La Maison Ladurée

No post que fiz de lugares para comer e beber em Paris, contei que tava afim de falar um pouquinho mais sobre a história da Ladurée, maison pela qual eu tenho o maior respeito e admiração, e que tem os melhores macarons do mundo.

Apesar de em Londres eu ter dado uma olhadinha curiosa na Ladurée da Harrods, foi só em Paris, nas lojas que ficam na Champ-Élysées e em Versailles (localizada no subúrbio de Paris), que eu realmente consegui visitar e olhar cada cantinho com mais calma. Na da Champ-Élysées, aliás, onde comprei meus macarons, a Ladurée tem também um restaurante maravilhoso que mantém o mesmo visual e o mesmo estilo de decoração da sua pâtisserie.

Catálogo de macarons da Ladurée. O de blueberry é meu preferido!

Fundada em 1862 na Rue Royale por Louis Ernest Ladurée, a maison iniciou suas atividades como uma pequena padaria e funcionou assim durante quase uma década, até que em 1871, quando sofreu um incêndio e foi obrigada a passar por uma reforma, renasceu como uma doceria. Anos mais tarde, Louis desenvolveria um conceito ainda mais abrangente para o lugar e misturaria a ideia da doceria com cafeteria, fazendo nascer assim a primeira fagulha da Laduré que conhecemos hoje em dia!

Particularmente, eu enxergo a Ladurée erigida sobre três grandes pilares: o sabor muito bem executado de seus quitutes; o ambiente estrategicamente criado em suas lojas (uma mistura de café parisiense com pâtisserie de qualidade) e um visual muito característico, que é delicado e inspirado no art de vivre francês.

Diz a lenda que o boom da marca se deu mesmo nos anos 30, quando foram criados seus famosos macarons. Além de deliciosos, os macarons da Ladurée eram diferentes dos que existiam até então porque eram feitos de duas “bolachinhas” ao invés de uma e de um recheio maravilhoso. Pronto, tava inventado um novo doce que conquistaria todo o mundo! O sucesso foi tanto que ao longo dos anos a maison passou a investir em outros tipos de negócios e a se tornar um império dentro e fora da França.

 {São vários os itens de beleza da marca, além dos “Les Merveilleuses”, uma coleção especial de cosméticos refinados.}

Com um nome de peso tão grande no mercado, várias outras marcas, designers e famosos desenvolveram parcerias com a empresa, e gente, só surgiu muita coisa linda e apaixonante daí! Teve, por exemplo, a graciosa colaboração feita com a Lanvin, quando Alber Elbaz – diretor criativo da marca – desenvolveu macarons de sabor chiclete que vinham em uma caixinha mega fofa. Teve também a parceria com a Uniqlo que rendeu 10 t-shirts ilustradas com símbolos da pâtisserie – ou que remetessem ao estilo parisiense de ser. E teve até parceria com a Ninna Ricci, uma das mais graciosas na minha opinião, que deu origem ao perfume La Tentation de Nina.

No site fofíssimo da Ladurée é possível conferir todos os endereços das suas muitas lojas espalhadas pelo mundo. No Brasil, existe uma em São Paulo no Shopping JK Iguatemi que eu ainda não conheço, mas que quero muito em breve ir conferir de pertinho.

Vocês também amam a Ladurée? Tem algum sabor de macaron preferido? Contem nos comentários!

Bisous, bisous e um restinho de terça-feira bem açucarada pra todo mundo.

Hora do chá & boas lembranças

Quero começar esse post já dizendo algo muito importante: eu não sou fotógrafa. Nem de formação e nem de estudo por conta própria. Mas isso também não quer dizer que eu não goste de fotografia, ou ainda que eu não goste de me arriscar de vez em quando em bater algumas fotos.

Foi exatamente isso que aconteceu no mês passado, no chá de panela da minha irmã, quando eu levei minha câmera pra chácara e ela pediu pra eu registrar o que pudesse da festa e da decoração. No final das contas, as fotos desse dia, – que por si só já tinha sido lindo e divertido – acabaram ganhando um significado ainda maior pra mim. Muito mais intenso e emotivo: foi nessa ocasião que eu vi pela última vez minha vó, que faleceu há poucos dias.

O que era pra ter ficado apenas na lembrança e no coração, acabou ficando também na fotografia, e por mais clichê que isso possa parecer, eu percebi que mais do que beleza, a fotografia tem esse poder de guardar memórias, de reconfortar uma dor, de servir de consolo. Eu olho para as fotos dessa festa e em meio a tanta dor e tristeza, consigo sorrir.

Por isso mesmo, achei que essas fotos eram ideais pra abrir uma categoria de fotografia aqui no blog. Porque elas têm um significado muito forte e muito especial pra mim. Porque elas me fazem querer fotografar ainda mais, me fazem querer captar momentos que não voltam.

Eu prefiro guardar as fotos da minha avó e da minha família aqui comigo, porque ainda não tô pronta pra expor esse momento tão íntimo e importante pro mundo, mas quis dividir aqui com vocês a decoração da festa, que tava linda e que foi tão elogiada por ela.

Cada detalhe foi pensado e executado pela minha irmã (com um pouquinho de ajuda de todo mundo) e o resultado é esse aqui de baixo.

Espero que vocês gostem e que sintam nem que seja um terça da beleza, paz e quentinho no coração que essas fotos me dão.

Bisous, bisous