Não Sou Uma Dessas | Lena Dunham

Uma das coisas que eu queria ter feito em 2014 era resenhar todos os livros que eu lesse no ano, mas acabou que eu não cheguei nem perto disso. Só que como eu sou brasileira e não desisto nunca, 2015 tá aí pra eu tentar de novo e dessa vez conseguir haha.

Pra deixar mais legal e dinâmico esses pitacos sobre livros, decidi intercalar vídeos e textos sobre as minhas leituras. E em qualquer um dos dois formatos que eu fizer, no post aqui do blog eu vou colocar fotos dos livro, alguns dos meus trechos preferidos e também uma “notinha” de avaliação da leitura – sempre variando de 0 a cinco estrelinhas.

Pra estrear esse formatinho então, gravei um vídeo sobre o “Não Sou Uma Dessas”, livro da Lena Dunham. Aproveitei que tinha acabado de terminá-lo e tava com tudo bem fresco na cabeça pra falar dele em vídeo, mas logo eu volto aqui e resenho em texto o “O Oceano no Fim do Caminho”, livro que eu li antes desse e foi o meu primeiro do ano.

Tomara que vocês gostem!

Ps: como eu sou uma pessoa bem louca, eu corrigi em texto uma coisa que eu falei certa no vídeo – a Lena é sim diretora de Girls! Relevem essa minha cabeça avoada =P


Pontuação de três estrelinhas para o “Não Sou Uma Dessas”!

“Não há nada mais corajoso para mim do que uma pessoa anunciar que sua história merece ser contada, sobretudo se essa pessoa é uma mulher. Por mais que tenhamos trabalhado muito e por mais longe que tenhamos chegado, ainda existem muitas forças que conspiram para dizer às mulheres que nossas preocuoações são fúteis, que nossas opiniões não são relevantes, que não dispomos do grau de seriedade necessário para que nossas histórias tenham importância. Que a escrita pessoal feminina não passa de vaidade e que nós mulheres deveríamos apreciar esse novo mundo para mulheres, sentar e calar a boca.
Mas eu quero contar minhas histórias e, mais do que isso, preciso fazê-lo para manter minha sanidade mental…”

“A vida é longa, as pessoas mudam, eu nunca seria tão boba a ponto de achar o contrário. Mas, de qualquer forma, nada pode ser do jeito que já foi um dia. Tudo mudou de uma forma que parece trivial e quase ofensiva quando descrevo numa conversa casual. Nunca poderei ser quem fui. Posso simplesmente observá-la com compaixão, compreensão e, em certa medida, espanto. Lá vai ela, mochila nas costas, rumo ao metrô ou ao aeroporto. Ela fez o melhor que pôde com o delineador. Ela aprendeu uma nova palavras que quer experimentar com você. Ela anda devegar. Ela está numa busca.”

“Se eu viver por tempo suficiente e tiver a chance de ler este texto quando estiver velha, talvez fique estarrecida pela minha audácia de pensar que tenho alguma ideia do que a morte significa, do que ela revela, do que é viver sabendo que ela se aproxima. Como alguém cujo maior problema de saúde foi uma infecção intestinal causada por café sabe como será o fim da vida? Como alguém que nunca perdeu um dos pais, um amante ou um melhor amigo tem alguma noção do que tudo isso signifca?
Meu pai que está muito bem para alguém com 64 anos, gosta de dizer: “Você não imagina nem por um caralho, Lena.” Ele é daqueles que vê a morte de longe (apesar de sua crença na robótica) e diz coisas como “Manda ver. A essa altura, estou curioso pra cacete.” Entendo: eu não sei de nada. Mas também espero que meu eu futuro tenha orgulho do meu eu presente por tentar entender as grandes ideias e também por tentar fazer vocês sentirem que estamos todos no mesmo barco.”

“Outra pergunta que me fazem sempre é como consigo ter “coragem” suficiente para expor meu corpo na tela. A questão, subentendida nesses casos, é definitivamente como tenho coragem suficiente para expor meu corpo imperfeito, pois duvido que a mesma pergunta fosse feita a Blake Lively. (…) Minha resposta é: não é corajoso fazer algo de que você não tem medo. Eu seria corajosa se saltasse de paraquedas. Visitasse uma colônia de leprosos. Defendesse uma causa na Suprema Corte dos Estados Unidos ou fosse a uma academia de treinamento intensivo. Fazer cenas de sexo que eu mesm dirijo, expor um pouco os meus mamilos inchados meio estranhos: essas coisas não estão na minha zona de terror.”

Bisous, bisous

TAG: os livros que li esse ano

Eu vi essa tag lá no blog da Irena Freitas, que por sua vez viu a tag no blog da Tany e que foi quem traduziu a tag do blog da Jamie, a criadora de fato dessas perguntas. Eu gostei tanto da ideia (não me lembro de já ter visto uma tag de final de ano só de livros) que quis trazer pra cá do jeitinho que a Tany traduziu. Ficou beem grande, mas acho que é um bom panorama de tudo que eu li esse ano, quero ler ano que vem e planejo pra 2015.

Quem quiser pode ficar a vontade pra fazer a tag também, lembrando só de dar os créditos pras criadoras 😉

Lidos: 28 (mas na esperança de terminar mais um até o final do ano)
Relidos: “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice e “O Diário da Princesa” da Meg Cabot. Os outros foram todos leituras novas.
Gênero mais lido: Distopias

1. Melhor livro que você leu em 2014: já vou começar roubando e escolhendo dois; “A Metamorfose” de Franz Kafka e “Jogador Nº1” de Ernest Cline
2. Livro que estava ansiosa e achou que ia amar, mas não amou: “Especiais” do Scott Westerfeld.  Apesar de amar a série, acho que entre o segundo e terceiro livro o autor se perdeu um pouco.
3. Livro mais surpreendente (positiva ou negativamente) que você leu: “Bidu – Caminhos” do Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho. Apesar de já ter vontade de ler os livros dessa coleção, Bidu se mostrou ser uma HQ ainda mais bonita do que eu imaginava e de uma delicadeza gigantesca.
4. Livro que você mais recomendou para as pessoas lerem (e elas leram): “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath. Ainda na época que tava lendo o livro, lá pelo meio de fevereiro, mandei o pdf que tinha achado pra Babi pra ela também poder ler (só saiu uma nova versão desse livro agora no final do ano, já que até então ele tava esgotado). Além dela, a Isa do Refletindo Moda também leu o livro
5. Melhor série iniciada em 2014? Melhor sequência de 2014? Melhor final de série de 2014? “Jogos Vorazes” da Suzanne Collins que iniciei e terminei esse ano. Vale também uma menção honrosa pra “Feios” do Scott Westerfeld que eu terminei esse ano e “O Diário da Princesa”, uma delícia de guilty pleasure que comecei agora no final de 2014.
6. Autor favorito descoberto este ano: Ai, que pergunta difícil! Acho que tenho que dizer Neil Gaiman, já que ler Coraline e me deparar com a forma como ele conseguiu escrever uma história tão pesada de maneira tão fluida, pura e direta, me despertou uma vontade gigantesca de ler mais coisas do autor.
7. Melhor livro de um gênero que você normalmente não lê/fora da zona de conforto: Sem sombra de dúvida foi “Jogador nº1”. Costumeiramente quem lê livros assim é meu namorado (o livro que eu li, aliás, é dele) e não eu haha.
8. Livro mais cheio de ação/empolgante/impossível de largar: “Battle Royale” do Koushun Takami.
9. Livro que você leu este ano e provavelmente lerá novamente ano que vem: Sinceramente? Nenhum. Apesar de ter amado muitos livros que li esse ano, prefiro deixar pra ler livros novos em 2015, ou então reler apenas livros que faz muito tempo que eu li.
10. Capa favorita dos livros lidos: mais uma roubadinha pra poder escolher dois; “Bidu – Caminhos”, que tem a ilustração mais linda do mundo, e “Quem sabe um dia” da Lauren Graham que tem uma fotografia apaixonante. Daquelas fotos que eu queria fazer parte.
11. Personagem mais memorável: Gregor Samsa de “A Metamorfose” do Franz Kafka.
12. Livro mais bem escrito: “The Great Gatsby” do F. Scott Fitzgerald
13. Livro mais provocante/life-changing: acho que aqui cabe melhor um livro life-changing. No caso, o “A Redoma de Vidro”, da Sylvia Plath.
14. Livro que você não acredita que esperou até este ano para ler: “A Era Chanel” do Edmonde Charles-roux. Comprei esse livro faz tanto tempo (e ele é tão bom!) que não sei mesmo porque demorei tanto tempo pra lê-lo.
15. Passagem/quote favorita entre os livros lidos este ano: “I took a deep breath and listened to the old brag of my heart. I am, I am, I am” – “A Redoma de Vidro”, Sylvia Plath.
16. Maior e menor livros lidos: o maior foi “Battle Royale” com 664 páginas e o menor foi “Confissões de Adolescente” da Maria Mariana com 128 páginas.
17. Livro que mais te chocou: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
18. OTP do Ano: Katniss Everdeen e Peeta Mellark de Jogos Vorazes.
19. Relacionamento não-romântico favorito: Cormoran Strike e Robin de “O Chamado do Cuco”. Porque é sempre bom ver uma história em que os dois personagens principais poderiam, mas não possuem uma relação baseada em nenhum tipo de romance.
20. Livro favorito lido este ano por um autor que você já tinha lido anteriormente: acabei de perceber que o único autor que li esse ano e de quem eu já havia lido algo foi o Robert Galbraith (aka J. K. Rowling) com o “Chamado do Cuco”.
21. Melhor livro lido recomendado por alguém/por pressão: “A Invenção de Hugo Cabret” do Brian Selznick, que foi emprestado e teve sua leitura encorajada pela minha mãe.
22. Nova crush fictícia: Louis de “Entrevista com Vampiro” simplesmente porque não consegui ler o livro sem imaginá-lo como o Brad Pitt.
23. Melhor Estréia do Ano: ixi, acabei de perceber que não li nenhum lançamento de 2014 em 2014.
24. Locação mais vívida dos livros que você leu este ano: todo o universo de “Admirável Mundo Novo” do Aldous Huxley, que dá um chacoalhão na nossa cabeça.
25. Livro que colocou um sorriso no seu rosto/mais divertido de ler: “O Diário da Princesa” da Meg Cabot.
26. Livro que te fez chorar: “Extraordinário” da  R. J. Palacio
27. Livro tesouro do ano: “A Lista Negra” da Jennifer Brown, porque sinto de fato como se tivesse descoberto um tesouro nesse livro. Ele tem uma história incrível e super soco na boca do estômago, mas nem faz tanto sucesso (pelo menos não aqui no Brasil).
28. Livro que acabou com a sua alma: “A Redoma de Vidro” da Sylvia Plath
29. Livro mais único do ano: “1922: A semana que não terminou” do Marcos Augusto Gonçalves porque realmente foi uma leitura única e muito diferente de tudo que li no resto do ano.
30. Livro que mais te deixou com raiva (não necessariamente quer dizer que você não gostou): “A Esperança” da Suzanne Collins e eu gostei muito!

Como o blog aqui não é apenas literário e eu ainda quero fazer um post ~retrospectiva~ de 2014, só respondi algumas perguntas dessa categoria.

1. Novo blog literário que você descobriu este ano: O Cabine Literária não é desse ano, mas eu descobri só esse ano (conta, né?) e apesar de gostar muito do blog que eles têm, sou fissurada mesmo é pelo canal.
2. Resenha favorita que você escreveu este ano: Esse ano não escrevi tantas resenhas quanto eu gostaria, mas ontem postei por aqui um vídeo com as minhas impressões sobre alguns livros de horror que li, e que eu gostei muito de gravar, diga-se de passagem. E pra quem quiser ver as resenhas em texto que rolaram por aqui em 2014, é só clicar.
3. Você completou algum desafio literário ou metas este ano? Eu só fiz aumentar meus desafios literários, isso sim! haha. Os principais que tô fazendo no momento é o The Rory Gilmore Reading Challenge e o 100 livros essenciais da literatura brasileira.

 

1. Um livro que você não leu este ano, mas será sua prioridade no próximo? “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman e os outros livros do Caio Fernando Abreu que eu ainda não li.
2. Book que você está mais ansiosa para 2015 (não-estréia)? Não é um livro e sim um gênero, já que tô querendo me jogar de cabeça mesmo no universo das graphic novels em 2015.
3. Estréia que você está aguardando? Nem sei o que está pra ser lançado em 2015 :/ haha
4. Final de série/sequel mais esperada de 2015? Nenhuma. As únicas séries que estou na metade são “As Crônicas de Gelo e Fogo”, que ainda têm livros publicados pra eu ler e que mesmo o final vão demorar muito mais do que 2015 pra sair, e “O Diário da Princesa”, que também já teve todas suas sequências publicadas.
5. Uma coisa que você espera conquistar ou fazer no seu blog/vida literária em 2015? Fazer muito mais resenhas, de preferência de tudo que eu ler. E queria fazer isso tanto em texto quanto em vídeo.
6. Um lançamento de 2015 que você já leu/recomenda para todos? Socorro, gente, eu realmente não sou muito apegada nisso de lançamentos. Não lembrei de nenhum…

Ps: pra ver todas as minhas leituras de 2014, é só olhar essa listinha aqui que tenho no listography.
Bisous, bisous

Resenhas | Meses do horror literário

Eu tardo, mas não falho. Finalmente aqui estão as  resenhas dos livros do “mês literário do horror”!

Dos quatro da lista inicial, ainda faltar ler “Histórias Extraordinárias” do Edgar Allan Poe, mas eu decidi deixá-lo pra depois, já que já estamos quase no final de dezembro e eu não queria de jeito nenhum prolongar ainda mais a postagem desse vídeo. Portanto, aqui vão as resenhas de “Coraline” do Neil Gaiman, “Horror em Amityville” do Jay Anson e “Entrevista com Vampiro” da Anne Rice. A resenha do livro do Poe fica pra 2015, ou em vídeo ou em texto aqui no blog mesmo.

Ah, não se esqueçam de se inscreverem no canal (esqueci de falar isso no vídeo, poft!) e curtirem o vídeo. Eu ainda tô descobrindo como fazer resenha em vídeo sem me embananar toda, haha, por isso ia me ajudar muito se vocês comentassem sobre o que acharam da gravação e o que eu podia melhorar.

Bisous, bisous!

Mês literário do horror

Inspirada pela Tati Feltrin do Tiny Little Things, resolvi também fazer aqui no blog um “mês literário de horror/terror”!

A ideia é ler apenas livros desse gênero durante o mês de outubro e, no final do mês, voltar aqui em outro vídeo pra resenhá-los. Pra acompanhar o que eu tô lendo ~em tempo real~ é só ficar de olho na página do blog, onde eu vou contando minhas impressões de cada um deles ao longo das leituras.

Por enquanto, gravei um vídeo explicando melhor como vai funcionar tudo isso e também contando quais os livros que escolhi pra ler esse mês. Agora, fica aqui o desafio pra vocês de também embarcarem nessa ideia e só lerem livros de terror durante esse mês! Quem topar, faz um post ou grava um vídeo contando o que vai ler (lembrando sempre de linkar a Tati, de quem é a ideia original) e, se quiser, deixa o link aqui. Tô doida pra saber o que vocês vão escolher!

E ah, se gostou da ideia não se esqueça de curtir o vídeo e se ainda não segue o canal do blog, corre lá já pra se inscrever 😉

Bisous, bisous

Little Vlog | Bienal do Livro de São Paulo

Como eu já tinha contado lá no facebook do blog, no último sábado, dia 23, fui na Bienal do Livro de São Paulo, e tava doida de vontade de gravar muitas coisas pra mostrar aqui pra vocês. No final das contas, isso acabou não dando muito certo haha (e eu explico no vídeo o que aconteceu), mas ainda assim deu pra gravar um pouquinho e fazer até um vlog falando sobre o que eu achei do evento – e algumas coisitas que eu fiquei pensando muito sobre depois.

Aqui tem o site oficial da Bienal com todas as informações de horários, programação e transporte. E ah, esqueci de falar no vídeo, mas queria dar uma dica amiga (que eu não fiz e me arrependi muito) pra quem estiver se preparando para ir lá: levem água e comida! Acho que no almoço/jantar não dá pra fugir das opções da Bienal, mas pelo menos pra lanchinhos mais rápidos, vale a pena não encarar as filas enormes e nem o preço salgado de lá. E se estiver pensando em comprar muitos livros, leve malas com rodinhas, porque ninguém merece ficar carregando toneladas de livros no braço (conselho de uma menina que ficava revezando com o namorado pra carregar o Battle Royale mais o 100 anos de Moda em sacolas :~).

Espero que vocês gostem do vídeo e corram já pra Bienal que tá muito legal!

Bisous, bisous!

Crédito da imagem: Ideal Bookshelf