – Caminhos”, que tem a ilustração mais linda do mundo, e “Quem sabe um dia” da Lauren Graham que tem uma fotografia apaixonante. Daquelas fotos que eu queria fazer parte.
11. Personagem mais memorável: Gregor Samsa de “A Metamorfose” do Franz Kafka.
12. Livro mais bem escrito: “The Great Gatsby” do F. Scott Fitzgerald
13. Livro mais provocante/life-changing: acho que aqui cabe melhor um livro life-changing. No caso, o “A Redoma de Vidro”, da Sylvia Plath.
14. Livro que você não acredita que esperou até este ano para ler: “A Era Chanel” do Edmonde Charles-roux. Comprei esse livro faz tanto tempo (e ele é tão bom!) que não sei mesmo porque demorei tanto tempo pra lê-lo.
15. Passagem/quote favorita entre os livros lidos este ano: “I took a deep breath and listened to the old brag of my heart. I am, I am, I am” – “A Redoma de Vidro”, Sylvia Plath.
16. Maior e menor livros lidos: o maior foi “Battle Royale” com 664 páginas e o menor foi “Confissões de Adolescente” da Maria Mariana com 128 páginas.
17. Livro que mais te chocou: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
18. OTP do Ano: Katniss Everdeen e Peeta Mellark de Jogos Vorazes.
19. Relacionamento não-romântico favorito: Cormoran Strike e Robin de “O Chamado do Cuco”. Porque é sempre bom ver uma história em que os dois personagens principais poderiam, mas não possuem uma relação baseada em nenhum tipo de romance.
20. Livro favorito lido este ano por um autor que você já tinha lido anteriormente: acabei de perceber que o único autor que li esse ano e de quem eu já havia lido algo foi o Robert Galbraith (aka J. K. Rowling) com o “Chamado do Cuco”.
21. Melhor livro lido recomendado por alguém/por pressão: “A Invenção de Hugo Cabret” do Brian Selznick, que foi emprestado e teve sua leitura encorajada pela minha mãe.
22. Nova crush fictícia: Louis de “Entrevista com Vampiro” simplesmente porque não consegui ler o livro sem imaginá-lo como o Brad Pitt.
23. Melhor Estréia do Ano: ixi, acabei de perceber que não li nenhum lançamento de 2014 em 2014.
24. Locação mais vívida dos livros que você leu este ano: todo o universo de “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley, que dá um chacoalhão na nossa cabeça.
25. Livro que colocou um sorriso no seu rosto/mais divertido de ler: “O Diário da Princesa” da Meg Cabot.
26. Livro que te fez chorar: “Extraordinário” da  R. J. Palacio
27. Livro tesouro do ano: “A Lista Negra” da Jennifer Brown, porque sinto de fato como se tivesse descoberto um tesouro nesse livro. Ele tem uma história incrível e super soco na boca do estômago, mas nem faz tanto sucesso (pelo menos não aqui no Brasil).
28. Livro que acabou com a sua alma: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
29. Livro mais único do ano: “1922: A semana que não terminou” do Marcos Augusto Gonçalves porque realmente foi uma leitura única e muito diferente de tudo que li no resto do ano.
30. Livro que mais te deixou com raiva (não necessariamente quer dizer que você não gostou): “A Esperança” da Suzanne Collins e eu gostei muito!

Como o blog aqui não é apenas literário e eu ainda quero fazer um post ~retrospectiva~ de 2014, só respondi algumas perguntas dessa categoria.

1. Novo blog literário que você descobriu este ano: O Cabine Literária não é desse ano, mas eu descobri só esse ano (conta, né?) e apesar de gostar muito do blog que eles têm, sou fissurada mesmo é pelo canal.
2. Resenha favorita que você escreveu este ano: Esse ano não escrevi tantas resenhas quanto eu gostaria, mas ontem postei por aqui um vídeo com as minhas impressões sobre alguns livros de horror que li, e que eu gostei muito de gravar, diga-se de passagem. E pra quem quiser ver as resenhas em texto que rolaram por aqui em 2014, é só clicar.
3. Você completou algum desafio literário ou metas este ano? Eu só fiz aumentar meus desafios literários, isso sim! haha. Os principais que tô fazendo no momento é o The Rory Gilmore Reading Challenge e o 100 livros essenciais da literatura brasileira.

 

1. Um livro que você não leu este ano, mas será sua prioridade no próximo? “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman e os outros livros do Caio Fernando Abreu que eu ainda não li.
2. Book que você está mais ansiosa para 2015 (não-estréia)? Não é um livro e sim um gênero, já que tô querendo me jogar de cabeça mesmo no universo das graphic novels em 2015.
3. Estréia que você está aguardando? Nem sei o que está pra ser lançado em 2015 :/ haha
4. Final de série/sequel mais esperada de 2015? Nenhuma. As únicas séries que estou na metade são “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que ainda têm livros publicados pra eu ler e que mesmo o final vão demorar muito mais do que 2015 pra sair, e “O Diário da Princesa”, que também já teve todas suas sequências publicadas.
5. Uma coisa que você espera conquistar ou fazer no seu blog/vida literária em 2015? Fazer muito mais resenhas, de preferência de tudo que eu ler. E queria fazer isso tanto em texto quanto em vídeo.
6. Um lançamento de 2015 que você já leu/recomenda para todos? Socorro, gente, eu realmente não sou muito apegada nisso de lançamentos. Não lembrei de nenhum…

Ps: pra ver todas as minhas leituras de 2014, é só olhar essa listinha aqui que tenho no listography.
Bisous, bisous