Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav.

Recheadinho de morangos

Meu primeiro dia do ano já começou com festa, na comemoração de aniversário da minha mãe. Fiquei feliz de estar ao lado dela nesse dia, porque há quatro anos não conseguíamos comemorar essa data juntas, já que eu costumo passar o Ano Novo em Mogi Mirim e ela em Leme. 2015, no entanto, já começou diferente, e fiquei Natal e Ano Novo com meus pais (e com Diego também, na passagem <3). No dia primeiro, junto do bolo de aniversário recheadinho de morangos e de tias, primos e avô, cantamos juntas o “parabéns pra você” :)

Tem festa de aniversário, sim senhor!

Já falei aqui no blog que em janeiro completei 25 anos de idade e que tô muito empolgada com todas as coisas que prometem acontecer nesse ano. Pra comemorar o quarto de século, chamei os amigos pra ir no Bangkok, um restaurante de comida tailandesa que eu amo aqui em Bauru e que, além dos quitutes deliciosos, tem também uma decoração maravis, com as mesas e almofadas espalhadas ao redor da piscina. A noite foi muito divertida e as conversas transitaram entre os tópicos mais diversos possíveis, como feminismo, viagens, comidas (haha) e RuPaul’s Drag Race.

In Wonderland

Desde sempre, sou fascinada pela história da menina Alice. Já tive blog com o nome de in wonderland, já adotei frases do filme como mantra de vida e já até guardei cada menção ao livro ou ao filme em um lugar especial do coração. Mas, um item desse amor descontrolado ainda faltava ser riscado: os DVD’s dessa história (assim mesmo no plural, já que ela teve várias versôes), habitando minha estante. Todo em preto e branco, com participações de Cary Grant, Gary Cooper e W. C. Fields, o primeiro que comprei é o de 1933, dirigido por Norman Z. McLeod. Espero em breve também adquirir o original, que é de 1903, e ainda as versões de 1951 (da Disney <3), de 1999 e de 2010. A de 1976, que é uma versão pornográfica da história (não, isso não é brincadeira), eu não faço muita questão haha.

Muito verde sempre, por favor

Muito verde sempre, por favor

Sempre que posso, gosto de ir ao Jardim Botânico daqui de Bauru e fazer um piquenique com o Diego. A gente costuma levar muitas frutas, pão de queijo, suco e alguns docinhos e, sentados em um pano estendido na grama, a gente fica assim, ora conversando um pouco, ora lendo, ora só deitados olhando pro parque. Esse lugar me dá paz e uma vontade danada de respirar bem fundo e encher os pulmões de ar fresco.

Companheiro fiel

Companheiro fiel

Eu uso óculos desde os seis anos de idade. Meu grau é altíssimo (tipo mais de dez) e eu tenho miopia e astigmatismo que ainda não estagnaram, o que torna impossível que eu opere tão já. Teve uma época que eu fiquei bem revolts com isso, principalmente quando era adolescente e achava que o óculos escondiam demais meu rosto. Hoje em dia, minha relação com ele é muito mais tranquila. Se eu puder operar, com certeza irei operar, por diversos fatores, não só estéticos, mas não é como se todo dia eu odiasse o fato de usar óculos. Eu queria que fosse mais barato, só isso haha, (como meu grau é muito alto eu uso lente de cristal pra que o óculos fique fininho) e que assim eu pudesse mandar fazer inúmeros pra poder variar no dia a dia.

Hoje, além dos óculos eu uso lentes de contato também (não mais as rígidas que eu usava na adolescência e odiava, mas as gelatinosas mesmo, muito mais fáceis de manusear) pra ir jantar, gravar vídeos, quando quero fazer uma maquiagem pra arrasar… E, no dia a dia, os óculos me acompanham. Por isso mesmo, em janeiro mandei fazer um novo, já que meu último tava bem velhinho, coitado. Escolhi fazer uma armação branca e, em breve tô querendo arriscar fazer uma redondinha preta pra poder variar. Tem que ser planejado com calma isso porque armações redondas também encarecem (muito!) o óculos, já que tem que mudar o formato da lente de cristal. Em resumo: não é fácil, não é barato, mas tem que ser usado, e já que tem que ser usado vamos deixar ele bem bonitinho e o mais legal possível :p

E o mês de janeiro de vocês, como é que foi?

Bisous, bisous