Wishlist literária

Fazia um tempo que eu não falava das minhas wishlists por aqui, e como junho tá sendo um mês em que vários livros tem me chamado atenção e me deixado com vontade de lê-los em breve, achei que nada mais justo do que falar um pouquinho sobre cada um deles. Então, vamos lá.

Wishlist literária

 

  • Quinze Dias – Vitor Martins

Acompanho o canal do Vitor Martins já faz algum tempo, e por algum motivo que nem eu sei explicar bem o porquê, sinto que vou me identificar muito com esse livro que ele escreveu e que acabou de ser lançado pela Globo Alt.

Eu gosto muito da forma como o Vitor pensa e se expressa, com o tipo de literatura que ele consome e recomenda, e com tudo o que ele faz lá no seu canal. E ainda que escrever um livro não se compare em nada com tudo isso que eu falei, eu acredito que ele é o tipo de pessoa que não tá escrevendo apenas por escrever, mas que tá de fato entregando um trabalho em que investiu tempo, dedicação e uma boa dose de criatividade, sabem? Como eu disse, não sei explicar bem porque acredito tanto nisso, mas o que com certeza sei dizer é que a sinopse da história é bem gracinha e que a capa do livro desenhada pelo próprio Vitor é tão linda que me deixou com ainda mais vontade de ler essa história.

  • Sobre a escrita – Stephen King

No momento estou lendo um outro livro do King, “It – A Coisa”, e acabei parando pra pesquisar um pouco sobre a vida do autor e algumas de suas obras. O fato é que desde então eu não consigo não me surpreender com a quantidade absurda de livros que ele escreveu, especialmente porque grande parte deles tem ótimas críticas, geraram outros vários produtos como filmes e séries e, em alguns casos, chegaram até a se tornar o que chamamos de “clássicos”. Ou seja, um autor que, gostando ou não do tipo de literatura que produz, precisamos aceitar que tem sim algo de especial.

Foi assim que “Sobre a escrita” acabou parando na minha wishlist. O livro é uma mistura de biografia do Stephen King com a importância que a escrita adquiriu na sua vida, e por mais que alguns amigos já tenham me dito que o livro tem lá suas partes egocêntricas, eu continuo muito, muito curiosa sobre o que vou encontrar nele. Não espero nenhuma fórmula pronta de “como sentar a bunda na cadeira e escrever” (até porque isso é meio autoexplicativo), mas espero entender pelo menos um pouco dessa motivação pela escrita fascinante que o King tem.

  • Ninguém vira adulto de verdade – Sarah Andersen

Eu sou fã confessa das tirinhas da Sarah Andersen e desde que folheei esse livro na livraria, não consegui mais desgrudar da cabeça esse pensamento de que preciso sentar, passar um café e ler esses quadrinhos de cabo a rabo.

A Sarah fala (e ilustra) de maneira muito divertida temas pertinentes e reais dessa chamada ~vida adulta~, e a gente fica com aquele sentimento de achar que todas as tirinhas delas foram feitas especialmente pra gente, porque é tudo muito igualzinho a nossa vida, aos nossos dramas, as nossas incertezas. Alguém que entende – muito bem – que crescer não é nem um pouco fácil.

  • As águas vivas não sabem de si – Aline Valek

Já faz um bom tempo que acompanho o trabalho da Aline Valek aqui nesse mundo mágico da internet, tanto em textos soltos que ela escreve por aí, quanto no Bobagens Imperdíveis, uma newsletter linda que ela criou faz três anos e que, agora em 2017, se transformou numa zine que chega todo mês aqui em casa.

Eu adoro a escrita da Aline, além dos assuntos nada convencionais que ela pensa e transporta pro papel, e desde que descobri “As águas vivas não sabem de si”, livro que ela lançou já tem um tempinho, fiquei com vontade de trazer mais esse trabalho dela aqui pra casa. A história do livro é, – como não poderia deixar de ser um trabalho da Aline – maravilhosamente fora da caixinha, apostando em um tipo de ficção que quase não tem espaço aqui no Brasil e que merece muito ser valorizada. Tô doida pra ler!

  • Tetralogia Napolitana

Tá, vou ser sincera. Eu sei bem pouco sobre a sinopse que ronda esses quatro livros da Elena Ferrante. Pra ser ainda mais sincera, eu diria que não sei nada sobre essa história. E, sim, mesmo assim quero ler esses livros, por um motivo muito simples: eu vejo as pessoas lerem Elena Ferrante e se apaixonarem perdidamente pela escrita da autora.

Sabe quando você vê seus amigos – ou mesmo pessoas que você acompanha de longe pela internet – falando com tanta paixão dessas histórias que te dá vontade de fazer parte daquilo?  Quando você vê uma série fazendo sucesso, mas não daquele jeito histérico e às vezes até meio enfadonho, mas de um jeito bonito, de um jeito envolvente, de um jeito que faz você saber que você vai se apaixonar por aquilo também?

Elena Ferrante é assim pra mim, mesmo que a gente não se conheça ainda. Mesmo que eu não saiba quase nada sobre seus livros ou mesmo sobre ela. Só me resta torcer pra que nossos caminhos se cruzem logo.

Beijos e boa noite

TAG: os livros que li esse ano

Eu vi essa tag lá no blog da Irena Freitas, que por sua vez viu a tag no blog da Tany e que foi quem traduziu a tag do blog da Jamie, a criadora de fato dessas perguntas. Eu gostei tanto da ideia (não me lembro de já ter visto uma tag de final de ano só de livros) que quis trazer pra cá do jeitinho que a Tany traduziu. Ficou beem grande, mas acho que é um bom panorama de tudo que eu li esse ano, quero ler ano que vem e planejo pra 2015.

Quem quiser pode ficar a vontade pra fazer a tag também, lembrando só de dar os créditos pras criadoras 😉

Lidos: 28 (mas na esperança de terminar mais um até o final do ano)
Relidos: “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice e “O Diário da Princesa” da Meg Cabot. Os outros foram todos leituras novas.
Gênero mais lido: Distopias

1. Melhor livro que você leu em 2014: já vou começar roubando e escolhendo dois; “A Metamorfose” de Franz Kafka e “Jogador Nº1” de Ernest Cline
2. Livro que estava ansiosa e achou que ia amar, mas não amou: “Especiais” do Scott Westerfeld.  Apesar de amar a série, acho que entre o segundo e terceiro livro o autor se perdeu um pouco.
3. Livro mais surpreendente (positiva ou negativamente) que você leu: “Bidu – Caminhos” do Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho. Apesar de já ter vontade de ler os livros dessa coleção, Bidu se mostrou ser uma HQ ainda mais bonita do que eu imaginava e de uma delicadeza gigantesca.
4. Livro que você mais recomendou para as pessoas lerem (e elas leram): “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath. Ainda na época que tava lendo o livro, lá pelo meio de fevereiro, mandei o pdf que tinha achado pra Babi pra ela também poder ler (só saiu uma nova versão desse livro agora no final do ano, já que até então ele tava esgotado). Além dela, a Isa do Refletindo Moda também leu o livro
5. Melhor série iniciada em 2014? Melhor sequência de 2014? Melhor final de série de 2014? “Jogos Vorazes” da Suzanne Collins que iniciei e terminei esse ano. Vale também uma menção honrosa pra “Feios” do Scott Westerfeld que eu terminei esse ano e “O Diário da Princesa”, uma delícia de guilty pleasure que comecei agora no final de 2014.
6. Autor favorito descoberto este ano: Ai, que pergunta difícil! Acho que tenho que dizer Neil Gaiman, já que ler Coraline e me deparar com a forma como ele conseguiu escrever uma história tão pesada de maneira tão fluida, pura e direta, me despertou uma vontade gigantesca de ler mais coisas do autor.
7. Melhor livro de um gênero que você normalmente não lê/fora da zona de conforto: Sem sombra de dúvida foi “Jogador nº1”. Costumeiramente quem lê livros assim é meu namorado (o livro que eu li, aliás, é dele) e não eu haha.
8. Livro mais cheio de ação/empolgante/impossível de largar: “Battle Royale” do Koushun Takami.
9. Livro que você leu este ano e provavelmente lerá novamente ano que vem: Sinceramente? Nenhum. Apesar de ter amado muitos livros que li esse ano, prefiro deixar pra ler livros novos em 2015, ou então reler apenas livros que faz muito tempo que eu li.
10. Capa favorita dos livros lidos: mais uma roubadinha pra poder escolher dois; “Bidu – Caminhos”, que tem a ilustração mais linda do mundo, e “Quem sabe um dia” da Lauren Graham que tem uma fotografia apaixonante. Daquelas fotos que eu queria fazer parte.
11. Personagem mais memorável: Gregor Samsa de “A Metamorfose” do Franz Kafka.
12. Livro mais bem escrito: “The Great Gatsby” do F. Scott Fitzgerald
13. Livro mais provocante/life-changing: acho que aqui cabe melhor um livro life-changing. No caso, o “A Redoma de Vidro”, da Sylvia Plath.
14. Livro que você não acredita que esperou até este ano para ler: “A Era Chanel” do Edmonde Charles-roux. Comprei esse livro faz tanto tempo (e ele é tão bom!) que não sei mesmo porque demorei tanto tempo pra lê-lo.
15. Passagem/quote favorita entre os livros lidos este ano: “I took a deep breath and listened to the old brag of my heart. I am, I am, I am” – “A Redoma de Vidro”, Sylvia Plath.
16. Maior e menor livros lidos: o maior foi “Battle Royale” com 664 páginas e o menor foi “Confissões de Adolescente” da Maria Mariana com 128 páginas.
17. Livro que mais te chocou: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
18. OTP do Ano: Katniss Everdeen e Peeta Mellark de Jogos Vorazes.
19. Relacionamento não-romântico favorito: Cormoran Strike e Robin de “O Chamado do Cuco”. Porque é sempre bom ver uma história em que os dois personagens principais poderiam, mas não possuem uma relação baseada em nenhum tipo de romance.
20. Livro favorito lido este ano por um autor que você já tinha lido anteriormente: acabei de perceber que o único autor que li esse ano e de quem eu já havia lido algo foi o Robert Galbraith (aka J. K. Rowling) com o “Chamado do Cuco”.
21. Melhor livro lido recomendado por alguém/por pressão: “A Invenção de Hugo Cabret” do Brian Selznick, que foi emprestado e teve sua leitura encorajada pela minha mãe.
22. Nova crush fictícia: Louis de “Entrevista com Vampiro” simplesmente porque não consegui ler o livro sem imaginá-lo como o Brad Pitt.
23. Melhor Estréia do Ano: ixi, acabei de perceber que não li nenhum lançamento de 2014 em 2014.
24. Locação mais vívida dos livros que você leu este ano: todo o universo de “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley, que dá um chacoalhão na nossa cabeça.
25. Livro que colocou um sorriso no seu rosto/mais divertido de ler: “O Diário da Princesa” da Meg Cabot.
26. Livro que te fez chorar: “Extraordinário” da  R. J. Palacio
27. Livro tesouro do ano: “A Lista Negra” da Jennifer Brown, porque sinto de fato como se tivesse descoberto um tesouro nesse livro. Ele tem uma história incrível e super soco na boca do estômago, mas nem faz tanto sucesso (pelo menos não aqui no Brasil).
28. Livro que acabou com a sua alma: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
29. Livro mais único do ano: “1922: A semana que não terminou” do Marcos Augusto Gonçalves porque realmente foi uma leitura única e muito diferente de tudo que li no resto do ano.
30. Livro que mais te deixou com raiva (não necessariamente quer dizer que você não gostou): “A Esperança” da Suzanne Collins e eu gostei muito!

Como o blog aqui não é apenas literário e eu ainda quero fazer um post ~retrospectiva~ de 2014, só respondi algumas perguntas dessa categoria.

1. Novo blog literário que você descobriu este ano: O Cabine Literária não é desse ano, mas eu descobri só esse ano (conta, né?) e apesar de gostar muito do blog que eles têm, sou fissurada mesmo é pelo canal.
2. Resenha favorita que você escreveu este ano: Esse ano não escrevi tantas resenhas quanto eu gostaria, mas ontem postei por aqui um vídeo com as minhas impressões sobre alguns livros de horror que li, e que eu gostei muito de gravar, diga-se de passagem. E pra quem quiser ver as resenhas em texto que rolaram por aqui em 2014, é só clicar.
3. Você completou algum desafio literário ou metas este ano? Eu só fiz aumentar meus desafios literários, isso sim! haha. Os principais que tô fazendo no momento é o The Rory Gilmore Reading Challenge e o 100 livros essenciais da literatura brasileira.

 

1. Um livro que você não leu este ano, mas será sua prioridade no próximo? “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman e os outros livros do Caio Fernando Abreu que eu ainda não li.
2. Book que você está mais ansiosa para 2015 (não-estréia)? Não é um livro e sim um gênero, já que tô querendo me jogar de cabeça mesmo no universo das graphic novels em 2015.
3. Estréia que você está aguardando? Nem sei o que está pra ser lançado em 2015 :/ haha
4. Final de série/sequel mais esperada de 2015? Nenhuma. As únicas séries que estou na metade são “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que ainda têm livros publicados pra eu ler e que mesmo o final vão demorar muito mais do que 2015 pra sair, e “O Diário da Princesa”, que também já teve todas suas sequências publicadas.
5. Uma coisa que você espera conquistar ou fazer no seu blog/vida literária em 2015? Fazer muito mais resenhas, de preferência de tudo que eu ler. E queria fazer isso tanto em texto quanto em vídeo.
6. Um lançamento de 2015 que você já leu/recomenda para todos? Socorro, gente, eu realmente não sou muito apegada nisso de lançamentos. Não lembrei de nenhum…

Ps: pra ver todas as minhas leituras de 2014, é só olhar essa listinha aqui que tenho no listography.
Bisous, bisous

Resenhas | Meses do horror literário

Eu tardo, mas não falho. Finalmente aqui estão as  resenhas dos livros do “mês literário do horror”!

Dos quatro da lista inicial, ainda faltar ler “Histórias Extraordinárias” do Edgar Allan Poe, mas eu decidi deixá-lo pra depois, já que já estamos quase no final de dezembro e eu não queria de jeito nenhum prolongar ainda mais a postagem desse vídeo. Portanto, aqui vão as resenhas de “Coraline” do Neil Gaiman, “Horror em Amityville” do Jay Anson e “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice. A resenha do livro do Poe fica pra 2015, ou em vídeo ou em texto aqui no blog mesmo.

Ah, não se esqueçam de se inscreverem no canal (esqueci de falar isso no vídeo, poft!) e curtirem o vídeo. Eu ainda tô descobrindo como fazer resenha em vídeo sem me embananar toda, haha, por isso ia me ajudar muito se vocês comentassem sobre o que acharam da gravação e o que eu podia melhorar.

Bisous, bisous!

Mês literário do horror

Inspirada pela Tati Feltrin do Tiny Little Things, resolvi também fazer aqui no blog um “mês literário de horror/terror”!

A ideia é ler apenas livros desse gênero durante o mês de outubro e, no final do mês, voltar aqui em outro vídeo pra resenhá-los. Pra acompanhar o que eu tô lendo ~em tempo real~ é só ficar de olho na página do blog, onde eu vou contando minhas impressões de cada um deles ao longo das leituras.

Por enquanto, gravei um vídeo explicando melhor como vai funcionar tudo isso e também contando quais os livros que escolhi pra ler esse mês. Agora, fica aqui o desafio pra vocês de também embarcarem nessa ideia e só lerem livros de terror durante esse mês! Quem topar, faz um post ou grava um vídeo contando o que vai ler (lembrando sempre de linkar a Tati, de quem é a ideia original) e, se quiser, deixa o link aqui. Tô doida pra saber o que vocês vão escolher!

E ah, se gostou da ideia não se esqueça de curtir o vídeo e se ainda não segue o canal do blog, corre lá já pra se inscrever 😉

Bisous, bisous

In our time

Confesso que nunca li nada de Ernest Hemingway, mas isso não quer dizer que eu não seja (muito) curiosa pelas obras desse autor. “Por quem os sinos dobram” (nome também de uma das melhores músicas do Raul Seixas) e o “Velho e o mar”, especialmente, são títulos que, com certeza, tão na minha lista para um dia serem lidos.

Por isso que esses dias, navegando pelo site do Fashion Editorials, – se você não conhece, clica e vem pirar nos editoriais maravilhosos que eles postam – tive um pequeno surto de felicidade quando encontrei esse editorial aqui. Ele é velhinho, da Vogue US lá de junho do ano passado, mas achei tão charmoso, com imagens tão fortes e tão delicadas ao mesmo tempo que decidi trazê-lo pra cá.

Mais do que uma homenagem a Ernest, em cenas retratadas na comunidade de Boca Grande, sudoeste da Flórida, estado em que o escritor de fato morou com sua segunda esposa, o editorial aqui debaixo é uma homenagem a todo um estilo de vida adotado por ele durante essa época. O “In our time” do título, além de ser uma referência a uma obra de contos de Hemingway, é também uma forma de expressar essa ideia de “como as coisas funcionavam aqui, entre a gente, no nosso mundo”.

É legal também entender que esse é um recorte de uma época muito específica da vida do escritor, uma das poucas provavelmente em que ele realmente descansou, em que ele passou dias convivendo em família em um lugar meio paradisíaco. Depois disso, Ernest voltou pra sua vida de correspondente internacional – uma de suas grandes paixões – e viveu outros grandes romances. Foram quatro casamentos no total.

A modelo que estrela as fotos daqui desse post é a Dree Hemingway, bisneta do autor. Sua avó foi filha do primeiro casamento de Ernest, e Dree se tornou uma modelo-sucesso, já tendo desfilado pra Givenchy, Calvin Klein, Chanel e feito campanhas pra Gucci, Valentino, Jean Paul Gaultier e … Ai, a lista é imensa!

Junto com ela está o ator Jason Clarke, que fez filmes como A Hora mais Escura e The Great Gatsby – que eu ainda não vi, shame on me – e Theo James, que eu vou confessar que não conhecia, mas que aparentemente fez uma série americana chamada “Golden Boy” e que será um dos personagens da adaptação de Divergente para os cinemas.

O editorial vem todo printado em acessórios e pequenos detalhes que remetem a época, como o penteado da modelo, as pérolas e os óculos de sol enormes, mas é claro que tem também muita bossa atual nas fotos. Essa mistura fica gostosa e faz a gente achar que de fato tá revivendo a atmosfera de anos atrás.

Hemingway é considerado um dos membros da “Geração Perdida”, que incluía escritores como F. Scott Fitzgerald, T. S. Eliot e James Joyce; nomes da literatura muito influentes para a sua época e para os dias de hoje. Ele cometeu suicídio em 1961, assim como seu pai, e é triste perceber como mentes tão privilegiadas quase sempre andam de mãos dadas com a depressão e com uma busca incessante por algo que nem elas mesmas sabem explicar. O autor deixou pra trás não apenas obras memoráveis entre romances e contos, como também um prêmio Pulitzer que ganhou por “O velho e o mar” e um Nobel de Literatura.

Model & Stars: Dree Hemingway, Jason Clarke & Theo James
Photographer: Bruce Weber
Stylist: Camilla Nickerson
Hair: Orlando Pita
Makeup: Aaron de Mey