Wishlist de final de ano

Wishlist de final de ano

  • Agenda/Bloquinho de anotações 2018 〰

Eu sou uma pessoa que acredita em agendas, bloquinhos de anotação e todas essas coisas. Alguém que acredita que ter aquele caderninho no fundo da bolsa pra quando eu preciso botar as ideias pra fora, é motivacional. E leia-se aqui que esse “pra quando eu preciso” não é necessariamente todo dia, nem toda semana e às vezes nem todo mês.

Agendas pra mim funcionam como um lugar onde eu simplesmente escrevo metas, listas, ideias pra posts, anotações aleatórias e mais uma porrada de coisas que pra qualquer pessoa iam soar como uma bagunça, mas que pra mim funcionam a ser alguém mais organizada. De maneira torta, eu concordo, mas mais organizada e até mais motivada.

E tudo isso só pra vocês entenderem que achar uma agenda nova pra mim é um negócio que eu realmente levo a sério. Especialmente nesse final de 2017, onde, aparentemente, todas as papelarias do mundo agora só vendem planners e bullet journals. Que também são incríveis, claro (inclusive quero fazer post sobre isso!), mas que acho que não são pra mim. Portanto, sigo na busca.

Ps: a agenda da imagem daqui de cima foi a que usei esse ano, e sei nem dizer o quanto queria achar uma da Eleven da nova temporada. Se alguém souber de uma, por favor, deixa o link nos comentários!

  • Jaqueta da Gal Gadot 〰

Desde que assisti Liga da Justiça no cinema, não consigo tirar da cabeça a jaqueta marrom que a Gal Gadot usa em uma das cenas. E tá, eu sei que essa mulher é linda e ia ficar maravilhosa mesmo vestindo um saco de lixo, mas a tal da jaqueta era tão impactante e deixou ela ainda mais poderosa que eu fiquei um tanto quanto obcecada por ela. (E se tem algo que a gente precisa concordar é que pra uma peça de roupa deixar a Mulher-Maravilha ainda mais poderosa, é porque é uma peça de roupa incrível mesmo.)

Curiosa que sou, fui pocurar então na internet sobre a tal da jaqueta, e descobri que mais gente tinha tido a mesma ideia e já achado uma versão bastante parecida com a original. No caso essa da montagem daqui de cima, que eu não vou comprar porque é bem cara e eu não tenho dinheiro pra isso, mas que tá servindo como uma referência na minha wishlist.

  • Funkos da Sookie e da Eleven 〰 

Desde setembro, quando o Di me deu de presente os funkos da Lorelai e da Rory, e eu surtei de felicidade no processo, eu fiquei com essa vontade doida de começar uma coleção desses bonecos. O problema é que funkos não são nem um pouco baratos e como dinheiro é uma coisa que eu venho tentando economizar porque vou viajar no começo do ano que vem, vou com calma nesse desejo. Por ora, o que sei é que os primeiros bonecos dessa coleção dos sonhos já estão definidos: a Sookie de Gilmore Girls (afinal Rory e Lorelai precisam de companhia) e a Eleven de Stranger Thins. Elas são mesmo umas lindezas, não são?

  • Conjunto de cozinha de poás 〰 

A Sarah Andersen diz que ninguém vira adulto de verdade (e eu acredito muito nisso), mas acontece que entre funkos e jaquetas da Gal Gadot, eu também gosto de comprar coisas para casa como pratos decorados. Eu fico que nem doida nas lojas de decoração e na internet caçando pratos com desenhos bonitos e formatos diferentes, e ainda que esses daqui da imagem sejam talvez os mais simples de todos os pratos pelos quais já suspirei, um conjuntinho de poás desses (com canecas ainda!) é um dos meus sonhos de consumo da vida. O da imagem é da Kate Spade (uma garota pode sonhar, né?) e tá servindo como referência na minha busca <3

  • Microfone de lapela 〰

Desde que eu comecei esse blog aqui, lá nos primórdios de 2013 (!), junto com ele veio também a vontade de gravar vídeos pro Youtube. Na verdade, eu já ensaiei fazer isso várias vezes e até cheguei a gravar uma dúzia de vídeos lá no meu canal que não tiveram nenhuma periodicidade, mas que me deixaram até que bastante feliz com o resultado. O “problema” é que eu quero ser assídua com essas gravações (especialmente com o projeto do 1001 filmes) e eu tô animada mesmo pra correr atrás disso em 2018.

Pra isso, tô providenciando algumas coisas, como um cartão de memória novo pra câmera, um microfone de lapela, um spot de luz e o principal de tudo: muita motivação, que acho de nada adianta esse tanto de “aparelhagem” se a gente não tiver o principal, né? 😉

Beijos e fiquem a vontade pra compartilharem suas wishlists por aqui também!

O que eu quero pra 2016

Se existia uma certeza nesse blog era a de que todo final de ano eu faria um post por aqui listando as minhas metas dos próximos 365 dias. E quando eu faço essas metas, eu listo de tudo, de coisas pessoais a profissionais, de coisas muito grandes a coisas muito pequeninas, de coisas muito difíceis até outras que eu sei que é só eu me esforçar um pouquinho pra que tudo dê certo. E são metas que eu sempre encaro de unhas e dentes e faço questão de olhar no final do ano pra ver o que deu certo ou não, pra ver onde errei e onde acertei. Até porque o intuito é esse, né? Aprender todo um ano um pouco mais, com as coisas ruins e com as coisas boas.

Só que nesse ano, se vocês acompanharam todos os posts que rolaram em dezembro por aqui, devem ter notado que não postei minha lista. E a verdade é que isso não aconteceu porque eu não a escrevi. Até porque eu sou assim, uma garota que gosta de listar coisas, que gosta de se organizar, que gosta de ter metas e objetivos. Eu sonho alto, tão alto que eu tenho até medo da altura dos meus sonhos. E acho que são exatamente essas vontades – que quando colocadas numa lista assim, parecem me incentivar ainda mais – que me fazem chegar lá.

Mas como eu ia dizendo, eu não postei minha lista de resoluções esse ano aqui. E o motivo é que o que eu desejava de verdade pra 2016, e que foi o que eu coloquei no papel, eram coisas muito mais abstratas do que nos outros anos. As tais das coisas pequenininhas que eu falei ali em cima, mas que no final fazem uma diferença enorme na nossa vida. Coisas que são difíceis de explicar, porque pra mim mesmo ainda estão tomando forma.

E na hora de falar sobre essa lista aqui, percebi que fazia muito mais sentido eu falar sobre a única coisa que unia todos os itens que nela apareciam. A coisa que fez eu perceber o que eu queria – e quero – de verdade pra 2016.

Eu preciso de um eixo esse ano. Eu preciso conseguir me desligar das coisas que só me atrapalham. Eu preciso aprender a começar e terminar essa coisa que eu comecei. Eu preciso aprender a não me auto sabotar com horários, prazos e metas malucas. Eu preciso aprender a mirar em algo e trabalhar pra que aquilo dê certo, sem deixar que coisas que não deveriam se infiltrar no meio desses planos, se infiltrem. Eu preciso saber das minhas limitações. Eu preciso entender que eu devo levar certas coisas mais a sério. E preciso entender também que tem outras tantas coisas que eu não devo dar a mínima.

Eu preciso de foco esse ano. Assim, em letras garrafais.

E eu acho que 2016 tem tudo pra ser esse ano (até porque ele já começou de forma maravilhosa, e muito em breve eu vou contar aqui o porquê). O ano pra eu me tornar essa pessoa que consegue se desvencilhar do que não é legal – pelo menos não naquele momento – e mirar no que importa.

E eu acho que agora vai. Fé e foco que vai dar certo.

Bisosu, bisous

Listografia: sua vida em listas

“Este livro tem como objetivo ajudar você a criar sua autobiografia a partir de listas. Tive essa ideia porque sou nostálgica e amo os pequenos detalhes da vida – desde as experiências às coisas preferidas. Então quis criar um lugar agradável para capturar e compartilhar tais detalhes: este livro. Acredito que todos deveriam ter sua autobiografia, mesmo que seja para ser lida só pelos entes queridos e em sua forma mais simples: uma lista.”

Lisa Nolan

Ainda que o nome Lisa Nolan não te diga nada, é bem provável que mesmo sem saber você já tenho visitado o site dessa nova yorkina, ex-professora e apaixonada por gatos: o listography.com.

Desde 2006 no ar, o listography nada mais é do que um site de organização meets rede social em que você pode criar listas sobre os mais variados temas, que podem ir desde “quais são as suas metas para o próximo ano?” até “quais são seus restaurantes favoritos?” ou ainda “quais lugares você ainda sonha viajar?”. Tudo isso de forma pública ou privada, montando assim um arquivo online que mistura afazeres, desejos, metas, obrigações ou, como a própria Lisa gosta de chamar, uma espécie de autobiografia.

O site deu tão certo que em 2007 a ideia tomou proporções ainda maiores e virou livro! O primeiro, aliás, de uma série todinha lançada pela Chronicle Books e que hoje já conta com mais de dez títulos.

Apaixonada que sou pelo tema e pelo listography (fiz minha conta em 2011 e, de lá pra cá, criei 23 listas públicas, 6 especiais, 25 já arquivadas por terem sido cumpridas e 19 privadas) não foi surpresa nenhuma eu ter ficado mega feliz quando no começo desse ano, andando por uma livraria daqui de Bauru, me deparei com um dos livros da coleção. E o mais legal de tudo: na sua versão em português, coisa que eu nem sabia que existia.

O “Listografia: sua vida em listas”, como ficou o título do livro aqui no Brasil, é o livro geral (e primeiro a ser lançado) de toda a coleção, onde existem listas sobre os mais variados assuntos. Lançado pela editora Intrínseca em outubro do ano passado e com ilustrações de Nathaniel Russel, nele você consegue criar sua “autobiografia” listando o que mudou em você desde a adolescência, os melhores presentes que já ganhou, os amigos mais memoráveis do seu passado, suas paixonites, revistas preferidas, os melhores dias da sua vida, as coisas pelas quais gostaria de ser lembrado e muito, muito mais. Tem de tudo um pouco, de verdade.

O livro é uma delícia de ser preenchido e é engraçado como cada uma das páginas faz a gente pensar em tantas coisas pelas quais a gente já passou ou sonha pra nossa vida. A gente percebe como as listas – não só a desse livro, mas todas as que a gente fez ao longo da vida – são importantes pra gente se organizar, pra gente guardar memórias de maneira ainda mais palpável e pra gente lutar com ainda mais força pra realizarmos nossos sonhos.

As imagens das capas dos livros que estão nesse post são do próprio site da Chronicle Books e todas as outras, do “Listografia: sua vida em listas”, são da minha edição – que está aos poucos sendo devidamente preenchida.  Pra quem ficou interessado na edição em português, tem pra vender no site da Livraria Cultura.

Boas listas, metas e itens ricados pra todos vocês

Bisous, bisous

Ontem, amanhã e daqui a cinco anos

Chega final de dezembro e é sempre a mesma história: eu faço uma lista de balanço do ano que está acabando e uma lista de metas e planos pro próximo ano que vai começar. Eu acho isso algo muito importante de ser feito porque a lista de balanços me fez refletir um bocado sobre como eu tenho levado minha vida, sobre como conquistei as coisas que queria, sobre o que realmente eu tiro de importante do ano que passou e sobre tudo que eu aprendi, de bom e de ruim, nos últimos 365 dias. Já a lista de metas mistura o que eu aprendi com a lista de balanço, mais todos os sonhos, vontades e desejos que eu tenho e que quero realizar no ano que está começando.

Só que aí nesse ano, resolvi acrescentar uma coisa nova à essa tradição.

Dia desses, li um post resgatado pela Ale Garattoni em que ela contava como o fato de ter colocado no papel todos os seus sonhos e vontades mais distantes (inclusive aquelas que pareciam inatingíveis, bem maluconas) e estipulando um prazo longo pra que fosse possível realizá-las, acabou que ano a ano, passo a passo, ela chegou lá. No final dos seis anos (tempo que ela tinha colocado como meta), 80% dos itens da lista haviam sido alcançados (inclusive alguns daqueles inatingíveis lá do começo) e dos 20% restantes, a maioria havia se transformado em outros sonhos que pintaram no meio do caminho.

Com isso rondando minha cabeça, tive uma conversa com o Diego que me abriu os olhos e que me fez perceber uma coisa… É importante ter metas mais urgentes, coisas que queremos que aconteçam em breve, no próximo ano, ali virando a esquina. Mas planejar pra que essas metas estejam dentro de um plano maior e que todas elas juntas ajudem a realizar essas grandes vontades (aquelas bem louconas, que parecem inatingíveis), também é preciso. Como ele mesmo disse “O que você quer estar fazendo daqui cinco anos? Onde você quer estar? Como você quer estar?”

Foi com isso em mente que decidi que esse ano eu faria meu balanço de final de ano e minhas metas de 2015, mas ainda mais importante do que isso: eu faria uma lista com as coisas que daqui a cinco anos eu me vejo realizando, com os lugares que daqui a cinco anos eu quero ter visitado, com as pessoas que daqui a cinco anos eu quero que estejam ao meu lado, e com os feitos, pessoais e profissionais, que daqui a cinco anos eu quero ter alcançado.

Portanto, a lista que coloco de metas aqui esse ano é um pouco diferente. Ela é sim focada no que eu desejo e vou correr atrás pra que aconteça em 2015, mas ela também faz parte de um plano maior, de sonhos que já tavam mais do que na hora de saírem da cabeça, irem pro papel e, desejo eu, se tornarem realidade nos próximos cinco anos.

Não acho que cabe divulgar essa lista maior aqui, até porque ela íntima demais, pessoal demais. Mas já aviso de antemão que as metas de 2015, exatamente por estarem tão entrelaçadas com essas metas maiores, serão mais enxutas, mais diretas e mais focadas do que nunca. E espero, do fundo do coração, que as metas de vocês, tanto as do ano que vem quanto essas maiores, se realizem. E se realizem no tempo em que tiverem que se realizar. Porque acho que mais importante ainda do que alcançarmos determinados sonhos, é estarmos preparados pra vivermos esse sonho.

E dito tudo isso, aqui vão, finalmente, meu balanço de 2014 e meus planos de 2015 😉

Em 2014, eu…

… voltei pra redação ainda em janeiro e por lá fiquei, aprendendo todos os dias um pouquinho mais

….voltei a comprar e colecionar revistas de moda

…amei muito e fui muito amada. Pelo namorado, pelos amigos, pela família e pelos meus gatos

…perdi minha avó e vi a mulher mais foda que conheci ser insanamente forte contra uma doença até nos seus últimos minutos

…fiz aulas de ballet e de jazz

…não estudei inglês ou francês como queria

…permiti me dar presentes, me mimar de vez em quando e não ter vergonha de ser quem eu sou e querer o que eu quero

…conheci e entrevistei a Kathia Castilho

…fui convidada a ministrar uma palesta sobre Jornalismo & Moda para os alunos de design de moda do último período da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

…tomei muito sorvete, comi muito chocolate e passei a tomar suco de laranja todos os dias na hora do almoço

…comi muito, mas muito mesmo mais salada esse ano, mas ainda não achei um esporte ou atividade física pra fazer regularmente

…li 30 livros. Foi um ano bom para a literatura

…vi 93 filmes. Foi um ano ruim para o cinema

…fui madrinha de casamento pela primeira vez na vida (e no casamento da minha irmã ainda!)

…continuei a escrever na aLagarta e me inspirar com cada nova edição

…descobri um novo vício chamado waffles

…deixei meu quarto com a cara que eu queria

…postei mais no blog, mas ainda não consegui montar uma “agenda” de posts toda semana ou mês

…fui banca de um TCC de Design Gráfico da UNESP

…foquei e realizei meu objetivo-mor de 2014

Em 2015, eu vou…

 …aproveitar cada minuto de uma viagem que já é certa e, de quebra, realizar um sonho

…voltar a estudar mais sobre Moda em sites, revistas e livros

…tirar carta de motorista

…tomar mais sol e fazer alguma atividade física

…me empenhar em diminuir minha enxaqueca nervosa, seja com acupuntura, ioga ou com o psicólogo

…voltar a estudar numa sala de aula

…ler tanto quanto li em 2014

…assistir muito mais filmes do que em 2014 (principalmente nos cinemas)

…me organizar pra escrever mais no blog e gravar mais vídeos

…escrever mais sobre Moda

…economizar pra viajar

…dar a cara pra bater e focar no que realmente vale a pena

E, principalmente, o que eu quero muito pra 2015 é

Um Feliz Ano Novo pra todo mundo, repleto de felicidade, paz, saúde, bons drinks, boas companhias e muito amor.

Que 2015 seja foda!

Ps: obrigada a Ma Espindola e sua lista de final de ano, que me ensinou a ser mais focada não só na vida, mas também nas metas e na minha retrospectiva haha.

Bisous, bisous

TAG: os livros que li esse ano

Eu vi essa tag lá no blog da Irena Freitas, que por sua vez viu a tag no blog da Tany e que foi quem traduziu a tag do blog da Jamie, a criadora de fato dessas perguntas. Eu gostei tanto da ideia (não me lembro de já ter visto uma tag de final de ano só de livros) que quis trazer pra cá do jeitinho que a Tany traduziu. Ficou beem grande, mas acho que é um bom panorama de tudo que eu li esse ano, quero ler ano que vem e planejo pra 2015.

Quem quiser pode ficar a vontade pra fazer a tag também, lembrando só de dar os créditos pras criadoras 😉

Lidos: 28 (mas na esperança de terminar mais um até o final do ano)
Relidos: “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice e “O Diário da Princesa” da Meg Cabot. Os outros foram todos leituras novas.
Gênero mais lido: Distopias

1. Melhor livro que você leu em 2014: já vou começar roubando e escolhendo dois; “A Metamorfose” de Franz Kafka e “Jogador Nº1” de Ernest Cline
2. Livro que estava ansiosa e achou que ia amar, mas não amou: “Especiais” do Scott Westerfeld.  Apesar de amar a série, acho que entre o segundo e terceiro livro o autor se perdeu um pouco.
3. Livro mais surpreendente (positiva ou negativamente) que você leu: “Bidu – Caminhos” do Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho. Apesar de já ter vontade de ler os livros dessa coleção, Bidu se mostrou ser uma HQ ainda mais bonita do que eu imaginava e de uma delicadeza gigantesca.
4. Livro que você mais recomendou para as pessoas lerem (e elas leram): “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath. Ainda na época que tava lendo o livro, lá pelo meio de fevereiro, mandei o pdf que tinha achado pra Babi pra ela também poder ler (só saiu uma nova versão desse livro agora no final do ano, já que até então ele tava esgotado). Além dela, a Isa do Refletindo Moda também leu o livro
5. Melhor série iniciada em 2014? Melhor sequência de 2014? Melhor final de série de 2014? “Jogos Vorazes” da Suzanne Collins que iniciei e terminei esse ano. Vale também uma menção honrosa pra “Feios” do Scott Westerfeld que eu terminei esse ano e “O Diário da Princesa”, uma delícia de guilty pleasure que comecei agora no final de 2014.
6. Autor favorito descoberto este ano: Ai, que pergunta difícil! Acho que tenho que dizer Neil Gaiman, já que ler Coraline e me deparar com a forma como ele conseguiu escrever uma história tão pesada de maneira tão fluida, pura e direta, me despertou uma vontade gigantesca de ler mais coisas do autor.
7. Melhor livro de um gênero que você normalmente não lê/fora da zona de conforto: Sem sombra de dúvida foi “Jogador nº1”. Costumeiramente quem lê livros assim é meu namorado (o livro que eu li, aliás, é dele) e não eu haha.
8. Livro mais cheio de ação/empolgante/impossível de largar: “Battle Royale” do Koushun Takami.
9. Livro que você leu este ano e provavelmente lerá novamente ano que vem: Sinceramente? Nenhum. Apesar de ter amado muitos livros que li esse ano, prefiro deixar pra ler livros novos em 2015, ou então reler apenas livros que faz muito tempo que eu li.
10. Capa favorita dos livros lidos: mais uma roubadinha pra poder escolher dois; “Bidu – Caminhos”, que tem a ilustração mais linda do mundo, e “Quem sabe um dia” da Lauren Graham que tem uma fotografia apaixonante. Daquelas fotos que eu queria fazer parte.
11. Personagem mais memorável: Gregor Samsa de “A Metamorfose” do Franz Kafka.
12. Livro mais bem escrito: “The Great Gatsby” do F. Scott Fitzgerald
13. Livro mais provocante/life-changing: acho que aqui cabe melhor um livro life-changing. No caso, o “A Redoma de Vidro”, da Sylvia Plath.
14. Livro que você não acredita que esperou até este ano para ler: “A Era Chanel” do Edmonde Charles-roux. Comprei esse livro faz tanto tempo (e ele é tão bom!) que não sei mesmo porque demorei tanto tempo pra lê-lo.
15. Passagem/quote favorita entre os livros lidos este ano: “I took a deep breath and listened to the old brag of my heart. I am, I am, I am” – “A Redoma de Vidro”, Sylvia Plath.
16. Maior e menor livros lidos: o maior foi “Battle Royale” com 664 páginas e o menor foi “Confissões de Adolescente” da Maria Mariana com 128 páginas.
17. Livro que mais te chocou: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
18. OTP do Ano: Katniss Everdeen e Peeta Mellark de Jogos Vorazes.
19. Relacionamento não-romântico favorito: Cormoran Strike e Robin de “O Chamado do Cuco”. Porque é sempre bom ver uma história em que os dois personagens principais poderiam, mas não possuem uma relação baseada em nenhum tipo de romance.
20. Livro favorito lido este ano por um autor que você já tinha lido anteriormente: acabei de perceber que o único autor que li esse ano e de quem eu já havia lido algo foi o Robert Galbraith (aka J. K. Rowling) com o “Chamado do Cuco”.
21. Melhor livro lido recomendado por alguém/por pressão: “A Invenção de Hugo Cabret” do Brian Selznick, que foi emprestado e teve sua leitura encorajada pela minha mãe.
22. Nova crush fictícia: Louis de “Entrevista com Vampiro” simplesmente porque não consegui ler o livro sem imaginá-lo como o Brad Pitt.
23. Melhor Estréia do Ano: ixi, acabei de perceber que não li nenhum lançamento de 2014 em 2014.
24. Locação mais vívida dos livros que você leu este ano: todo o universo de “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley, que dá um chacoalhão na nossa cabeça.
25. Livro que colocou um sorriso no seu rosto/mais divertido de ler: “O Diário da Princesa” da Meg Cabot.
26. Livro que te fez chorar: “Extraordinário” da  R. J. Palacio
27. Livro tesouro do ano: “A Lista Negra” da Jennifer Brown, porque sinto de fato como se tivesse descoberto um tesouro nesse livro. Ele tem uma história incrível e super soco na boca do estômago, mas nem faz tanto sucesso (pelo menos não aqui no Brasil).
28. Livro que acabou com a sua alma: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
29. Livro mais único do ano: “1922: A semana que não terminou” do Marcos Augusto Gonçalves porque realmente foi uma leitura única e muito diferente de tudo que li no resto do ano.
30. Livro que mais te deixou com raiva (não necessariamente quer dizer que você não gostou): “A Esperança” da Suzanne Collins e eu gostei muito!

Como o blog aqui não é apenas literário e eu ainda quero fazer um post ~retrospectiva~ de 2014, só respondi algumas perguntas dessa categoria.

1. Novo blog literário que você descobriu este ano: O Cabine Literária não é desse ano, mas eu descobri só esse ano (conta, né?) e apesar de gostar muito do blog que eles têm, sou fissurada mesmo é pelo canal.
2. Resenha favorita que você escreveu este ano: Esse ano não escrevi tantas resenhas quanto eu gostaria, mas ontem postei por aqui um vídeo com as minhas impressões sobre alguns livros de horror que li, e que eu gostei muito de gravar, diga-se de passagem. E pra quem quiser ver as resenhas em texto que rolaram por aqui em 2014, é só clicar.
3. Você completou algum desafio literário ou metas este ano? Eu só fiz aumentar meus desafios literários, isso sim! haha. Os principais que tô fazendo no momento é o The Rory Gilmore Reading Challenge e o 100 livros essenciais da literatura brasileira.

 

1. Um livro que você não leu este ano, mas será sua prioridade no próximo? “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman e os outros livros do Caio Fernando Abreu que eu ainda não li.
2. Book que você está mais ansiosa para 2015 (não-estréia)? Não é um livro e sim um gênero, já que tô querendo me jogar de cabeça mesmo no universo das graphic novels em 2015.
3. Estréia que você está aguardando? Nem sei o que está pra ser lançado em 2015 :/ haha
4. Final de série/sequel mais esperada de 2015? Nenhuma. As únicas séries que estou na metade são “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que ainda têm livros publicados pra eu ler e que mesmo o final vão demorar muito mais do que 2015 pra sair, e “O Diário da Princesa”, que também já teve todas suas sequências publicadas.
5. Uma coisa que você espera conquistar ou fazer no seu blog/vida literária em 2015? Fazer muito mais resenhas, de preferência de tudo que eu ler. E queria fazer isso tanto em texto quanto em vídeo.
6. Um lançamento de 2015 que você já leu/recomenda para todos? Socorro, gente, eu realmente não sou muito apegada nisso de lançamentos. Não lembrei de nenhum…

Ps: pra ver todas as minhas leituras de 2014, é só olhar essa listinha aqui que tenho no listography.
Bisous, bisous