Desbravando São Paulo #5

Como já é de praxe aqui no blog, fiz uma listinha de alguns lugares bem interessantes que visitei na minha última passagem por São Paulo. Fica de recomendação pra quem já é da cidade ou pra quem estiver de passagem pela capital paulista (:

Crédito foto: facebook.com/restaurantepracasaolourenco/

Fui fazer a cobertura de um evento que aconteceu lá no restaurante Praça São Lourenço e fiquei completamente embasbacada com o lugar. Pra começar que o restaurante é enorme, e além do salão central e do segundo andar que tem uma graça de vista, eles possuem uma área enorme, totalmente arborizada. As mesinhas ficam espalhadas pelo “jardim” que conta até com um mini lago (!)

Pelo que entendi o restaurante é bastante focado em eventos, mas nada que impeça alguém de ir almoçar com os amigos lá em um domingo qualquer. Os preços são salgados, é verdade, mas os pratos que provei foram muito bem servidos e gostosos. Me perdoem a falha de memória de não saber dizer certinho quais eles eram, mas não sei também se o menu que tínhamos foi preparado apenas para o evento ou se também faz parte do cardápio do restaurante. De qualquer forma, já deu pra perceber que tudo lá é feito com muita qualidade e atenção.

Restaurante Praça São Lourenço
Endereço: R. Casa do Ator, 608 – Vila Olimpia, São Paulo

No dia seguinte, eu, Babi e Lucas fomos ao Sesc Ipiranga conferir a “Fora de Moda – Uma exposição em Construção”, mostra que além de contar com instalações de diversos artistas como Fause Haten, Karla Girotto, e Junior Guarnieri e Simone Pokropp (fundadores da Casa Juici), tem uma série de performances, teatros e intervenções que estarão acontecendo ao longo de todo o seu período de exibição.

Na mostra, por exemplo, é possível visitar “A Fábrica do Dr. F”, um espaço de criação do estilista Fause Haten onde estão expostas as peças da sua última coleção. No dia que fomos, aliás, Fause estava lá fazendo uma apresentação, a primeira de uma série chamada “Lili Marlene – Um Risco”. Como ele mesmo contou, a performance não se trata propriamente de um teatro, mas mais da construção de um personagem – ou, no caso, de vários personagens – junto com o público.

E se não bastasse tudo isso, uma das coisas mais incríveis da exposição são as várias oficinais de moda que vem acontecendo desde abril no SESC. Aprender a costurar ou mesmo a fazer tricô e crochê estão na programação, além de oficinas como “Estilistas por um Dia” e “Ressurreição das Roupas”. Se você gosta de moda ou arte, vale mesmo a pena dar uma olhadinha no site do SESC pra conferir a programação.

Fora de Moda – Uma Exposição em Construção (SESC Ipiranga)
Endereço: R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo
Site: https://goo.gl/sjhwha

Crédito foto: facebook.com/urbecafe

Antes de irmos ao SESC, no entanto, resolvemos parar pra comer, já que eram quatro horas da tarde e não havíamos almoçado ainda.

Fomos no Urbe Café Bar, um cantinho ali da Augusta que tem um ambiente super cool e descontraído. e que segundo meus amigos “é onde o pessoal leva o paquera no primeiro date” (fica aí de dica para os amigos solteiros). Além de funcionar como café, o lugar tem vários pratos gostosos, bem servidos e de ótimo custo x benefício. Eu e Bá optamos por pratos com massa, enquanto o Lucas pediu um creme de abóbora.

Como dá pra ver na foto aqui de cima, o lugar tem dois andares com mesinhas e cadeiras super aconchegantes. No sábado, no horário que fomos, a parte de baixo tava completamente lotada e quase que nem no segundo andar conseguimos achar lugar pra sentar, mas imagino que durante a semana o movimento não deve ser tão grande e dá pra ir com calma tomar um café ou mesmo pedir uma refeição.

Urbe Café Bar
Endereço: R. Antônio Carlos, 404 – Consolação, São Paulo
Facebook: https://goo.gl/j9H5Li

BÔNUS: Caixa Belas Artes

Sei que já falei sobre o Caixa Belas Artes no Desbravando São Paulo #3, mas como contei naquele post, eu só tinha visitado o café que fica na parte de baixo do cinema. Dessa vez fui lá pra ver o filme “Nice – O Coração da Loucura”, um longa espetacular dirigido pelo Roberto Berliner e estrelado pela Glória Pires.

Baseado em parte da história da Nise da Silveira, quando a médica foi trabalhar na clínica psiquiátrica Engenho de Dentro, o filme é emocionante e traz um pouco do reconhecimento que Nise merece não só na área médica, mas também na área artística do nosso país. Pra quem não conhece muito sobre ela (como era meu caso antes do filme), recomendo fortemente esse texto aqui da Babi pra Capitolina.

Caixa Belas Artes
Endereço:  R. da Consolação, 2423 – Consolação, São Paulo
Site: http://goo.gl/HYJ2eT

Bisous, bisous e até mais

Os cinco de março

Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav.

Faz um tempinho descobri os desenhos maravilhoso da ilustradora Giovana Medeiros, que tem um traço lindo e super delicado. Pra quem ficou curioso, no site da Giovana e na sua lojinha online dá pra ver os vários tipos de trabalhos que ela realiza com essas ilustras, como cartões-postais, zines e marca-páginas todos decoradinhos. Acreditem quando eu digo que é de chorar de lindo!

Em março comprei dois cartões-postais dela, esse da Mary Poppins e do Edward Mãos de Tesoura daqui de cima. Eles são ainda mais incríveis pessoalmente e vieram em um pacotinho muito fofo, que mostra o cuidado que a Giovana tem em todo o processo, desde a criação das imagens até o envio da compra.

Os dois agora estão decorando a minha mesinha do computador e confesso que é muito gostoso ter essas imagens aqui perto quando estou escrevendo post pro blog. Me sinto ainda mais inspirada.

O Bangkok é um restaurante daqui de Bauru especializado em comida tailandesa, mas que tem no seu cardápio algumas opções de outras nacionalidades também. Eu amo ir lá pra comer Bloomin Onion, aquele prato de cebola que parece uma flor, sabem? O deles é maravilhoso!

No mês passado eles mudaram de endereço e reabriram com uma decoração e proposta bastante diferente. Além do clima todo soturno do lugar, com uma luz bastante baixa e vários pontos de luz com objetos em neon, mais a noitinha eles começam a ter música ao vivo e o ambiente vira algo no estilo de uma baladinha. Achei bem legal e no que depender de mim, Bangkok que me aguarde que vou sempre voltar!

Quem me acompanha nas redes sociais ou lê o blog sabe que em março eu mudei bastante meu visual e cortei esse tantão de cabelo aí de cima. Como eu contei aqui nesse post eu tô muito feliz com essa mudança, especialmente por ela ter acontecido nesse momento e por ter parido de uma decisão e vontade minhas – e não de mais ninguém.

Ainda tenho errado bastante na quantidade de shampoo que coloco na mão quando tô lavando o cabelo e de vez em quando esqueço completamente do novo corte e passo a mão na parte de trás da cabeça, esperando encontrar aquele cabelão. Mas toda hora que faço isso, acabo sorrindo e pensando no quanto foi maravilhoso mudar.

Em um dos domingo de março fiz um programa que sempre amo repetir: ir ao brunch do Alameda e me deliciar com as comidas maravilhosas que eles têm lá.

O Alameda é uma galeria daqui de Bauru que todos os domingos faz esse brunch recheado de pães, bolos, doces, omelete, tapioca, frios, frutas, sucos, danones, cafés e mais um monte de comidas muito, muito boas. Começa as oito e vai até o meio-dia, então é uma delícia pra ir com alguém e ficar longas horas comendo e batendo um papo.

Eu e o Di já fomos algumas vezes e em todas as situações, é sempre a mesma história: nunca sei por onde começo a comer de tanta comida boa e bonita que tem hehe.

Ainda não temos nada concreto em vista, mas eu e Diego estamos pensando seriamente em mudar de apartamento. Nesse meio tempo, qualquer coisa relacionada a decoração tem feito meu coração bater um pouquinho mais acelerado, já que fico pensando nas mil possibilidades que essa fictícia e futura casa pode me dar em termos de decorismos.

Se eu pisar em lojas de decoração como essa daqui de cima, aí então é que não param de brotar ideias na minha cabeça. Acho que até o final desse mês, compartilho inclusive algumas delas aqui no blog.

POSTS DE MARÇO

Pois é, março foi um mês bastante parado aqui no blog, mas em abril tô compensado! Caso vocês não tenham reparado, eu fiquei muito animada com o VEDA que anda rolando no Youtube e acabei trazendo a ideia pra cá, adaptada em textos. Portanto, estamos tendo posts TODOS OS DIAS em abril aqui no blog. Isso faz parte das minhas metas pra ter mais foco em 2016 – lembram que escrevi sobre isso lá no comecinho do ano? – e devo falar disso mais pra frente em outro post.

FILMES DE MARÇO

  • Thelma & Louise | Ridley Scott {1991}
  • Zootopia | Byron Howard e Rich Moore {2016}
  • Ex Machina | Alex Garland {2015}
  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça | Zack Snyder {2016}

Bisous, bisous e até amanhã!

Os cinco de maio 2015

Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav.

Something pink

Fiz umas fotos no instagram brincando com as cores do meu quarto (devo postar mais algumas imagens dessa “série” esse mês) e gostei bastante dessa, onde tem um punhadinho de coisas rosas inspiradoras que sempre ficam à minha vista. A cor não é minha preferida (apesar de gostar muito de alguns tons específicos), mas todas essas coisas aqui de cima são bastante importantes pra mim e fazem parte da minha história. Desde esse livro maravilhoso e gigantesco que é o “100 anos de moda”, até o meu perfume preferido de todos os tempos, o Chloé Eau de Parfum.

Pra quem quiser ver as inspirações em vermelho, é só clicar nesse link.

Comemorando os seis anos de namoro

Em maio, eu e Di completamos seis anos de namoro (fiz um post contando sobre a nossa história – de amor, música e amizade – bem aqui) e, dentre as nossas comemorações, rolou um jantarzinho no Grão 3, um restaurante daqui de Bauru que já fazia algum tempo que eu queria visitar.

Não é segredo pra ninguém que eu amo provar novos pratos e amo ir em restaurantes diferentes sempre que posso. É de verdade uma das coisas que mais gosto de fazer, e tenho até duas listas lá no listography onde coloco algumas impressões sobre restaurantes e cafeterias que já fui. Elas tão bem desatualizadas (vou colocar minha listas em ordem nessa semana), mas eu curto muito essa parte de botar no papel – ou, no caso, no listography – as impressões que tive desses lugares que fui.

O Grão 3 aqui da foto se mostrou ser uma delícia de restaurante, não só pelo atendimento (fomos atendidos por um garçom muito simpático!), mas também pelo ambiente e pela comida. O prato que escolhi foi um bombom de alcatra de angus com molho de pimenta verde e risoto de queijos, e pra acompanhar tomei champagne (junto de alguma coisa que eu não lembro mais, mas que tava muito boa hahaha). De sobremesa, pedi uma Pavlova, essa sobremesa maravilhosa aqui que tem creme, suspiro e frutas vermelhas.

Teve show do Roupa Nova em maio

85 anos ou mais. Na real, é difícil precisar minha idade verdadeira, mas o fato é que eu gosto (muito) de Roupa Nova. Eu não era nascida quando eles lançaram a maior parte das suas músicas, – praticamente todas as que foram temas de novelas da Globo nos anos 80 – mas faz alguns anos eu ganhei do meu pai o DVD em que eles comemoravam 30 anos de banda, e pronto, tava feito o estrago (do bem) na minha vida.

Eu sei que as músicas deles são as da pior espécie de água com açúcar, mas o que eu posso fazer se eu adoro cada uma delas? As minhas preferidas são Sapato Velho, A Viagem, Dona, Volta pra Mim e qualquer música que o Serginho, baterista da banda, cante.

Fui em um show deles agora em maio e adorei cada segundo. Deu pra entender como eles conseguiram essa proeza de se manterem juntos por tanto tempo. O segredo, ao que parece, é que o Roupa Nova é uma banda que dá espaço pra cada um dos seus músicos criarem e se apresentarem em cima do palco. Todos cantam e todos tocam uma infinidade de instrumentos. Da bateria ao sax, do violão a guitarra, do piano ao baixo. Todos eles parecem participar do processo criativo, do desenvolvimento e de cada pedacinho da apresentação. E se isso é uma coisa tão linda se ver, imagine então de fazer parte?!

Café, um bom livro e meias quentinhas

Agora que eu embarquei nessa nova rotina de acordar cedo e dormir seis horas todos os dias, eu ando acordando de manhãzinha mesmo nos dias em que não preciso ir trabalhar. Assim, quando fui pra Leme no mês passado, aproveitei o café bem quentinho que minha mãe faz todas as manhãs e fiquei lendo e tomando café na cama até criar coragem de levantar pra trocar de roupa. Gosto de fazer isso no meu quarto de lá porque a casa dos meus pais é mega iluminada e eu consigo aproveitar a luz natural e o sol da janela pra ficar lendo. É tão, tão bom!

Ps: vou postar a resenha de Funny Girl, o livro aqui da foto,  ainda essa semana.

Entardecer rosado

Eu amo entardeceres. Especialmente quando está frio, o céu tá azulzinho e o rosa do fim de tarde vai se desintegrando lá no horizonte até sumir completamente. Tem dias que o rosa é tão vívido que o céu fica parecendo uma pintura e essa imagem me deixa tão calma, tão perdida dentro da minha própria cabeça, que eu preciso sentar e ficar um pouquinho quieta olhando tudo isso. Eu sou apaixonada por dias assim e essa sensação é uma das coisas mais lindas que a gente pode sentir.

E o mês de maio de vocês, como é que foi?

Bisous, bisous e bom restinho de terça-feira.

Desbravando São Paulo #3

No último final de semana estive em São Paulo por causa da Bienal do Livro (em breve vai ter post & vídeo sobre!), mas como eu ia no evento só no sábado, fiquei com a sexta-feira livre pra fazer aquilo que mais amo quando vou pra lá: desbravar a cidade.

Acompanhado do namorado-melhor-amigo, Diego, visitei alguns lugares que tinha muita vontade de conhecer já fazia um tempão, e separei aqui embaixo os mais legais pra falar sobre a história e o que achei do lugar. Espero que vocês gostem e, se ainda não fizeram, se animem também a conhecer esses lugares!

E ah! Para ler o Desbravando São Paulo #1 e o Desbravando São Paulo #2 é só clicar nos links.

O prédio que hoje conhecemos como Galeria do Rock existe desde a década de 50, mas naquela época, o espaço funcionava de um jeito bem diferente, como uma grande galeria de alfaiates do centro de São Paulo. Foi só mesmo no final da década de 70, quando as tribos urbanas começaram a procurar um espaço dentro da cidade, que a galeria começou a receber atenção e as primeiras lojas do gênero.

Com a chegada dos anos 90, roqueiros, punks, skinheads, metaleiros, skatistas e muitas outras comunidades invadiram de vez a galeria, que recebeu um nome à altura para o que agora havia se transformado: um ponto de encontro, de briga, de comércio e de cultura para todas essas turmas.

Conversando com a Babi Carneiro sobre como foi “minha primeira vez na galeria do Rock”, ela contou que quando era criança/adolescente, o lugar era barra pesada mesmo, e que muitas vezes as pessoas evitavam ir para lá porque sabiam de alguma briga marcada entre punks x skinheads.

Hoje, apesar da cultura underground ainda sobreviver forte em todos os andares do prédio, – são lojas de CD’s, roupas, salões de beleza e estúdios de tatuagens – o lugar virou símbolo de São Paulo e um ponto turístico que acolhe gente de todos os tipos e idades.

– Endereço: Av. São João, 439 – República, São Paulo

“Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas”

Protagonista dos primeiros versos de Sampa, de Caetano Veloso, o cruzamento da avenida Ipiranga com a São João é, com certeza, um dos lugares de São Paulo que mais tem histórias pra contar.

Além da “deselegância discreta” das meninas que passam por lá e do centro da cidade com sua “dura poesia concreta”, a esquina ficou famosa por ser um dos maiores pontos de encontro da capital Paulista. Ali, em um barzinho chamado Bar Brahma, sambistas como Adoniran Barbosa e políticos como Fernando Henrique Cardoso paravam para tomar um chopp, jogar conversa fora e ver o movimento do centro de São Paulo.

O lugar ficou imortalizado na letra de Sampa e na história da MPB e, hoje, além de ser um delicioso restaurante/bar, é ainda o palco da música brasileira na capital. Diversos artistas da MPB se apresentam por lá à noite e, durante o dia, o lugar acolhe a todos que precisam de um momento de descanso em meio a correria do dia a dia.

Apaixonada como sou por essas histórias, fiz questão de almoçar no Bar Brahma nesse último final de semana em que estive em São Paulo. Além de amar o ambiente aconchegante e com música ao vivo, achei a comida uma delícia e com um preço super honesto! Vale muito a pena mesmo reservar um tempinho pra conhecer o lugar.

– Endereço: Avenida São João, 677 – Centro, São Paulo

Coloquei o bairro da Santa Ifigênia entre os programas do final de semana porque sabia que o Diego morria de vontade de pôr os pezinhos lá, já que a região é conhecida pelo seu comércio de eletrônicos. Diego é viciado em tecnologia, games e insira aqui todas as coisas do gênero, ou seja, esse lugar prometia ser um verdadeiro parque de diversões pro meu namorado.

Dito e feito.

A Santa Ifigênia tem dezenas de galerias e vende um pouquinho de tudo o que você puder imaginar. TV’s, celulares, videogames e muito mais. Tem que estar disposto a andar (muito!), pechinchar e aguentar multidões, mas se você tá buscando matar a saudade de algumas coisas mais clássicas – achamos um super Nintendo ainda na caixa! – lá é o lugar certo.

Não compramos nada, mas pra quem gosta e sempre acompanha o mercado de eletrônicos, lá é um lugar muito interessante de se analisar.

O Cine Belas Artes sempre foi um dos cinemas do circuito paulistano mais respeitados e amados, o que em grande parte tinha a ver com a valorização artística e cultural depositada na sua programação. Muitos filmes nacionais e estrangeiros que ficavam fora das bilheterias dos grandes cinemas da cidade, encontravam seu espaço aí, nas telas e salas do Belas Artes.

Há três anos, no entanto, o cinema fechou e, desde então, muita gente vem batalhando pra ele ser reaberto e ter de volta a sua programação. Mês passado isso foi possível e agora com o nome de “Caixa Belas Artes”, o cinema voltou à ativa.

Eu confesso que ainda não tive a chance de assistir um filminho aí, mas uni o útil ao agradável, ou nesse caso, a vontade de ver o novo Belas Artes com o meu desejo por macarons, e aproveitei pra fazer uma visitinha no café Amelie, que fica dentro do cinema.

O preço não é muito convidativo, mas os macarons tavam deliciosos (eu amo macarons, mas acho que são poucos os lugares que conseguem fazer eles incríveis) . E ai, preciso confessar que acabei escutando a conversa de duas senhoras que tomavam café lá, e fiquei toda enfofada com as recordações delas sobre como “o Belas Artes sempre tinha sido o ponto de encontro da turma”. Muito fofo, não? <3

E agora me contem vocês: quais lugares de São Paulo vocês recomendam pra um dia de “desbravando a cidade”? Tô doida pra anotar as sugestões e botar em prática numa próxima visita 😉

Bisous, bisous

Desbravando São Paulo #2

Pra quem não viu o Desbravando São Paulo #1, é só clicar aqui pra dar uma olhadinha nos lugares que visitei na terra da garoa em novembro do ano passado. Enquanto isso, no post de hoje, falo de alguns lugares que visitei mês passado em São Paulo (e aproveito também pra contar de lugares que estive em outras passagens pela cidade e de que gostei muito).

Casa das Rosas é um casarão maravilhoso que fica bem no meio da Avenida Paulista e chega a ser bizarro como mesmo assim tem muita gente que mora na cidade e nunca nem colocou os pés lá. Triste demais, já que além do endereço ser um espaço cultural que abriga diversos tipos de exposições, saraus, oficinas e palestras, – principalmente às ligadas a literatura e poesia – ele tem um dos jardins mais belos que eu já visitei.

Em 2004 o casarão foi reinaugurada com o nome de Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura e já faz um bom tempo que eu criei meio que uma história com esse lugar: é batata como toda vez que vou pra São Paulo, de alguma forma maluca acabo parando lá.

Site da Casa Das Rosas: http://www.casadasrosas.org.br/
Endereço: Av. Paulista, 37 – Bela Vista

Eu já tinha citado bem por cima a GEEK.ETC.BR quando falei da Livraria Cultura no Desbravando São Paulo #1, mas acontece que esse lugar merece um tópico só dele.

O espaço da GEEK é relativamente recente (foi inaugurado em 2012) e fica em um lugar de fácil acesso, o Conjunto Nacional da Avenida Paulista. A loja, como o próprio nome diz, é inteirinha dedicada a cultura nerd, e nisso aí você pode inserir bonecos, DVD’s, games, livros, histórias em quadrinhos, seriados e muito mais, e eu arriscaria ainda dizer que ela é uma das mais completas do segmento, com uma disponibilidade gigantesca de produtos. Dividida em dois andares, (um é ligado ao outro por uma daquelas escadas caracóis que eu a-d-o-r-o haha) eu quase sempre passo por lá quando vou na Livraria Cultura, ou seja, praticamente toda vez que vou pra São Paulo. Nessa última visita que fiz no mês passado, acabou que comprei um livro do Calvin e Haroldo pra dar de presente pro Diego. (:

Site da GEEK: http://www.geek.etc.br/loja/Home.aspx
Endereço: Alameda Santos, 2.152 – Conjunto Nacional – Loja 122 – Jardim Paulista

Eu estive no MIS em 2012 visitando algumas exposições e também conferindo a primeira edição do BIG – Brazilian International Game Festival – o único festival de games independentes. nacionais e internacionais, de toda a América Latina.  A segunda edição do evento tá acontecendo agora em São Paulo (hoje é o último dia, então se você correr ainda dá tempo de conferir!) e dessa vez está sendo realizada no Centro Cultural São Paulo.

Apesar de ter ido só uma vez ao MIS, vontade de frequentá-lo mais é que não falta, já que nos últimos anos o museu tem apresentado um calendário incrível de exposições, espetáculos, oficinais e muito mais. De David Bowie a Stanley Kubrick, de Andy Warhol a Fause Haten, o MIS é, com certeza, um dos lugares culturais mais mágicos da capital paulista.

Site do MIS: http://www.mis-sp.org.br/
Endereço: Avenida Europa, 158 – Pinheiros

O Kohhi é desses lugares escondidinhos e mágicos que todo mundo deveria ir pelo menos uma vez na vida. Ele fica na Liberdade e se você estiver passando muito apressado pela região pode ser que nem o note: a entrada dele é bem discreta, com uma escadinha que dá acesso ao subsolo. Você desce e ali tem um espaço gastronômico incrível, que pretende fazer uma mistura entre o Brasil e  Japão.

No cardápio, todos os pratos brasileiros tem algum diferencial japonês e todos os pratos japoneses tem um toque brasileiro. Ou seja, mesmo que ali tenha alguma comida que você já provou em outro lugar, no Kohii ela vai ser diferente. Essa proposta de intercâmbio cultural, aliás, fica super escancarada também na decoração: as paredes são revestidas com jornais dos dois países e logo na entrada você dá de cara com uma arara de roupas que mistura looks brasileiros com portugueses. Além disso são vários os objetos dos dois países espalhados pelo lugar, com destaque para uma mesinha de leitura que eles têm, com revistas do Brasil e do Japão.

Vale muito, muito a pena combinar um almoço com os amigos lá.

Facebook do Kohii: https://www.facebook.com/kohiicafe
Endereço: Rua da Glória, 326 – Liberdade

Visitei a Galeria dos Pães nessa última passagem por São Paulo e gostei muito do lugar! Eu e a Má Espindola, do Costanza Who, tínhamos combinado de tomar café da manhã juntas, e depois de avaliarmos alguns endereços que tínhamos encontrado na internet, optamos por esse, já que além de ficar perto dos respectivos lugares em que eu e a Má tínhamos que ir depois, ele também tinha uma cara bem charmosa, do jeito que a gente queria. E a Galeria dos Pães não nos decepcionou em nada! Pra começar que o lugar funciona 24 horas, sete dias por semana, e tem um cardápio mega variado, que vai desde brunch, até padaria, restaurante, cafeteria, soperia… Tem todas as opções para todas as horas do dia.

Eu e a Má estávamos de carro e foi uma mão na roda o fato deles terem estacionamento próprio (quem tem carro em São Paulo sabe o quanto é sofrido achar lugar decente pra estacionar), e eu gostei bastante também do atendimento e das opções do cardápio. Pedi uma bebida (que eu não vou lembrar o nome agora, POFT) e tive que repetir haha, porque tava insanamente gostoso.

Site da Galeria dos Pães: http://www.galeriadospaes.com.br/site/
Endereço: Rua Estados Unidos, 1645 – Jardim América 

Visitei o Flor Café – uma cafeteria que fica dentro da Pinacoteca do Estado de São Paulo – já faz um tempinho. Foi em um dia de SPFW, e eu almocei com a Babi e a Andresa lá antes de ir pra Bienal. Eu amei a comida do lugar e tenho até uma fotinho do meu prato aquele dia pra mostrar pra vocês o quão lindo e delicioso que ele tava. Olha só que gostosura.

Pra quem for fazer um passeio na Pinacoteca (que fica de tópico pra um próximo Desbravando São Paulo), vale muito a pena visitar esse lugar, que tem um cardápio tanto para café quanto para almoço. E ah, fora que eu amo também lugares que tem a opção de almoçar ao ar livre, como esse aqui tem. Em dias de sol mais brando, acho uma delícia almoçar sentindo um ventinho no rosto.

Facebook do Flor Café: https://www.facebook.com/cafeteriaflorcafe
Endereço: Largo General Osório, 86 – Estação Pinacoteca, Santa Efigênia

 

Créditos das fotos:

Casa das Rosas
GEEK.ETC.BR
MIS – Museu da Imagem e do Som
Kohii
Galeria dos Pães
Flor Café