Uma história de amor, música e amizade

(esse texto foi escrito no último dia 12 de junho, dia dos namorados)

P. S. I love you

Eu sei, eu sei. Não existe coisa mais clichê do que escrever um texto sobre o seu namoro no dia dos namorados. Mas eu amo essa data especialmente por isso: porque tá todo mundo tão inspirado, tão aberto a falar sobre o amor, tão aberto a se sentir bobo, apaixonado, usando de todo o pacote de coisas bregas possíveis pra dizer sem medo um “eu te amo”, que é contagiante.

Ainda que seja 17 de maio o dia que eu e o Diego mais amamos, e que de fato comemoramos algo que mudou as nossas vidas – o começo de uma história que seis anos depois ainda continua a crescer, a se mexer, a ser divertida e a ensinar muito pra nós dois -, eu acho o dia dos namorados uma data apaixonante! O dia de ver juras de amor. rosas, bombons, declarações espalhadas por aí e amar cada segundinho disso, sem medo de parecer brega ou o que for.

E é um pouco por causa de tudo isso que esse texto aqui surgiu.

Limitless undying love which shines around me like a million suns

Vamos voltar um pouquinho no tempo, para o começo de 2009.

Foi quando eu e Diego nos conhecemos, logo no início da faculdade.

Diego vinha de Mogi Mirim e tinha acabado de tomar uma decisão que, como ele mesmo diz, não sabia muito bem no que ia dar. Morar em Bauru, cursar jornalismo, seguir um caminho totalmente diferente do que até então parecia ser o certo… Havia um turbilhão de dúvidas na sua cabeça.

Eu vinha de Leme e tava tão assustada e ansiosa quanto ele. Porque tirando quando eu era criança e dizia que queria ser bombeira (haha), logo que eu passei a frequentar a escola e ter uma noção do que era uma carreira, eu já sabia que queria ser jornalista. E era exatamente esse sonho que eu estava vindo realizar em Bauru, o que me deixava feliz e morrendo de medo na mesma proporção.

A gente se conheceu logo no nosso primeiro dia na cidade, quando ele apareceu em casa junto com outras pessoas, todas ajudando na mudança de uma república de jornalismo. Foi aí nesse primeiro “olá” que tudo começou, e não porque a gente tenha caído de amores um pelo outro e se apaixonado assim, à primeira vista. Mas porque nós ficamos muito, muito, muito amigos à primeira vista.

I wanna hold your hand

Foi Diego quem fez eu assistir Pulp Fiction pela primeira vez; foi Diego quem me mostrou que o amor que eu tinha pelos Beatles podia ser ainda maior; foi o Diego quem me acompanhou no meu primeiro show em Bauru; e também era o Diego que passava madrugadas em casa junto com uma turma de amigos tendo conversas sobre a vida, o universo e tudo mais. Foi o Diego quem esteve presente me ajudando, aconselhando e se divertindo comigo, logo quando eu cheguei por aqui.

Essa amizade que despertou logo nos nossos primeiros dias de faculdade foi muito importante pra mim. E pra ele também. Éramos dois estranhos em uma cidade diferente, em uma universidade diferente, rodeados de pessoas novas nas nossas vidas. Longe da família, dos amigos, de tudo aquilo que parecia até então certo. A gente se deu bem logo de cara e até hoje eu acho que essa amizade despertada tão de início foi uma das coisas mais maravilhosa da nossa relação. Porque foi ela que construiu toda a base do nosso relacionamento. Foi ela que fez a gente se descobrir primeiro um ao outro e então se apaixonar um pelo outro.

And then while I’m away I’ll write home every day and I’ll send all my loving to you

Nos nós beijamos pela primeira vez no dia dia 17 de maio de 2009. E foi de um jeito tão natural, tão incrível, tão diferente de tudo que eu já tinha passado, que foi aí que nós percebemos que já estávamos mesmo apaixonados um pelo outro. Era amizade ainda, – porque sempre vai haver amizade – mas era amor também.

Nunca houve um “estamos namorando”. Depois do primeiro beijo a gente simplesmente viveu o que os dois estavam sentindo e as coisas foram acontecendo. Com a amizade e o amor misturados a gente passou a se conhecer ainda mais, a se divertir ainda mais, a se apaixonar ainda mais, a ser companheiros ainda mais. E olhando agora pra trás, eu vejo que as coisas aconteceram de uma forma tão linda, tão natural, tão apaixonante e cheia de respeito que não me surpeende que a gente tenha construído essa relação tão bonita. E que cresce cada dia mais.

Ao longo desses mais de seis anos de namoro, a gente aprendeu um bocado – juntos e separados. E estivemos lá um pelo outro também. Nas madrugadas estudando pra provas, nas festas com os amigos, no primeiro dia do trabalho novo, na apresentação de TCC, na adoção dos nosso gatinhos, nos problemas da vida, nas alegrias do dia a dia, nas viagens, nas palavras, nos erros, nos acertos…

Falling, yes I am falling

Já faz dois anos e meio que, oficialmente, passamos a dividir um apartamento, e para surpresa de alguns e confirmação de outros, as coisas deram muito certo – e continuam a dar.

Tanto que a gente tem um monte de planos aí pela frente: casar no campo, viajar o mundo inteirinho se possível, achar um lugar um pouco maior pra viver, fazer uma série de coisas, ter um monte de experiências, crescer pessoal e profissionalmente e estar lá pelo outro nas vitórias individuais, nas vitórias em conjunto e em qualquer momento feliz ou doloroso da vida.

Will you still need me, will you still feed me, when i’m sixty-four?

E, por fim, o que eu posso dizer é que nós estamos muito animados pelo que vem aí pela frente. Porque como diria aquela canção dos Beatles (que a gente tanto gosta): as coisas vão ser ainda mais divertidas e cheias de amor com o tempo, especialmente quando a gente tiver sessenta e quatro anos.

Disso eu tenho certeza.

Bisous, bisous

A hora do sim

Foram 11 anos de namoro entre a minha irmã e o Murilo. 11 anos de uma história que eu vi em parte diariamente, na época em que eu ainda morava em Leme e eu e minha irmã dividíamos o mesmo teto (aliás, não só o mesmo teto, mas também o mesmo quarto, que agora perdeu sua última moradora) e outra parte esporadicamente, nos feriados ou finais de semana em que eu ia visitar minha família.

11 anos. 132 meses. 4015 dias.

Agora para pra pensar quanta história cabe em todo esse tempo.

Acho que exatamente por ter acompanhado tantos dias, tantos momentos e tantas histórias dos dois, que esse casamento foi muito importante pra mim.

Foi uma honra ter sido chamada pra madrinha, é claro. E confesso, foi muito emocionante também. Nunca fui madrinha na vida e fui bem saltitante mandar fazer o vestido (do jeito, tom e detalhes exatos que eu queria), organizar o chá de panela, planejar o cabelo, ajudar na escolha dos docinhos (essa parte foi bem boa mesmo) e todas as coisas que desde o começo do ano foram acontecendo e saltando na agendinha de “tarefas da madrinha”. Mas acho que ainda mais importante do que ter sido chamada pra ocupar um lugar na igreja mais perto dos dois, foi ver uma história de 11 anos, que eu acompanhei toda de pertinho, ter um novo começo.

Olha, não quero entrar em méritos sobre religião nesse post. Até mesmo porque eu tenho umas opiniões bem contundentes sobre o assunto, já que acredito que o casamento independe da festa, da cerimônia religiosa, do papel passado ou não, do que os outros pensam. Tem a ver só com esse momento em que a gente tem certeza de que é isso. É essa pessoa mesmo que vai ficar do nosso lado sorrindo junto, segurando as pontas juntos, criando um gato ou cachorro, dividindo sonhos, torcendo e fazendo parte da nossa felicidade. Por tanto tempo quanto a vida permitir.

Casamento pra mim sempre significou isso. E ver duas pessoas que eu tanto gosto e que são tão importantes pra mim chegando nesse momento da vida em que as duas pensam “é isso”, é extraordinário. E meio mágico também.

As fotos aqui desse post são, portanto, uma maneira de lembrar e re-comemorar esse momento tão bonito, para a Fer e para o Murilo, é claro, mas também pra quem entende quanta beleza existe por trás dessas fotos.

A maioria das imagens é um apanhado de fotos de facebook de amigos e da minha máquina (que o Diego que bateu), mas as de rosto foram batidas pela talentosíssima – responsável pelo cabelo e maquiagem meu e da minha irmã – Juliana Balduino. Além de maquiadora, a Ju dá cursos de maquiagem e tem um canal maravilhoso no youtube que vale a pena conferir. Segue o link. Vale também falar que meu vestido foi feito pelo Ricardo Miller, que foi um anjo e ouviu atentamente todas as instruções (e chatices) que eu queria nele. Fiquei meio enfofada que algumas pessoas me disseram que eu tava parecendo a Elsa do Frozen <3

E um último parabéns e abraço (virtual também valé, né?) para os noivos. Obrigada mesmo por ter deixado eu também fazer parte dessa história.

Bisous, bisous

Os cinco de outubro

Agora sou uma jornalista formada! \o/

Outubro foi um mês muito importante pra mim. Entre os vários motivos que explicam isso (um beijo, Di, que completou 26 aninhos nesse mês!), a minha colação de grau, ao lado de toda minha família, amigos e do próprio Diego que pra quem não sabe era da minha turma da faculdade e se formou junto comigo, foi tipo a coisa mais incrível desse mês que passou. Como eu já tinha contado nesse post aqui, eu terminei todas as minhas aulas já no final do ano passado, entreguei o TCC em junho e, teoricamente, deveria ter me formado em jornalismo ainda no meio do ano. A Unesp, no entanto, entrou em uma greve que durou meses (a primeira desde quando eu comecei a estudar lá, em 2009) e só agora as aulas voltaram e a faculdade pode fazer nossa colação de grau. E digo sem pieguices que valeu mesmo cada minuto de espera.

Sei que “é só um papel”, mas o significado que há por trás dele é tão forte, tão importante e tão recompensador na minha vida, pessoal e profissional, que chega a ser difícil colocar tudo isso em palavras. Fora que poder me formar junto com o Diego e viver esse momento de felicidade juntos, é algo que não tem preço.

Lá na cidade dos meus sonhos…

Paris é a cidade que eu mais sonho em conhecer no mundo. Lógico que há uma lista bem grande de lugares, dentro e fora do Brasil, que eu espero (e vou!) um dia colocar meus pés, mas Paris é inigualável. Já faz muito tempo que eu sonho com o dia que eu vou ver a Torre Eiffel toda iluminada durante a noite, com o dia que vou passear pelos jardins do Château de Versailles, com o tão esperado dia que vou conhecer a Champs Elysées, o Arco do Triunfo, a Praça da Concórdia e tantos outros lugares não tão famosos, mas nem de longe menos importantes ou menos belos. Na real, eu espero em breve realizar um sonho que eu e Diego temos de fazer uma grande viagem pela Europa e conhecermos essas cidades e lugares que a gente ama, ainda que através dos livros e filmes. Essa é, com certeza, uma das maiores metas de 2014.

Universo de referências

Cês me perdoem a redundância já que eu falei desse assunto aqui no blog mês passado, mas me sinto muito inspirada toda vez que olho pra estante (e pras mil pilhas espalhadas pelo quarto e sala) e vejo minha coleção de revistas ali à mostra. E nem são só revistas de moda, mas algo bem mais geral mesmo. Tem Piauí, tem Zupi, tem Carta Capital, tem um pouquinho de tudo.

Lógico que tem muitas magazines que a gente acaba se apegando mais porque tem mais a ver com a gente e com nosso universo, mas eu gosto muito de comprar coisas novas na banca – e quando não dá, conseguir ter pelo menos um gostinho dela pela internet ou ler pelo ipad. Nunca se sabe quando a gente vai encontrar uma nova Lula por aí, né? Aliás, falar mais sobre revistas, sua história e sua importância, é algo que quero botar em prática aqui no blog.

O amor pela passarela

Eu conheço muita gente que ama moda, mas que não é muito fascinado assim por esse lance de assistir desfiles. Só que pra mim quando as luzes se apagam, vem aquela voz de fundo anunciando quem vai se apresentar (ou tipo as normas de segurança como é no SPFW), já me dá um friozinho na barriga. Eu gosto MESMO de ver desfile, gosto MESMO de ler release, de querer saber o que as pessoas acharam, de ver os detalhes das roupas. Mexe comigo de uma forma diferente ver as roupas ali em cima da passarela fazendo parte de um contexto ao invés de vê-las simplesmente penduradas em cabides numa arara. Desfile pra mim é mais do que algo que vejo por causa da profissão que quero seguir, mas é principalmente algo que vejo porque me inspira, me enche de ideias, me dá uma sensação boa. É amor e amor é mesmo algo difícil de se explicar.

A foto daqui é do Social Bauru Fashion Show, um evento muito bacana que fui em outubro e de que eu falei aqui.

Dançar como se não houvesse amanhã

“Blue jean baby, L.A lady
Seamstress for the band
Pretty eyed
Pirate smile
You’ll marry a music man
Ballerina, you must’ve seen her
Dancing in the sand
And now she’s in me, always with me
Tiny dancer in my hand”

Em um momento super bobo, mas muito gostoso: brincar de posar pra câmera enquanto dançava uma das músicas mais importantes da minha vida, “Tiny Dancer”.

Todas as fotos do post são do meu instagram, @paulinhav.

Bisous, bisous.