Os cinco de dezembro e janeiro

Eu demorei tanto tempo pra escrever “os cinco de dezembro” aqui no blog que acabou sendo melhor esperar o final de janeiro e finalmente fazer os dois resumos mensais juntos. E como é um novo ano e em 2016 eu quero mudar bastante coisa por aqui, eu decidi que agora, junto com as fotos, também vou colocar os links pra todos os posts que rolaram no blog durante o o mês. Pra quem perdeu algum dos textos, fica muito mais fácil de achar! É só clicar e ler :)

Janeiro

Yes, I wanna hold your hand

Yes, I wanna hold your hand

No primeiro dia do ano, Diego me pediu em casamento e eu comecei 2016 me sentindo numa bolha de amor e felicidade.

A gente sempre pensou em, algum dia, oficializar nossa relação e casar de papel passado, mas tornar isso mais real com as alianças de noivado ganhou um significado ainda mais bonito pra mim – ainda que a gente pense em se casar de fato só mais pra frente, daqui uns dois anos.

Um dia ainda faço um post sobre isso no blog, mas quem me conhece sabe que eu não idealizo e nem quero um “casamento tradicional”. Nossa ideia sempre foi a de casar no civil e fazer um almoço pequenininho pras nossas famílias e amigos íntimos, com no máximo, uma troca de votos (estilo casamento americano) entre a gente. Nem eu nem Diego queremos igreja, festa e muito menos aqueles mil preparativos que começam mais de um ano antes e deixam todo mundo louco. Fora, é claro, o dinheiro absurdo investido.

Entendo quem sonhe com isso (tenho amigas que consideram essa data muito importante e sonham com o vestido, a igreja, a festa e tudo mais), mas eu sempre pensei no meu casamento como algo muito diferente. Acho que o que ele vai representar pra mim e pro Diego não tem nada a ver com isso. É difícil explicar, mas acho que nosso comprometimento, nosso amor, nossa lealdade podem ser celebrados de outras formas. Formas que têm muito mais a ver com a gente, com nosso jeito e aquilo que acreditamos. E assim vai ser.

Das fotos do aniversário

Das fotos do aniversário

Completei 26 anos e decidi comemorar meu aniversário com festa, bolo, brigadeiro, piscina com bexigas de corações e família e amigos por perto. Cheguei a fazer um post aqui no blog sobre como foi esse sábado (aqui o link da playlist maravilhosa que tocou na festa), mas como lá só usei as fotos que bati na Instax Mini 8, achei que nada mais justo do que postar nesse resumo mensal uma foto batida com a minha outra câmera e que tem duas pessoas que eu gosto muito. Marisa e Diego, – que por coincidência também tem o sobrenome Melo, assim como o Di – são dois amigos maravilhosos, inteligentes e criativos. Gente que eu admiro muito e quero botar em um potinho, sabe?

No coquetel de inauguração do novo estúdio do Johnny Tattoo

O novo estúdio do Johnny Tattoo agora tem uma barbearia vintage!

Não sei se já falei sobre isso aqui, mas há algum tempo comecei a escrever uma coluna quinzenal sobre moda lá no blog do Johnny Tattoo. Eu já contei a história do estúdio em um vídeo lá no youtube e como tenho um grande respeito pelo trabalho deles, fiquei muito feliz quando rolou esse convite.

Em janeiro aconteceu o coquetel de inauguração de mais uma unidade deles, agora no Boulevard Shopping, e além do estúdio de tatuagem e da loja de roupas que já tinham na primeira loja, esse novo espaço tem também uma barbearia vintage, daquelas de barbear à navalha. Fiz um post especial pro blog deles contando como foi a inauguração e todas essas novidades do lugar, e no dia mostrei lá no snap tudo que rolou na festa. Se ainda não me segue, eu tô lá como ? little_blog.

Delícia de prato e lindeza de decoração

Delícia de prato e lindeza de decoração

Há pouco tempo abriu um lugar em Bauru chamado Armazém Santo Expedito que funciona como um grande mercadão. São vários alimentos de fabricação própria e outros vendidos lá dentro que dão água na boca só de olhar, tipo queijos de diversos tipos e tamanhos que são uma verdadeira perdição pra mim. Além disso, eles têm também uma adega muito bem servida e vários pratos a la carte servidos em um restaurante super bonitinho.

Lá pelo metade do mês, eu e Diego fomos jantar no Armazém e confesso que além de ter amado esse escondidinho com carne seca da foto, eu fique apaixonada pelo desenho do meu prato que, aliás, varia de prato pra prato, deixando a decoração das mesas ainda mais bonita.

Minha atual leitura

Minha atual leitura

No final de janeiro comecei a ler “Precisamos falar sobre o Kevin” de Lionel Shriver e nesse momento me encontro lá pela metade do livro. O filme eu já havia visto há algum tempo e adorado, mas confesso que a escrita do livro é mais envolvente porque todos os acontecimentos são narrados em forma de cartas do ponto de vista da mãe do garoto. Assim, ficamos sabendo absolutamente tudo que ela pensava, sentia e queria (ou não) antes e depois do incidente que é o mote principal do enredo.

Essa forma do livro de ser construído (no caso, todo por cartas) me lembrou muito a estrutura de “As Vantagens de Ser Invisível”, que por coincidência também tem Ezra Miller – que faz o Kevin na versão dessa minha leitura feita para os cinemas – como parte do trio de personagens principais de The perks of being a wallflower.

Tô bem envolvida pelo livro e feliz porque entre o final do ano passado e começo desse ano tenho conseguido me dedicar mais as minhas leituras mesmo com a correria do dia a dia.

POSTS DE JANEIRO

Dezembro

O inimigo secreto da equipe

Quando chega dezembro e eu vejo as reclamações que o pessoal faz na timeline sobre a festa de final de ano e sobre o tão clássico amigo secreto da firma, eu penso que eu sou muito sortuda de gostar de fato do lugar onde trabalho e amar as pessoas que estão lá todos os dias comigo. Aquele lance de “colega de empresa” nunca deu certo por aqui e eu conheci pessoas e fiz amigos na redação que são muito importantes pra mim de diferentes maneiras.

Pois bem, esse ano minha equipe decidiu dar uma inovada nesses eventos e deixar as coisas mais engraçadas, e acabou que a gente fez um inimigo secreto ao invés de amigo. O resultado foi muito, muito, muito engraçado e me mostrou que a) as pessoas que trabalham comigo são muito criativas e b) elas me conhecem melhor do que eu imaginava.

#girlpower

Girls just want to have fun

Um dos meus presentes de 2015 foram essas meninas aí da foto. A gente tem um monte de diferenças, gosta de coisas completamente opostas, mas não é que essa mistura toda deu certo? Tô muito feliz por saber que elas vão continuar por perto em 2016, – em alguns casos até mais perto já que a Bruna tá vindo morar em Bauru – e que a gente vai poder fazer programas legais, com gordice, músicas e conversas sobre BBB.

May the force be with you

May the force be with you

Foi preciso uma maratona grande, com seis filmes no total (três de cada trilogia), pra que eu finalmente me sentisse pronta pra ir ao cinema ver Star Wars: episódio VII – O Despertar da Força. Eu nunca tinha assistido a nenhum filme da saga, mas além de ter muito curiosidade pela história, a primeira trilogia todinha faz parte do desafio “1001 filmes para ver antes de morrer” (que eu anunciei no ano passado lá no canal do blog e que agora em 2016 eu pretendo de fato botar em prática).

Com ingressos na mão pra estreia, balde de pipoca e um senhor copo de coca (os dois faziam parte de um combo onde você ganhava de brinde uma almofada do filme), lá fui eu, Diego, Pedro e Ariane para o cinema. E fazendo jus ao que foi a primeira trilogia da saga, o episódio VII chegou arrebentando.

Além de resgatar os personagens mais adorados da série, o filme continua com a fórmula da primeira trilogia, e traz protagonistas interpretados por atores/atrizes completamente desconhecidos do grande público e que conseguem convencer no papel que estão.

Fez valer a espera e a ansiedade, e terminou com a expectativa de trazer um episódio VIII ainda mais maravilhoso.

Can I get an amen?

Can I get an amen?

Mesmo antes da ceia, meu Natal de 2015 já começou maravilhoso por causa do presente que ganhei do Diego: uma camiseta da Pelican Fly estampada com a foto de mama Ru e o nome das drags de RuPaul’s Drag Race (programa que eu amo e de que já falei aqui no blog). Eu gostei muito da qualidade da camiseta e tenho visto tantas coisas lindas nessa loja que tô muito tentada a comprar outras coisinhas. Quando isso acontecer, faço um post aqui contando mais detalhes dos produtos.

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

A sensação maravilhosa de ler com os pés na água

Não é super frequente eu ir pra casa dos meus pais em Leme, então quando vou, faço sempre questão de aproveitar o tempo com minha família, minhas amigas e a piscina lá do fundo de casa. E quando eu digo aproveitar o tempo na piscina eu digo de fato nadar, porque eu não gosto de tomar sol – até porque, na certa, isso pra mim significa vermelhidão na pele, seja lá quantas vezes eu tenha repassado o filtro solar.

Pra mim piscina foi feita pra nadar mesmo e nos dias mais friozinhos ou quando eu não tô afim de entrar, fico lendo com os pés na água gelada e tomando um ventinho na cara. É uma coisinha pequena, eu sei, mas que me provoca uma sensação muito maravilhosa.

POSTS DE DEZEMBRO

Bisous, bisous

Pois toda idade tem prazer e medo

Como contei no último vídeo do blog, eu amo comemorar aniversários. E quando digo isso eu tô me referindo a todas as possibilidades de comemorações que existem. De uma ida a um barzinho, passando por um bolinho no meio da tarde ou mesmo uma festa pensada nos mínimos detalhes. Eu topo qualquer uma dessas opções, desde que a data nunca passe em branco.

Só que nos últimos anos, por causa dessa vida de morar em um lugar, ter família em outro e amigos espalhados por um monte de cidades lindas desse Brasil, eu comemorava meu aniversário em doses homeopáticas: um bolinho em Leme, uma saidinha com os amigos de todo dia, um sorvete de comemoração-atrasada com a amiga de longe… E mais um monte de coisas pequenininhas que eram sim maravilhosas, mas que sempre “separavam as turmas”. Eu sempre pensava que não ia nunca conseguir reunir todo mundo em um mesmo dia, em um mesmo local e comemorar meu aniversário com festa, bexiga, bolo, brigadeiro e tudo mais que eu tivesse direito.

Pensava. No passado.

Esse ano eu vi que as coisas podiam sim ser diferentes.

Eu decidi que eu ia dar um jeito de reunir todo mundo aqui, do meu ladinho. E ainda que eu soubesse que pra muita gente seria dificílimo vir pra cá, – obrigada mesmo Isa por considerar a possibilidade de vir de outro estado, Lets e Marina por terem mandado mensagens tão lindas e Nat que mesmo passeando por Versailles demonstrou tristeza de não estar na minha festa haha – eu ia tentar.

Foi assim que no último dia 09, eu consegui reunir (quase) todo mundo que eu queria em uma chácara aqui de Bauru. Com uma playlist cheia de músicas boas, salgadinhos, docinhos, um bolo delicioso de brigadeiro com leite ninho, e uma piscina que acabou não sendo usada por causa da chuva, – mas que serviu de cais pras bexigas de coração – eu comemorei a chegada dos meus 26 anos.

Eu cantei, ri, conversei, comi demais, abracei um monte de gente querida, joguei sinuca e vi – mais uma vez – que chegar ao final de uma idade e começar outra acaba sendo sempre só um passo a mais numa corda bamba.

É claro que tem um monte de experiências acumuladas no meio do caminho, é claro que têm erros, têm tombos, têm acertos, têm vitórias, têm felicidades, têm tristezas, tem um pouquinho de tudo que a gente vai somando no meio do caminho até chegar aí. Mas tem também aquela incerteza, aquele tiro no escuro, aquele desconhecido que é sempre assustador, mas também sempre maravilhoso. E a gente tem que pagar pra ver e descobrir, afinal, como é que vai ser o próximo capítulo.


As fotos com os amigos e a família que ilustram esse post foram todas batidas com a minha câmera polaroid nova, a Instax Mini 8 (tô pensando em fazer um post sobre ela aqui no blog. Vocês acham que vale a pena?). Sei que dá pra sentir um pouco do clima de felicidade que foi a festa através delas. Particularmente, me dá um quentinho bom no peito toda vez que olho esses retratos e essas pessoas, e percebo que esse tiro no escuro que vai ser essa nova idade (já tem sido, na real), tá muito bem assegurado com eles do meu lado.

Bisous, bisous

TAG: 50 fatos sobre mim

Enquanto o post sobre a minha festa de aniversário não fica pronto (ele sobe ainda essa semana!), fica aqui o último vídeo que subi lá no canal do blog respondendo a TAG “50 fatos sobre mim”.

Confesso que não foi fácil listar esses 50 itens, mas fazia tanto tempo que eu tava com vontade de responder essa tag, que achei que o fato de subir mais um degrauzinho na escada da idade era o momento ideal pra isso. No final, adorei o processo todo de autoanálise!

É bom olhar pra gente mesmo, assim, de vez em quando, e reparar mais nas nossas manias, nas nossas falhas, nos nosso acertos. É divertido e leve, claro, mas é também muito interessante se despir e olhar com mais atenção pra quem a gente de fato é.

Eu espero que vocês se divirtam com as respostas do vídeo tanto quanto eu me diverti enquanto estava gravando. E não se esqueçam de curtir o vídeo e se inscreverem lá no canal do blog caso ainda não sejam inscritos.

Bisous, bisous e até mais!

O que eu quero pra 2016

Se existia uma certeza nesse blog era a de que todo final de ano eu faria um post por aqui listando as minhas metas dos próximos 365 dias. E quando eu faço essas metas, eu listo de tudo, de coisas pessoais a profissionais, de coisas muito grandes a coisas muito pequeninas, de coisas muito difíceis até outras que eu sei que é só eu me esforçar um pouquinho pra que tudo dê certo. E são metas que eu sempre encaro de unhas e dentes e faço questão de olhar no final do ano pra ver o que deu certo ou não, pra ver onde errei e onde acertei. Até porque o intuito é esse, né? Aprender todo um ano um pouco mais, com as coisas ruins e com as coisas boas.

Só que nesse ano, se vocês acompanharam todos os posts que rolaram em dezembro por aqui, devem ter notado que não postei minha lista. E a verdade é que isso não aconteceu porque eu não a escrevi. Até porque eu sou assim, uma garota que gosta de listar coisas, que gosta de se organizar, que gosta de ter metas e objetivos. Eu sonho alto, tão alto que eu tenho até medo da altura dos meus sonhos. E acho que são exatamente essas vontades – que quando colocadas numa lista assim, parecem me incentivar ainda mais – que me fazem chegar lá.

Mas como eu ia dizendo, eu não postei minha lista de resoluções esse ano aqui. E o motivo é que o que eu desejava de verdade pra 2016, e que foi o que eu coloquei no papel, eram coisas muito mais abstratas do que nos outros anos. As tais das coisas pequenininhas que eu falei ali em cima, mas que no final fazem uma diferença enorme na nossa vida. Coisas que são difíceis de explicar, porque pra mim mesmo ainda estão tomando forma.

E na hora de falar sobre essa lista aqui, percebi que fazia muito mais sentido eu falar sobre a única coisa que unia todos os itens que nela apareciam. A coisa que fez eu perceber o que eu queria – e quero – de verdade pra 2016.

Eu preciso de um eixo esse ano. Eu preciso conseguir me desligar das coisas que só me atrapalham. Eu preciso aprender a começar e terminar essa coisa que eu comecei. Eu preciso aprender a não me auto sabotar com horários, prazos e metas malucas. Eu preciso aprender a mirar em algo e trabalhar pra que aquilo dê certo, sem deixar que coisas que não deveriam se infiltrar no meio desses planos, se infiltrem. Eu preciso saber das minhas limitações. Eu preciso entender que eu devo levar certas coisas mais a sério. E preciso entender também que tem outras tantas coisas que eu não devo dar a mínima.

Eu preciso de foco esse ano. Assim, em letras garrafais.

E eu acho que 2016 tem tudo pra ser esse ano (até porque ele já começou de forma maravilhosa, e muito em breve eu vou contar aqui o porquê). O ano pra eu me tornar essa pessoa que consegue se desvencilhar do que não é legal – pelo menos não naquele momento – e mirar no que importa.

E eu acho que agora vai. Fé e foco que vai dar certo.

Bisosu, bisous

TAG: 15 coisas legais que aconteceram em 2015

Meu 2015 foi um ano loucamente confuso, é verdade, mas foi também um ano loucamente importante. Muita coisa aconteceu desde o dia 01/01 até aqui e ainda que tenham rolados alguns tropeços no meio do caminho, problemas sérios (que, ainda bem, foram devidamente solucionados) e momentos em que eu me senti completamente perdida, tiveram muito mais momentos libertadores, lindos, emocionantes, inspiradores e apaixonantes em 2015.

Eu não poderia jamais reclamar de um ano que me ensinou tanto, que me fez crescer, profissional e pessoalmente, e que fez eu gritar de felicidade muitas vezes. A real é que eu tenho muito a agradecer e muito a comemorar por esses últimos 365 dias.

Essa tag aqui, criada originalmente pela Bruna Vieira do Depois dos Quinze, é, portanto, uma forma de eu fazer isso. Ela relembra os 15 momentos mais marcantes do meu ano, me faz revivê-los um pouquinho e me enche de vontade de fazer de 2016 um ano tão ou mais importanto do que esse.

Porque, afinal, esse espírito de final de ano tá sendo um só: olhar pra trás com um sorriso no rosto de felicidade e olhar pra frente com uma vontade danada de botar pra quebrar e fazer acontecer.

A viagem dos meus sonhos aconteceu em 2015 e foi ainda mais bonita do que eu imaginava. Conhecer Londres e Paris, especialmente ao lado do Diego, foi uma sensação indescritível.

Ver a Torre Eiffell, andar pela Champs-Élysées, passear na London Eye, chorar de emoção na Abbey Road, sentir o cheiro dos jardins de Versailles, tomar café na cafeteria onde foi gravado “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, brincar na plataforma 9 3/4 e ver a imensidão do Big Ben foram só algumas das emoções que essa viagem me proporcionou. O que ficou de tudo isso foram duas certezas: a de que nunca vou esquecer esses dias em que estive por lá, e a de que sei que vou voltar e aproveitar essas duas cidades ainda mais.

Uma coisa que eu queria muito fazer em 2015 era ir mais em shows, porque apesar de eu escutar muita música em casa, no trabalho, no banho, na rua e em praticamente todo lugar, shows não costumavam figurar na minha lista de programas corriqueiros. E eu consegui! Meta anotada e meta cumprida! Fui em três shows esse ano: do Capital Inicial e do Roupa Nova aqui em Bauru mesmo, e do Los Hermanos em São Paulo.

Viajar de trem era algo que eu queria fazer há muito tempo. Muito tempo mesmo. Eu nunca nem tinha botado os pés dentro de um, e achei que não poderia haver situação mais propícia pra finalmente fazer isso do que dispensar o avião e ir de trem de Londres pra Paris. Além de ser mais barato e rápido, foi muito mais divertido e interessante: as paisagens são lindas e em determinado momento da viagem você passa em um túnel por baixo do Canal da Mancha, que apesar de ser todo escuro, dá um frio enorme na barriga só de pensar que você tá há 50m abaixo do mar, e em uma região histórica tão incrível.

2015 foi o ano em que eu verdadeiramente me descobri feminista. Eu aprendi uma infinidade de coisas sobre o movimento e sei que vou aprender muito mais sobre isso em 2016, especialmente por causa da Babi, que tá sendo uma guia pra mim nisso tudo. Quando eu estiver mais preparada (porque eu acho mesmo que ainda não tô o suficiente), eu quero vir aqui e conversar sobre isso com vocês. Vai ser muito importante pra mim e espero que também seja legal e empoderador pra quem ler.

2015 foi o ano em que eu tomei coragem pra fazer shootings aqui no blog e o resultado foi muito mais legal do que eu imaginava. Um deles foi em maio, e foi absurdamente especial e belo porque foi fotografado pela Natália Dian, uma amiga fotógrafa muito querida, que tá aprontando todas agora na Alemanha, mas que quando estava aqui no Brasil me deu esse presente maravilhoso. As fotos ficaram incríveis e eu fiquei completamente apaixonada por todo o ensaio.

Em abril eu mudei de equipe e de turno na editora onde trabalho, e junto com isso acabei mudando também toda minha rotina de horários. De uma menina que dormia tarde (muito tarde mesmo), acordava tarde, dormia mal e pulava o café da manhã eu me transformei em alguém que dorme antes da uma da manhã, – o que não faz muito tempo era meio que inimaginável pra mim – acorda cedo, toma café e as sete e meia já tá na frente do computador trabalhando. Isso foi uma mudança absurda na minha vida porque eu não apenas tenho conseguido dormir seis horas quase todo dia, como passei a me alimentar melhor, engordei o quanto queria e me sinto mais desperta o dia todo.

Claro que eu continuo amando as madrugadas haha, mas consegui finalmente acertar meus horários e ganhar mais qualidade de vida na minha rotina.

Aconteceram duas coisas profissionais muito legais esse ano. Eu comecei a escrever para o Johnny Tattoo Studio em uma coluna quinzenal sobre moda (aguardem que em 2016 a coluna não só continua como já tô cheia de ideias de temas que quero escrever) e tive a oportunidade de voltar a trabalhar com o Lu, meu ex-chefinho da Luminosidade, na montagem da exposição do FFW Fashion Tour aqui em Bauru. Foi uma correria, uma loucura, mas muito maravilhoso.

Em 2015 eu e o Di completamos seis anos de namoro, viajamos juntos pra Londres e Paris, nos organizamos melhor pra poder cuidar do Batman, dividimos mais um ano sob o mesmo teto, assistimos a uma lista gigante de filmes juntos, nos amamaos cada dia mais e estivemos lá um pelo outro em todos os momentos. Eu olho pra isso tudo e só consigo pensar em como é maravilhoso ter alguém assim do nosso lado, que decide embarcar nessa aventura doida que é a vida juntinho com a gente.

Quando estava em Londres, descobri que a exposição Alexander McQueen: Savage Beauty também tinha acabado de chegar na terra da rainha. Ela estava sendo exposta no Victoria and Albert Museum, um dos museus mais maravilhosos de Londres, que se dedica em grande parte à história da moda. Consegui ingressos de última hora e fui ver essa exposição que é uma das coisas mais belas que já vi na minha vida e que rendeu um post aqui no blog pelo qual eu tenho o maior carinho.

2015 foi um ano de reforçar os laços, o carinho e a lealdade com amigos de longa data, mas foi também um ano de novas amizades. Gente que me ensinou, que me inspirou, que me fez aprender um pouquinho mais sobre diferenças (e sobre como aceitá-las). Eu desejo muito que essas pessoas continuem ao meu lado em 2016 – e por muito mais tempo depois disso – e que o ano que vem traga novos laços, novas pessoas, novos aprendizados.

Uma das metas de 2015 era voltar a estudar numa sala de aula. E já que isso era algo que tava me fazendo falta de verdade e eu queria muito praticar minha conversação de inglês (que é, de longe, minha maior dificuldade com o idioma), juntei as duas vontades em uma realização só: comecei um curso de conversação aqui em Bauru que faço todas as segundas-feiras à tarde. O mais incrível disso tudo é que na minha aula, além de aprender a conversar em inglês, eu aprendo um pouquinho de tudo. De música à literatura, de cinema à política. Eu adoro meu professor, adoro as pessoas da minha sala e os debates que rolam. Mal vejo a hora de voltar do recesso do final de ano pra continuar a aprender um mundaréu de coisas.

Eu não vi muitos filmes em 2015, é verdade (pelo menos não tantos quantos eu vi no ano passado), mas nesse ano fui muito mais ao cinema, comi muita mais pipoca, tomei muito mais coca e me emocionei ainda mais ao ver filmes tão maravilhosos assim na telona. De Divertida Mente a Star Wars, de Jogos Vorazes: A Esperança – O Final a Operação Big Hero, sessões de cinema são uma coisa que povoaram meu 2015 e que eu espero que povoem meu 2016.

Não é segredo pra ninguém que eu sou fissurada em restaurantes e cafés, e adoro descobrir estabelecimentos assim novos pra ir. E o que definitivamente não faltou esse ano foram idas a restaurantes e cafés, fosse pra comer comidas doces ou salgadas, ou às vezes só para tomar uns bons drinks. Descobri vários lugares novos (e ótimos!) e redescobri outros diversos lugares que são sempre uma delícia de estar, que são super confortáveis e aconchegantes.

Desde que criei esse blog aqui eu tento me jogar um pouquinho mais no universo da beleza – que nunca me interessou tanto quanto o universo da moda, por exemplo, – e aprender um pouquinho mais sobre maquiagem. Talvez esse ano eu não tenha falado muito sobre isso aqui no blog, mas esse foi com certeza o ano em que eu mais testei produtos, em que eu assumi sem pudores meus batons vermelhos e roxos, em que eu passei a usar primer, em que eu usei e abusei de delineador, em que eu me rendi as águas termais e esfoliantes, em que eu aprendi a cuidar mais da minha pele e em que eu não tive medo de tentar, errar e tentar de novo. E nem medo também de não usar um pingo de maquiagem se eu não estivesse afim. Porque o legal da beleza é isso: nos alegrar e não nos escravizar.

Não, eu não consegui postar de segunda a sexta em 2016 (na real, eu não cheguei nem perto disso), mas eu continuei a escrever no blog com uma regularidade até que boa e sem forçações de barra. Escrevi só sobre o que queria, só sobre o que me inspirava, me fazia pensar, me tirava do lugar. Escrevi sobre viagens, sobre paixões, sobre roupas, sobre pessoas, sobre filmes, sobre músicas, sobre sentimentos. E postei muitas fotos, respondi algumas tags, crei categorias novas e fiz até algumas parcerias lindas, que me deixaram muito feliz de ver o blog dando resultados além do esperado.

2015 foi de fato um ano pra nunca mais se esquecer :)
Eu espero do fundo do coração que o de vocês também tenha sido incrível e que o próximo seja ainda mais legal, mais cheio de lições, mais repleto de pessoas e lugares e momentos maravilhosos.

Feliz Ano Novo e até 2016!