La Maison Ladurée

No post que fiz de lugares para comer e beber em Paris, contei que tava afim de falar um pouquinho mais sobre a história da Ladurée, maison pela qual eu tenho o maior respeito e admiração, e que tem os melhores macarons do mundo.

Apesar de em Londres eu ter dado uma olhadinha curiosa na Ladurée da Harrods, foi só em Paris, nas lojas que ficam na Champ-Élysées e em Versailles (localizada no subúrbio de Paris), que eu realmente consegui visitar e olhar cada cantinho com mais calma. Na da Champ-Élysées, aliás, onde comprei meus macarons, a Ladurée tem também um restaurante maravilhoso que mantém o mesmo visual e o mesmo estilo de decoração da sua pâtisserie.

Catálogo de macarons da Ladurée. O de blueberry é meu preferido!

Fundada em 1862 na Rue Royale por Louis Ernest Ladurée, a maison iniciou suas atividades como uma pequena padaria e funcionou assim durante quase uma década, até que em 1871, quando sofreu um incêndio e foi obrigada a passar por uma reforma, renasceu como uma doceria. Anos mais tarde, Louis desenvolveria um conceito ainda mais abrangente para o lugar e misturaria a ideia da doceria com cafeteria, fazendo nascer assim a primeira fagulha da Laduré que conhecemos hoje em dia!

Particularmente, eu enxergo a Ladurée erigida sobre três grandes pilares: o sabor muito bem executado de seus quitutes; o ambiente estrategicamente criado em suas lojas (uma mistura de café parisiense com pâtisserie de qualidade) e um visual muito característico, que é delicado e inspirado no art de vivre francês.

Diz a lenda que o boom da marca se deu mesmo nos anos 30, quando foram criados seus famosos macarons. Além de deliciosos, os macarons da Ladurée eram diferentes dos que existiam até então porque eram feitos de duas “bolachinhas” ao invés de uma e de um recheio maravilhoso. Pronto, tava inventado um novo doce que conquistaria todo o mundo! O sucesso foi tanto que ao longo dos anos a maison passou a investir em outros tipos de negócios e a se tornar um império dentro e fora da França.

 {São vários os itens de beleza da marca, além dos “Les Merveilleuses”, uma coleção especial de cosméticos refinados.}

Com um nome de peso tão grande no mercado, várias outras marcas, designers e famosos desenvolveram parcerias com a empresa, e gente, só surgiu muita coisa linda e apaixonante daí! Teve, por exemplo, a graciosa colaboração feita com a Lanvin, quando Alber Elbaz – diretor criativo da marca – desenvolveu macarons de sabor chiclete que vinham em uma caixinha mega fofa. Teve também a parceria com a Uniqlo que rendeu 10 t-shirts ilustradas com símbolos da pâtisserie – ou que remetessem ao estilo parisiense de ser. E teve até parceria com a Ninna Ricci, uma das mais graciosas na minha opinião, que deu origem ao perfume La Tentation de Nina.

No site fofíssimo da Ladurée é possível conferir todos os endereços das suas muitas lojas espalhadas pelo mundo. No Brasil, existe uma em São Paulo no Shopping JK Iguatemi que eu ainda não conheço, mas que quero muito em breve ir conferir de pertinho.

Vocês também amam a Ladurée? Tem algum sabor de macaron preferido? Contem nos comentários!

Bisous, bisous e um restinho de terça-feira bem açucarada pra todo mundo.

Desbravando São Paulo #1

Como contei lá no facebook do blog, eu e Diego passamos alguns dias em São Paulo por três motivos: o número um era o de rever a Babi, a amiga-fotógrafa-gênia, que depois de seis meses na Argentina e uma rápida passagem de uma semana pelo Uruguai, voltou para sua casinha em São Paulo matando assim a saudade dos amigos brasileiros. O segundo motivo era porque queríamos (e merecíamos) uma mini férias e o terceiro era que a gente tava sentindo falta de uns programas assim mais culturais – e que a Babi sempre nos guia maravilhosamente bem. Fiz uma listinha dos lugares que fomos em São Paulo durante esses dias. Fica de ajuda pra quem é de lá, mas ainda não visitou alguma dessas lindezas, ou mesmo pra quem, como a gente, tá indo passar uns dias por lá e não sabe muito bem o que fazer.

Espero que vocês curtam e se tiverem outras indicações, fiquem a vonts nos comentários pra contar! Vou anotar tudo pra uma próxima passagem por lá (:

O Museu do Futebol fica no próprio Estádio do Pacaembu (que eu também não conhecia) e foi uma parada obrigatória pra gente porque fazia um tempão que o Diego queria conhecê-lo. Apesar do museu ser grande e ter várias salas dedicadas a diferentes épocas do futebol, senti falta de um espaço para o futebol feminino – só existe, literalmente, um painel que faz menção a isso – e um pouco mais de história e menos de ufanismo. Apesar de algumas áreas do museu acabarem contando eventos paralelos ao futebol – seja no campo político, social ou cultural – e isso ser uma sacada e tanto pra gente entender alguns eventos que aconteceram dentro do estádio, todas as salas transbordam patriotismo, o que em teoria não deveria ser o objetivo principal do lugar.

É sim de se esperar que o futebol brasileiro acabe ganhando um grande destaque dentro da história do futebol, mas soa um pouco claustrofóbico ver que a ideia ali dentro é mais de exaltação de nossos jogadores e história do que propriamente do que o futebol representa no mundo.

Site do Museu: http://www.museudofutebol.org.br/
Endereço: Praça Charles Miller, S/N – Estádio do Pacaembu 

O Café Girondino vale uma visita assim de cara já por causa da sua história: ele apenas é o café mais antigo de São Paulo! Inaugurado no começo do século XX ele é um prédio de dois andares que transpira história, mas tudo com um toque bem moderno, e que além de cafeteria, funciona como bar e restaurante. Apesar de eu ter ficado apenas no capuccino com misto quente (vocês não tem ideia da delícia que era esse misto quente! haha), a fama dos seus pratos é invejável. Além disso, o lugar tem uma decoração linda, é super intimista e pelas janelas a gente vê o movimento dos transeuntes do centro e o Mosteiro São Bento.

Site do Café: http://www.cafegirondino.com.br/
Endereço: Rua Boa Vista, 365 – Centro, São Paulo  

O Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo tem uma das arquiteturas mais incríveis que já vi. São vários andares e tudo lá, desde as escadarias até os lustres e colunas, são absurdamente imponentes. São várias exposições e mostras que rolam no lugar, mas as que visitamos foram a exposição “Resistir é Preciso”, que reconta a história da ditadura militar no Brasil entre os anos de 1960 a 1985, e a mostra “Musas, Nova Geração”.

A exposição tá muito bem organizada, com uma curadoria incri. A gente ficou um bom tempo lá conversando enquanto olhávamos tudo – a Babi é formada em História pela USP então vocês já podem imaginar que papo não faltou – e é de ficar abobado ver o  panorama de todos os acontecimentos que influenciaram direta e indiretamente na ditadura militar assim expostos em um mesmo lugar. Não dá mesmo pra imaginar o que as pessoas que de fato vivenciaram a ditadura dentro de suas famílias, em seu círculo de amigos e no trabalho, sofreram com todas coisas que aconteceram na época. A gente consegue entender, é claro, o contexto histórico, mas esse sentimento é muito mais profundo e só quem viveu, viveu. Essa exposição fica até 06 de janeiro no CCBB então se você ainda não viu, corre que dá tempo!

Já “Musas, Nova Geração” é uma mostra de filmes que tem como fio condutor dos longas a presença de atrizes ícones do cinema contemporâneo. Na mostra tem filmes como “As Vantagens de Ser Invisível”, “A Pele que Habito”, “Melancolia”, “Shame” e muitos outros, e nós assistimos a” Que mais posso Querer”. O filme é italiano e de uma realidade nua e crua. Esqueça ápices, ações e aquelas quebras de linearidade que a maioria dos longas têm, aqui é vida real mesmo. A mostra não rola todos os dias então precisa dar uma olhadinha na programação, mas ela vai até dia 08 de dezembro, então ainda dá tempo de você pegar um cineminha também.

Site do Centro Cultural: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/sao-paulo
Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 – Centro

A Livraria Cultura é parada obrigatória em São Paulo. Não acharia ruim mesmo morar lá, afinal, com o tanto de bons livros que ela tem nem preciso de mais nada (brinks, preciso sim haha). Essa que eu fui é a principal, que fica no Conjunto Nacional na Avenida Paulista, tem três pisos e além da loja central, possui outras várias separadas por temas específicos, como a parte de Artes e Geek. Além disso, ela tem uma revistaria incrível (com verdadeiros achados de revistas de moda), é a maior livraria do país e tem mais 11 unidades espalhadas pelo Brasil.

Site da loja: http://www.livrariacultura.com.br
Endereço: Avenida Paulista, 2073 

A Honey Pie pode até ser novinha nesse mundo da moda, mas esse tempo já foi suficiente pra mostrar que ali o trabalho é sério (e lindo!). É bacana que o trabalho ali é realmente artesanal, eles nem seguem esse lance de tendências ou estações, e as peças são feitas todas a mão na maison e depois vendidas na boutique (essa da foto). Eu fui conhecê-los, na verdade, por causa da Marina Espindola, uma guria fofa, fofa que eu conheci aqui nesse mundo dos blogs de moda, virou amiga de conversas no gmail e facebook e eu tive o prazer de conhecer nessa passagem por São Paulo. A Má é assessora de imprensa da Honey Pie e fui prestigiá-la na festa de um ano da boutique que aconteceu esse final de semana na Cidade Jardim.

A festa teve até degustação de cerveja artesanal, a Dear Prudence, feita especialmente para o evento (aliás, essas referências todas ao quarteto britânico mais amado do mundo tem a ver com o slogan da marca, que é “atemporal como uma música do Beatles? <3) e foi bacana porque a loja tava aberta e deu pra ver bem mais de pertinho algumas das peças lindas que eles têm. Tudo muito girlie e apaixonante.

Site da loja: http://www.maisonhoneypie.com.br/
Endereço da maison: R. Eng. Oscar Americano, 26 – Cidade Jardim

Endereço da boutique: Av. Cidade Jardim, 662 – Jardim Europa – São Paulo

O Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand) aos domingos abriga uma Feirinha de Antiguidade no seu vão livre. Lá são vendidos os mais diferentes tipos de antiguidades, como aneis, vasos, coleções (de bonecos a selos), notas antigas, estátuas, instrumentos musicais, etc e etc. Tem de tudo que você puder imaginar. Claro que o Masp em si é muito mais do que isso e abriga inúmeras exposições também, mas dessa vez eu só dei um pulo mesmo na feirinha que tinha visto por cima das outras vezes e amei. Pra quem estiver ali perto da Paulista durante o domingo, é uma ótima pedida.

Site do Masp: http://masp.art.br
Endereço: Avenida Paulista, 1578 – Cerqueira César

Essa foi a primeira vez que fui em uma Livraria da Vila. Depois que a Isabelly foi lá e me contou que a disposição das prateleiras davam uma sensação de infinito, fiquei curiosíssima pra conhecer o lugar. Ao todo são oito unidades em São Paulo e eu fui na da Lorena, essa da foto, que tem dois andares e esse “buracão” no meio da loja onde você vê a parte de baixo. A disposição é linda mesmo e a atendente foi de uma fofura sem fim comigo, vasculhando cada canto do lugar até achar o livro que eu queria. Agora fiquei com vontade de conhecer as outras unidades e suas particularidades (:

Site da livraria: http://www.livrariadavila.com.br
Endereço da loja da Lorena: Alameda Lorena, 1731 – Jardim Paulista

Ps: pra quem quiser ver mais fotos desses dias, lá no meu instagram (aka paulinhav) tem várias.

Bisous, Bisous!