Daisy – Marc Jacobs

“A mulher que não usa perfume não tem futuro.”

Coco Chanel

É claro que a meta número um de um perfume é ele fazer a gente se sentir conquistada por sua fragrância. Pode até ser de um jeito maluco, quando a gente associa aquele cheiro com um certo momento, pessoa ou cena da nossa vida (quem nunca?), transformando o aroma em uma lembrança. Ou pode simplesmente ser de uma forma que deixe a gente mais disposta a enfrentar o mundo lá fora, sabe? Tornando a gente mais corajosa e confiante.

Só que se além de tudo isso esse perfume também tem uma embalagem que é linda, que mais decora nossa penteadeira do que os móveis que foram comprados pra isso, bom, aí, minha gente, não há coração que não dispare.

Foto do meu instagram, @paulinhav

Daisy do Marc Jacobs é um perfume desse tipo. Além de ter o poder de me deixar mais confiante, ele já tá indiscutivelmente associado ao cheiro do meu antigo quarto na casa dos meus pais. E, como cereja no topo do bolo, faz o papel de objeto de decoração da penteadeira. Diz se tem como não amar?

 

Imagina um buquê de margaridas saindo da tampa do seu perfume? haha Parece ser bem extravagante, – e é! – mas me diga afinal qual perfume do Marc Jacobs não tem essa assinatura nada convencional do designer? Olhem o Honey, olhem o Dot ou até o Oh, Lola, todos perfumes do Marc que tem exatamente essa pegada de trazerem um design todo especial à embalagem do produto. Só que apesar do Daisy ter toda essa exuberância na tampa, as cores claras usadas nas flores deixam o frasco um charme, sem ser aquela coisa exagerada em cima da penteadeira que parece atrair todos os olhares.

Outro ponto positivo da embalagem é que as pétalas são feitas de vinil e gostosas de manusear, fora que como o frasco é mais retangular, a gente não corre aquele medão de bater o braço sem querer e derrubar tudo no chão. Quem é desastrada como eu sabe do que eu to falando haha.

Tentem tirar da cabeça aquela imagem clássica de perfume doce enjoativo. Apesar dele ter um aroma que remete as flores, o Daisy é fresco, não deixa a gente com aquela coceira no nariz e nem irrita quando alguém do lado tá usando. Ele é bem suave e como tem um tempo de fixação grande, é uma ótima escolha pra passar no começo do dia e ir enfrentar o trabalho, almoço, faculdade e o que mais você tiver na sua agenda.

E ah, lembram das explicações de nota de cabeça e nota de fundo desse post aqui? Então, na Sephora diz que nesse perfume do Marc Jacobs as notas de cabeção são o morango e as folhas de violeta e grapefruit vermelho, enquanto as de fundo são o musk, a baunilha e madeiras brancas. Só coisa cheirosa, mon dieu! E eu amo que no site da marca, na parte em que eles falam do perfume, foi usada uma definição que resume muito bem a sua essência: “ele é sofisticado, mas não é sério”. Desculpa aí, mas Marc tá apenas jogando a real pra gente de que pra ser elegante ninguém precisa ser boring haha (fatão!)

Na Sephora, o frasco de 50ml do Daisy sai por R$ 285,00, enquanto o de 100ml por R$355,00.

Quem aí tiver o perfume, conta aqui nos comentários o que acha dele.

Bisous, bisous

Mais da NYFW verão 2014

Opening Ceremony

Opening CeremonyEstreia da Opening Ceremony na NYFW e olha, só posso dizer que a marca tá de parabéns! Pra começar que eu achei super legal o fato deles terem pensado em outra forma, além do próprio desfile, de fazer o público interagir e conhecer mais do trabalho que eles realizam. Como? Montando uma feira de moda e gastronomia no Pier 57, que se estendeu por todos os dias da NYFW. Tudo parte do planejamento do Humberto Leon e da Carol Lim, os fundadores da marca, pra conectar os consumidores e possíveis consumidores com a Opening (#intimidades haha).

Nesse verão 2014 a OC mostra que quer ser aquele tipo de marca que faz roupa jovem, usável, colorida, mas que nem por isso deixa de lado a impecabilidade. Pra conseguir esse efeito eles apostam em uma série de estampas – algumas por exemplo formavam desenhos abstratos de longe, mas quando a gente olhava mais de pertinho via que eram mini florais – que deixaram a coleção viva e bem street. Só que ao mesmo tempo eles se arriscam em técnicas não tão fáceis assim e trouxeram uma modelagem bem oriental, muito elegante. Um amor de mistura.

Rodarte

Rodarte - verão 2014

Me permiti viajar (e muito) nessa nova coleção da Rodarte. Pra começar que pra quem tá acostumado com aquela Rodarte quase etérea, que é a cara de uma menina sonhadora, super ligada em moda (pra quem não conhece muito da marca, vale assistir esse fashion film deles de 2011, o “The Curve of Forgotten Things”, pra entender do que eu to falando), essa nova coleção é um susto.

Onde foi parar aquela garota?

A inspiração principal da marca veio de Los Angeles e ela usou de todos os elementos urbanos possíveis – que tão dominando essa temporada como ninguém – para essa coleção. Vai além até, e traz muito couro, franjas, animal print, hip hop na veia e as barrigas de fora (sim, de novo).

Isso, pelo menos, é o que tá na superfície.  Mas pra mim, o buraco é bem mais embaixo.

Quando me deparo com uma coleção dessas só consigo imaginar essa menina Rodarte que eu tenho aqui na minha cabeça passando por uma daquelas fases da vida em que ela quer provar de tudo um pouco. Porque não é só na adolescência que a gente descobre um estilo, uma banda, um amor novo que se incorpora também nas nossas roupas. Aliás, não é só na adolescência que a gente passa por uma fase de experimentar ser alguém novo, experimentar ser alguém fora daquele nosso mundinho de sempre. Pra mim, mais do que a Califórnia ou a ‘garota Rihanna’ (vejo tanto a Rihanna nessa coleção haha), essa menina Rodarte é alguém que tá passando por uma fase muito específica da sua vida, querendo descobrir coisas novas sim, mas principalmente querendo se descobrir.

Proenza Schouler

Proenza Schouler - verão 2014Desfile limpo e muito belo da Proenza Schouler. Lógico, não é uma roupa sempre fácil de usar, já que às vezes ela cria formas bem ovais no corpo das modelos. Mas ao longo da apresentação a marca vai equilibrando esse lado mais conceitual com peças que pela mor do santo antonio dos looks bonitos, são um arraso! Fiquei em transe com esse casaco longo da primeira foto e adorei a fluidez que o uso de plissado nas saias (que também são de uma altura difícil de usar, mas que quando usadas por quem segura o look, aff, são chiques demais) transportaram para a passarela.

Marc Jacobs

Marc Jacobs - verão 2014

Marc Jacobs tem uma qualidade muito rara hoje em dia: sabe rir de si mesmo e não ligar muito para o teoricamente certinho. Tanto é que nessa coleção ele simplesmente transgride tudo aquilo que se poderia esperar de um desfile de verão e traz uma coleção pesada, com cores ultra fortes. E arremata com o comentário: “Não importa. O que importa é se você quer ou não quer. Dispara no seu coração como a moda deveria fazer?” <3

É tanta estampa, tanta cor, tanta coisa nesse desfile! As proporções do começo da apresentação são um jogo de opostos: em cima uma peça toda estruturada, que às vezes lembra um toureiro, às vezes lembra um uniforme militar, e embaixo peças bem retinhas, que enxugam o visual e criam uma silhueta toda diferentona para as modelos. Pra mim, o mais belo mesmo é quando começam a aparecer os florais e arabescos do final do desfile. Tanto nos looks formados por duas peças quanto nos vestidos longos, as estampas criam efeito lindos.

Fica aquela certeza: você pode não gostar da coleção, pode não achá-la em nada usável, pode acreditar que tá tudo com cara de inverno e não verão. Não importa. Mesmo com todos os contras que você conseguir achar, certeza mesmo é que você termina essa semana de moda tendo Marc Jacobs como um dos desfiles mais memoráveis da estação.

Créditos das fotos: FFW/ImaxTREE

:)

Gostaram da NYFW? Sei que to bem atrasada (afinal já estamos nos desfiles de Milão e eu ainda nem falei de Londres. POFT!), mas semana que vem o blog vai ser atualizado bem mais rápido para os desfiles aqui não ficarem atrasados!

E ah, se quiserem ver as fotos maiores é só clicarem que elas abrem em uma janelinha aqui do blog mesmo.

Bisous, bisous.