The Movie Issue

Ontem a W revelou as sete capas que vão estampar sua edição de fevereiro e já podemos dizer que sim, 2015 começou bem para as revistas de moda.

Além dessa edição ser dedicada ao cinema e as personalidades que brilharam nas telonas em 2014, as fotos de capa são maravilhosas… Melhor dizendo, MARAVILHOSAS, em letras garrafais mesmo, porque elas merecem.

Emma Stone, minha capa preferida de todas, foi escolhida pela sua atuação em Birdman (com estreia prevista para 29 de janeiro aqui no Brasil). O filme teve sete indicações (número cabalístico, hein?) ao Globo de Ouro de 2015 e as críticas ao filme e principalmente a Emma têm sido tão maravilhosas, que minha vontade de assistir ao longa só cresce. Principalmente depois de ter visto essa cena aqui.

Benedict Cumberbatch e Keira Knightley estão no elenco de The Imitation Game, ainda sem previsão de estreia aqui no Brasil. O que muita gente já dá como certo é a indicação de Benedict para o Oscar de melhor ator, principalmente depois do sucesso que ele e o longa alcançaram no Festival de Toronto.

Eu confesso que não tinha me interessado muito pelo filme até assistir o trailer e ir procurar mais sobre a vida de Alan Turing, o matemático a quem Benedict dá vida no filme. Ele contribuiu tanto para a ciência da computação, teve um papel tão importante nos rumos que a Segunda Guerra Mundial tomou e foi tão duramente massacrado pela opinião pública por simplesmente ser quem ele era, que eu já criei uma puta admiração e respeito pelo cara.

Eu devo ser provavelmente a única garota que ainda não assistiu A Culpa é Das Estrelas, filme que fez Shailene estampar uma das sete capas da W [aqui o trailer]. Eu arriscaria dizer que ele foi um dos filmes mais vistos – se não dos mais vistos, mas com certeza dos mais comentados – do ano passado. O que não foi muita surpresa já que ele vinha sendo aguardado muito ansiosamente por meio mundo, desde que a notícia de que o livro viraria filme pipocou na imprensa.

Um dos motivos pra eu não ter visto o filme ainda é que eu fiquei com birra da Shailene desde aquele comentário infeliz que ela fez sobre feminismo. Tô, no entanto, tentando botar em prática o que aprendi com o Think Olga sobre sororidade e pensar que ela, assim como tantas outras meninas por aí, só propaga um discurso que foi mostrado pra ela desde sempre. Com a repercussão ruim que a declaração teve, me dá um pouco de esperança de que ela e quem mais diz isso tenha entendido que esse conceito de feminismo tá definitivamente errado.

A capa que traz Amy Adams (e que tá muito incrível) tem tudo a ver com o filme que a colocou aí: Big Eyes, o novo longa-metragem de Tim Burton, que chega aqui no Brasil dia 29 de janeiro.

Desde que eu vi o trailer do filme, fiquei numa ansiedade level hard, afinal Tim Burton é um dos meus diretores preferidos e eu tô bastante curiosa pra ver os toques tão característicos dele em um filme que não é nem de terror e nem de fantasia.  Acho que essa é a chance de Tim voltar a fazer trabalhos tão incríveis quanto os seus mais antigos.

Wild, que vem dia 15 de janeiro para o Brasil e é estrelado por Reese Witherspoon, é mais um filme que promete aparecer na lista do Oscar [aqui o trailer]. Inspirado no livro que conta a história real de Cheryl Strayed, uma mulher que se aventura sozinha e em busca de si mesma na selva, ele parece ter mesmo virado queridinho da crítica.

Um detalhe de behind the scenes do filme que me chamou a atenção é que como Reese precisava viver essa mulher tão intensa, que tava em um lugar tão isolado e passando por um momento de raiva tremenda, o diretor pediu pra que todos os espelhos do trailer-camarim dela fossem tampados. Ela não podia ver sua aparência, porque esse tipo de preocupação e de vaidade não podiam ter espaço naquele papel.

Essas curiosidades sobre construção de personagem sempre me chamam a atenção. Eu fico pensando quão louco e maravilhoso é, por um tempo, você praticamente viver uma outra vida, completamente diferente da sua e mergulhar naquilo de cabeça. É muito incrível quando a gente para pra pensar no papel da atuação sobre esse aspecto.

Filme novo de Clint Eastwood merece atenção! E é graças a ele, chamado American Sniper, que Bradley Cooper entrou na lista das sete capas de fevereiro da W. Parece que o filme chega por aqui só dia 19 de fevereiro, mas pelo trailer já dá pra ter uma ideia do que vem por aí. E se eu fiquei tensa só com isso, não quero nem pensar na hora que ele chegar nos cinemas daqui…

Teremos Julianne Moore como melhor atriz desse ano no Oscar? Muita gente tá fazendo apostas de que sim, mas eu sempre deixo pra formar minha opinião só depois de ver todos os filmes (esse ano vai ter #aquecimentoOscar de novo aqui no blog, aguardem!). Se isso realmente acontecer, vai ser a primeira vez que a atriz vai ganhar a estatueta. E isso aos 54 anos de idade, gente, o que pra mim torna tudo ainda mais especial.

Still Alice, o longa responsável por todo esse burburinho, conta a história de uma renomada professora que é diagnosticada com Alzheimer e passa a sofrer os terrores da doença em todos os aspectos da sua vida. Ele chega dia 26 de fevereiro no Brasil, mas tem o trailer aqui pra quem quiser assistir. Vale notar que esse é mais um filme que veio adaptado de um livro. Coisa que sempre aconteceu no cinema, mas que eu tenho a impressão que nos últimos anos cresceu de uma forma gigantesca e tem sido responsável por inúmeros filmes com sucesso de crítica e público.

Enfim, listadinhos aqui todos os filmes que mereceram a atenção da W, já pode começar a contagem regressiva pra estreia deles no Brasil, pro Oscar e pra comprar a revista (eu quero MUITO essa edição). E se isso não te convenceu ainda, vai aí o plus de que apesar de sete estrelas terem sido escolhidas pra capa, o miolo conta com a participação de 39 atrizes e atores que arrasaram em 2014. Todos em fotos fodas clicadas por Tim Walker.

Tudo tão bonito quanto uma sessão de cinema em um fim de tarde.

Bisous, bisous

Ontem, amanhã e daqui a cinco anos

Chega final de dezembro e é sempre a mesma história: eu faço uma lista de balanço do ano que está acabando e uma lista de metas e planos pro próximo ano que vai começar. Eu acho isso algo muito importante de ser feito porque a lista de balanços me fez refletir um bocado sobre como eu tenho levado minha vida, sobre como conquistei as coisas que queria, sobre o que realmente eu tiro de importante do ano que passou e sobre tudo que eu aprendi, de bom e de ruim, nos últimos 365 dias. Já a lista de metas mistura o que eu aprendi com a lista de balanço, mais todos os sonhos, vontades e desejos que eu tenho e que quero realizar no ano que está começando.

Só que aí nesse ano, resolvi acrescentar uma coisa nova à essa tradição.

Dia desses, li um post resgatado pela Ale Garattoni em que ela contava como o fato de ter colocado no papel todos os seus sonhos e vontades mais distantes (inclusive aquelas que pareciam inatingíveis, bem maluconas) e estipulando um prazo longo pra que fosse possível realizá-las, acabou que ano a ano, passo a passo, ela chegou lá. No final dos seis anos (tempo que ela tinha colocado como meta), 80% dos itens da lista haviam sido alcançados (inclusive alguns daqueles inatingíveis lá do começo) e dos 20% restantes, a maioria havia se transformado em outros sonhos que pintaram no meio do caminho.

Com isso rondando minha cabeça, tive uma conversa com o Diego que me abriu os olhos e que me fez perceber uma coisa… É importante ter metas mais urgentes, coisas que queremos que aconteçam em breve, no próximo ano, ali virando a esquina. Mas planejar pra que essas metas estejam dentro de um plano maior e que todas elas juntas ajudem a realizar essas grandes vontades (aquelas bem louconas, que parecem inatingíveis), também é preciso. Como ele mesmo disse “O que você quer estar fazendo daqui cinco anos? Onde você quer estar? Como você quer estar?”

Foi com isso em mente que decidi que esse ano eu faria meu balanço de final de ano e minhas metas de 2015, mas ainda mais importante do que isso: eu faria uma lista com as coisas que daqui a cinco anos eu me vejo realizando, com os lugares que daqui a cinco anos eu quero ter visitado, com as pessoas que daqui a cinco anos eu quero que estejam ao meu lado, e com os feitos, pessoais e profissionais, que daqui a cinco anos eu quero ter alcançado.

Portanto, a lista que coloco de metas aqui esse ano é um pouco diferente. Ela é sim focada no que eu desejo e vou correr atrás pra que aconteça em 2015, mas ela também faz parte de um plano maior, de sonhos que já tavam mais do que na hora de saírem da cabeça, irem pro papel e, desejo eu, se tornarem realidade nos próximos cinco anos.

Não acho que cabe divulgar essa lista maior aqui, até porque ela íntima demais, pessoal demais. Mas já aviso de antemão que as metas de 2015, exatamente por estarem tão entrelaçadas com essas metas maiores, serão mais enxutas, mais diretas e mais focadas do que nunca. E espero, do fundo do coração, que as metas de vocês, tanto as do ano que vem quanto essas maiores, se realizem. E se realizem no tempo em que tiverem que se realizar. Porque acho que mais importante ainda do que alcançarmos determinados sonhos, é estarmos preparados pra vivermos esse sonho.

E dito tudo isso, aqui vão, finalmente, meu balanço de 2014 e meus planos de 2015 😉

Em 2014, eu…

… voltei pra redação ainda em janeiro e por lá fiquei, aprendendo todos os dias um pouquinho mais

….voltei a comprar e colecionar revistas de moda

…amei muito e fui muito amada. Pelo namorado, pelos amigos, pela família e pelos meus gatos

…perdi minha avó e vi a mulher mais foda que conheci ser insanamente forte contra uma doença até nos seus últimos minutos

…fiz aulas de ballet e de jazz

…não estudei inglês ou francês como queria

…permiti me dar presentes, me mimar de vez em quando e não ter vergonha de ser quem eu sou e querer o que eu quero

…conheci e entrevistei a Kathia Castilho

…fui convidada a ministrar uma palesta sobre Jornalismo & Moda para os alunos de design de moda do último período da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

…tomei muito sorvete, comi muito chocolate e passei a tomar suco de laranja todos os dias na hora do almoço

…comi muito, mas muito mesmo mais salada esse ano, mas ainda não achei um esporte ou atividade física pra fazer regularmente

…li 30 livros. Foi um ano bom para a literatura

…vi 93 filmes. Foi um ano ruim para o cinema

…fui madrinha de casamento pela primeira vez na vida (e no casamento da minha irmã ainda!)

…continuei a escrever na aLagarta e me inspirar com cada nova edição

…descobri um novo vício chamado waffles

…deixei meu quarto com a cara que eu queria

…postei mais no blog, mas ainda não consegui montar uma “agenda” de posts toda semana ou mês

…fui banca de um TCC de Design Gráfico da UNESP

…foquei e realizei meu objetivo-mor de 2014

Em 2015, eu vou…

 …aproveitar cada minuto de uma viagem que já é certa e, de quebra, realizar um sonho

…voltar a estudar mais sobre Moda em sites, revistas e livros

…tirar carta de motorista

…tomar mais sol e fazer alguma atividade física

…me empenhar em diminuir minha enxaqueca nervosa, seja com acupuntura, ioga ou com o psicólogo

…voltar a estudar numa sala de aula

…ler tanto quanto li em 2014

…assistir muito mais filmes do que em 2014 (principalmente nos cinemas)

…me organizar pra escrever mais no blog e gravar mais vídeos

…escrever mais sobre Moda

…economizar pra viajar

…dar a cara pra bater e focar no que realmente vale a pena

E, principalmente, o que eu quero muito pra 2015 é

Um Feliz Ano Novo pra todo mundo, repleto de felicidade, paz, saúde, bons drinks, boas companhias e muito amor.

Que 2015 seja foda!

Ps: obrigada a Ma Espindola e sua lista de final de ano, que me ensinou a ser mais focada não só na vida, mas também nas metas e na minha retrospectiva haha.

Bisous, bisous

TAG: os livros que li esse ano

Eu vi essa tag lá no blog da Irena Freitas, que por sua vez viu a tag no blog da Tany e que foi quem traduziu a tag do blog da Jamie, a criadora de fato dessas perguntas. Eu gostei tanto da ideia (não me lembro de já ter visto uma tag de final de ano só de livros) que quis trazer pra cá do jeitinho que a Tany traduziu. Ficou beem grande, mas acho que é um bom panorama de tudo que eu li esse ano, quero ler ano que vem e planejo pra 2015.

Quem quiser pode ficar a vontade pra fazer a tag também, lembrando só de dar os créditos pras criadoras 😉

Lidos: 28 (mas na esperança de terminar mais um até o final do ano)
Relidos: “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice e “O Diário da Princesa” da Meg Cabot. Os outros foram todos leituras novas.
Gênero mais lido: Distopias

1. Melhor livro que você leu em 2014: já vou começar roubando e escolhendo dois; “A Metamorfose” de Franz Kafka e “Jogador Nº1” de Ernest Cline
2. Livro que estava ansiosa e achou que ia amar, mas não amou: “Especiais” do Scott Westerfeld.  Apesar de amar a série, acho que entre o segundo e terceiro livro o autor se perdeu um pouco.
3. Livro mais surpreendente (positiva ou negativamente) que você leu: “Bidu – Caminhos” do Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho. Apesar de já ter vontade de ler os livros dessa coleção, Bidu se mostrou ser uma HQ ainda mais bonita do que eu imaginava e de uma delicadeza gigantesca.
4. Livro que você mais recomendou para as pessoas lerem (e elas leram): “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath. Ainda na época que tava lendo o livro, lá pelo meio de fevereiro, mandei o pdf que tinha achado pra Babi pra ela também poder ler (só saiu uma nova versão desse livro agora no final do ano, já que até então ele tava esgotado). Além dela, a Isa do Refletindo Moda também leu o livro
5. Melhor série iniciada em 2014? Melhor sequência de 2014? Melhor final de série de 2014? “Jogos Vorazes” da Suzanne Collins que iniciei e terminei esse ano. Vale também uma menção honrosa pra “Feios” do Scott Westerfeld que eu terminei esse ano e “O Diário da Princesa”, uma delícia de guilty pleasure que comecei agora no final de 2014.
6. Autor favorito descoberto este ano: Ai, que pergunta difícil! Acho que tenho que dizer Neil Gaiman, já que ler Coraline e me deparar com a forma como ele conseguiu escrever uma história tão pesada de maneira tão fluida, pura e direta, me despertou uma vontade gigantesca de ler mais coisas do autor.
7. Melhor livro de um gênero que você normalmente não lê/fora da zona de conforto: Sem sombra de dúvida foi “Jogador nº1”. Costumeiramente quem lê livros assim é meu namorado (o livro que eu li, aliás, é dele) e não eu haha.
8. Livro mais cheio de ação/empolgante/impossível de largar: “Battle Royale” do Koushun Takami.
9. Livro que você leu este ano e provavelmente lerá novamente ano que vem: Sinceramente? Nenhum. Apesar de ter amado muitos livros que li esse ano, prefiro deixar pra ler livros novos em 2015, ou então reler apenas livros que faz muito tempo que eu li.
10. Capa favorita dos livros lidos: mais uma roubadinha pra poder escolher dois; “Bidu – Caminhos”, que tem a ilustração mais linda do mundo, e “Quem sabe um dia” da Lauren Graham que tem uma fotografia apaixonante. Daquelas fotos que eu queria fazer parte.
11. Personagem mais memorável: Gregor Samsa de “A Metamorfose” do Franz Kafka.
12. Livro mais bem escrito: “The Great Gatsby” do F. Scott Fitzgerald
13. Livro mais provocante/life-changing: acho que aqui cabe melhor um livro life-changing. No caso, o “A Redoma de Vidro”, da Sylvia Plath.
14. Livro que você não acredita que esperou até este ano para ler: “A Era Chanel” do Edmonde Charles-roux. Comprei esse livro faz tanto tempo (e ele é tão bom!) que não sei mesmo porque demorei tanto tempo pra lê-lo.
15. Passagem/quote favorita entre os livros lidos este ano: “I took a deep breath and listened to the old brag of my heart. I am, I am, I am” – “A Redoma de Vidro”, Sylvia Plath.
16. Maior e menor livros lidos: o maior foi “Battle Royale” com 664 páginas e o menor foi “Confissões de Adolescente” da Maria Mariana com 128 páginas.
17. Livro que mais te chocou: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
18. OTP do Ano: Katniss Everdeen e Peeta Mellark de Jogos Vorazes.
19. Relacionamento não-romântico favorito: Cormoran Strike e Robin de “O Chamado do Cuco”. Porque é sempre bom ver uma história em que os dois personagens principais poderiam, mas não possuem uma relação baseada em nenhum tipo de romance.
20. Livro favorito lido este ano por um autor que você já tinha lido anteriormente: acabei de perceber que o único autor que li esse ano e de quem eu já havia lido algo foi o Robert Galbraith (aka J. K. Rowling) com o “Chamado do Cuco”.
21. Melhor livro lido recomendado por alguém/por pressão: “A Invenção de Hugo Cabret” do Brian Selznick, que foi emprestado e teve sua leitura encorajada pela minha mãe.
22. Nova crush fictícia: Louis de “Entrevista com Vampiro” simplesmente porque não consegui ler o livro sem imaginá-lo como o Brad Pitt.
23. Melhor Estréia do Ano: ixi, acabei de perceber que não li nenhum lançamento de 2014 em 2014.
24. Locação mais vívida dos livros que você leu este ano: todo o universo de “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley, que dá um chacoalhão na nossa cabeça.
25. Livro que colocou um sorriso no seu rosto/mais divertido de ler: “O Diário da Princesa” da Meg Cabot.
26. Livro que te fez chorar: “Extraordinário” da  R. J. Palacio
27. Livro tesouro do ano: “A Lista Negra” da Jennifer Brown, porque sinto de fato como se tivesse descoberto um tesouro nesse livro. Ele tem uma história incrível e super soco na boca do estômago, mas nem faz tanto sucesso (pelo menos não aqui no Brasil).
28. Livro que acabou com a sua alma: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
29. Livro mais único do ano: “1922: A semana que não terminou” do Marcos Augusto Gonçalves porque realmente foi uma leitura única e muito diferente de tudo que li no resto do ano.
30. Livro que mais te deixou com raiva (não necessariamente quer dizer que você não gostou): “A Esperança” da Suzanne Collins e eu gostei muito!

Como o blog aqui não é apenas literário e eu ainda quero fazer um post ~retrospectiva~ de 2014, só respondi algumas perguntas dessa categoria.

1. Novo blog literário que você descobriu este ano: O Cabine Literária não é desse ano, mas eu descobri só esse ano (conta, né?) e apesar de gostar muito do blog que eles têm, sou fissurada mesmo é pelo canal.
2. Resenha favorita que você escreveu este ano: Esse ano não escrevi tantas resenhas quanto eu gostaria, mas ontem postei por aqui um vídeo com as minhas impressões sobre alguns livros de horror que li, e que eu gostei muito de gravar, diga-se de passagem. E pra quem quiser ver as resenhas em texto que rolaram por aqui em 2014, é só clicar.
3. Você completou algum desafio literário ou metas este ano? Eu só fiz aumentar meus desafios literários, isso sim! haha. Os principais que tô fazendo no momento é o The Rory Gilmore Reading Challenge e o 100 livros essenciais da literatura brasileira.

 

1. Um livro que você não leu este ano, mas será sua prioridade no próximo? “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman e os outros livros do Caio Fernando Abreu que eu ainda não li.
2. Book que você está mais ansiosa para 2015 (não-estréia)? Não é um livro e sim um gênero, já que tô querendo me jogar de cabeça mesmo no universo das graphic novels em 2015.
3. Estréia que você está aguardando? Nem sei o que está pra ser lançado em 2015 :/ haha
4. Final de série/sequel mais esperada de 2015? Nenhuma. As únicas séries que estou na metade são “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que ainda têm livros publicados pra eu ler e que mesmo o final vão demorar muito mais do que 2015 pra sair, e “O Diário da Princesa”, que também já teve todas suas sequências publicadas.
5. Uma coisa que você espera conquistar ou fazer no seu blog/vida literária em 2015? Fazer muito mais resenhas, de preferência de tudo que eu ler. E queria fazer isso tanto em texto quanto em vídeo.
6. Um lançamento de 2015 que você já leu/recomenda para todos? Socorro, gente, eu realmente não sou muito apegada nisso de lançamentos. Não lembrei de nenhum…

Ps: pra ver todas as minhas leituras de 2014, é só olhar essa listinha aqui que tenho no listography.
Bisous, bisous

Que tudo se realize no ano que vai nascer

Uma das minhas maiores tradições de final de ano é fazer listas de resoluções para os novos 365 dias que se anunciam, e nesse ano, claro, não foi diferente. Quer dizer, até foi, porque diferente do que aconteceu nas últimas vezes, tem uma meta em especial que tá ocupando o topo dessa lista. E eu vou falar já já dela, mas, antes disso, decidi que no post de hoje, além de falar dos meus desejos de 2014 eu também farei uma listinha-resumo de tudo que rolou (de incrível) em 2013. E, né, claro que também tiveram momentos ruins, até porque esse ano foi de muita indecisão pra mim (dei adeus ao estágio, embarquei na vida de quase-adulta pós-faculdade, sofri uma crise de parar e repensar o que tava fazendo da minha vida e por aí vai), mas 2013, com certeza foi um ano marco nos meus 23 anos de vida.

E isso porque…

  • Parece clichê, mas re-aprendi que amigos mesmo são poucos, porém incríveis. Tive a chance de passar mais tempo com eles e chorar ou comemorar abraçados – ou fazer os dois juntos quando a amiga que fazia faculdade pelo Prouni ganhou o prêmio de melhor aluna do curso. E tive a chance de perceber que pra amizade que é amizade mesmo, nem a distância geográfica ou essa vida de quase-adulto que nem sempre permite que a gente se veja com tanta freqüência, importa.
  • Em 2013 eu conheci gente incrível à beça na internet. E digo e repito que uma das melhores coisas que essa modernidade toda me proporcionou foi a de conhecer gente do outro lado do país com quem eu tenho afinidades, com quem eu posso morrer de rir, com quem eu posso passar a madrugada trocando ideias. Tive o prazer de conhecer a queridona da Marina Espindola do Costanza Who (pessoalmente na festinha da Honey Pie), o Diego Minone do Acho Fashion (láá nos primeiros dias de 2013), o João Magagnin do Come on John e a Camila-fofa do Não me Mande Flores. E também descobri na dona Isabelly Lima do Refletindo Moda, com quem eu já trocava algumas idéias desde 2010, uma das melhores amigas e pessoas para se passar uma madrugada toda fofocando.
  • Ganhei um novo apartamento, investi em decoração de uma maneira que nunca antes havia sonhado e aprendi a beleza de ter um lugar pra chamar de casa. Aprendi a dividir as coisas e descobri que quando a gente tem um canto realmente nosso, ele é sempre o melhor lugar para se estar depois de um dia ruim.
  • Descobri novas paixões como: patinação no gelo, comida mexicana, Jessie J, livros Ya e vlogs literários.
  • Entreguei um TCC do qual eu me orgulho e me senti recompensada com o que escutei da banca na minha apresentação.
  • Me formei em Jornalismo pela UNESP e realizei um sonho que tinha desde criança.
  • Li muitos livros e assisti muitos filmes. Não tantos quanto eu gostaria, mas foi um bom número no total. E ah, continuei a assistir MUITAS séries e dei chance para novas também.
  • Criei o blog e me dediquei a ele como jamais havia me dedicado a qualquer outro que fiz.
  • Me apaixonei mesmo, de todo coração, cada dia mais pelo Diego. Ele não é apenas meu namorado, mas meu melhor amigo e alguém que me escuta, me entende, me apoia e abre meus olhos quando eu tô fazendo coisa errada. Porque amor não é só passar a mão na cabeça, amor é ser verdadeiro sempre.
  • Comi muito. Ri muito. Chorei um pouco.
  • Dei tchau para um estágio e para o À Moda da Casa, continuei a me inspirar com A Lagarta, descobri um universo chamado social media e assumi a editoria de moda – e um tiquinho de beleza – no Dicas de Mulher.
  • Aprendi e aprendi e aprendi. Todos os dias, com as mais diversas pessoas, nas mais diversas ocasiões e sobre os mais diversos assuntos.

  • A despeito de tudo que quero e vou fazer nesse ano, minha meta número um é “não deixar para depois, o que eu posso fazer hoje”. Faz um tempo que eu tenho planos na minha vida que venho adiando ora por motivo de tempo, ora por motivo de dinheiro, ora por ambos, ora por outros inúmeros fatores. E eu sinto como se estivesse enganando a mim mesma e dando desculpas, sabe? Em 2014 quero então colocar (e acho que nunca estive tão decidida na minha vida de algo) de fato em prática coisas que há tempos quero fazer. Aos poucos, nessa parte mais pessoal do blog, vou contando as novidades por aqui 😉
  • Vou trabalhar com uma das coisas que mais amo na vida.
  • Não vou estabelecer números exatos de quantos livros ou quantos filmes quero ler/ver, porque já vi que isso é algo muito relativo. No entanto, como quero manter o ritmo de leitura e cinema de 2013, quero que minha lista de final de ano seja igual ou maior do que foi a desse.
  • Me dedicar ainda mais ao blog. Postar com mais frequência e continuar a aprender com todos os comentários.
  • Zerar mais jogos no steam.
  • Continuar a investir em decoração e arriscar mais em DIY.
  • Conhecer pessoalmente amigos da internet.
  • Ir mais a São Paulo.
  • Continuar a visitar cafeterias e conhecer restaurantes novos.
  • Começar alguma atividade física. Encontrar algo que de fato tenha a ver comigo e que não me desanime no segundo mês. E, claro, continuar com as caminhadas diárias.
  • Manter a agenda e realmente usá-la como merecido: anotar tudo que precisa ser feito, usar os post its, riscar o que foi cumprido e etc.
  • Estudar moda ainda com mais afinco e me matricular no curso da Unika se abrirem inscrições para o primeiro semestre do ano.
  • Fazer uma grande viagem.
  • Cuidar do meu rosto. Investir em produtos que controlem a oleosidade, beber mais água, limpar o rosto sempre antes de dormir e não deixar de usar protetor solar, faça chuva ou faça sol.
  • E por fim, mas nem de longe menos importante, não me sentir culpada por dormir um tempo justo de horas. Preciso colocar na minha cabeça que dormir bem melhora muito a qualidade e produtividade do meu dia.

Gostaram? Tem algo parecido com o balanço/resoluções de vocês? Contem nos comentários!

E, antes que eu me esqueça, Feliz Ano Novo e um 2014 MARAVILHOSO pra nós <3

Bisous, bisous

The Christmas Tree

Eu sempre tive uma relação de muito encantamento por dezembro. Mesmo quando o mês ainda nem tinha começado, eu já ficava toda em alvoroço esperando que o primeiro dia chegasse pra poder repetir baixinho pra mim mesma que dezembro tava ali, que as luzinhas de Natal já estavam espalhadas pela cidade e que esse espírito natalino que tanta gente acha balela, não era mentira. Ele existia mesmo e eu sempre sentia sua magia.

Ou melhor, eu sempre fiz com que dezembro fosse, de fato, um mês mágico na minha vida.

Eu sei que não é todo mundo que nutre essa paixão meio maravilhada por dezembro e pelo Natal. Tem gente que acha a época uma forçação de barra pra gente ter que se sentir feliz o tempo todo e pra mascarar uma data comercial. Eu sei de tudo isso e até entendo um pouco esse bode que algumas pessoas têm.

Mas, pra mim, a diferença é que quando é dezembro e o dia tá um caos, com tudo dando errado e meu único desejo sendo o de chegar em casa e dormir, eu saio na rua e tem milhares de luzes espalhadas pela cidade. Tem algumas decorações bonitas, outras bregas e outras que não tão nem lá nem cá, mas todas elas me deixam meio extasiada de andar pela rua e ver todas aquelas luzes juntas.

A diferença é que que quando é dezembro e eu venho para a casa dos meus pais em Leme, toda a família da minha mãe tá reunida decidindo como será a Ceia. E todo mundo tira amigo secreto, e todo mundo ri e todo mundo fica trocando mil telefonemas para decidir os últimos detalhes da festa.

A diferença é que quando é dezembro, eu sei que nesse mês, por mais que a minha vida esteja uma loucura (e eu bem sei esse ano como dezembro pode ser uma verdadeira loucura), em algum momento aquilo vai parar e do lado da minha família e/ou dos meus amigos eu vou ter alguns momentos deliciosos. Eu vou esquecer de toda a correria dos últimos dias e vou só dar risada, vou conversar, vou comer um monte, vou ter tipo um daqueles momentos que a gente lembra ainda por muito tempo depois com vontade de voltar no tempo e reviver tudo de novo.

A diferença essencial pra mim é essa.

Pra mim dezembro e Natal tem mais a ver com despertar na gente uma vontade de ter um tempo só pra nós, pra nossa felicidade, pra nossa renovação do que essa ideia da gente ter que ser feliz o tempo todo.

E com o Ano Novo logo em seguida a gente tem a chance de aproveitar esses momentos de descanso e felicidade pra pensar nos rumos que a gente quer dar pra nossa vida daqui em diante. Ok, não há diferença entre qualquer dia de 2013 com o primeiro dia de 2014. Você vai acordar, tomar seu café e ter 24 horas do dia normalmente pra trabalhar, comer, dormir, dar risada, ver filme e etc. Não há uma diferença real. Mas há uma diferença que a gente pode fazer de entender o ano como um ciclo e de pensar que há 365 novas possibilidades, com 24 horas cada, da gente fazer algo maior da nossa vida.

Ninguém precisa largar sua história toda pra trás e começar tudo do zero. Mas talvez se a gente entender que existem essas 365 novas possibilidades pra mudar algo que a gente não tá contente, pra realizar um sonho, pra conhecer alguém de carne e osso que a gente já é amigo há um tempão pela internet, pra ter mais tempo pra gente, pra ser mais esforçado, anyway, pra gente ser o que a gente quiser ser, fazer o que a gente quiser fazer e até pra descobrir quem a gente quer ser e o que a gente quer fazer, taí a oportunidade.

Até pode ser que Natal e Ano Novo sejam datas muito mais a ver com desejos e vontades do que fatos reais. Não dá pra você apertar um botão e programar o ano de 2014, eu sei. Mas se existe uma época em que tudo converge – desde a família, até os amigos, as inspirações, o descanso, a paz de espírito – pra gente entender isso como um novo começo, essa época é dezembro e as festas de final de ano.

E eu não sou dessas que deixa passar oportunidades 😉

Mudando de assunto...

Feliz Natal! (e muita gente amada por perto, muita gordice e muita diversão essa noite).

Ainda não vou desejar feliz Ano Novo porque antes do dia 31 volto aqui pra falar sobre outros assuntos e também pra contar das minhas resoluções de 2014 :p

Bisosu, bisous