Little Vlog | Bookshelf Tour #1

Depois de muito tempo sumida daqui e sem gravar vídeos novos, voltei resolvendo os dois problemas de uma vez, já que trabalhar a proatividade é uma das metas do “não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje” hahaha. Mas deixem eu me explicar. Sumi esses dias daqui do blog porque além de andar a louca dos freelas, os meus últimos dias foram tão legais e corridos que eu quase não consegui parar aqui na frente do computador. Tava ~vivendo um pouco da vida lá fora~, sabem? E olha, isso foi excelente, porque agora não só tô de volta muito mais disposta a manter o blog atualizado, como também estou cheia de ideias de posts pra trazer pra cá.

Pra começar, então, um vídeo que faz muito tempo que queria gravar, e que nada mais é que… O Bookshelf Tour do Little Blog! Tcharãn! E pra não deixá-lo absurdamente comprido (essa primeira parte mesmo eu já queria ter feito em menos tempo, mas não consegui), vou dividi-lo em dois. E como prometo no vídeo, deixei aqui embaixo os links dos livros citados que têm resenhas no blog.

Enfim, espero mesmo que vocês gostem da gravação e, se quiserem, fiquem a vonts pra acompanhar a página do blog que eu atualizo quase que todo dia, meu instagram que mostra essa ~vida lá fora~ que eu andei/ando vivendo, o canal do blog e, claro, o Little aqui, que essa semana, aliás, vai ter post sobre o último dia de SPFW que eu fui conferir in loco.

Livros citados no vídeo e o link da sua resenha no blog

Histórias da Moda no Brasil – das influências às autorreferências – Luís André do Prado e João Braga
http://goo.gl/StPjxq

Revolução dos Bichos – George Orwell
http://goo.gl/42Z1fe

1922 a semana que não terminou – Marcos Augusto Gonçalves
http://goo.gl/KzqxWA

Meu listography
http://goo.gl/cuvJ5X

Então é isso. Bisous, bisous e até breve (breve mesmo).

Ps: Diego, aka melhor namorado do mundo, foi quem editou o vídeo. Apenas <3 por ele sempre me ajudar nessas e em todas as outras coisas da vida.

A história da Vogue Brasil

Não é mistério para ninguém o amor que eu tenho por revistas, especialmente as de moda, que são fontes muito importantes quando a gente quer aprender mais sobre a área. Por isso mesmo, faz alguns anos comecei a caçar revistas de moda antigas para montar uma coleção, com a ideia de que ela servisse de pesquisa e referência pra mim quando eu quisesse saber mais sobre a moda de outras décadas.

Organizando essa coleção dia desses, reparei que eu tinha edições da Vogue Brasil desde a década de 70 (!) e PÁ, na mesma hora soube que precisava gravar um vídeo pro blog pra mostrar tudo isso, porque é maravilhoso como a gente pode ver a evolução de uma publicação e entender mais sobre a sua história quando acompanha sua linha do tempo, vendo tudo que mudou, tudo que já passou, que marcou presença por ali.

O vídeo aqui embaixo mostra então edições da Vogue Brasil da década de 70, 80, 90 e uma mais recente, de 2011. É uma folheada rápida em casa edição, porque não queria fazer um vídeo comprido e porque o intuito é mais mesmo de mostrar como “de cara assim” a revista mudou tanto, quer seja pela década em si, quer seja pelas mudanças gráficas e editoriais. Acrescentei também alguns textinhos pra ilustrar momentos da história da publicação, e se vocês gostarem, mais para frente quero repetir essa mesma ideia com outras revistas.

Bom, espero mesmo que vocês curtam o vídeo e fiquem a vontade pra comentar aqui sobre o que acharam. E ah, um mais do que merecido muito obrigada ao Di, aka melhor namorado do mundo, que editou tão caprichosamente esse vídeo pra mim. Obrigada, mon amour :)

Bisous, bisous e até mais o/

Little Vlog – Riachuelo Fashion Five!

Tinha prometido na semana passada que faria um post giga sobre a coleção Fashion Five da Riachuelo, contando todas as minhas impressões e falando um pouco mais sobre o que rolou no dia 27. Sei que tô um pouco atrasada com a minha promessa haha, mas além do fato de que dezembro tá sendo uma l-o-u-c-u-r-a de freelas,  eu queria mostrar os detalhes das peças que comprei, e por isso acabei gravando um vídeo (sim, comigo falando, sim, eu tava morrendo de vergonha). Como já ia gravar pra mostrar as coisas na arara, decidi falar tudo em vídeo mesmo, o que acabou adiando mais um pouco essa postagem, já que queria ele bem bonitinho pra colocar aqui. E aproveitando o momento, OBRIGADA mesmo ao Diego (aka melhor namorado do mundo) que editou o vídeo pra mim, já que eu sou leiga no assunto. Então, dessa vez não tem texto giga, mas sim vídeo comigo fazendo caras e bocas esquisitas \o/ (desculpa, gente, não tenho mesmo intimidade com a câmera). Espero que vocês curtam e fiquem a vonts pra falar o que quiserem nos comentários.

Todas as fotos são da Natália Dian. Obrigada, chérie, pela ajuda :)

Ps: depois que o vídeo tava pronto, reparei que eu falo “gesticular com as mãos” logo no comecinho e fiquei com uma pulga atrás da orelha. Alguém sabe se tá errado? Primeiro achei que o que eu falei era redundante, mas depois fiquei pensando que gesticular vem de gesto e gesto não é feito necessariamente com as mãos. Tipo, mostrar a língua pode ser um gesto, não? Ai, não sei. Sério, se alguém souber, me avisa porque eu fiquei muito encucada com isso hehe. Bisous, bisous

Arrumando a arara de roupas

Sempre fui apaixonada por araras de roupas. Pra mim elas são um dos móveis que mais dão charme pro nosso quarto e ajudam a criar um cantinho que tem mais a nossa cara. Só que nessas de sempre colocar a arara como item da ‘wishlist de decoração’, e sempre aparecem outras coisas que tinham mais prioridade no momento, acabava que ela ficava sempre pra depois. Mas aí, no comecinho do mês, essa história de “mais tarde” acabou: ganhei uma arara e ela foi devidamente instalada no meu quarto.

Ontem a mala que tinha esquecido na minha cidade natal finalmente chegou aqui no apartamento e aproveitei para arrumar de vez a arara, colocando todas as roupas, acessórios e revistas nos seus devidos lugares. Antes fui pesquisar algumas dicas na internet de jeitos legais de fazer essa arrumação, mas no final das contas acabei seguindo uma única “regra”: fazer aquilo que a vontade mandasse haha. Ou seja, distribuí as roupas pela arara sem nenhuma ordem (nem de cor, nem tamanho, nem nada), mas em uma ordem que no final das contas faz total sentido pra mim e que na hora de eu me arrumar vai ser bem mais fácil pra visualizar o que tenho pra vestir. Ainda faltam mais cabides e muitas mais roupas pra pendurar (ela é enorme, cabe muita coisa!) e como pretendo comprar uns chapéus novos em breve, já sei onde eles serão guardados quando não estiverem passeando.

Pra mostrar por aqui a arrumação da arara de maneira mais bonitinha e organizada, resolvi gravar o passo a passo de tudo que foi colocado nela. Só dar play que é bem rapidinho!

Ps: um obrigada ao namorado mais incrível do universo que aceita minhas ideias loucas e ainda se joga comigo! Além de me ajudar a gravar, ele que editou esse vídeo fofo.

Detalhes da arrumação

Detalhes da arrumação

Mais alguns detalhes

Mais alguns detalhes

A Isa fez um post sobre araras dando dicas bacanas de lugares e valores pra quem quer comprar uma. Ah! E zapeando pela internet descobri que tem DIY também pra quem não tá afim de gastar, mas nem por isso quer deixar de ter a sua própria. Outra coisa bem legal é apostar em cabides diferentes. Por enquanto eu ainda to usando uns antigos que tinha guardado (sou ~excêntrica~ e tenho apenas um cabide azul no meio de um mar de preto, repararam? haha), mas quero comprar uns mais fofinhos, e vendo essa foto daqui de baixo, acho que já tenho meu escolhido…

Reparem na graça que são esses cabides!

Reparem na graça que são esses cabides!

E olha, agora posso dizer com propriedade: essa beleza toda das araras nas fotos fica ainda mais incrível dentro do nosso quarto. Podem acreditar!