Os cinco de julho

Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav ?

Eu já contei meio que por alto aqui no blog que até o final do ano quero mudar do apartamento em que tô. E isso por um monte de motivos, que vão desde ter mais espaço, até a questão da facilidade de locomoção pro trabalho e, claro, o bom e velho conforto.

Apesar de eu e o Di já termos visitado uma quantidade razoável de casas, ainda não achamos a ideal, aquela que a gente achou que valia a pena bater o martelo – o que obviamente não me impede de fazer alguns bons planos pra quando essa mudança acontecer. Contei sobre eles nesse post aqui, mas, de lá pra cá é engraçado como a ideia do cantinho de flores ganhou ainda mais força na minha lista de desejos.

Flores andam me fazendo mais bem do que de costume, nem que seja do jeito como elas aparecem na foto aqui de cima: em uma estampa de vestido que eu amo (e que daqui a pouco vai andar sozinho de tanto que eu uso) ou em uma rosa pink linda que ganhei como convite de um evento em que chamaram o blog.

Quero muito embelezar a casa nova com flores de tipos, cheiros e cores diferentes porque a sensação que eu tenho é que elas me abraçam assim que chego perto delas.

Em julho decidi ler o livro que a Shonda Rhimes lançou no ano passado, o The Year of Yes, e que chegou agora em 2016 no Brasil sob o título de “O ano em que disse sim”. O livro é uma espécie de biografia da Shonda onde ela conta sobre como foi seu ano de 2014, também conhecido como o ano em que decidiu dizer sim pra toda e qualquer oportunidade que pudesse surgir de interessante na sua vida pessoal e profissional.

De uma aparição no programa do Jimmy Kimmel até uma palestra na sua ex-universidade, ela decidiu topar o desafio de estar em todos esses eventos que sempre lhe soaram aterrorizantes, mas que agora serviam como uma forma de provar a si mesma que ela podia quebrar essa barreira.

Não é auto-ajuda (nada contra, claro, mas eu particularmente não sou uma pessoa que gosta de livros do gênero) e nem o tipo de livro cheio de autoelogios constantes. Mas é extraordinariamente bom. Bom de um jeito que me fez ficar mandando mensagens pras minhas amigas com pequenos trechos dele.

Sinto que especialmente quem é fã de Greys Anatomy vai amar a leitura (caso você não saiba, Shonda é a criadora da GA, Scandal e Private Practice, além de produtora executiva de How to get away with murder) e se apaixonar anda mais por essa mulher, que é um tipo um Midas da TV americana, transformando em ouro tudo que toca.

Dois amigos de Mogi vieram pra Bauru passar o final de semana e fazendo jus ao que todo mundo dessa foto aí gosta, fomos em um bar-gamer daqui, onde em cada mesa há um tipo de videogame diferente pras pessoas se divertirem. Mais do que uma simples reunião de amigos, esse fim de semana foi também a despedida do Pato, um desses amigos de Mogi, que agora em setembro tá se mudando pra Tóquio (!) sem previsão alguma de volta.

A mudança é gigante, claro, mas como ninguém quis dar um clima de adeus a esses dias, procuramos nos divertir do jeito que sempre fazemos: com muito jogos, o barzinho de que já falei, um cafezinho gostoso no meio da tarde, muita conversa jogada fora e uma mesa de bar.

Apesar da viagem pra Gramado ter sido em junho, algumas coisas de lá continuam muito presentes na minha vida. Uma delas é esse chocolate quente da Prawer que tem me acompanhado em muitos finais de semana, especialmente naqueles sábados preguiçosos quando o Diego acorda antes de mim e prepara duas boas xícaras dele pra gente tomar na cama, ainda debaixo das cobertas.

E ai, acordar assim é tão bom! É um jeito todo quentinho, acolhedor e gostoso de começar o dia, E eu sei que pode parecer bobo, mas isso faz uma diferença real na minha rotina, me dando muito mais disposição e força pra fazer as coisas.

Eu acho que já deu pra perceber que todas as minhas saidinhas com amigos quase sempre envolvem comida, né? A foto daqui de cima é só mais uma prova disso, já que eu, Ari, Bruna, Inaiá e Lucas fomos jogar conversa fora e comer um bocado em um lugar daqui de Bauru chamado Esquina do Pão de Queijo. O encontro foi uma delícia, especialmente porque se antes a gente se via quase todo dia, agora tá bem mais difícil reunir todo mundo em um mesmo lugar.O que me faz desejar ter em breve uma outra noite como essa.

 POSTS DE JULHO

Passeando por Gramado e Canela

Coleção Audrey Hepburn: Um Clarão nas Trevas

Os cinco de maio e junho

FILMES DE JULHO

  • O Homem de Palha | Robin Hardy {1973}
  • Conta Comigo {revisto} | Rob Reiner {1986}
  • Um Clarão nas Trevas | Terence Young {1967}
  • Sala Verde | Jeremy Saulnier {2015}

LIVROS DE JULHO

  • O Ano em Que Disse Sim | Shonda Rhimes
  • A Herdeira | Kiera Cass

TEXTOS MEUS EM OUTROS LUGARES

Cinco livros de história da moda para ler já!

As mulheres nas séries: cinco personagens cheias de estilo

Bisous, bisous

Os cinco de abril

Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav.

It’s the time of the season when love runs high

Em abril, fiz uma sessão de fotos pra categoria de shootings aqui do blog que foi uma delícia de fotografar. A Ari, amiga mui querida que já clicou outros shootings aqui, fez novamente as fotos e eu continuo a ficar toda feliz com o resultado da sessão sempre que vejo o post em que elas saíram. Como conto no texto, o vestido é da Rosegal e por algum motivo que eu não sei explicar bem, Time of the Season do The Zombies foi não apenas a trilha sonora das fotos, mas também a trilha sonora do meu mês, me acompanhando por todo canto que eu ia.

“Depois do amor: um encontro com Marilyn Monroe”

Esse ano tem vindo umas peças de teatro muito legais aqui pra Bauru, tanto é que em fevereiro eu já havia assistido Mel Lisboa no musical “Rita Lee mora ao lado” (falei disso no Os cinco de fevereiro), e no mês seguinte foi a vez de assistir “Depois do amor: um encontro com Marilyn Monroe”.

A peça conta a história de quando Marilyn, interpretada por Danielle Winits, estava em meio as gravações do filme “Something’s got to give” e precisou da ajuda de uma costureira para ajustar suas roupas depois de emagrecer rapidamente. A profissional escolhida pra tal missão foi a jovem Margot Taylor (Maria Eduarda de Carvalho), antiga amiga de Marilyn que anos antes tinha visto seu noivo (o famoso jogadora de beisebol Joe DiMaggio) trocá-la pela atriz.

A história toda é real e o tal encontro de Margot e Marilyn (que se deu quando a atriz já havia se separado de DiMaggio) deu origem ao espetáculo, que retrata toda a conversa travada entre as duas sobre as suas histórias de vida, suas relação com o amor e a fama, e o que o destino, – anos depois das duas haverem se separado – reservou para cada uma. O espetáculo é um estudo de personagem muito bonito, especialmente quando lembramos que Marilyn morreu naquele mesmo ano.

Uma curiosidade, aliás, bastante triste acerca da peça é que ela foi a última dirigida por Marilia Pera, que faleceu no dia da sua pré-estreia.

De volta ao lugar de sempre com as minhas meninas de sempre

Depois de uma infinidade de meses que eu nem sei contabilizar, finalmente eu, Maitê e Gabi conseguimos nos reunir. Nós fomos em um barzinho de Leme chamado “O Tribunal”, um dos poucos lugares ‘pra sair’ da cidade que continuam abertos desde quando fui embora de lá. Na minha adolescência, eu ia muito ao Tribunal e ao Macaboo, uma casa de shows de Leme que também existe ainda (acabei de perceber que eu era uma adolescente muito visionária, já que os meus lugares preferidos da cidade na época são praticamente os únicos que conseguiram se manter).

Só sei que é muito louco voltar pra um lugar desses, com as amigas de sempre, e ver um monte de gente conhecida da minha adolescência, agora muito mais velha e diferente, mas ao mesmo tempo do mesmo jeito de antes. Os anos passaram, a gente cresceu, saiu da escola, fez faculdade, começou a trabalhar, a maioria mudou de cidade, e mesmo assim parece que as coisas não mudaram muito. Eu sei que esse tipo de pensamento nostálgico é meio depre feelings, mas sei lá, vire e mexe eu me pego pensando nessas coisas, vocês não?

Na festinha de comemoração dos 30 anos da Editora

Em abril a Editora completou 30 anos e teve festa pra comemorar a data. Pensar que eu trabalho em um lugar que tem mais tempo de existência do que a minha vida toda me deixa orgulhosa e maravilhada ao mesmo tempo. Manter uma empresa do tamanho dessa por tanto tempo não é pra qualquer um. Mas o que me deixa mais feliz mesmo é pensar que, além de trabalhar numa redação do jeitinho que eu sempre sonhei, uma das coisas mais importantes que a Editora me proporcionou foram as pessoas que eu conheci lá e que se tornaram mega importantes na minha vida.

Na foto, batida numa cabine da festa, estão a Bruna (que vocês já devem ter visto algumas outras vezes aqui no blog) e a Lirian, a pessoa mais solidária que eu já conheci nessa vida. As duas já trabalharam comigo (a Li ainda trabalha, na real) e fazem parte desse rol de pessoas incríveis que o trabalho me proporcionou conhecer.

Trechinho do desfile do Lino Villaventura no SPFW N41

Trechinho do desfile do Lino Villaventura no SPFW N41

No finalzinho do mês fui ao SPFW N41, o primeiro da nova fase do evento, que não será mais dividido entre verão e inverno. Assisti a quase todos os desfiles do último dia e fiz um post aqui no blog contando várias coisinhas desse dia e dos rumores e expectativas que estavam rolando pelos corredores.

Na foto aparece um pedacinho do desfile do Lino Villaventura, que fez uma apresentação super performática e diferente de tudo que já vi nesses anos de semana de moda de São Paulo. Quem ficou curioso e quiser ver mais fotos do desfile, é só clicar aqui.

POSTS DE ABRIL

Embalada pelo VEDA que muita gente estava fazendo no Youtube, dei início a algo meio parecido aqui no blog com post (quase) todos os dias. A experiência foi muito boa e me fez ver que com um pouquinho mais de foco e planejamento, eu consigo ser ainda mais produtiva por aqui.

FILMES DE ABRIL

  • Sobrenatural: A Origem | Leigh Whannell {2015}
  • Cloverfield | Matt Reeves {2008}
  • Joy | David O. Russell {2016}

LIVROS DE ABRIL

  • Razão e Sensibilidade | Jane Austen
  • Fangirl | Rainbow Rowell
  • A Seleção | Kiera Cass
  • A Elite | Kiera Cass

TEXTOS MEUS EM OUTROS LUGARES

No blog do Johnny Tattoo Studio, falei sobre o estilo boyish e sobre a história do São Paulo Fashion Week.

E o mês de abril de vocês, como foi?

Bisous, bisous

Os cinco de dezembro e janeiro

Eu demorei tanto tempo pra escrever “os cinco de dezembro” aqui no blog que acabou sendo melhor esperar o final de janeiro e finalmente fazer os dois resumos mensais juntos. E como é um novo ano e em 2016 eu quero mudar bastante coisa por aqui, eu decidi que agora, junto com as fotos, também vou colocar os links pra todos os posts que rolaram no blog durante o o mês. Pra quem perdeu algum dos textos, fica muito mais fácil de achar! É só clicar e ler :)

Janeiro

Yes, I wanna hold your hand

Yes, I wanna hold your hand

No primeiro dia do ano, Diego me pediu em casamento e eu comecei 2016 me sentindo numa bolha de amor e felicidade.

A gente sempre pensou em, algum dia, oficializar nossa relação e casar de papel passado, mas tornar isso mais real com as alianças de noivado ganhou um significado ainda mais bonito pra mim – ainda que a gente pense em se casar de fato só mais pra frente, daqui uns dois anos.

Um dia ainda faço um post sobre isso no blog, mas quem me conhece sabe que eu não idealizo e nem quero um “casamento tradicional”. Nossa ideia sempre foi a de casar no civil e fazer um almoço pequenininho pras nossas famílias e amigos íntimos, com no máximo, uma troca de votos (estilo casamento americano) entre a gente. Nem eu nem Diego queremos igreja, festa e muito menos aqueles mil preparativos que começam mais de um ano antes e deixam todo mundo louco. Fora, é claro, o dinheiro absurdo investido.

Entendo quem sonhe com isso (tenho amigas que consideram essa data muito importante e sonham com o vestido, a igreja, a festa e tudo mais), mas eu sempre pensei no meu casamento como algo muito diferente. Acho que o que ele vai representar pra mim e pro Diego não tem nada a ver com isso. É difícil explicar, mas acho que nosso comprometimento, nosso amor, nossa lealdade podem ser celebrados de outras formas. Formas que têm muito mais a ver com a gente, com nosso jeito e aquilo que acreditamos. E assim vai ser.

Das fotos do aniversário

Das fotos do aniversário

Completei 26 anos e decidi comemorar meu aniversário com festa, bolo, brigadeiro, piscina com bexigas de corações e família e amigos por perto. Cheguei a fazer um post aqui no blog sobre como foi esse sábado (aqui o link da playlist maravilhosa que tocou na festa), mas como lá só usei as fotos que bati na Instax Mini 8, achei que nada mais justo do que postar nesse resumo mensal uma foto batida com a minha outra câmera e que tem duas pessoas que eu gosto muito. Marisa e Diego, – que por coincidência também tem o sobrenome Melo, assim como o Di – são dois amigos maravilhosos, inteligentes e criativos. Gente que eu admiro muito e quero botar em um potinho, sabe?

No coquetel de inauguração do novo estúdio do Johnny Tattoo

O novo estúdio do Johnny Tattoo agora tem uma barbearia vintage!

Não sei se já falei sobre isso aqui, mas há algum tempo comecei a escrever uma coluna quinzenal sobre moda lá no blog do Johnny Tattoo. Eu já contei a história do estúdio em um vídeo lá no youtube e como tenho um grande respeito pelo trabalho deles, fiquei muito feliz quando rolou esse convite.

Em janeiro aconteceu o coquetel de inauguração de mais uma unidade deles, agora no Boulevard Shopping, e além do estúdio de tatuagem e da loja de roupas que já tinham na primeira loja, esse novo espaço tem também uma barbearia vintage, daquelas de barbear à navalha. Fiz um post especial pro blog deles contando como foi a inauguração e todas essas novidades do lugar, e no dia mostrei lá no snap tudo que rolou na festa. Se ainda não me segue, eu tô lá como ? little_blog.

Delícia de prato e lindeza de decoração

Delícia de prato e lindeza de decoração

Há pouco tempo abriu um lugar em Bauru chamado Armazém Santo Expedito que funciona como um grande mercadão. São vários alimentos de fabricação própria e outros vendidos lá dentro que dão água na boca só de olhar, tipo queijos de diversos tipos e tamanhos que são uma verdadeira perdição pra mim. Além disso, eles têm também uma adega muito bem servida e vários pratos a la carte servidos em um restaurante super bonitinho.

Lá pelo metade do mês, eu e Diego fomos jantar no Armazém e confesso que além de ter amado esse escondidinho com carne seca da foto, eu fique apaixonada pelo desenho do meu prato que, aliás, varia de prato pra prato, deixando a decoração das mesas ainda mais bonita.

Minha atual leitura

Minha atual leitura

No final de janeiro comecei a ler “Precisamos falar sobre o Kevin” de Lionel Shriver e nesse momento me encontro lá pela metade do livro. O filme eu já havia visto há algum tempo e adorado, mas confesso que a escrita do livro é mais envolvente porque todos os acontecimentos são narrados em forma de cartas do ponto de vista da mãe do garoto. Assim, ficamos sabendo absolutamente tudo que ela pensava, sentia e queria (ou não) antes e depois do incidente que é o mote principal do enredo.

Essa forma do livro de ser construído (no caso, todo por cartas) me lembrou muito a estrutura de “As Vantagens de Ser Invisível”, que por coincidência também tem Ezra Miller – que faz o Kevin na versão dessa minha leitura feita para os cinemas – como parte do trio de personagens principais de The perks of being a wallflower.

Tô bem envolvida pelo livro e feliz porque entre o final do ano passado e começo desse ano tenho conseguido me dedicar mais as minhas leituras mesmo com a correria do dia a dia.

POSTS DE JANEIRO

Dezembro

O inimigo secreto da equipe

Quando chega dezembro e eu vejo as reclamações que o pessoal faz na timeline sobre a festa de final de ano e sobre o tão clássico amigo secreto da firma, eu penso que eu sou muito sortuda de gostar de fato do lugar onde trabalho e amar as pessoas que estão lá todos os dias comigo. Aquele lance de “colega de empresa” nunca deu certo por aqui e eu conheci pessoas e fiz amigos na redação que são muito importantes pra mim de diferentes maneiras.

Pois bem, esse ano minha equipe decidiu dar uma inovada nesses eventos e deixar as coisas mais engraçadas, e acabou que a gente fez um inimigo secreto ao invés de amigo. O resultado foi muito, muito, muito engraçado e me mostrou que a) as pessoas que trabalham comigo são muito criativas e b) elas me conhecem melhor do que eu imaginava.

#girlpower

Girls just want to have fun

Um dos meus presentes de 2015 foram essas meninas aí da foto. A gente tem um monte de diferenças, gosta de coisas completamente opostas, mas não é que essa mistura toda deu certo? Tô muito feliz por saber que elas vão continuar por perto em 2016, – em alguns casos até mais perto já que a Bruna tá vindo morar em Bauru – e que a gente vai poder fazer programas legais, com gordice, músicas e conversas sobre BBB.

May the force be with you

May the force be with you

Foi preciso uma maratona grande, com seis filmes no total (três de cada trilogia), pra que eu finalmente me sentisse pronta pra ir ao cinema ver Star Wars: episódio VII – O Despertar da Força. Eu nunca tinha assistido a nenhum filme da saga, mas além de ter muito curiosidade pela história, a primeira trilogia todinha faz parte do desafio “1001 filmes para ver antes de morrer” (que eu anunciei no ano passado lá no canal do blog e que agora em 2016 eu pretendo de fato botar em prática).

Com ingressos na mão pra estreia, balde de pipoca e um senhor copo de coca (os dois faziam parte de um combo onde você ganhava de brinde uma almofada do filme), lá fui eu, Diego, Pedro e Ariane para o cinema. E fazendo jus ao que foi a primeira trilogia da saga, o episódio VII chegou arrebentando.

Além de resgatar os personagens mais adorados da série, o filme continua com a fórmula da primeira trilogia, e traz protagonistas interpretados por atores/atrizes completamente desconhecidos do grande público e que conseguem convencer no papel que estão.

Fez valer a espera e a ansiedade, e terminou com a expectativa de trazer um episódio VIII ainda mais maravilhoso.

Can I get an amen?

Can I get an amen?

Mesmo antes da ceia, meu Natal de 2015 já começou maravilhoso por causa do presente que ganhei do Diego: uma camiseta da Pelican Fly estampada com a foto de mama Ru e o nome das drags de RuPaul’s Drag Race (programa que eu amo e de que já falei aqui no blog). Eu gostei muito da qualidade da camiseta e tenho visto tantas coisas lindas nessa loja que tô muito tentada a comprar outras coisinhas. Quando isso acontecer, faço um post aqui contando mais detalhes dos produtos.

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

Não é super frequente eu ir pra casa dos meus pais em Leme, então quando vou, faço sempre questão de aproveitar o tempo com minha família, minhas amigas e a piscina lá do fundo de casa. E quando eu digo aproveitar o tempo na piscina eu digo de fato nadar, porque eu não gosto de tomar sol – até porque, na certa, isso pra mim significa vermelhidão na pele, seja lá quantas vezes eu tenha repassado o filtro solar.

Pra mim piscina foi feita pra nadar mesmo e nos dias mais friozinhos ou quando eu não tô afim de entrar, fico lendo com os pés na água gelada e tomando um ventinho na cara. É uma coisinha pequena, eu sei, mas que me provoca uma sensação muito maravilhosa.

POSTS DE DEZEMBRO

Bisous, bisous

Os cinco de julho 2015

Todas as fotos desse post são do meu instagram @paulinhav.

Em julho aconteceu um evento de food trucks aqui em Bauru e eu fiz questão de dar uma passada por lá pra experimentar algumas das comidinhas que tavam rolando. Além de comer um croque monsieur delicioso, também tomei um milkshake divino na Kombosa – uma fod komb que de tão charmosa dava vontade de morar dentro!

Além de ser um veículo super gracinha, todo pintado em tons de rosa e azul bebê, eu fiquei envolvida por todo o estilo que eles têm, que vai desde o uniforme dos atendentes (macacões!), até o jeito elegante de servir, os nomes engraçados das bebidas, o sabor tão bem executado do milkshake… Virei fã de verdade! Pra quem ficou curioso, no site deles é possível conhecer mais sobre a marca e entender um pouco dessa pegada retrô que eles possuem.

Em outro final de semana de julho teve a festinha da Ari, que resolveu juntar todos os seus amigos em um único lugar. O resultado foi muita comida, muita bebida e  uma playlist absurda de boa que empolgou todo mundo. As músicas rolaram noite adentro (mostrei minha coreo de Stop das Spice Girls no snpachat, me sigam lá: @little_blog) e tiveram muitas fotos no meio do caminho pra registrar o momento. Essa daqui de cima com o Diego foi a que acabou indo para o Instagram, mas ela faz parte de um pequeno “book” que começa super sério e termina comigo estatelada no chão depois de ter sido carregada e girada por ele. Pois é, nosso jeitinho haha.

Eu sei que é covardia postar uma fotos dessas por aqui, mas eu preciso compartilhar essa descoberta com vocês! Que me desculpem as carnes do Madero, – que são sim deliciosas, claro – mas a grande estrela de lá pra mim é esse brigadeiro de panelinha. A sobremesa não é barata, mas vale cada real investido: quentinho, com gosto de chocolate de verdade e com uma cremosidade difícil de colocar em palavras, só experimentando mesmo pra entender!

Em julho foi a primeira vez que eu fui ao Madero (no “tradicional” jantar de dia 17 que sempre faço com o Di), mas se as outras sobremesas forem tão boas quanto essa, pode apostar que eu vou voltar lá muitas outra vezes.

Foi muito difícil achar um dia e um horário pra reunir toda a turma dessa foto em uma mesmo lugar, – e mesmo assim ainda ficou faltando algumas pessoas queridas – mas nós finalmente conseguimos! A turma do tablado, como a gente carinhosamente gosta de se chamar, se reuniu dessa vez não para tomar café, mas sim para jantar, e contamos até com a participação especial do Rafinha que tá dando seus primeiros passinhos. Uma fofura, gente!

Acho que vai demorar pra conseguirmos fazer um round 2 desse encontro, mas não ia achar nem um pouco ruim se rolasse uma reunião assim todo mês.

Às vezes eu encano com alguns objetos de decoração e não há o que me faça não ficar pensando em como aquilo ficaria na minha casa, onde seria um lugar legal do meu quarto pra eu colocá-lo, onde que eu poderia comprar (fazer ou garimpar) a tal coisa sem desembolsar tanta grana… Enfim, decoração é algo que me inspira mesmo e de tempos em tempos eu tenho umas vontades meio malucas sobre o assunto haha.

Esse estilo de estofado da foto daqui de cima (que depois de perguntar no Instagram eu descobri que se chama capitonê) é minha nova crush do momento. Eu fico pensando quão lindo seria ter uma poltrona bem grande e aconchegante toda feita desse estofado. Acho bonito, elegante e com um ar de antiguinho que me derrete de amores.

É provável que eu não consiga fazer isso tão já, afinal não tô podendo gastar muito em móveis e meu quarto já tá suficientemente abarrotado de coisas, mas quem sabe no ano que vem, se uma mudanças que eu tenho vontade de fazer se concretizarem, eu não consiga a minha tão sonhada poltrona?

E me contem, como foi o o mês de julho de vocês?

Bisous, bisous

Os cinco de fevereiro e março 2015

Todas as fotos desse post são do meu instagram: @paulinha_v.

Fevereiro

Revistas de moda: uma eterna crush em minha vida

Vocês sabem o quanto eu sou viciada em revistas de moda, né? O problema é que exatamente por amá-las tanto e querer sempre comprar tudo que eu vejo pela frente, rolava um acúmulo mensal de revistas aqui em casa que eu não dava conta de ler. Por isso que assim que 2015 começou eu prometi pra mim mesma que eu selecionaria melhor o que iria comprar. E, além disso, eu daria um jeito de ler toda e qualquer revista que comprasse, pra fazer bom uso do dinheiro e do espaço na estante investido.

Assim, pela primeira vez na vida tô assinando a Vogue Brasil e comprando por fora algumas revistas que têm me interessado muito, como a “nova” L’officiel (com time 2.0) e as revistas que comprei na viagem e que mostrei nesse post aqui. Tô procurando reservar um tempinho dos fins de tarde e finais de semana pra poder ler tudo isso, me inspirar e ter ideias novas. E já adianto que a coceirinha pra falar (ainda mais) sobre elas aqui no blog tá bem forte. Aguardem posts em breve 😉

Subindo mais um degrauzinho

Em fevereiro, Ariane, uma amiga mui querida, se formou na residência de Psicologia. Pra comemorar esse novo degrauzinho alcançado, rolou festinha de formatura com direito a banda, amigos, muita comida e risadas até a barriga doer. E, claro, a certeza de que agora temos uma nova e competentíssima profissional no mercado!

Sobre filmes que mexem comigo

Já faz algum tempo que eu copiei a listinha do livro “1001 filmes para ver antes de morrer” lá no meu listography e, desde então, venho riscando todos os itens que vou assistindo dela. Só que aí em fevereiro, depois de um tempão sem nem pegar esse livro nas mãos, resolvi tirá-lo da prateleira e PÁ, me deu uma vontade doida de levar mais a sério esse desafio. Na real, não é nem só dos filmes listados que eu penso isso, mas de todos os filmes mais antigos que eu morro de vontade de assistir e acabo sempre deixando de lado. Por conta disso, decidi que agora em 2015 (e aproveitando que o Oscar já passou e que os filmes restantes dessa lista eu posso ver com mais calma) vou fazer um intesivão de filminhos antigos, começando pelos do Billy Wilder, um diretor que morro de curiosidade de conhecer mais o trabalho.

Quem tiver alguma indicação pra fazer, sinta-se à vontade pra deixar nos comentários!

Trocando a folia pela piscina

Todas as últimas vezes que fui pra casa dos meus pais em Leme, me joguei sem medo na piscina. Mesmo durante o Carnaval eu preferi trocar a folia pela água e descobri assim que a piscina tem funcionado pra mim de um jeito meio terapêutico, e que a sensação boa de nadar (já até contei por aqui que eu fico nadando mesmo quando tô dentro d’água, gastando energia e me movimentando que nem uma doida) me faz bem, me enche de uma sensação de calmaria e paz. Fora a delícia que é ficar lendo na beiradinha da piscina com um vento gelado batendo no nosso rosto <3

Strike!

Strike!

Fevereiro também foi mês de sair com os amigos pra jogar boliche e fazer vários strikes (mentira essa última parte haha). Eu não sou nem de longe, mas assim, nem de longe mesmo, uma boa jogadora de boliche, mas também não tô nem aí pra isso. Como sei que sou péssima nesse jogo, abandono a Mônica de Friends que existe em mim pelo menos um pouquinho. Afinal, o importante mesmo é sair com gente que me faz bem, que me faz rir e que eu adoro muito.

Março

Espero que vocês estejam acompanhando os posts que estão subindo aqui no blog sobre a viagem, mas pra quem perdeu as fotos que eu subi no Instagram (me sigam lá!), aqui vai um top cinco das muitas coisas legais que aconteceram durante o mês de março enquanto estive em Londres e Paris.

Foram anos de espera, mas minha carta de Hogwarts finalmente chegou

Foram anos de espera, mas minha carta de Hogwarts finalmente chegou

Uma das nossas primeiras paradas em Londres foi na estação de King’s Cross, onde fica a tão incrível plataforma 9 ¾. E sério, eu não poderia ter ficado mais feliz do que fiquei por ter ido até lá! Tendo um carinho tão grande quanto eu tenho pelos livros e filmes de Harry Potter e tendo sonhado durante muito tempo com uma cartinha que me levasse direto pra Hogwarts, estar naquele lugar é quase como se eu tivesse conseguido participar um pouquinho da história também.

É mágico que ela fique de fato na estação e que de um lado a gente veja trens chegando e saindo a todo momento e, de outro, a gente veja esse pequeno carrinho na parede que significa tanto pra quem é fã de HP.

London Eye, o cartão-postal mais lindo de Londres

A vista que a gente tem de Londres quando estamos dentro da London Eye é maravilhosa, mas tão bonita quanto isso é a própria roda-gigante, uma obscenidade de linda nas margens do rio Tâmisa. Ao entardecer, quando o sol vai indo embora e o céu vai misturando o rosa e o vermelho aos seus tons de azul, as cores se refletem na água e na própria London Eye, formando uma das vistas mais lindas que já vi na minha vida <3

Melhor amigo, namorado e companheiro de viagem

Quem for até Londres, precisa conhecer a Tower Bridge, uma das pontes mais famosas da cidade (essa mesma de fundo da foto), mas também precisa, vejam bem, p-r-e-c-i-s-a conhecer a Tower of London, que fica do ladinho dessa ponte. Ela já foi a residência oficial da monarquia britânica, mas hoje se tornou uma espécie de museu da história londrina. São várias torres dentro do local e, em cada uma, uma parte da história da cidade é desvendada. As joias da coroa estão lá (sim, é possível vê-las de pertinho!), assim como a coleção de armaduras da realeza e as masmorras e máquinas de tortura que foram preservadas. Além disso, os espaços destinados aos animais do rei (desde um elefante até um tigre!) também continuam por lá, e, por falar em animais, prepare-se para ver corvos de carne e osso, enormes e a um metro de distância de você, por todo o lugar.

O dia em que eu realizei um sonho <3

O dia em que eu realizei um sonho <3

Chega a ser difícil colocar em palavras o sentimento de ver a Torre Eiffel de pertinho. É incrível como, mesmo já tendo visto tantas fotos e vídeos dela, nada tinha me preparado para a sua beleza e a emoção que ela transmite ao vivo. Saindo do metrô e caminhando em direção a ela, fiquei arrepiada da cabeça até a ponta dos pés. E mais bonito ainda foi fazer tudo isso junto com o Diego: subirmos até lá no alto e, de mãos dadas, olharmos aquela vista e termos a certeza de que estávamos realizando um sonho.

Versailles e sua imensidão

Versailles e sua imensidão

Além da Torre, o Palácio de Versailles era um o lugar que eu mais queria conhecer na França. E como valeu a pena! Para visitar o jardim todo é preciso de mais de uma hora de caminhada, mas em cada cantinho parece que há uma beleza escondida fazendo valer a pena tanta bateção de perna. Pra mim então que sou super curiosa pela história da Maria Antonieta, visitar aquele lugar me deu uma dimensão ainda maior dos motivos de revolta do povo francês com a monarquia francesa e, ao mesmo tempo, me inseriu um pouco mais no universo tão quadradinho da rainha.

Espero que vocês tenham gostado e não deixam de falar aí nos comentários se curtem esse formatinho de resumo de mês.

Bisous, bisous e até mais!