SPFW TRANS N42: algumas impressões e links sobre a última edição

Essa edição do SPFW foi muito diferente de todas as outras.

Foto do FFW mostrando a entrada do evento feita Kleber Matheus e que ficava toda iluminada em neon à noite

A entrada do evento foi feita pelo artista Kleber Matheus e ficava toda iluminada em neon à noite. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Pra início de conversa, a sigla TRANS, de transição, foi acrescentada ao nome do evento, em uma referência as mudanças que estão acontecendo na semana de moda de São Paulo e que passam a valer já na próxima edição.

Uma dessas mudanças é a assimilação do sistema “see now, buy now”, que em resumo (um dos links daqui de baixo se aprofunda mais nesse tópico) consiste na venda imediata (ou quase isso) das coleções apresentadas na edição, de forma que não haja um espaço de tempo tão grande entre o desfile e a chegada das roupas às lojas. Isso implica também na mudança do calendário verão/inverno, já que agora as marcas que adotarem esse modelo passarão a desfilar com peças da estação em vigor.

Além disso, a partir do ano que vem, o SPFW passa a acontecer nos meses de março e agosto, em uma forma de ajustar esse novo sistema com as engrenagens do mercado têxtil.

O corredor da entrada do evento dava direito para uma arvorezinha <3 Foto: Agência Fotosite para o FFW.

O corredor da entrada do evento dava direito para uma arvorezinha muito fofa e, em seguida, para a área de livre circulação. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Mas as diferenças não pararam por aí. Nessa edição, o SPFW deu um rápido adeus a Bienal e foi acontecer ali do ladinho, em uma tenda montada no meio do Parque Ibirapuera, ao lado do Museu Afro Brasileiro. O espaço ficou totalmente diferente, inclusive com uma parte aberta para o parque, cheia de espreguiçadeiras bem gostosas que serviam como uma pausa muito bem-vinda em meio a correria da semana de moda.

Por causa do espaço reduzido havia apenas uma sala de desfile no local e o line-up (que já foi mais enxuto do que o normal porque algumas marcas precisaram pular a edição para conseguirem ajustar sua produção), acabou tendo que se dividir em muitas apresentações externas. O que, ainda que complique a vida da imprensa e deixe o calendário cheio de horários malucos, acabou se mostrando interessante e até quase que imprescindível para os desfiles de algumas marcas.

Foto do FFW mostrando as cadeira estilo espreguiçadeiras que ficavam na área externa

As cadeiras estilo espreguiçadeiras que ficavam na área externa da edição e que quase fizeram eu tirar um cochilo no final da tarde de sexta-feira. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Como de praxe dei um pulinho no último dia do evento, sexta-feira, pra conferir in loco alguns desfiles e toda a estrutura dessa fase de transição. A visita, aliás, foi bem menos corrida do que nas últimas vezes, já que havia um espaçamento bem grande entre os desfiles que eu assisti e, assim, pude fazer uma coisa que quase nunca consigo: visitar os stands e participar das ações de cada um. Tirei foto polaroid no stand da Instax 70, brinquei de boomerang com os canudos personalizados da Coca, tomei um Magnum de creme brulé maravilhoso que tavam dando no carrinho da marca e fiz mais um monte de outras atividades que em anos de SPFW nunca tinha conseguido fazer.

E, claro, assisti a algumas apresentações. Duas, para ser mais exata.

Vi dois desfiles nesse dia, e ainda que os dois tenham sido completamente diferentes e com propostas quase que extremas, foi ótimo assistir duas apresentações que tiveram destaques bem positivos pra essa edição.

Highlights do desfile da MEMO. FOTO: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW.

Highlights do desfile da MEMO. Foto: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW.

O primeiro desfile que assisti foi o da Memo, marca fitness da Patricia Birman, herdeira do Grupo Arezzo, que fez sua estreia no SPFW. Eles já haviam feito uma parceria com a estilista Lollita antes e resolveram repetir a dobradinha para essa coleção (pelo que foi divulgado pela marca, a cada nova edição da semana de moda um estilista diferente será convidado a preencher esse cargo).

Ainda que eu tenha ido com zero de expectativas assistir ao desfile, achei tudo bem fresco, e uma combinação que de cara asim não me parecia muito animadora, acabou rendendo um bom resultado na passarela e fazendo muito sentido pra esse momento em que vivemos, onde o sportwear já mostrou que tem espaço além das academias faz tempo.

Em seguida foi a vez de ver o maravilhoso João Pimenta. E ainda que ele sempre faça um trabalho muito bonito (tenho amigos – e amigas também! – que brincam que se fossem rico teriam apenas João Pimenta no armário), ele conseguiu se superar nessa edição e criar uma coleção masculina extremamente bonita, que é bastante conceitual em muitos aspectos, mas, que ao mesmo tempo, consegue mostrar força de mercado e um ar fresco para o que se vê da moda masculina atual.

Highlights do desfile do João Pimenta. FOTO: Ze Takahashi / FOTOSITE para o FFW

Highlights do desfile do João Pimenta. Foto: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW

Como teve muita gente da imprensa fazendo um trabalho bem incrível nessa edição, com pautas que permeavam muito além de tendências e críticas de desfiles (que eu gosto muito também, diga-se de passagem!) achei que valia a pena compartilhar alguns links por aqui.

Leiam, vejam e compartilhem – porque eles merecem.

Transgressão foi a palavra que definiu este SPFW

Agência Fotosite

Foto Agência Fotosite

A maravilhosa da Vivian Witheman fez um balanço desse SPFW pro site da Elle Brasil, e nele ela fala sobre alguns momentos muito especiais dessa edição que foram de extrema importância pra história do evento e da própria moda brasileira. Entre eles está o desfile de Ronaldo Fraga e da LAB, marca comandada pelo Emicida e pelo Fióti.

Diferente de apenas pincelar o que aconteceu nas apresentações, Vivian faz (como sempre) uma análise profunda da situação e do que ela representa dentro da “alta roda da moda brasileira”, mostrando como o trans do nome do evento já parecia ser um prenúncio de todas as transgressões que estavam por vir.

Veja-agora-comprZzzzzz

Lá no Petiscos, a Mariana Inbar explicou mais detalhadamente no que consiste esse sistema do “see now, buy now” e como ele repercutiu nas marcas internacionais que já adotaram esse mecanismos nas suas últimas coleções.

O texto todo é bem interessante não apenas pra se entender melhor essa mudanças, mas pra se avaliar até que ponto ela é de fato positiva (ou não) para a moda.

Ronaldo Fraga fala ao FFW sobre a moda como ato político

O final do desfile de Ronaldo Fraga. FOTO: Gabriel Cappelletti | Agência Fotosite

O final do desfile de Ronaldo Fraga. Foto: Gabriel Cappelletti da Agência Fotosite para o FFW

A jornalista Juliana Lopes do FFW escreveu um texto desmembrando o desfile de Ronaldo Fraga em muitas nuances, desde a importância da mensagem passada pela coleção, até o casting de modelos escolhido e a história por trás das roupas mostradas.

Pincelado com algumas falas do próprio Ronaldo logo após o desfile, é ainda mais emocionante olharmos assim, com lupa de aumento, cada detalhe dessa apresentação, percebendo a importância dela não apenas pra moda, mas para a problematização de uma questão tão brutal que enfrentamos no Brasil.

Quem merece nosso shot?

Já na página do facebook do Altas da Moda, um canal de moda bem maneiro feito pelo trio de jornalistas Luigi Torres, Giuliana Mesquita e Guga, rolaram lives de todos os dias do evento e um vídeo de encerramento da temporada com os destaques da edição.

Vai ter gorda no SPFW, sim!

Ainda que feito de forma bastante humorada, o vídeo gravado por Juliana Romano e Lucas Castilho para o seu canal, o “A Gorda e o Gay”, lança um questionamento bem interessante “A moda ama os gays e odeia as gordas?”.

A pergunta que não quer calar é o ponto de partida para os dois buscarem indícios de uma representatividade de mulheres gordas no evento e – o que é uma pequena, mas importante mudança nesse cenário – encontrarem ao menos uma modelo dentro dessas características.

Vamos falar sobre os preços?

Ainda que não seja nenhuma cobertura do evento, quis encerrar esse post com um texto postado hoje no site do Laboratório Fantasma falando sobre o preço da coleção LAB Yasuke. Mais do que uma marca que traz um preço acessível pra diversas camadas da população brasileira, é muito, muito importante e legal ver a preocupação da LAB de explicar o motivo dos preços, a cadeia de produção e a história por trás das roupas e de tudo isso.

É um exemplo pra inúmeras outras marcas do nosso país, vocês também não acham?

Bisous, bisous e bom final de semana!

Links para toda hora #10

Deixa eu contar pra vocês uma história…

Há pouco mais de cinco anos nasceu uma revista digital feita por colaboradores de todo canto do país. Essa revista se chamava aLagarta e era feita por jornalistas, designers, stylists, modelos e gente das mais variadas áreas que apostaram na sua proposta (de levar arte e beleza para as pessoas) e que, com MUITA dedicação, fizeram a revista se transformar no projeto tão bacana que ela é hoje.

Há três anos me juntei a esse time e pude ver de perto todo o empenho que rola em cada edição, que sempre aposta em um tema central e se desenvolve em torno dele. Aprendi muito em todo esse tempo e tenho um orgulho danado de contar pra todo mundo que tenho um pezinho de participação nessa história toda.

Bom, tudo isso foi pra contar que nós da aLagarta estamos agora dando um novo rumo à revista. É um desafio enorme e complicado, mas que tem nos deixado muito, muito empolgados e felizes: a gente vai virar uma revista impressa!

E pra isso a gente conta com você que acompanha nosso trabalho já há algum tempo ou com você que acabou de nos conhecer, mas que se interessou pelo projeto. Lá no catarse, dá pra contribuir com diferentes valores (com uma recompensa bem massa pra cada um) e assim nos apoiar. E mesmo que você não possa colaborar, ajudar a divulgar o nosso crowdfunding já é super válido.

Vamos lá, hein, estamos contando com vocês. Segue o link http://bit.ly/aL-CrowdFunding

Eu já falei desse texto do Leo Aversa no último post do blog, mas não tinha como montar uma lista com indicações de links e deixá-lo de fora. Ele é leve, divertido, bem escrito e o tipo de texto que a gente lê e fica com um sorriso no canto da boca quando chega na última linha.

Deixem o dia de vocês mais gostoso e o leiam também :)

Pra quem não conhece, o Vlogbrothers  é um canal no youtube feito por dois caras, o John Green (autor de A Culpa é das Estrelas, Cidades de Papel e muitos outros sucessos literários) e o seu irmão, Hank Green. O canal é maravilhoso e conseguiu reunir em torno de si muitos seguidores dedicados e apaixonados pelas conversas e debates dos dois irmão, criando uma comunidade gigante e super entrosada, o Nerdfighters. Ps: pra quem se interessar, existe a comunidade brasileira do Nerdfighters no facebook. Procurem lá! Fui admitida na semana passada e tô adorando acompanhar as discussões.

Tem um texto do GWS que explica muito bem todo esse universo paralelo dos irmãos Green, mas o que eu queria mesmo indicar aqui é um dos últimos vídeos do canal deles, o “Brazil’s Government is Falling Apart… and it’s Good News?”. Ainda que muita coisa já tenha acontecido na política brasileira desde que ele foi lançado, ele é muito interessante pra entendermos todos os passos que foram dados para chegarmos até aqui.

Hank Green dá uma verdadeira aula de história e política brasileira explicando como se deu a ascensão do PT ao poder, a oposição, os escândalos políticos que aconteceram, o esquema da Lava Jato, a imagem que se criou do juiz Moro e muito mais. O mais interessante é que é uma visão totalmente apartidária da situação e uma forma bastante didática de explicar os últimos acontecimentos políticos do país.

E tá tudo legendado, pra facilitar ainda mais as nossas vidas.

De 12/04 a 15/04 rolou a 39ª edição da Casa de Criadores, um dos eventos das modas que eu mais tenho vontade de um dia acompanhar in loco. Eu acho bárbara a ideia da Casa e tenho um respeito muito grande não apenas pela proposta, mas por todos os novos e conhecidos nomes que por lá se apresentam.

Nessa última edição, a Lilian Pacce fez uma bela cobertura do evento, que dá pra ser conferida nesse link aqui. Um dos maiores destaques foi a estreia do brasileiro Lui Iarocheski (a foto daqui de cima é do designer com algumas das suas criações) e tem, inclusive, uma entrevista muito interessante com ele lá no site da Lilian.

Prontas para uma overdose de Taylor Swift?

Pra começar que a Taylor é a covergirl da edição de maio da Vogue e na foto a cantora tá muito diferente do que estamos acostumados a vê-la. Eu ainda não sei dizer se gostei ou não da capa, mas que é diferente e faz a gente perder uns bons minutinhos olhando com mais atenção, isso faz. E pra deixar as coisas mais interessantes, Tay respondeu um dos quadros do canal da Vogue que eu mais amo, o “73 questions with”. O vídeo faz um pequeno tour na sua casa e é uma delícia (como sempre) de acompanhar.

Não bastasse tudo isso, menina Taylor ainda é a garota propaganda da nova campanha da Apple Music e já teve liberados dois vídeos dessa sua empreitada. No primeiro, enquanto escuta uma playlist especial para correr e se exercita em uma esteira, ela toma um tombaço daqueles homéricos, de ficar estatelada no chão morrendo de dor. Já no segundo, ao som de “The Middle” do Jimmy Eat World, ela dança loucamente enquanto se arruma para sair – e faz a gente ter vontade de sair dançando por aí também.

Pois é, quando a gente acha que Tay deu uma sossegada, aí é que ela vem e PÁ, causa todo um rebuliço maravilhoso. Aah<3

Bisous, bisous e até amanhã!

Links para toda hora | Especial ano novo

Nesses primeiros dias do ano vi tantos links legais pulando aqui na minha tela que achei que era mais do que justo fazer uma listinha dos seis que mais me chamaram a atenção. Fica aí de indicação pra vocês lerem e verem pelos próximos dias, e começarem 2016 (quem aí também voltou a trabalhar hoje?) cheios de boas dicas.

O Guga do Traum fez um post mais do que excelente sobre como foi o ano de 2015 para a moda. Em um texto dividido em 10 tópicos, Guga listou 100 twittes que ele fez ao longo do ano com opiniões sobre esses acontecimentos, mas principalmente com links para outras matérias, análises e notícias a respeito. É um balanço maravilhoso que vai te render, no mínimo, uma tarde toda de ótimas leituras.

Sofia do Sofia Soter fez um post-salvador cheio de indicações de produtos digitais para se organizar em 2016. Tem desde um blog planner criado pela Loma, muito maravilhoso, todo dividido em abas, fácil de mexer e super completo, até um pacote desenvolvido pela canadense Danielle Laporte com métodos e planejamentos que envolvem foco e sucesso para o novo ano. Tudo para fazer dos próximos 365 dias um grande intensivão de ideias postas em prática.

Para felicidade de uns e desespero de outros, Taylor Swift quer fazer repeteco do seu sucesso do ano passado agora em 2016, e pra isso já começou lançando clipe na viradinha do ano. “Out of the Woods” é do álbum 1989 e dizem que foi escrito para Harry Styles – o que, claro, só faz crescer ainda mais o frisson em torno do seu lançamento.

Apesar de amar a música, – acho sim que 1989 é um álbum pop muito bom – eu ainda não sei o que penso desse clipe. Vocês gostaram?

A mais do que esperada lista de final de ano do Pablo Villaça já foi publicada lá no Cinema em Casa. Além de falar quais foram, na sua opinião, os dez melhores filmes lançados comercialmente no Brasil em 2015, Pablo ainda escreveu sobre mais 23 títulos que merecem destaque, contou quais ele acredita serem os dez piores filmes comercialmente lançados no Brasil nesse último ano, deu algumas dicas cinéfilas para 2016 e fez sua gigantesca lista de filmes vistos e revistos de 2015.

E fiz questão de colocar a foto de Califórnia aqui em cima porque além de estar na lista de melhores do ano do Pablo, eu tô doida pra ver esse filme.

By oldskull.net

Aproveitei os dias de férias pra fazer algumas andanças aleatórias na internet e claro que já descobri um novo blog pra viciar em 2016. Li um post do Coisas de Pablo e não consegui mais parar de ler os textos desse garoto que ‘tem 25 anos, é formado em Design de Interiores e ainda está tentando descobrir o que vai ser quando crescer’.

Os posts são muito bem escritos e totalmente despretensiosos, daqueles que a gente se identifica e quer ler mais, e mais, e mais…

A CBS fez um compilado de 15 novas série produzidas pelo Netflix que estreiam agora em 2016. Ter achado e lido esse texto foi a maior auto sabotagem do meu ano, confesso, porque agora já tenho várias novas séries que quero começar a assistir. E ah, o trailer aqui de cima é de “Fuller House” (Três é Demais aqui no Brasil), série que foi sucesso nas décadas de 80 e 90 e que vai ganhar uma sequência agora pelo Netflix. Não vai ter as irmãs Olsen, infelizmente, mas tô com muita vontade de ver como é que a série vai ficar!

Bisous, bisous e vamos botar pra quebrar em 2016!

Links para toda hora #8

Uma das matérias mais interessantes e diferentes sobre moda que vi pulando na minha timeline recentemente foi essa daqui do FFW, em que eles listam 10 fatos curiosos esquecidos pelo mundo da moda. Tem de tudo um pouco, desde o relacionamento não muito amigável de Naomi Campbell e Kate Moss com o estilista Alexander McQueen no começo de sua carreira, até a amiga brasileira de Coco Chanel.

E pra quem achou interessante a curiosidade sobre Hubert de Givenchy e Audrey Hepburn, vale saber que essa parceria entre os dois – que foi uma das mais valiosas para a moda e para Hollywood – é contada de forma ainda mais detalhada no livro “Quinta Avenida, 5 da manhã”, que já ganhou resenha aqui no blog.

Pra mim, uma das coisas mais marcantes do filme Edward Mãos de Tesoura é o cenário de subúrbio norte-americano onde se passa a história. Aquelas casinhas com jardins enormes na frente, aquelas esculturas maravilhosas feitas nas plantas por Edward, e aquele castelo gigantesco no fim da rua onde ele se escondia são detalhes extremamente importantes pra história. Não consigo imaginar o filme se passando em outro lugar que não seja ali, naqueles tons pastel tão característicos do lugar.

Por isso que quando vi essa matéria do mashable, sorri de orelha a orelha. Ela mostra as fotos feitas por Andrew Cremeans, – americano que morava quando pequeno no bairro onde o filme foi rodado – 25 anos depois das gravações de Edward Mãos de Tesoura. As imagens comparam o antes e depois de vários cantos da vizinhança e ainda que o lugar tenha mudado muito ao longo desses anos, tenho certeza de que os que amam o filme tanto quanto eu vão sentir um quentinho muito bom no peito com essas fotos.

A entrevista não é recente, mas a Carla Lemos compartilhou ela hoje no facebook e eu fiquei ainda mais apaixonada pelo Ricardo Darín, esse ator maravilhoso, mexicano, de uma alma elevada e que já interpretou papeis arrebatadores no cinema como Roberto de Um conto chinês e Marcos de Nove Rainhas.

Nessa entrevista Darin conta porque não aceitou um papel que lhe ofereceram para atuar em Hollywood e ainda dá uma das respostas mais lindas e puras que já vi na televisão. E ah, já aviso de antemão que esse vídeo contém pausas extremamente constrangedoras vindas do repórter.

Ontem, enquanto postava o Taylor Swift Book Tag, alguém colocou esse texto do The Huffington Post em um grupo do facebook que eu participo, e apesar de eu não concordar totalmente com ele e achar que especialmente na parte que fala das ações de caridade da Taylor rolar um exagero por parte do colunista, tem umas boas verdades aí contidas.

Eu adoro a Taylor, suas músicas e amigas, mas também tenho consciência de que a carreira e imagem dela nos últimos tempos vem sendo muto bem arquitetada. Não dá pra ser inocente a ponto de achar que por trás dessa “nova Taylor” não há uma grande dose de publicidade. Vocês não concordam?

Bisous, bisous e fiquem a vontade pra deixar mais links legais aqui nos comentários!

Links para toda hora | Especial SPFW verão 2016

Nessa temporada, não dei um pulinho no Parque Cândido Portinari pra conferir a decoração e os desfiles do SPFW, mas assisti e li tantas coisas legais sobre o assunto – e também sobre coisas fora do evento, mas que tão instrinsecamente ligadas ao momento atual da moda brasileira – que achei que essa listinha merecia demais se transformar em um “links para toda hora” especial. Bora lá então conferir esses links cheios de amor e bom conteúdo.

“Daqui a 100 anos, as pessoas vão olhar para as fotos de moda de hoje e vão saber como as pessoas se vestiam, quais eram os costumes… A moda é importante tanto como indústria e a questão economica, quanto culturalmente. É a crônica de um tempo.”

Essas palavras são do fotógrafo Bob Wolfenson, o responsável pelo ensaio fotográfico “Sonhando Acordado”, uma celebração aos 20 anos de SPFW e aos encontros de inúmeros profissionais que fizeram parte dessa história. A mostra tem curadoria de ninguém menos que Paulo Borges e pode ser conferida em primeira mão nessa edição do SPFW, seguindo depois para outras cidades. O Estadão fez uma entrevista bem incrível com o fotógrafo sobre essas fotos, sobre sua carreira e sobre a importância que ele vê na fotografia de moda.

A Marina Espindola do Costanza Who fez um texto bem interessante sobre a necessidade (ou falta dela) da semana de moda carioca e o que esse hiato de Fashion Rio representa para a indústria de moda brasileira. Vale a pena ler e acompanhar os próximos capítulos dessa história.

Erika Palomino não só é uma das profissionais de moda mais talentosas e importantes do Brasil, como também não tem papas na língua e fala o que pensa (desde o começo de sua carreira), sem medo das críticas. Ela tem um olhar de insider e de vanguardismo que eu admiro horrores e nessa entrevista para a FFWMag 39 – e que teve uma parte postada no site do FFW – ela, mais uma vez, bota o dedo na ferida e fala sobre moda, blogs, seu trabalho, sua saída da L’officiel, suas visões para o mercado e mais uma porrada de coisas que fazem a gente pensar um bocado. Da série: tem que ler!

Todo mundo viu e reviu a despedida de Gisele Bundchen das passarelas, mas eu não podia deixá-la de fora dessa lista, pois continuo a achar esse momento emocionante e super importante pra moda brasileira. Porque, verdade seja dita, Gisele está ligada de forma incontestável com a moda nacional, não só porque cresceu nesse meio, mas porque foi uma importante “ferramenta” para que os olhos da indústria por aqui pousassem. Sua despedida foi tão bonita, divertida e humilde (ela fez questão de encerrar a carreira por aqui, no SPFW, desfilando pra marca que sempre a apoiou) quanto a sua trajetória profissional. No videozinho aqui de baixo do canal da Lilian Pacce dá pra rever esse momento.

E como não se faz uma semana de moda sem bons desfiles, pra encerrar essa lista fica aqui esse textinho da Harper’s Bazaar falando sobre a coleção de verão 2016 da Acquastudio que eu achei mega inspiradora e que foi buscar referências na flor que anuncia a chegada da primavera no Japão, a cerejeira. Na galeria de fotos é possível conferir de perto os shapes e estampas de que falam a matéria e ficar tão apaixonada quanto eu por essa coleção.

Bisous, bisous