VÍDEO | Minha coleção de revistas de moda

Desde que eu gravei o meu Room Tour e a Maira pediu nos comentários aqui do blog pra que eu mostrasse melhor minhas revistas de moda, já sabia que esse seria um vídeo que eu ia amar fazer. E foi isso mesmo o que aconteceu, porque apesar do trabalho que deu, eu amo falar sobre esse assunto.

Além disso, ver esse vídeo no ar tem um gostinho ainda melhor do que o de costume: esse é o primeiro video que eu edito sozinha pro canal, uma coisa que eu prometi pra mim mesma que eu ia passar a fazer em 2015. E não pensem que foi fácil! Dentre as muitas coisas que aconteceram, eu tive um problema com o áudio que fez com que a minha fala das duas primeiras revistas ficasse bem diferente do restante, assim como eu também esqueci completamente de tirar o final do vídeo (por isso esses 40 segundos freaks de escuridão depois da gravação haha). Mas o importante é que eu consegui cumprir minha meta, gostei bastante do resultado e tô orgulhosa de mim mesma! Ou seja, 2015 começando a todo vapor!

Tomara que vocês curtam assistir esse vídeo tanto quanto eu curti fazer, e se tiverem mais sugestões de vídeos ou posts aqui para o blog, deixem nos comentários que eu vou amar!

Links citados no vídeo:
As 100 capas mais icônicas da Vogue americana | http://goo.gl/vBxpTt
Sobre a matéria de óculos e maquiagem da revista Gloss | http://goo.gl/INQ2oX
Vídeo com a história da Vogue Brasil | http://goo.gl/bBiuqp

Bisous, bisous e boa quinta-feira!

The Movie Issue

Ontem a W revelou as sete capas que vão estampar sua edição de fevereiro e já podemos dizer que sim, 2015 começou bem para as revistas de moda.

Além dessa edição ser dedicada ao cinema e as personalidades que brilharam nas telonas em 2014, as fotos de capa são maravilhosas… Melhor dizendo, MARAVILHOSAS, em letras garrafais mesmo, porque elas merecem.

Emma Stone, minha capa preferida de todas, foi escolhida pela sua atuação em Birdman (com estreia prevista para 29 de janeiro aqui no Brasil). O filme teve sete indicações (número cabalístico, hein?) ao Globo de Ouro de 2015 e as críticas ao filme e principalmente a Emma têm sido tão maravilhosas, que minha vontade de assistir ao longa só cresce. Principalmente depois de ter visto essa cena aqui.

Benedict Cumberbatch e Keira Knightley estão no elenco de The Imitation Game, ainda sem previsão de estreia aqui no Brasil. O que muita gente já dá como certo é a indicação de Benedict para o Oscar de melhor ator, principalmente depois do sucesso que ele e o longa alcançaram no Festival de Toronto.

Eu confesso que não tinha me interessado muito pelo filme até assistir o trailer e ir procurar mais sobre a vida de Alan Turing, o matemático a quem Benedict dá vida no filme. Ele contribuiu tanto para a ciência da computação, teve um papel tão importante nos rumos que a Segunda Guerra Mundial tomou e foi tão duramente massacrado pela opinião pública por simplesmente ser quem ele era, que eu já criei uma puta admiração e respeito pelo cara.

Eu devo ser provavelmente a única garota que ainda não assistiu A Culpa é Das Estrelas, filme que fez Shailene estampar uma das sete capas da W [aqui o trailer]. Eu arriscaria dizer que ele foi um dos filmes mais vistos – se não dos mais vistos, mas com certeza dos mais comentados – do ano passado. O que não foi muita surpresa já que ele vinha sendo aguardado muito ansiosamente por meio mundo, desde que a notícia de que o livro viraria filme pipocou na imprensa.

Um dos motivos pra eu não ter visto o filme ainda é que eu fiquei com birra da Shailene desde aquele comentário infeliz que ela fez sobre feminismo. Tô, no entanto, tentando botar em prática o que aprendi com o Think Olga sobre sororidade e pensar que ela, assim como tantas outras meninas por aí, só propaga um discurso que foi mostrado pra ela desde sempre. Com a repercussão ruim que a declaração teve, me dá um pouco de esperança de que ela e quem mais diz isso tenha entendido que esse conceito de feminismo tá definitivamente errado.

A capa que traz Amy Adams (e que tá muito incrível) tem tudo a ver com o filme que a colocou aí: Big Eyes, o novo longa-metragem de Tim Burton, que chega aqui no Brasil dia 29 de janeiro.

Desde que eu vi o trailer do filme, fiquei numa ansiedade level hard, afinal Tim Burton é um dos meus diretores preferidos e eu tô bastante curiosa pra ver os toques tão característicos dele em um filme que não é nem de terror e nem de fantasia.  Acho que essa é a chance de Tim voltar a fazer trabalhos tão incríveis quanto os seus mais antigos.

Wild, que vem dia 15 de janeiro para o Brasil e é estrelado por Reese Witherspoon, é mais um filme que promete aparecer na lista do Oscar [aqui o trailer]. Inspirado no livro que conta a história real de Cheryl Strayed, uma mulher que se aventura sozinha e em busca de si mesma na selva, ele parece ter mesmo virado queridinho da crítica.

Um detalhe de behind the scenes do filme que me chamou a atenção é que como Reese precisava viver essa mulher tão intensa, que tava em um lugar tão isolado e passando por um momento de raiva tremenda, o diretor pediu pra que todos os espelhos do trailer-camarim dela fossem tampados. Ela não podia ver sua aparência, porque esse tipo de preocupação e de vaidade não podiam ter espaço naquele papel.

Essas curiosidades sobre construção de personagem sempre me chamam a atenção. Eu fico pensando quão louco e maravilhoso é, por um tempo, você praticamente viver uma outra vida, completamente diferente da sua e mergulhar naquilo de cabeça. É muito incrível quando a gente para pra pensar no papel da atuação sobre esse aspecto.

Filme novo de Clint Eastwood merece atenção! E é graças a ele, chamado American Sniper, que Bradley Cooper entrou na lista das sete capas de fevereiro da W. Parece que o filme chega por aqui só dia 19 de fevereiro, mas pelo trailer já dá pra ter uma ideia do que vem por aí. E se eu fiquei tensa só com isso, não quero nem pensar na hora que ele chegar nos cinemas daqui…

Teremos Julianne Moore como melhor atriz desse ano no Oscar? Muita gente tá fazendo apostas de que sim, mas eu sempre deixo pra formar minha opinião só depois de ver todos os filmes (esse ano vai ter #aquecimentoOscar de novo aqui no blog, aguardem!). Se isso realmente acontecer, vai ser a primeira vez que a atriz vai ganhar a estatueta. E isso aos 54 anos de idade, gente, o que pra mim torna tudo ainda mais especial.

Still Alice, o longa responsável por todo esse burburinho, conta a história de uma renomada professora que é diagnosticada com Alzheimer e passa a sofrer os terrores da doença em todos os aspectos da sua vida. Ele chega dia 26 de fevereiro no Brasil, mas tem o trailer aqui pra quem quiser assistir. Vale notar que esse é mais um filme que veio adaptado de um livro. Coisa que sempre aconteceu no cinema, mas que eu tenho a impressão que nos últimos anos cresceu de uma forma gigantesca e tem sido responsável por inúmeros filmes com sucesso de crítica e público.

Enfim, listadinhos aqui todos os filmes que mereceram a atenção da W, já pode começar a contagem regressiva pra estreia deles no Brasil, pro Oscar e pra comprar a revista (eu quero MUITO essa edição). E se isso não te convenceu ainda, vai aí o plus de que apesar de sete estrelas terem sido escolhidas pra capa, o miolo conta com a participação de 39 atrizes e atores que arrasaram em 2014. Todos em fotos fodas clicadas por Tim Walker.

Tudo tão bonito quanto uma sessão de cinema em um fim de tarde.

Bisous, bisous

As 100 capas mais icônicas da Vogue US

Eu já contei por aqui que tenho uma caixinha de cartões postais da Penguin com as fotos das 100 capas mais icônicas da Vogue; um presente lindo da minha irmã, que eu guardo com o maior carinho. Só que foi só mesmo quando gravei o room tour do canal que eu percebi que nunca tinha mostrado pra vocês quais são essas cem capas e o que elas afinal têm de tão especial. E né, tava mais do que na hora de fazer isso, já que afora o fato delas serem maravilhosas, elas contam um pouco da história da Vogue US (que tem uma influência importantíssima na indústria fashion) e da própria história da moda ao longo das décadas.

Por isso, apresento pra vocês as capas mais incríveis da história da Vogue americana, desde 1892 quando a revista foi lançada, (a que abre esta galeria é mesmo a sua primeira capa) até 2011 quando essa caixinha foi feita. As imagens estão todas na ordem em que foram publicadas, e é só clicar em cima da que você quiser que ela abre numa janelinha que dá pra expandir ainda mais depois.

Tomara que vocês se inspirem, suspirem e pirem por cada uma delas tanto quanto eu.

Bisous, bisous

Revistas de Setembro 2014 #3

Para ver a primeira e a segunda parte desse post, é só clicar nos links ;}

Mais uma revista que não economiza na hora de agradar o leitor e ao invés de fazer uma capa, faz quatro (!), deixando todo mundo pirado e com vontade de comprar a mesma edição mais de uma vez!

Pra esse mês de setembro, a Love Magazine apostou em capas super coloridas, colocando sempre uma modelo diferentes em cada uma. As escolhidas foram Kendall Jenner (falo mais dela no final desse texto, já que ela também foi capa das duas versões da Teen Vogue desse mês), Amy Adams, Christy Turlington e a brasileiríssima Adriana Lima. Os termos american girl e brazilian girl de cada uma vêm escritos numa pegada meio infantil (às vezes eles me lembram escritos de canetinha) e a brincadeira dá certo, balanceando o lado mais sério/sexy da capa.

Apesar de ter amado todas de um jeito diferente, achei a da Kendall Jenner a mais bela, e apesar de já estarmos no penúltimo dia do mês, tô aqui alimentando esse desejo de comprar essa edição.

Capa que tem sex appeal é assim, como essa daqui da Vogue Paris. E olha que eu nem amei tanto ela assim como algumas outras dessa seleção, mas não dá pra negar que esse olhar 43 da Natalia Vodianova é matador e essa capa transpira sensualidade.

Fotografada pela dupla Mert & Marcus e com figurino por Nicolas Ghesquire para a coleção de outono/inverno 2014 da Louis Vuitton, Natalia pula na capa em contraste a esse fundo clarinho. E é bonito ver como a equipe de maquiagem da Vogue Paris conseguiu criar essa sensação de aspecto bem natural, apostando no cabelo molhado, pele bronzeada e nessa sobrancelha nada “certinha” e tão bonita, tão genuína da modelo.

Amo a Teen Vogue! Aliás, tenho percebido que eu saí dos 15 anos há muito tempo, mas que as revistas adolescentes nunca saíram e nem sairão de mim haha.

Adorei que nessa edição de setembro eles apostaram em duas capas bem diferentes, que focam, cada uma, em cada um dos seus dois grandes públicos: uma mais com pegada adolescente e fofinha, e outra bem fashionista. É claro que a maioria das leitoras e leitores da Teen Vogue abraça essas duas vertentes da revista, mas acho interessante que exista essa possibilidade de você escolher a que mais te agrada ou que se aproxima um pouco mais do seu assunto preferido.

Quem estrela as duas é a Kendall Jenner (alô Kardashians!) que eu acho muito (bota muito aí) linda. Como eu não resisto a um bom link, coloquei aqui embaixo um vídeo divulgado pela revista com uma mini-entrevista com a modelo e cenas de bastidores da edição, mostrando como foi pensado e o que foi usado no editorial de recheio.

Achei muito bonito o resultado final :}

E agora me contem vocês: alguma revista que vocês amaram a capa ficou de fora da seleção desse ano do blog? Qual? Coloquem aqui nos comentários pra gente ver 😉

Bisous, bisous e tem mais september issues ano que vem!

Revistas de Setembro 2014 #2

Para ver a primeira parte desse post é só clicar aqui.

A L’officiel Brasil de setembro foi uma surpresa pra mim. Uma surpresa boa, é importante frisar. Nas duas capas que a publicação colocou esse mês nas bancas, as duas fotografadas por Paulo Vainer, a imagem de Sabrina Sato consegue ser ainda mais estonteante do que o normal, fugindo de qualquer obviedade.

A minha preferida é a primeira versão, em que Sabrina aparece meio deitada/suspensa em cima do capô do carro. Ficou lindo, lindo esse desenho formado pelos braços dela! Além disso, as cores tão muito bem pensadas e dosadas, e na segunda capa, onde é tudo tão quente, nessa mistura de vermelho, laranja e rosa, os tons só favorecem ainda mais a beleza dela.

Outro ponto positivo pra mim é que eles souberam segurar a mão e fizeram uma capa limpa, que tem chamadas em lugares certos. Tenho pavor de muita informação, colocando junto&misturado, sabe? Acho bonito quando a revista se importa em valorizar a foto da forma como ela merece e trazer o que é realmente essencial na capa.

Pra ser sincera, essa pra mim essa já é a edição mais linda que a L’officiel publicou desde sua estreia por aqui!

Apesar de ter comprado a Vogue US no começo do mês, foi só ontem que eu consegui sentar pra ler a revista. E o resultado é que fiquei muito feliz de tê-la trazido pra casa.

Apesar de eu não ter amado loucamente a capa logo que bati os olhos nela, achei a imagem bem fresca, e o legal é que com o passar o do tempo, quanto mais eu olhava pra ela, parecia que mais charmosa e bonita ela ia ficando. Mágicas de Mario Testino, né. Além disso, achei interessante que apesar de propostas bem diferentes, tanto a Vogue Itália, quanto a Vogue US e a Vogue Japão resolveram apostar nessa ideia de trazer um time de modelos na capa. Aqui, a ordem de chamada ficou assim: Joan Smalls, Cara Delevingne, Karlie Kloss, Arizona Muse, Edie Campbell, Imaan Hammam, Fei Fei Sun, Vanessa Axente e Andreea Diaconu.

A ideia dessa edição da Vogue, especialmente, é mostrar que a era de supermodelos (lembram dos anos 90 com Claudia Schiffer, Naomi Campbell e Linda Evangelista?) acabou e que agora é a vez de uma nova geração, que atende pelo nome de “Insta Girls”. O termo, é claro, tem tudo a ver com essa era de super exposição nas redes sociais que estamos vivendo, principalmente com a febre do Instagram, e eu achei legal a forma como eles trataram essa ideia. A Vogue até liberou um vídeo de bastidores, mostrando as modelos conversando sobre isso e comparando as modelos dos anos 90 e o que elas representavam com essa nova geração.

Detalhe-amor: Karlie Kloss tem risada de Miss Simpatia <3

E por falar em Naomi Campbell, olha ela aí, na capa da Harper’s Bazaar México & América Latina.

Pra mim esse é outro exemplo de capa que soube valorizar a imagem e trazer as chamadas na medida exata, ainda brincando com a disposição delas e enfocando os pontos chaves da publicação.

Achei essa capa chique e bem forte, dessas pra colocar à vista no quarto e na sala pras visitas verem. E ah, a imagem é do fotógrafo Hao Zeng.

Bisous, bisous

Continua…