Sobre os últimos dias

Faz quase um mês que não posto aqui no blog e, de lá pra cá, muita coisa mudou.

Foto by Bárbara Carneiro

Foto batida pela Babi em um dia ensolarado no Parque da Aclimação

O engraçado é que todas essas mudanças não foram coisas palpáveis, do tipo que eu posso apontar e dizer “foi isso aqui que aconteceu, tá vendo?”. Não é nada do tipo. Não ganhei na loteria, não mudei de emprego, não achei um novo hobby maluco pra começar a fazer e nem mesmo fiz algumas das muitas viagens que vivo planejando. Na verdade, de palpável mesmo aconteceu que nesse último mês eu me atolei em trabalho, quase não consegui parar em casa e consequentemente escrever por aqui. Mas fora tudo isso, fora todas essas coisas ~reais~ que acontecem no nosso dia a dia, nada mudou. A não ser é claro que muita coisa mudou, aqui por dentro.

Sinto que tenho passado por um dos momentos mais difíceis da minha vida, emocionalmente falando. Uma das crises mais doídas que eu já tive. Quer dizer… Quem que eu tô querendo enganar? É a crise mais doída que eu já tive. E mistura um monte de coisas, o que torna tudo ainda mais complicado. Especialmente porque tem a ver com uma das coisas que eu mais amo fazer na vida, que é escrever, e tem também a ver com um monte de problemas de autoestima que eu desenvolvi.

E olha, me dói muito falar sobre isso, porque se teve uma coisa que eu sempre acreditei e falei, fosse aqui no blog ou fosse entre as minhas amigas, é que a gente precisa aprender a se amar do jeito que a gente é. Porque isso é algo em que eu realmente acredito. Mas acredito mesmo, do fundo do coração, não tenham dúvida. E é aí justamente o problema: me bate uma certa vergonha de me sentir assim, de passar por todos esses problemas que tô passando e que dizem respeito a minha aparência, sendo que eu acredito nessa premissa.

Como se não bastasse tudo isso, tem um outro fator muito complicado nessa história toda, que tem deixado as coisas ainda mais problemáticas: eu sou uma pessoa muito difícil de me abrir, de falar o que eu tô sentindo e pensando.

Vejam bem, não é que eu não conte sobre os meus problemas pras pessoas mais próximas, eu até conto. Mas eu guardo isso ainda aqui comigo, e fico remoendo as situações, e pensando nelas, e sofrendo repetidamente um zilhão de vezes. O que é exaustivo de uma tal maneira que vocês não fazem ideia.

Quadrinho da Giovana Medeiros

Quadrinho lindo da maravilhosa Giovana Medeiros (no instagram @giovanamedeiros)

Por causa disso, nos últimos dias tenho tentado praticar um exercício diário de aprender a ‘deixar ir’. De viver aquela tristeza sim, mas saber o momento de levantar e continuar. Ainda que doa um pouco. Ainda que doa muito. Porque a verdade é que o mundo não para pra gente juntar nossos caquinhos, e é necessário aprender a fazer isso enquanto outras muitas coisas acontecem na nossa vida.

E claro que não é fácil. Nunca é fácil conseguir mudar algo que, ainda que nos faça mal, já faz parte do nosso jeito de pensar e agir. Mas acho que pouco a pouco as coisas estão melhorando, especialmente porque eu tenho pessoas incríveis ao meu lado, como o Di, que tem sido não apenas o melhor noivo que eu poderia desejar, mas também o melhor amigo, e tantas outras pessoas queridas que vêm me ajudando de maneiras que às vezes nem eles sabem.

Além disso, tenho depositado muitas esperanças que 2017 vai ser um ano incrível, a começar por janeiro que promete coisas muito legais – mas que eu vou deixar acontecerem primeiro antes de vir tagarelar aqui.

Os próximos posts aqui do blog devem ser sobre coisa mais leves, já que estamos em dezembro e às vésperas da minha data preferida de todos os tempos: o Natal. E também porque nesses dias onde o mundo todo anda um caos, a gente precisa de uns momentos mais tranquilos assim, que deixam nosso coração mais aquecido e feliz. Eu acredito muito nisso.

Beijos e bom restinho de segunda-feira.

Os cinco de dezembro e janeiro

Eu demorei tanto tempo pra escrever “os cinco de dezembro” aqui no blog que acabou sendo melhor esperar o final de janeiro e finalmente fazer os dois resumos mensais juntos. E como é um novo ano e em 2016 eu quero mudar bastante coisa por aqui, eu decidi que agora, junto com as fotos, também vou colocar os links pra todos os posts que rolaram no blog durante o o mês. Pra quem perdeu algum dos textos, fica muito mais fácil de achar! É só clicar e ler :)

Janeiro

Yes, I wanna hold your hand

Yes, I wanna hold your hand

No primeiro dia do ano, Diego me pediu em casamento e eu comecei 2016 me sentindo numa bolha de amor e felicidade.

A gente sempre pensou em, algum dia, oficializar nossa relação e casar de papel passado, mas tornar isso mais real com as alianças de noivado ganhou um significado ainda mais bonito pra mim – ainda que a gente pense em se casar de fato só mais pra frente, daqui uns dois anos.

Um dia ainda faço um post sobre isso no blog, mas quem me conhece sabe que eu não idealizo e nem quero um “casamento tradicional”. Nossa ideia sempre foi a de casar no civil e fazer um almoço pequenininho pras nossas famílias e amigos íntimos, com no máximo, uma troca de votos (estilo casamento americano) entre a gente. Nem eu nem Diego queremos igreja, festa e muito menos aqueles mil preparativos que começam mais de um ano antes e deixam todo mundo louco. Fora, é claro, o dinheiro absurdo investido.

Entendo quem sonhe com isso (tenho amigas que consideram essa data muito importante e sonham com o vestido, a igreja, a festa e tudo mais), mas eu sempre pensei no meu casamento como algo muito diferente. Acho que o que ele vai representar pra mim e pro Diego não tem nada a ver com isso. É difícil explicar, mas acho que nosso comprometimento, nosso amor, nossa lealdade podem ser celebrados de outras formas. Formas que têm muito mais a ver com a gente, com nosso jeito e aquilo que acreditamos. E assim vai ser.

Das fotos do aniversário

Das fotos do aniversário

Completei 26 anos e decidi comemorar meu aniversário com festa, bolo, brigadeiro, piscina com bexigas de corações e família e amigos por perto. Cheguei a fazer um post aqui no blog sobre como foi esse sábado (aqui o link da playlist maravilhosa que tocou na festa), mas como lá só usei as fotos que bati na Instax Mini 8, achei que nada mais justo do que postar nesse resumo mensal uma foto batida com a minha outra câmera e que tem duas pessoas que eu gosto muito. Marisa e Diego, – que por coincidência também tem o sobrenome Melo, assim como o Di – são dois amigos maravilhosos, inteligentes e criativos. Gente que eu admiro muito e quero botar em um potinho, sabe?

No coquetel de inauguração do novo estúdio do Johnny Tattoo

O novo estúdio do Johnny Tattoo agora tem uma barbearia vintage!

Não sei se já falei sobre isso aqui, mas há algum tempo comecei a escrever uma coluna quinzenal sobre moda lá no blog do Johnny Tattoo. Eu já contei a história do estúdio em um vídeo lá no youtube e como tenho um grande respeito pelo trabalho deles, fiquei muito feliz quando rolou esse convite.

Em janeiro aconteceu o coquetel de inauguração de mais uma unidade deles, agora no Boulevard Shopping, e além do estúdio de tatuagem e da loja de roupas que já tinham na primeira loja, esse novo espaço tem também uma barbearia vintage, daquelas de barbear à navalha. Fiz um post especial pro blog deles contando como foi a inauguração e todas essas novidades do lugar, e no dia mostrei lá no snap tudo que rolou na festa. Se ainda não me segue, eu tô lá como 👻 little_blog.

Delícia de prato e lindeza de decoração

Delícia de prato e lindeza de decoração

Há pouco tempo abriu um lugar em Bauru chamado Armazém Santo Expedito que funciona como um grande mercadão. São vários alimentos de fabricação própria e outros vendidos lá dentro que dão água na boca só de olhar, tipo queijos de diversos tipos e tamanhos que são uma verdadeira perdição pra mim. Além disso, eles têm também uma adega muito bem servida e vários pratos a la carte servidos em um restaurante super bonitinho.

Lá pelo metade do mês, eu e Diego fomos jantar no Armazém e confesso que além de ter amado esse escondidinho com carne seca da foto, eu fique apaixonada pelo desenho do meu prato que, aliás, varia de prato pra prato, deixando a decoração das mesas ainda mais bonita.

Minha atual leitura

Minha atual leitura

No final de janeiro comecei a ler “Precisamos falar sobre o Kevin” de Lionel Shriver e nesse momento me encontro lá pela metade do livro. O filme eu já havia visto há algum tempo e adorado, mas confesso que a escrita do livro é mais envolvente porque todos os acontecimentos são narrados em forma de cartas do ponto de vista da mãe do garoto. Assim, ficamos sabendo absolutamente tudo que ela pensava, sentia e queria (ou não) antes e depois do incidente que é o mote principal do enredo.

Essa forma do livro de ser construído (no caso, todo por cartas) me lembrou muito a estrutura de “As Vantagens de Ser Invisível”, que por coincidência também tem Ezra Miller – que faz o Kevin na versão dessa minha leitura feita para os cinemas – como parte do trio de personagens principais de The perks of being a wallflower.

Tô bem envolvida pelo livro e feliz porque entre o final do ano passado e começo desse ano tenho conseguido me dedicar mais as minhas leituras mesmo com a correria do dia a dia.

POSTS DE JANEIRO

Dezembro

O inimigo secreto da equipe

Quando chega dezembro e eu vejo as reclamações que o pessoal faz na timeline sobre a festa de final de ano e sobre o tão clássico amigo secreto da firma, eu penso que eu sou muito sortuda de gostar de fato do lugar onde trabalho e amar as pessoas que estão lá todos os dias comigo. Aquele lance de “colega de empresa” nunca deu certo por aqui e eu conheci pessoas e fiz amigos na redação que são muito importantes pra mim de diferentes maneiras.

Pois bem, esse ano minha equipe decidiu dar uma inovada nesses eventos e deixar as coisas mais engraçadas, e acabou que a gente fez um inimigo secreto ao invés de amigo. O resultado foi muito, muito, muito engraçado e me mostrou que a) as pessoas que trabalham comigo são muito criativas e b) elas me conhecem melhor do que eu imaginava.

#girlpower

Girls just want to have fun

Um dos meus presentes de 2015 foram essas meninas aí da foto. A gente tem um monte de diferenças, gosta de coisas completamente opostas, mas não é que essa mistura toda deu certo? Tô muito feliz por saber que elas vão continuar por perto em 2016, – em alguns casos até mais perto já que a Bruna tá vindo morar em Bauru – e que a gente vai poder fazer programas legais, com gordice, músicas e conversas sobre BBB.

May the force be with you

May the force be with you

Foi preciso uma maratona grande, com seis filmes no total (três de cada trilogia), pra que eu finalmente me sentisse pronta pra ir ao cinema ver Star Wars: episódio VII – O Despertar da Força. Eu nunca tinha assistido a nenhum filme da saga, mas além de ter muito curiosidade pela história, a primeira trilogia todinha faz parte do desafio “1001 filmes para ver antes de morrer” (que eu anunciei no ano passado lá no canal do blog e que agora em 2016 eu pretendo de fato botar em prática).

Com ingressos na mão pra estreia, balde de pipoca e um senhor copo de coca (os dois faziam parte de um combo onde você ganhava de brinde uma almofada do filme), lá fui eu, Diego, Pedro e Ariane para o cinema. E fazendo jus ao que foi a primeira trilogia da saga, o episódio VII chegou arrebentando.

Além de resgatar os personagens mais adorados da série, o filme continua com a fórmula da primeira trilogia, e traz protagonistas interpretados por atores/atrizes completamente desconhecidos do grande público e que conseguem convencer no papel que estão.

Fez valer a espera e a ansiedade, e terminou com a expectativa de trazer um episódio VIII ainda mais maravilhoso.

Can I get an amen?

Can I get an amen?

Mesmo antes da ceia, meu Natal de 2015 já começou maravilhoso por causa do presente que ganhei do Diego: uma camiseta da Pelican Fly estampada com a foto de mama Ru e o nome das drags de RuPaul’s Drag Race (programa que eu amo e de que já falei aqui no blog). Eu gostei muito da qualidade da camiseta e tenho visto tantas coisas lindas nessa loja que tô muito tentada a comprar outras coisinhas. Quando isso acontecer, faço um post aqui contando mais detalhes dos produtos.

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

Não é super frequente eu ir pra casa dos meus pais em Leme, então quando vou, faço sempre questão de aproveitar o tempo com minha família, minhas amigas e a piscina lá do fundo de casa. E quando eu digo aproveitar o tempo na piscina eu digo de fato nadar, porque eu não gosto de tomar sol – até porque, na certa, isso pra mim significa vermelhidão na pele, seja lá quantas vezes eu tenha repassado o filtro solar.

Pra mim piscina foi feita pra nadar mesmo e nos dias mais friozinhos ou quando eu não tô afim de entrar, fico lendo com os pés na água gelada e tomando um ventinho na cara. É uma coisinha pequena, eu sei, mas que me provoca uma sensação muito maravilhosa.

POSTS DE DEZEMBRO

Bisous, bisous

The Christmas Tree

Eu sempre tive uma relação de muito encantamento por dezembro. Mesmo quando o mês ainda nem tinha começado, eu já ficava toda em alvoroço esperando que o primeiro dia chegasse pra poder repetir baixinho pra mim mesma que dezembro tava ali, que as luzinhas de Natal já estavam espalhadas pela cidade e que esse espírito natalino que tanta gente acha balela, não era mentira. Ele existia mesmo e eu sempre sentia sua magia.

Ou melhor, eu sempre fiz com que dezembro fosse, de fato, um mês mágico na minha vida.

Eu sei que não é todo mundo que nutre essa paixão meio maravilhada por dezembro e pelo Natal. Tem gente que acha a época uma forçação de barra pra gente ter que se sentir feliz o tempo todo e pra mascarar uma data comercial. Eu sei de tudo isso e até entendo um pouco esse bode que algumas pessoas têm.

Mas, pra mim, a diferença é que quando é dezembro e o dia tá um caos, com tudo dando errado e meu único desejo sendo o de chegar em casa e dormir, eu saio na rua e tem milhares de luzes espalhadas pela cidade. Tem algumas decorações bonitas, outras bregas e outras que não tão nem lá nem cá, mas todas elas me deixam meio extasiada de andar pela rua e ver todas aquelas luzes juntas.

A diferença é que que quando é dezembro e eu venho para a casa dos meus pais em Leme, toda a família da minha mãe tá reunida decidindo como será a Ceia. E todo mundo tira amigo secreto, e todo mundo ri e todo mundo fica trocando mil telefonemas para decidir os últimos detalhes da festa.

A diferença é que quando é dezembro, eu sei que nesse mês, por mais que a minha vida esteja uma loucura (e eu bem sei esse ano como dezembro pode ser uma verdadeira loucura), em algum momento aquilo vai parar e do lado da minha família e/ou dos meus amigos eu vou ter alguns momentos deliciosos. Eu vou esquecer de toda a correria dos últimos dias e vou só dar risada, vou conversar, vou comer um monte, vou ter tipo um daqueles momentos que a gente lembra ainda por muito tempo depois com vontade de voltar no tempo e reviver tudo de novo.

A diferença essencial pra mim é essa.

Pra mim dezembro e Natal tem mais a ver com despertar na gente uma vontade de ter um tempo só pra nós, pra nossa felicidade, pra nossa renovação do que essa ideia da gente ter que ser feliz o tempo todo.

E com o Ano Novo logo em seguida a gente tem a chance de aproveitar esses momentos de descanso e felicidade pra pensar nos rumos que a gente quer dar pra nossa vida daqui em diante. Ok, não há diferença entre qualquer dia de 2013 com o primeiro dia de 2014. Você vai acordar, tomar seu café e ter 24 horas do dia normalmente pra trabalhar, comer, dormir, dar risada, ver filme e etc. Não há uma diferença real. Mas há uma diferença que a gente pode fazer de entender o ano como um ciclo e de pensar que há 365 novas possibilidades, com 24 horas cada, da gente fazer algo maior da nossa vida.

Ninguém precisa largar sua história toda pra trás e começar tudo do zero. Mas talvez se a gente entender que existem essas 365 novas possibilidades pra mudar algo que a gente não tá contente, pra realizar um sonho, pra conhecer alguém de carne e osso que a gente já é amigo há um tempão pela internet, pra ter mais tempo pra gente, pra ser mais esforçado, anyway, pra gente ser o que a gente quiser ser, fazer o que a gente quiser fazer e até pra descobrir quem a gente quer ser e o que a gente quer fazer, taí a oportunidade.

Até pode ser que Natal e Ano Novo sejam datas muito mais a ver com desejos e vontades do que fatos reais. Não dá pra você apertar um botão e programar o ano de 2014, eu sei. Mas se existe uma época em que tudo converge – desde a família, até os amigos, as inspirações, o descanso, a paz de espírito – pra gente entender isso como um novo começo, essa época é dezembro e as festas de final de ano.

E eu não sou dessas que deixa passar oportunidades 😉

Mudando de assunto...

Feliz Natal! (e muita gente amada por perto, muita gordice e muita diversão essa noite).

Ainda não vou desejar feliz Ano Novo porque antes do dia 31 volto aqui pra falar sobre outros assuntos e também pra contar das minhas resoluções de 2014 :p

Bisosu, bisous