As mulheres do verão 2017 da Tory Burch

Na última quinta-feira a New Yok Fashion Week encerrou seus desfiles de verão 2017 com uma apresentação comentadíssima de Marc Jacobs, que fez uma coleção inspirada na cena clubber dos anos 90. A beleza e bom trabalho do desfile são incostentáveis, e nessa matéria aqui do FFW dá pra conferir quais foram os pontos-chaves dessa apresentação tão falada.

Só que nessa temporada americana, ainda que eu tenha ficado encantada com a apresentação de Marc Jacobs – e de Jason Wu, Rodarte e outros nomes dos quais sempre falo aqui no blog – o desfile que mais me chamou a atenção foi mesmo o da estilista Tory Burch, que criou uma coleção que começa inspirada no estilo de vida mais formal e corrido da costa leste dos EUA e, como se estivéssemos em uma viagem bem gostosa, desemboca no clima mais descolado e relax da costa oeste.

Ainda que a mudança de região seja feita de forma gradual nos looks apresentados, ficam bem evidentes as influências de que a estilsta se valeu pra traduzir o clima e o lifestyle desses lugares.

O estilo preppy dos colégios norte-americanos, por exemplo, aparece de um jeito bem sutil e bem belo no começo da coleção, com os casaquinhos de colégio, os sapatos com saltos baixos e os laçarotes. Eles aparecem como se fossem detalhes de uma roupa mais formal, mais elaborada, feita mesmo para uma mulher que tem uma vida profissional e social agitadas.

Além disso, ainda nessa primeira fase do desfile, – quando a história contada ainda transita por New York, Filadélfia e os outros estados da costa leste – afora as estampas e tecidos lindos, o que mais me chamou atenção foi a forma como todos esses elementos foram combinados na passarela. Mais até do que peças bem feitas, com ótimos cortes e caimentos, o acerto dessa coleção é a inteligência do styling, do jeito criativo de mostrar como é possível usar as roupas de diferentes maneiras.

Quando a costa oeste começa a surgir na passarela, parece até que uma brisa mais suave vem anunciando a sua chegada.

É bastante profissional e bonito o jeito como a elegância da primeira parte do desfile continua presente, mas agora em um clima mais boho, mais descontraído, mais leve. Saem as estampas navys e xadrezes, e entram os motivos geométricos.

Ainda que o colorido e a descontração sejam os dois grandes símbolos dessa nova mulher da coleção, o que ganhou mais minha atenção nessa parte foi a esperteza que alguns detalhes trouxeram para os looks, como os sapatos desenhados (que parecem ser de camurça) e os colares de pérolas enormes, que poderiam até parecer deslocados, mas que fazem sentido quando inseridos na proposta das peças.

Nessa “brincadeira” de mostrar em uma mesmo desfile dois estilos quase que opostos, indo de uma mulher mais formal para uma mulher mais relax, o que a estilista Tory Burch faz é unir o melhor de dois mundos, numa forma um tanto quanto estratégica de atingir não apenas diferentes tipos de mulheres, mas também de agradar a uma mesma mulher em momento diferentes do seu dia.

As estampas e as peças lindas continuam lá, mas além de contarem uma história que funciona de um jeito muito legal na passarela, elas abrem um leque bastante interessante para as vendas da marca. Não à toa, Tory Burch é uma verdadeira business woman, que foi além do mundo da moda e, desde 2013, vem expandindo seus negócios também para o mundo da beleza, com perfume, maquiagens, cosméticos e muito mais. A estilista, aliás, figurou na lista da Forbes desse ano como uma das 50 mulheres mais ricas e bem-sucedidas dos EUA.

Alguém, definitivamente, pra ficar – ainda mais – de olho.

Um punhado de opiniões sobre a coleção do Alexandre Herchcovitch para a C&A

Hoje, depois de uma manhã corrida de trabalho na redação, saí da editora e fui para o Bauru Shopping conferir a nova parceria desenvolvida entre o estilista Alexandre Herchcovitch e a C&A. Com uma ansiedade que fazia muito tempo que eu não sentia quando o assunto era parceria de grandes estilistas com redes de fast-fashion, fui ver de perto as peças que já haviam sido divulgadas ontem no site da loja, mas que só chegaram hoje às unidades da rede.

O desfile de lançamento da coleção foi ontem, na Praça das Artes em São Paulo, e dá pra ser visto completinho no vídeo aqui de baixo. Nele a gente nota um casting super diversificado de idades, tipos físicos, estilos… Uma heterogeneidade que faz bastante juz a uma coleção que perpassa um monte de fases diferentes da carreira do estilista. O foco, é claro, são suas raízes, mas pra quem admira o trabalho de Herchcovitch (oi!) e conhece um pouquinho da sua história, a ideia da coleção ganha um sentido ainda mais especial.

Eu amei ver, por exemplo, como eles trouxeram diversos tipos de elementos-chave da carreira do Alexandre, – como as caveiras, o xadrez, a alfaiataria, a risca de giz – de um jeito super, super, super usável. É roupa que você coloca pra trabalhar, roupa que você coloca pra ir no barzinho, roupa que você coloca pra ver o namorado. Roupa que você usa. Mesmo. E ainda que eu ame coleções conceituais, acho que é importantíssimo que as redes de fast-fashion cumpram esse compromisso  de moda comercial com o consumidor.

Dá pra ver e comprar no site da C&A todas as peças da coleção, que chegam quase a 200 itens (!) entre roupas femininas, masculinas e acessórios. Além disso, dá pra ver por lá também um dos itens da parceria que mais causou frisson: o vestido de noiva, que eu achei uma sacada super inteligente e que, quem sabe, pode virar um novo filão a ser explorado nessas parcerias.

Mas vamos ao que interessa: a qualidade, corte e acabamento das peças.

Depois de ver todos os itens no site e ver ao vivo, tive algumas surpresas muito boas e umas pequenas estranhezas também. As blusas de crepe com efeito acetinado, por exemplo, que não tinham chamado minha atenção antes, ganharam meu coração. A amarela é linda e vai ficar especialmente mais chique em quem tem cabelo ou pele morena. Os vestidos florais são mil vezes mais lindos pessoalmente e acho que o maior trunfo da coleção é que os cortes das peças são bons. As calças e shorts são bem alinhados e o casaco vermelho, que eu não resisti e comprei, fica com uma silhueta linda no corpo!

Por outro lado, os vestidos de paetês são meio esquisitos e as camisetas de caveira, uma das peças que eu mais queria comprar, me deixaram um pouco na dúvida. Ainda que vestissem bem, fiquei com medo do tecido e botei na balança se valia a pena os R$89,99 que eles estavam cobrando.

Em geral eu gostei muito da coleção. Ela tá redondinha, bem-feita, muito bem pensada e visando diversos tipos de público. No tempo que fiquei na loja, vi muita gente entrando na C&A só pra provar as peças da coleção e era legal ver a heterogeneidade do pessoal.

Vale a pena dar uma olhadinha pessoalmente se tiver uma unidade com a coleção aí perto da sua casa.

Bisous, bisous e até amanhã!

Sobre vestidos que fazem sonhar

Ontem o blog foi convidado a ir até a loja Noivas Ideias daqui de Bauru para o coquetel de lançamento da sua mais nova coleção de vestidos de noiva, a Poéme, da marca Nova Noivas. E eu fui muito curiosa para o evento, porque ainda que esse seja um tema do qual eu não costumo falar muito por aqui, eu tenho uma admiração bastante grande por vestidos de noiva.

Não é segredo para ninguém que eu não penso em ter um casamento de véu e grinalda, com festão, igreja e tudo mais. Eu já comentei isso algumas vezes aqui no blog e talvez um dia escreva um texto explicando um pouco melhor o que eu penso sobre o assunto. Mas acontece que ao longo desses meus 26 anos de vida, muitas mulheres cruzaram o meu caminho, e eu ficava intrigada como muitas delas tinham uma relação de amor tão grande com esse vestido.

Para elas, aquilo era muito mais do que uma roupa. Era parte de um sonho gigantesco, de um desejo maior, e tinha um significado muito especial na vida de cada uma. E quando a gente percebe esse tipo de coisa e vê esse tipo de amor repetidas vezes, não tem como não parar pra pensar no assunto.

E foi só quando eu fiz isso e parei pra olhar e refletir, que eu descobri que ainda que vestidos de noiva não fizessem parte do meu sonho, eu os admirava imensamente por fazerem parte do sonho de tantas outras mulheres.

No lançamento que pude conferir ontem, essa admiração não ficou para trás. Primeiro porque a coleção é deslumbrante, toda inspirada na poesia e faz jus há uma marca especializada no segmento, que tem 30 anos de estrada e um cuidado muito grande na confecção de cada peça. Além das coleções de pret-à-porter, eles possuem também modelos exclusivos de vestidos e vários tipos de acessórios para noivas.

Outra coisa legal da noite de ontem foi que enquanto o evento rolava no piso térreo da Noivas Ideias, eu tive a oportunidade de conhecer a parte de cima da loja, onde ficam todos os vestidos do seu acervo – e que tem uma pequena parte mostrada aqui, na foto que abre esse post.

É difícil explicar racionalmente isso, mas essas salas parecem ter vida própria. Tanto na área voltada para o público masculino, que tem casacos, fraques e ternos, quanto na feminina, que tem vestidos e acessórios paras noivas. Tem algo a mais ali, que eu não sei bem dizer o que é (talvez a boa energia e felicidade de todo mundo que passa por lá?), mas que deixa uma sensação boa e que te inspira quando você põe os pés no lugar.

Para quem quiser ver em detalhes os vestidos da coleção Poème, é só clicar aqui para conferir todo o catálogo da coleção.

E queria aproveitar pra deixar um parabéns pra loja Noivas Ideias, que há mais de 20 anos no mercado vem mostrando um trabalho super sério e de respeito ao universo dos vestidos de noiva, e um agradecimento especial a Lu Oliveira da Lettera Comunicação pelo convite do evento.

Bisous, bisous e bom final de semana pra todo mundo (amanhã eu volto!)

VÍDEO | Minha coleção de revistas de moda

Desde que eu gravei o meu Room Tour e a Maira pediu nos comentários aqui do blog pra que eu mostrasse melhor minhas revistas de moda, já sabia que esse seria um vídeo que eu ia amar fazer. E foi isso mesmo o que aconteceu, porque apesar do trabalho que deu, eu amo falar sobre esse assunto.

Além disso, ver esse vídeo no ar tem um gostinho ainda melhor do que o de costume: esse é o primeiro video que eu edito sozinha pro canal, uma coisa que eu prometi pra mim mesma que eu ia passar a fazer em 2015. E não pensem que foi fácil! Dentre as muitas coisas que aconteceram, eu tive um problema com o áudio que fez com que a minha fala das duas primeiras revistas ficasse bem diferente do restante, assim como eu também esqueci completamente de tirar o final do vídeo (por isso esses 40 segundos freaks de escuridão depois da gravação haha). Mas o importante é que eu consegui cumprir minha meta, gostei bastante do resultado e tô orgulhosa de mim mesma! Ou seja, 2015 começando a todo vapor!

Tomara que vocês curtam assistir esse vídeo tanto quanto eu curti fazer, e se tiverem mais sugestões de vídeos ou posts aqui para o blog, deixem nos comentários que eu vou amar!

Links citados no vídeo:
As 100 capas mais icônicas da Vogue americana | http://goo.gl/vBxpTt
Sobre a matéria de óculos e maquiagem da revista Gloss | http://goo.gl/INQ2oX
Vídeo com a história da Vogue Brasil | http://goo.gl/bBiuqp

Bisous, bisous e boa quinta-feira!

Little Vlog – Riachuelo Fashion Five!

Tinha prometido na semana passada que faria um post giga sobre a coleção Fashion Five da Riachuelo, contando todas as minhas impressões e falando um pouco mais sobre o que rolou no dia 27. Sei que tô um pouco atrasada com a minha promessa haha, mas além do fato de que dezembro tá sendo uma l-o-u-c-u-r-a de freelas,  eu queria mostrar os detalhes das peças que comprei, e por isso acabei gravando um vídeo (sim, comigo falando, sim, eu tava morrendo de vergonha). Como já ia gravar pra mostrar as coisas na arara, decidi falar tudo em vídeo mesmo, o que acabou adiando mais um pouco essa postagem, já que queria ele bem bonitinho pra colocar aqui. E aproveitando o momento, OBRIGADA mesmo ao Diego (aka melhor namorado do mundo) que editou o vídeo pra mim, já que eu sou leiga no assunto. Então, dessa vez não tem texto giga, mas sim vídeo comigo fazendo caras e bocas esquisitas \o/ (desculpa, gente, não tenho mesmo intimidade com a câmera). Espero que vocês curtam e fiquem a vonts pra falar o que quiserem nos comentários.

Todas as fotos são da Natália Dian. Obrigada, chérie, pela ajuda :)

Ps: depois que o vídeo tava pronto, reparei que eu falo “gesticular com as mãos” logo no comecinho e fiquei com uma pulga atrás da orelha. Alguém sabe se tá errado? Primeiro achei que o que eu falei era redundante, mas depois fiquei pensando que gesticular vem de gesto e gesto não é feito necessariamente com as mãos. Tipo, mostrar a língua pode ser um gesto, não? Ai, não sei. Sério, se alguém souber, me avisa porque eu fiquei muito encucada com isso hehe. Bisous, bisous