Sobre os últimos e os próximos dias

http://charlottedaydesign.com/

Como vocês devem ter notado, durante esse mês tem rolado post quase todos os dias aqui no blog. Digo quase porque nos finais de semana eu me permiti ficar longe da internet (exceto no primeiro final de semana do mês, em que falei sobre minha mudança de visual e fiz a resenha de Precisamos falar sobre o Kevin) e também porque houveram dois dias ~normais~ em que também não postei, já que precisava entregar alguns freelas.

A minha vontade de escrever mais por aqui vem de dois motivos: o primeiro é que eu sentia que tava muito displicente com a minha escrita, e ainda que o blog seja apenas um hobby, eu gosto de o levar bastante a sério. E o segundo é que sentar na frente do computador e escrever todo dia tem me ajudado muito no projeto-mor desse ano – e de que eu falei nesse post aqui. Ter mais foco é a minha grande meta de 2016 e ainda que a internet seja uma das minhas maiores aliadas nesse processo, ela também é uma das minhas maiores inimigas. Louco, não?

Quando eu preciso sentar aqui e fazer algo rápido e sério e que na maioria das vezes envolve escrita, eu acabo demorando muito mais tempo do que deveria porque me distraio facilmente. E não dá pra ser assim. Se eu não sou assim no trabalho, por que raios vou ser assim na minha casa?

Foi por tudo isso que decidi que iria tentar postar todos os dias esse mês e, hoje, 20 dias depois, venho aqui contar que tenho conseguido fazer isso com bastante sucesso. 😀

http://charlottedaydesign.com/

Como eu não deixo os posts agendados, todo dia depois do trabalho (em que, aliás, eu já tava escrevendo, só que pra revistas), eu tenho que vir aqui na frente do computador e escrever sobre o tema do dia.

Tenho que admitir que tá sendo mega cansativo. Mas tá valendo a pena. Eu tenho conseguido focar muito mais nos textos, indo lá e fazendo o que tem de ser feito, sem muita distração. E isso tá me ajudando muito, inclusive em freelas que eu tenho conseguido fazer com mais rapidez.

Por outro lado, existem alguns dias em que eu fico completamente sem ideia do que postar. Eu sou muito movida a inspiração e o blog tem essa função de ser o lugar onde eu deposito tudo isso, além das minhas dúvidas, meu dia a dia, meus gostos, minha visão da moda… E se não tem algo que eu ache verdadeiramente legal e interessante pra escrever, eu deixo quieto e espero surgir um novo tópico na minha vida. Postar ~qualquer coisa~ só por postar não rola e deturpa completamente a ideia que eu faço da blogosfera.

Portanto, encerro esse post com duas considerações. A primeira é que de tão positiva que tá sendo a experiência desse mês, eu quero leva-la – ainda que de forma muito menos rigorosa – pra frente, ou seja, que mesmo depois que abril acabar, a ideia é postar ainda com bastante assiduidade aqui no blog. Não vai ter post todo dia, mas vai ter muito mais post do que tinha antes.

A segunda é que tanto agora em abril quanto depois que o mês terminar, eu já imagino que vão rolar alguns dias de “falta de inspiração” de temas. Normal, né. E aí queria pedir a ajuda de vocês pra me ajudarem com sugestões. Vale TAG, bate papo, resenha, história de algum estilista, o que vocês acharem interessante. Se for algo que me inspire, que me faça pensar, que me chame a atenção, certeza que eu vou escrever sobre o assunto aqui. E mesmo que não role de fazer exatamente aquilo que foi sugerido, às vezes uma ideia dada me ascende outra na cabeça  e isso acaba virando post também.

Então, é isso. Espero muito contar com a ajuda de você! E podem deixar ideias aqui ou em qualquer outra rede social, mandar email, etc, que eu vou olhar tudo. Qualquer sugestão é mais do que bem-vinda!

Bisous, bisous e até amanhã.

– As ilustras desse post fazem parte de uma série linda, linda da ilustradora Charlotte Day. Aqui o link do site dela, cheinho de imagens maravilhosas.

O que eu quero pra 2016

Se existia uma certeza nesse blog era a de que todo final de ano eu faria um post por aqui listando as minhas metas dos próximos 365 dias. E quando eu faço essas metas, eu listo de tudo, de coisas pessoais a profissionais, de coisas muito grandes a coisas muito pequeninas, de coisas muito difíceis até outras que eu sei que é só eu me esforçar um pouquinho pra que tudo dê certo. E são metas que eu sempre encaro de unhas e dentes e faço questão de olhar no final do ano pra ver o que deu certo ou não, pra ver onde errei e onde acertei. Até porque o intuito é esse, né? Aprender todo um ano um pouco mais, com as coisas ruins e com as coisas boas.

Só que nesse ano, se vocês acompanharam todos os posts que rolaram em dezembro por aqui, devem ter notado que não postei minha lista. E a verdade é que isso não aconteceu porque eu não a escrevi. Até porque eu sou assim, uma garota que gosta de listar coisas, que gosta de se organizar, que gosta de ter metas e objetivos. Eu sonho alto, tão alto que eu tenho até medo da altura dos meus sonhos. E acho que são exatamente essas vontades – que quando colocadas numa lista assim, parecem me incentivar ainda mais – que me fazem chegar lá.

Mas como eu ia dizendo, eu não postei minha lista de resoluções esse ano aqui. E o motivo é que o que eu desejava de verdade pra 2016, e que foi o que eu coloquei no papel, eram coisas muito mais abstratas do que nos outros anos. As tais das coisas pequenininhas que eu falei ali em cima, mas que no final fazem uma diferença enorme na nossa vida. Coisas que são difíceis de explicar, porque pra mim mesmo ainda estão tomando forma.

E na hora de falar sobre essa lista aqui, percebi que fazia muito mais sentido eu falar sobre a única coisa que unia todos os itens que nela apareciam. A coisa que fez eu perceber o que eu queria – e quero – de verdade pra 2016.

Eu preciso de um eixo esse ano. Eu preciso conseguir me desligar das coisas que só me atrapalham. Eu preciso aprender a começar e terminar essa coisa que eu comecei. Eu preciso aprender a não me auto sabotar com horários, prazos e metas malucas. Eu preciso aprender a mirar em algo e trabalhar pra que aquilo dê certo, sem deixar que coisas que não deveriam se infiltrar no meio desses planos, se infiltrem. Eu preciso saber das minhas limitações. Eu preciso entender que eu devo levar certas coisas mais a sério. E preciso entender também que tem outras tantas coisas que eu não devo dar a mínima.

Eu preciso de foco esse ano. Assim, em letras garrafais.

E eu acho que 2016 tem tudo pra ser esse ano (até porque ele já começou de forma maravilhosa, e muito em breve eu vou contar aqui o porquê). O ano pra eu me tornar essa pessoa que consegue se desvencilhar do que não é legal – pelo menos não naquele momento – e mirar no que importa.

E eu acho que agora vai. Fé e foco que vai dar certo.

Bisosu, bisous