Casas de diretores de cinema e suas decorações inspiradoras

Esses dias, enquanto assistia um daqueles filmes que fazem a gente suspirar em alto e bom som com a decoração de cada cena e cada cenário, me peguei pensando se quem está por trás da tela também fica com essa mesma sensação que a gente. Tipo, quem faz esses filmes, também fica desejando uma poltrona de tal jeito, um cantinho inspirador na sala igual o daquele personagem ou uma biblioteca igual a que apareceu de relance na casa do protagonista? Eu imagino que sim, e imagino ainda que essas pessoas devem influenciar e serem influenciadas na sua vida pessoal por essas coisas tanto quanto a gente.

Foi por causa disso que eu dei uma de stalker de celebridades e comecei a pesquisar sobre “a decoração da casa de grandes diretores de cinema”. Haha. Parece meio doido, mas cá entre nós, cês já pensaram como deve ser a casa do Woody Allen, do Spielberg, do Scorsese e de tantos outros e outras que criaram filmes com as decorações mais incríveis ever? Eu sei que tem a mão de muito mais gente por trás disso tudo do que apenas a do diretor, mas não podia deixar de imaginar que esses caras, que foram quem escreveram e imaginaram em primeiro lugar esses lugares tão incríveis, não acabaram levando um pouco disso pra vida deles também.

O resultado dessa pesquisa toda você confere abaixo. E podem se preparar porque as fotos (e as inspirações) são muitas <3

Ps: é só clicar nas fotos das galerias que elas abrem grandonas em uma janelinha!

Não tenho certeza se essa ainda é a casa do Woody Allen, já que as fotos são de uma matéria de novembro de 2008 da revista Architectural Digest. Mas, penso eu, seria muita loucura se desfazer de uma casa linda dessa e que, vale dizer, deu um trabalhão pra ser achada: foram dois anos procurando o “endereço perfeito”, até finalmente ele ser encontrado aí, em um dos bairros mais luxosos de Manhattan. O mais legal dessa história toda é que a quadra em que fica essa casa sempre teve um valor sentimental muito forte pro diretor, já que foi nela que várias cenas de Annie Hall foram gravadas.

A prova de que a vida pode sim imitar a arte =)

Apesar da casa ser extremamente luxuosa, cheia de móveis e objetos austeros, fiquei curiosa como tudo o que vai sendo mostrado e falado na matéria remete a inocência. É como eles mesmo dizem: em meio a toda a coleção de obras de arte de Woody Allen (que levou décadas pra ser construída), o que realmente sobressai é essa sua fixação por coisas cândidas, que vão desde cadeiras de balanço até peças vintage e móveis de pátina rústica.

No entanto, o que mais me tocou na construção dessa casa, foi uma confissão do designer que a planejou. Segundo ele, tudo nela foi pensado “cinematograficamente” pelo diretor. Tudo era construído de acordo com uma determinada história inventada, e Allen não conseguia simplesmente largar tudo nas mãos dos profissionais e tinha que conferir cada detalhe, com especial atenção para as cores, que eram sua fixação.

Não bastasse tudo isso, a casa ainda tem um detalhe-amor: no quarto do diretor, está a sua máquina de escrever. A primeira que ganhou e que usa até hoje pra escrever o roteiro de seus filmes.

“The important thing for us,” says Allen, “was that the house would be completely comfortable, and that even when it’s messy it looks great. I love the fact that the bedroom is very bright and sunny, quiet and with a fireplace, because I do all of my work in the bedroom.”

 

 

O que eu acho mais lindo no ex-apartamento da Sofia Coppola em New York (além de lá, ela tem também um em Paris) é que ele é quase todinho branco de um jeito que não fica nem tedioso e nem formal demais. Eu acho essa medida exata a coisa-mais-linda-do-mundo e ainda sonho com o dia que vou conseguir deixar meu apartamento cheio de móveis brancos também (meu sonho é um sofá branco e já perdi a conta de quantas vezes minha mãe disse “você vai se arrepender tanto, mas tanto na hora da limpeza”. Mãe sabe das coisas, infelizmente.)

Outras duas coisas que eu achei lindas nesse apartamento é que ele quase não tem paredes divisórias, transformando tudo em um grande cômodo aberto, e existem janelas e vidraças por todos os lados, cantos e ângulos. Parece até que a gente fica mais perto do céu, trazendo uma luz natural maravilhosa.

Ah, vale frisar que as fotos aqui debaixo são todas do site da Constance Zahn Open House e o texto dessa mesma matéria conta que todos esses quadros espalhados pelo apartamento são na verdade uma grande coleção de arte, com obras até do Helmut Newton! Além disso, vocês repararam como em todo cantinho do apartamento tem um vasinho de flor? Na mesa de jantar, na sala, na bancada da cozinha… São pequenos detalhes que fazem mesmo toda a diferença <3

 

 

A casa de hóspedes do Steven Spielberg em East Hampton (NY) é de chorar de linda e vejam bem: é a casa de hóspedes, que fica no fundo do gramado da sua verdadeira casa. Dá pra imaginar então como deve ser a casa que ele mora de verdade?!

Bom, mas voltando pro lugar aqui em questão (vamos manter os pés no chão haha), uma das coisas que mais amei nesse espaço é que ele é super aberto, com vista para esse gramado maravilhoso. As cores usadas na casa são todas bem suaves também, com muitos móveis de madeira e granito espalhados pelo lugar.

E reparem nos pequenos cuidados que foram tomados pra deixar a casa bem convidativa e com cara de “vocês são muito bem-vindos por aqui”: as flores no centro da mesa da sala, os porta-retratos espalhados pelo cômodo, os brinquedos de dinossauros (influências de Jurassic Park?) colocados no quarto das crianças… Aliás, o quarto das crianças imita um quarto de navio e achei incrível esse tapete a la Rosa dos Ventos. Pode copiar?

 

 

A decoração da casa do Scorsese mostra que eu não tava tão errada assim em presumir que os diretores são influenciados por seus filmes tanto quando os influenciam: a sala de estar de Martin (intimidades) tem um toque de era vitoriana saído diretamente de A época da Inocência, filme de 1993 do diretor. Além disso, nesse cômodo tem ainda um projetor de 16mm (gente, imagina ter um projetor de cinema dentro da sua casa?!) e pôsteres originais de grandes filmes espalhados pelas paredes – coisa que aliás acontece na casa inteira e não só na sala de estar.

As fotos e as informações são todas do site Architectural Digest, mas nem precisava ler o texto pra sacar que o Scorsese respira cinema tão fortemente que faz questão de mostrar (e ter um pouco disso) em cada canto da sua casa.  É tudo muito austero, mas é apaixonante também, e tem um clima de “uma cena de cinema poderia ser rodada aqui” que eu acho que foi propositalmente planejado por ele, sabe?

Espero que vocês tenham gostado do post e se alguém aí já viu alguma sessão de fotos da casa de um diretor de cinema que não foi citado aqui, manda o link pra mim! Tô juntando ideias pra fazer a parte dois desse post. E ah, se for a casa do Tarantino ou do Wes Anderson, pode sentir-se abraçado desde já! haha ;*

Bisous, bisous

20 anos de carreira e uma foto histórica

Escrevi esse texto, originalmente, em setembro de 2013 para o À Moda da Casa, uma consultoria de moda para onde eu colaborava até o ano passado. Relendo-o, me deu uma vontade danada de trazê-lo pra cá (com algumas modificações pra contextualizar, é claro)!

Primeiro porque admiro muito mesmo o trabalho do Alexandre e já fiz até um post aqui no blog com looks de TODOS os desfiles dele, desde sua formatura na FASM até a primavera de 06/07. E também porque queria compartilhar a foto do editorial da Vogue e o vídeo de backstage dessa produção – que são mesmo lindos. Pra quem gosta de acompanhar a moda brasileira em um sentido mais histórico, é de deixar qualquer um emocionado 😉

Era final do ano de 1993 e o curso de moda da Faculdade Santa Marcelina, um dos mais respeitados do país, se preparava para o seu tradicional desfile de formatura. Havia muita expectativa em torno de alguns formandos que iriam se apresentar naquela noite, mas o que provavelmente pouca gente imaginava é que aquele desfile seria o cartão de boas-vindas para que um dos maiores estilistas do país começasse de fato sua carreira.

Já se passaram 20 anos desde aquela noite e Alexandre Herchcovitch, o garoto que tinha fama de undergorund, terminou aquele desfile com a certeza de que uma nova fase começava em sua vida.

Ele criou sua própria marca de roupas e foi chamado as pressas por Paulo Borges para completar o line-up do primeiro Phyoervas Fashion, evento embrionário do SPFW. Faltavam pouquíssimos dias para o desfile, mas Alexandre aceitou o desafio mesmo assim, e na data marcada fez uma apresentação que tinha a sua cara: uma mistura de androginia com o lado escuro e perverso da moda.

Inspirações para aquela coleção não faltaram, afinal, antes mesmo de terminar a Santa Marcelina, Herchcovitch já vinha desenvolvendo um estilo próprio, fruto do trabalho que fazia vestindo as prostituas e figuras da noite paulistana. Esse lado undergournd de Herchcovitch perdurou ainda por muitas de suas coleções e até hoje, mesmo em suas peças mais cândidas e suaves, o lado dark do estilista ainda parece aflorar. A caveira se transformou em um de seus maiores símbolos e não foram poucos os desfiles em que o designer trouxe elementos de fetiche e goticismo para a passarela.

A foto histórica feita para a revista Vogue Brasil set/2013

Algumas das lembranças mais memoráveis da moda brasileira estão, com certeza, entre as coleções desfiladas pelo estilista ao longo desses 20 anos. As modelos com os rostos totalmente cobertos em um clima super pesado no inverno de 1997; as influências japônicas tão fortes do inverno de 1999; a parceria com a Disney que colocou até as orelhinhas do Mickey na passarela no inverno 2003 masculino e, mais recentemente, os modelos que ganharam maquiagens de caveira no rosto em seu inverno 2010.

O que fica de certeza é que o que Alexandre alcançou ao longo de sua carreira é um feito muito difícil, e que muitos estilistas de longa estrada ainda não conseguiram realizar: uma moda conceitual que também seja vendável. Esse equilíbrio sempre permeou sua carreira, dando liberdade para que o designer trabalhasse seu estilo muito além das roupas. Tanto que hoje, seu nome está estampado em peças que vão desde coleções de cama, mesa e banho até band-aids, levando o nome de Herchcovitch muito além do mundo da moda.

Para comemorar esses 20 anos de história, a Vogue prestou uma bela homenagem ao estilista. A edição de setembro [de 2013] traz uma foto clicada pelo fotógrafo Miro em que 20 modelos usam 20 looks by Alexandre Herchcovitch, cada um representando 20 momentos dos 20 anos de carreira do estilista. Entre as tops clicadas estão nomes como Geanine Marques, musa de Alexandre e figurinha certeira em seus desfiles; Carol Ribeiro, Luciana Curtis e mais uma lista de tops incríveis. Há ainda um texto de Costanza Pascolato sobre o designer e um editorial estrelado por Isabelli Fontana apenas em looks by Alexandre Herchcovitch.

Homenagem a altura do homenageado.

10 blogs de look do dia gringos e o porquê você deveria conhecê-los #2

Para quem não viu a primeira parte desse post, é só clicar aqui.

Eu descobri a Alix na mesma época da Betty e da Carrie (a time long ago), e elas foram minhas “primeiras blogueiras de moda”, as primeiras que eu acompanhei de verdade, as primeiras que me inspiraram. Então, colocar o The Cherry Blossom Girl nessa lista era inevitável.

Uma coisa que sempre me chamou atenção no TCBG é que todo texto vem sempre acompanhado de uma música que dita o clima das fotos. E não é aquela coisa chata de você entrar e ficar tocando a canção no repeat. A Alix sempre deixa um link logo no começo do post, assim como quem não quer nada, que redireciona pra um vídeo do youtube com a música escolhida. Aí você que decide se quer ou não ver as fotos/ler o texto embalada pela canção. Mas ó, já fica a dica: ela tem um ótimo gosto musical que vai desde Brigitte Bardot até Nancy Sinatra e Air.

Além de ser formada em moda e já ter trabalhado com os nomes de peso ditos aí em cima (Alexander McQueen e Chloé), a Alix é dona da sua própria linha de roupas, a By Alix, e ainda é ilustradora e fotógrafa.

Suas roupas, pra mim, são a cara do estilo francês e eu acho lindo que ela sempre coordena seus looks jogando com opostos: vestidos leves com botas mais pesadas, peças bem moderninhas com acessórios vintage, partes de cima mais românticas com parte de baixo mais tomboy. No seu armário, a gente encontra muitas peças da Chloé, Charlotte Olympia, Kate Spade, Miu Miu e Chanel. Essa última, aliás, de uma maneira ainda mais especial, já que ela e a Betty do Le Blog de Betty já foram nomeadas como “embaixadoras na web” da marca. Diz se não é muita influência?

Para conhecer mais da Alix:

Bloghttp://www.thecherryblossomgirl.com/
Facebookhttps://www.facebook.com/pages/The-Cherry-Blossom-Girl/50886745016
Twitterhttps://twitter.com/alixcherry
Instagram | @alixcherry

Pode ser que você já tenha escutado falar dela como Steffy Kuncman, mas desde o comecinho do ano ela e Matt Degreff (namorado que a acompanha desde o início do blog) se casaram, e taí a explicação pra esse novo sobrenome em seu facebook. O casamento dos dois, aliás, foi super especial pra quem acompanha o Steffy’s cos and prons desde sempre, porque né, a gente se sente não só expectador, mas também parte dessa história.

Mas, além do Matt, a Steffy ama muitas coisas mais, como seu cachorro salsichinha, que sempre aparece em seus posts, fotografia, café, visual merchandising (sua especialização na faculdade) e, claro, suas roupas vintage, com destaque para suas golas peter pan, seus suéteres divertidos e seus chapéus de vários estilos e cores. A Stefanie curte tanto esse tipo de roupa que tem até uma loja online do gênero chamada Tea & Tulips. O blog e a loja nasceram meio que como coisas complementares e eu fico na dúvida por qual suspirar mais.

Recentemente ela cortou o cabelão que tinha desde o começo do blog (aqui dá pra ver uma foto de como ela era antes) e eu curti a mudança, apesar de sentir muita falta das tranças e penteados lindos que ela fazia com ele.

 I strive to create the magical world i want to live in every day. and then i capture it.” –
Stefanie Degreff

Para conhecer mais da Steffy:

Bloghttp://steffysprosandcons.blogspot.com.br/
Facebookhttps://www.facebook.com/steffysprosandcons
Twitterhttps://twitter.com/steffyspandcs
Instagram | @steffyspandcs

Eu tenho notado uma mudança bem radical no That’s Chic de uns meses pra cá. Na real, desde que a Rachel mudou o cabelo dela para loiro platinado, lá na metade de fevereiro, parece que além dele, alguma outra coisa mudou também nela.  Pode parecer meio clichê, mas é sério. A mudança dos fios transformou muito seu estilo e as combinações que ela costumava fazer. Ok que ela sempre teve uma pegada mais street, mais podrinha-descolada nos looks, mas era algo mais discreto, temperado com toques românticos. Agora, no entanto, ela desbumdou de vez e eu tô adorando ver esse seu lado novo! O mais incrível é que ela faz tudo isso e ainda continua sendo ultra elegante, über chique (de um jeito que me lembra muito o estilo da Kate Moss).

Bom, além de tudo isso, uma das coisas que eu mais gosto no That’s Chic é que a Rachel tem muito senso de humor e parece ser uma pessoa muito desencanada, fácil da gente lidar! Ela tem um jeito muito divertido de escrever no blog, sejam sobre assuntos de moda ou não.

Para conhecer mais da Rachel:

Bloghttp://www.thatschic.net/
Facebookhttps://www.facebook.com/thatschicblog
Twitterhttps://twitter.com/thatschic
Instagram | @thatschic

Não sei se é por ter sempre trabalhado com moda ou o quê, mas as combinações da Blair do Atlantic Pacific sempre fluem com uma facilidade que ó, vou te contar, é de cair o queixo! Ela faz a linha mais Blair Waldorf, e não tem medo algum de se jogar nas estampas, saias bufantes e sapatos de bico fino. Já faz um tempo que o blog dela vem aparecendo em tudo quanto é lista de blogs mais influentes e eu acho que fica fácil da gente entender porquê quando começar a ver suas fotos.

Diferente de muita gente que apareceu aqui nessa lista e que tem uma pegada mais vintage, eu vejo a Blair no oposto extremo. Não que ela seja uma fashion victim (até acho que ela tá mais pra inspirar tendência do que pra seguir tendência), mas tudo que ela usa é muito fresh, moderno, sem perder referências de estilos e décadas passadas. Deu pra entender? Eu tenho a impressão que até mesmo se ela usar um visual inspirado em outra década (ela têm muitas referências dos anos 50 no seu armário, por exemplo), o conjunto final fica com cara de ter saído de uma passarela desfilada na semana passada.

Tava lendo uma entrevista dela em que ela disse não ter muitas inspirações “grandes” de moda, mas que ela se inspira mais mesmo em outras blogueiras, que tem looks mais reais. Quer dizer… Reais, mas com cara de conto-de-fada, né.

Para conhecer mais da Blair:

Bloghttp://atlantic-pacific.blogspot.com.br/
Facebookhttps://www.facebook.com/atlanticpacificblog
Twitterhttps://twitter.com/BlairEadieBEE
Instagram@blaireadiebee

Eu demorei a me decidir se trazia o I am Galla pra cá ou não porque a princípio eu tinha pensado em falar de blogs do look do dia só de mulheres – já que são neles que eu me inspiro diretamente e que eu mais visito. Só que decidi trazer o Adam pra cá mesmo assim porque além desse menino de 22 anos ter um olhar especial sobre as coisas ao seu redor, ele é uma das pessoas mais chics e mais espertas pra combinar o esporte com o social que eu já vi na minha vida.

Ano passado ele ganhou um concurso de customização da Levi’s e a convite da marca e do Lookbook.nu rodou o mundo (inclusive veio ao Brasil!) junto com a blogueira Ashley Treece. Além disso, Adam já colaborou com a Marc by Marc Jacobs e em uma entrevista para o site Moda para Homens (clica aqui pra ler) contou que adora, especialmente, as marcas Rag & Bone, H&M, Topman e Saint Laurent Paris (sob a batuta de Hedi Slimane). 

Adam me dá uma vontade danada de estudar mais sobre moda masculina, sabe? Eu admiro horrores a forma como ele combina tão bem diferentes tipos de materiais, sempre se mantendo fiel ao seu estilo.

Para conhecer mais do Adam:

Bloghttp://www.iamgalla.com/
Facebookhttps://www.facebook.com/pages/Adam-Gallagher/160765763962865
Twitterhttps://twitter.com/IamGALLA
Instagram@iamgalla

Bisous, bisous!

Um bate-papo com Kathia Castilho

Na penúltima quinta-feira, 05 de junho, aconteceu na UNESP aqui de Bauru a palestra “Corpo, Moda e Consumo” ministrada pela editora e pesquisadora Kathia Castilho – uma autoridade no assunto e alguém de quem sou fã de carteirinha. Eu fiquei imensamente honrada de assistir a palestra e de conhecer e entrevistar a Kathia porque acho o trabalho dessa mulher sensacional! Aliás, pra quem tem vontade de seguir na área de moda, seja como estilista, jornalista, designer ou o campo que for, vale muito a pena conhecer mais sobre a carreira da Kathia e tentar pescar um pouquinho dos ensinamento dela.

Com medo de esquecer o tanto de publicações, pesquisas e empreendimentos da moda brasileira dos quais essa mulher está por trás, empresto aqui então das palavras da Estação Letras e Cores, onde a Kathia é editora, pra explicar um pouco mais sobre o seu trabalho.

Kathia Castilho é doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Dirige o Ateliê Moda e Cidade no Centro de Pesquisa Sociosemióticas – CPS. É Pesquisadora convidada do Grupo ETHOS: Comunicação, Comportamento e Estratégias Corporais da ECO-UFRJ. É coordenadora da coleção de livros Moda e Comunicação da Editora Anhembi Morumbi na qual é autora do livro Moda e Linguagem (São Paulo; Anhembi Morumbi, 2004) e Discursos da Moda: semiótica, design e corpo. (São Paulo Anhembi Morumbi, 2005). É presidente da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Moda e dirige a Estação das Letras e Cores, editora que publica livros na área de Moda e Design e a revista dObra[s].” – Estação Letras e Cores

kathia3

Aqui uma fotinho da Kathia com a Mônica Moura, uma grande pesquisadora de design que organizou a palestra e que é minha amiga, anjo da guarda e ídola; tudo ao mesmo tempo

O nome da palestra da Kathia já adiantava um pouquinho do que estava por vir:  mostrar as relações entre a moda, o corpo e o consumo através da linha do tempo de cada uma, fazendo com que a gente entendesse como elas evoluíram e se conectaram desde sempre. Pra exemplificar tudo isso, além das próprias explicações dadas pela Kathia, ela levou uma série de imagens que mostravam toda essa caminhada da moda ao longo da História: desde o seu comecinho, quando ainda na pré-história serviu pela primeira vez como adorno e não só como item de proteção, até os tempos atuais, quando a moda passou a ser uma forma de expressão.

Outra coisa muito legal mostrada na palestra é a ideia de que mais do que o corpo servir como um “cabide” pra roupa, de forma a criar diferentes sentidos de acordo com aquilo que queremos representar, é que ele, assim como  as roupas, o consumo, a sociedade, etc, evoluiu. Se a roupa mudou ao longo do tempo, se as relações sociais mudaram ao longo do tempo, o corpo não poderia ficar de lado. Por isso que as mudanças corporais, como as tatuagens, os piercings e as plásticas, por exemplo, ganharam proporções gigantescas dentro da nossa sociedade. O corpo virou também uma forma de expressão e é interessante quando olhamos pra ele com esse viés mais distante, como algo mutável.

Depois da palestra, foi a vez da Kathia falar de consumo e contar sobre a última pesquisa que ela fez relacionada ao tema e a cidade de São Paulo. Tendo como base grandes ruas da capital paulista que vivem do comércio com vestuário, como a  Oscar Freire e a José Paulino, foram analisadas alguns aspectos de cada uma a partir de um mesmo período de amostragem. Ou seja, durante um determinado número de dias, no mesmo horário, foram avaliadas quais as diferenças e semelhanças entre essas ruas.

É muito legal esse tipo de comparação, porque é um balde de água fria que cai na cabeça da gente: apesar de na teoria essas ruas representarem e viverem de um mesmo tipo de comércio, na prática ha um abismo de diferenças entre elas.

Enquanto na Oscar Freire, rua famosa pelas suas lojas bapho de grandes nomes da moda nacional e internacional, as pessoas vão pra passear e “passar o tempo vendo vitrine ou fazendo compras”, na José Paulino o fluxo é tão intenso que se você ficar parado é levado pela multidão. Enquanto na Oscar Freire as pessoas se vestem com peças mais coloridas, de grandes grifes, na José Paulino as pessoas se vestem pra desaparecer. Muita gente não quer ser vista lá, até porque o que é comprado na José Paulino muitas vezes acaba depois sendo vendido na própria Oscar Freire…

A relação das pessoas com a rua, os tipos de lojas (a Oscar Freire é cheia de lojas-conceito, que na real nem estão ali com o intuito de venderem), as sacolas (as enormes da OF em contrapartida as embalagens com sacos de lixo da JP), o tempo gasto em cada uma dessas ruas, o conceito de ser visto x desaparecer em meio a multidão e até os tipos de cachorro (segundo a Kathia, a Oscar Freire tem cinco raças de cães predominantes!) são pontos a serem levados em consideração nessa análise. É muito, muito interessante mesmo parar pra pesquisar esse tipo de comportamento. Acho que diz muito não só sobre a moda, mas também sobre nós, consumidores, e sobre o tipo de relação que nós mantemos com ela (e que há muito tempo deixou ser o de “apenas uma peça do armário”).

Por fim, mas nem de longe menos importante, no final de toda essa conversa eu consegui conhecer a Kathia mais de pertinho e fazer a entrevista que comentei ali em cima. Fiz em vídeo pra ficar mais legal e espero mesmo que vocês gostem do resultado. O áudio não tá lá aquelas coisas, mas na primeira pergunta, a mais prejudicada pelo barulho, eu coloquei uma legendinha pra facilitar a compreensão.

Então, é isso. Contem aí nos comentários o que vocês acharam do bate-papo e se tiverem outras perguntas pra fazer pra Kathia digam também. Tô doida de vontade de tentar entrevistá-la de novo, dessa vez em um lugar mais calmo e com mais tempo pra gente conversar.

E ah, pra quem não conhece a Dobras, revista fundada pela Kathia e que eu falo no vídeo, quero ver se trago pra cá em breve um texto antiguinho que tenho e que fala um pouco da história dessa revista. É o tipo de publicação que todo mundo que se interessa pela área precisa conhecer.

Bisous, bisous

10 blogs de look do dia gringos e o porquê você deveria conhecê-los #1

Quando a gente fala “blog de look do dia” muita gente já sai correndo em desespero, já que taí um assunto que, definitivamente, divide opiniões. Eu mesma já falei algumas vezes (acho que aqui no blog, inclusive) que eu não era muito fã desse tipo de blog. Não que eu não ache legal a ideia de fotografar looks e de trazer um pouco do nosso cotidiano e do nosso estilo pra uma foto (vez em quando eu mesma posto umas fotos assim no Instagram haha), mas eu sempre tive um pé atrás com blogs desse tipo porque achava que quase tudo ali saía da zona do ‘ser divertido e original’ e partia pra zona do “catálogo de moda”. Rolava essa resistência de achar tudo muito comercial e muito mais do mesmo, sabe?

Acontece que de uns tempos pra cá tenho conhecido – ou simplesmente olhado com novos olhos para blogs que já conhecia – tantos blogs de look do dia interessantes, tantas páginas que têm me chamado a atenção, que comecei a ver que não eram apenas as Bettys ou Carries da vida (que também estão no post!) que conseguiam levar a proposta do look do dia a um patamar extremamente inspirador. Tem gente à beça por aí mostrando não só uma peça de roupa-catálogo, mas um estilo que reflete as experiências que a pessoa tem/teve ao longo da vida.

“Para de ser boba e preconceituosa, menina, e vai conhecer melhor esses blogs”, foi o que eu disse pra mim mesma depois que comecei a me tocar desse mar de referências e inspirações legais que existem. Rolou até uma certa vergonhinha de um dia ter dito “blog de look do dia não é blog de moda”. Eu errei. E errei bonito. A moda é tão grande que não dá pra colocar esse tipo de caixinha nela. E é o máximo que a blogosfera tenha blogs de moda com conteúdos tão diversos.

Então, parei. Parei de achar que blog de look do dia não é uma referência legal. E acho que se a gente for atrás pra conhecer melhor esses links por aí espalhados, com certeza vai encontrar algum com que a gente se identifique e se inspire também.

Por isso, resolvi listar aqui 10 blogs de look do dia que tem me inspirado muito nos últimos tempos. Vou dividir em duas partes pra não ficar muito extenso e só vão entrar blogs gringos dessa vez porque quero fazer a versão dos nacionais no mês que vem. E ah, já adianto que eu curto muito os blogs aqui debaixo por diversos motivos, mas principalmente porque quase todos eles fotografam não só o look em si, mas também o lugar, as pessoas, comidas, culturas do local e por aí vai. Então, já respondendo o “porquê você deve conhecê-los” do título do post, eu digo: porque esse blogs mostram as roupas como parte de um cenário, de uma história. Não soa algo como “peguei minhas peças mais caras do guarda-roupa, me montei e bati essas fotos” haha, sabem?  Tanto que nem sempre a roupa é o foco número um das fotos, trazendo um combo de inspiração de vários tipos pra gente. Diz se isso não é lindo? (:

O Wish wish wish é um dos blogs do gênero mais antigos e mais fofinhos que existem. Eu me identifico muito com esse estilo da Carrie mais menininha, mas que não soa chato ou boneca de cera, e amo os vestidos rodados, os poás, as golinhas fechadas e tudo mais que ela tem no guarda-roupa haha. Vale citar que o blog dela não é só de look do dia, e tem também outras categorias como “beleza”, “viagens” e uma que eu amo muito que é a de comida! :p

Carrie é, assumidamente, a rainha das gordices e compartilha as suas experiências na cozinha, com direito a receita e tudo mais, com todo mundo que acompanha o seu blog. Ou seja, se você não se inspirar nos looks dela, garanto que pelo menos dá pra aprender como fazer aquele doce que você tanto queria pra impressionar as visitas.

O que eu acho legal do Wish Wish Wish também é que, como a própria Carrie diz, ele nasceu como um diário (ainda lá nos primórdios do livejournal), e que apesar de já terem passado seis anos desde então e o blog ter ganhado proporções muito maiores e mais profissionais, ele ainda mantém essa essência. Então, os looks, as viagens, comidas e tudo que ela tem de inspiração no seu dia a dia vão pro blog, exatamente pra retratarem quem ela é e como é a sua vida.

Pra conhecer mais da Carrie:

Bloghttp://wishwishwish.net/
Facebookhttps://www.facebook.com/wishwishwishblog
Twitterhttps://twitter.com/wishwishwish
Instagram@wishwishwish

Sei que todo mundo conhece o Le Blog de Betty, mas eu não tenho como fazer uma lista de blog de looks e deixar ele de fora, gente, simplesmente não dá. Tenho assim pra mim que o sucesso que a Betty faz com o blog tem a ver com esse estilo dela que sempre acha algum ponto de associação com todo mundo. Tipo, a gente sempre encontra alguma coisa na roupa dela que 1) a gente se identifica de alguma forma, mesmo você tendo seu estilo e eu tendo o meu e 2) rola uma coisa da gente bater o olho nos looks dela e pensar, ‘olha, não tenho essa blusa, mas tenho uma bem parecida, e tenho um shorts destroyed assim também” e bla bla bla. Parece que ela usa coisas que a gente consegue encontrar no nosso armário, além de mostrar que dá pra usar aquela camiseta velhinha com aquela outra peça que tá lá escondidinho no fundo da gaveta e que a gente nem dava bola.

Um fato curiosa sobre a Betty: teve uma edição do SPFW, que eu não me lembro exatamente qual foi, que eu tive a oportunidade de vê-la de pertinho. E enquanto ela conversava com os repórteres, batia fotos e tentava atender a todos os leitores que tinham ido vê-la, deu pra perceber que ela é bem tímida. Não sei se vocês já tinham essa ideia dela na cabeça, mas eu fiquei muito surpresa e achei super legal, de verdade. Fiquei pensando que as fotos dela são uma forma dela se expressar – e isso talvez explique também o fato de ela ser uma das blogueiras mais conhecidas do mundo e a gente achar um único vídeo dela no youtube. E ah, já me falaram que o noivo dela, que acompanha ela pelo mundo todo e é o responsável pelas fotos do blog, é a fofura em pessoa, e que eles fazem um casal lindo. Achei bonito (:

Pra conhecer mais da Betty:

 Bloghttp://www.leblogdebetty.com/
Facebookhttps://www.facebook.com/leblogdebetty
Twitterhttps://twitter.com/leblogdebetty
Instagram | @leblogdebetty

É batata como toda vez que eu abro a página do The Chriselle Factor eu solto um suspiro. É incrível como não só as roupas, mas o blog todo consegue ser maravilhoso.

O irônico nessa história toda é que esse daqui é o blog mais comercial dos listados nesse post, – como eu contei ali em cima a Chriselle trabalha com consultoria de moda e trata o blog também como portfólio – mas a impressão que dá é que todas as suas fotos assumem uma aura de editorial de moda. Daqueles inspiradores e não só que façam vender, e que eu com certeza traria aqui para o blog ou iria pra banca e compraria a revista só por causa dele. Rola até uma aberturinha em todo post com a primeira foto dando nome a sessão. Coisa linda!

E não bastasse tudo isso, a Chriselle ainda consegue fazer uma coisa que, pensando agora rapidinho, não me vem ninguém à cabeça que também faça (ou pelo menos não tão bem): ser uma referência gigante dentro da área de moda e uma referência gigante ou até maior na área de beleza. Ela é um fenômeno no youtube por causa de seus vídeos de moda/beleza e a mulher parece entender de tudo e ter 72 horas no seu dia. Ensina a gente, por favor?

Ps: tô na rua e acabei de ver que coloquei na imagem “canal de beleza”, mas na real o canal da Chriselle é sobre moda/beleza/viagens. À noite, chegando em casa, arrumo isso, mas já queria deixar avisadinho pra quem estiver lendo o post (:

Pra conhecer mais da Chriselle:

Bloghttp://thechrisellefactor.com/
Instagram | @chrisellelim
Facebookhttps://www.facebook.com/ChriselleINC
Twitterhttps://twitter.com/CHRISELLEtweets
Youtubehttps://www.youtube.com/user/chrisellelim

Esse blog aqui foi descoberto em uma madrugada de pesquisas sobre o assunto (já há muito tempo) e ficou pra sempre no meus links preferidos. Uma das coisas que eu acho mais bonitas do Making Magique é que aquela mistura de inspirações que eu tinha falado lá em cima, de quando o blog usa do look do dia dentro de um contexto, dando espaço pra muito mais coisas do que a roupa, é super recorrente nas suas páginas. Acho que isso tem a ver com o fato da Haleigh ser fotógrafa e cingegrafista, o que faz com que ela goste de captar a atmosfera de tudo ao redor, te levando a entrar de cabeça no universo ali mostrado.

O mais bacana é que essa ideia acaba indo além da fotos e vai pros textos também. Esses dias ela postou algo que eu eu li e fiquei com o coração quentinho ao pensar no assunto e em como isso de fato é mágico. “Why do I love vintage? Because in each piece of clothing there is a story – the story that you may or may not know of the person who loved and wore it before you. Where did it come from? Who made it? What beautiful little moments in life did they live it out it? Perhaps it was a wedding, perhaps they took it on a trip.”

Outro ponto lindo da Haleigh é que ela usa roupas que pra mim sempre parecem mega confortáveis e que, ao mesmo tempo, tem esse je ne sais quoi parisiense que eu amo.

Pra conhecer mais da Haleigh:

Bloghttp://www.makingmagique.com/
Facebookhttps://www.facebook.com/MakingMagique
Twitterhttps://twitter.com/makingmagique
Instagram@makingmagique

Amo que a Liz do Late Afternoon é da Califórnia e isso traz um ambiente diferente de outros blogs do gênero que eu conheço. Tem muito mais sol e frescor nas fotos dela, e pra gente que vive em um clima super quente, é ótimo, porque traz um monte de referências interessantes para o nosso armário. E ah,  sabe aquela ideia que roupas de frio são sempre mais bonitas? A Liz dá uma banana pra tudo isso e prova que roupas veranis são tão ou mais maravilhosas.

Eu acho tão legal a forma como esse blog aqui começou, tão despretensiosamente, e se tornou essa coisa linda que é hoje em dia! A Liz parece que não faz esforço algum pra combinar coisas que de longe parecem não ter muita conexão, mas que quando ela veste, ganham um charme só dela.

E ah, pra quem gosta de flores e comidas, esse link aqui é um prato cheio também, já que a Liz usa e abusa das flores e das estampas florais, e divide no blog também muitas das sua experiências gastronômicas de… brunchs!! Dá tanta água na boca que eu tava vendo as fotos aqui e agora mal me aguento de expectativa pro domingo chegar logo e eu ir no Alameda haha.

Para conhecer mais da Liz:

Bloghttp://www.lateafternoonblog.com/
Twitterhttps://twitter.com/LateAfternoon
Facebookhttps://www.facebook.com/pages/Late-Afternoon/139938709367329
Instagram@lateafternoon

Logo, logo tem mais! :*