A verdade é que minha fase literária tem perdurado há exatos 23 anos, mas, apesar disso, tenho que admitir que existem alguns momentos em que ela tá um pouco mais descontrolada do que o normal. Esse com certeza é um desses momentos e eu não poderia fazer a minha wishlist de novembro de outra coisa que não fossem livros.

Espero que você gostem e me contem o que já leram/querem ler nos comentários!

  • Coleção Jogos Vorazes – Suzanne Collins

Sexta-feira estreou nos cinemas o segundo filme da série estrelada pela minha BFF dos sonhos, Jennifer Lawrence. Confesso que o primeiro filme me encantou muito pela sua sinopse (apesar de haver alguns pontos que achei meios soltos no desenrolar da trama), mas antes de assistir ao segundo e saber a continuação da história, queria muito ler a coleção. Quando existem obras baseadas em livros, não sei explicar bem porquê, mas acabo sempre preferindo ler o livro primeiro antes de ver o longa. Juro que não sinto que tô perdendo em nada ao ir para o cinema e assistir uma história eu eu “já conheço”. Primeiro porque quase sempre rolam muitas diferenças entre uma e outra, afinal são adaptações, e segundo porque se foi uma leitura de que gostei, só vou querer mergulhar ainda mais naquela história.

Bom, apesar de nem sempre conseguir realmente manter essa ordem de preferência (taí Lolita, que estou lendo só agora depois de ter visto os filmes de 62 e 97, pra comprovar essa tese), com jogos Vorazes queria mesmo poder ler tudo antes de ver o segundo filme. Torçam pra eu conseguir.

 

  • Maus: a história de um sobrevivente – Art Spiegelman

Maus tá na minha wishlist não é de agora, e isso se deve tanto pela sua história quanto pelo fato de ser um dos quadrinhos mais famosos e importantes dos últimos tempos. Pra quem não conhece, o livro é narrado por Vladek Spiegelman, um judeus polonês que ao longo do livro conta ao filho Art como foi sua vida e sua sobrevivência dentro do campo de concentração de Auschwitz.

Afora toda a beleza do livro que a gente pode imaginar com uma sinopse dessas, o fato de se tratar de uma tema tão profundo e penoso como a Segunda Guerra Mundial me cria muita curiosidade. Ao lado da ditadura militar e da Semana de Arte Moderna de 1922, é dos temas históricos que mais impressionam e mexem comigo.

 

  • Músicas e Musas: a verdadeira história por trás de 50 clássicos pop

Desde quando conheci esse livro fiquei louquinha por ele, afinal ele mistura duas coisas que me inspiram muito: musas e música. Uma amiga muito querida, a Isabelly Lima, encontrou uma edição dele na livraria da sua faculdade e acabou comprando pra conhecer. Depois da avaliação que ela fez, contando como ele tem curiosidades daquelas de deixar o queixo caído e que a gente não consegue mais desapegar, me deu ainda mais certeza que preciso ter ele logo na minha estante.

 

  • Marilyn – Norman Mailer

Por falar em musas, Marilyn é com certeza uma das musas que mais me instigam. Depois de ler algumas coisas espalhadas por aqui e por ali dela, ter assistido alguns de seus filmes e visto o “Sete dias com Marilyn”, que conta a história da atriz, fiquei com aquela sensação de que ela com certeza é uma mulher muito além do que passava à primeira vista. Sabe gente que cria uma barreira de proteção contra o mundo e por dentro tá lá, fervilhando de ideias e pensamentos? Marilyn me soa como alguém assim, como uma mulher extremamente interessante que não conseguiu – e nem queria – mostrar tudo que tinha dentro de si para os outros. Esse livro aqui é uma biografia dela lançada no começo do ano. Mal posso esperar pra ler!

 

  • 100 anos de moda – Cally Blackman

Para todo mundo que é apaixonada por moda (oi!), deve ser difícil não desejar esse livro. Além de falar sobre a história da moda do século XX, destacando os principais momentos, designers e revoluções da área, ele também funciona como aqueles livros de centro de mesa que em qualquer página aberta te inspiram, afinal são mais de 400 imagens de moda icônicas espalhadas por suas folhas.

Acho o livro interessante também porque ele não se prende apenas a história da moda pura, mas vai criando paralelos com os movimentos artísticos, com a revolução feminista e outros fenômenos sociais, econômicos e culturais que tiveram profundas influências na moda. E essa capa linda de morrer, fruto daquelas fotos da Audrey batidas por Norman Parkinson em 1955, conquistou ainda mais meu coração.

 

  • Especiais e Extras – Scott Westerfeld

Como eu já contei aqui no blog, eu já li Feios e Perfeitos, os primeiros livros dessa coleção. Ela aliás recebe o nome do seu primeiro livro, “Feios” e é uma trilogia um pouco diferente do normal, já que é feita de quatro livros (?) haha. Isso porque o último livro publicado da série, o Extras, funciona meio que como um “anos depois” dos acontecimentos que acompanhamos nos três primeiros livros. Dessa forma a gente pode ver as consequências e mudanças (ou não) dos personagens depois de todos os conflitos passados na trilogia.

Se Scott Westerfeld quis aproveitar o sucesso dos outros três livros e dar um último suspiro a série apenas por motivos financeiros, nunca saberemos, mas como eu ainda preciso ler o último livro e não resisto a uma continuação de história, quero logo eles pra minha estante.

 

  • Era dos Extremos – Erick Hobsbawm

Esse livro é daqueles que todo mundo devia ter na estante, e eu fico envergonhada mesmo de ainda não ter o meu. Ele não é “apenas” um livro sobre histórias. Ele é um livro sobre as histórias do século XX e todos os seus conflitos, revoluções, artistas, movimentos, disputas, músicas, filmes, influências, enfim, tudo aquilo que foi marcante durante o século que passou. Se estiver errada alguém me corrija, por favor, mas pelo que sei Hobsbawm meio que divide a obra em duas partes/eras (dai o título do livro): a da catástrofe e a de ouro.

Ele não é um livro muito fácil de achar pra comprar (pelo menos não era nas últimas vezes que procurei), mas nem em sonho desisti da ideia de ter um pra chamar de meu.

E é isso. Até a próxima wishlist onde eu espero ser mais concisa e não deixar o texto giga haha.

Bisous, bisous