São Paulo Fashion Week N44 / Dia 3

Para conferir o que rolou no primeiro e segundo dia de apresentações, é só clicar nos respectivos links.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

No terceiro dia de desfiles do SPFW N44, Giuliana Romanno, estilista bastante conhecida por sua alfaiataria sempre muito bem executada, abriu as apresentações trazendo novamente esse elemento tão presente no seu DNA, mas com uma modelagem quase que desconstruída. A assimetria, por exemplo, aparece em muitas das peças, bem como a leveza dos tecidos e dos shapes, que fogem de uma silhueta totalmente definida.

A coleção, além disso, foi toda pontuada por peças brancas e de tons claros (inclusive o rosa millennial, cor considerada mais pop do momento), focando na fluidez e na sensação de suavidade. Um outro lado de Giuliana que a imprensa especializada e os convidados do desfile – que ocorreu na galeria Nara Roesler – parecem ter aprovado com felicidade.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Parece mesmo que a cada nova temporada, o status que Vitorino Campos possui de garoto prodígio da moda parece fazer ainda mais sentido. Nessa coleção, por exemplo, – que a meu ver é uma das mais importantes desse verão 2018 – o designer abriu mão de desfilar suas peças para deixá-las expostas (e possíveis de serem compradas!) na loja Pair, localizada nos Jardins, e também para apresentá-las ao público através de um editorial. Um conceito diferente, mas bastante eficaz.

Dessa forma, público e imprensa conseguiram observar ainda com mais proximidade os detalhes da coleção, criada toda em tons de branco, com poucos detalhes em preto, e que teve como inspiração o álbum Araçá Azul, de Caetano Veloso. Em um estilo quase futurista, as peças iam de trench-coats (maravilhosos!), até calças, macacões e camisetas com a palavra Trance escrita.

Uma coleção limpa, moderna e com uma visão de mercado bastante diferenciada, já que Vitorino disponibilizou alguns dos moldes das roupas para serem baixados de graça em seu site.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

O terceiro dia de desfiles do SPFW foi mesmo intenso. Depois de Vitorino Campos foi a vez de Lenny Niemeyer fazer uma das apresentações mais inspiradores de sua carreira, não apenas pelo tema da coleção, mas especialmente pela forma como essas aspirações foram traduzidas nas peças.

Tudo começou com as pesquisas que Lenny fez acerca do trabalho de duas artistas suecas chamadas Hilma Af Klint e Emma Kunz, duas mulheres que durante o século XIX incorporavam à sua arte elementos espirituais, misturando processo artístico com rituais místicos. Admirada pelo trabalho que encontrou, Lenny transportou alguns desses conceitos (e das formas encontradas na arte das suecas) para suas peças. O resultado é um verão de formas geométricas, capas esvoaçantes, tons degradês marcantes e maiôs com recortes estratégicos (formando eles mesmo desenhos). Um mosaico de cores e formas que impressiona e impacta. Estonteante do primeiro ao último look.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Ainda que seja grande a divisão entre quem amou e odiou a coleção apresentada por Vanessa Moe no terceiro dia de SPFW, algo que não se pode negar mesmo estando em qualquer um desses extremos, é que a estilista respeitou o tema que se propôs a falar. Diferente de marcas que vire e mexe caem na questão da apropriação cultural, Vanessa se propôs a mostrar uma coleção que de fato valoriza e exalta a cultura aborígene da Austrália, país em que a estilista mora há 15 anos. Para isso, não só os produtos utilizados em suas peças e até mesmo a maquiagem das modelos (que em sua maioria fazem parte de clãs da Oceania) vem de fato de materiais próprios dessas tribos, como ainda houve um cuidado muito grande em homenagear o poder dessas comunidades – dentro, é claro, de uma realidade tão diferente quanto a de uma semana de moda. Uma maneira bonita e respeitosa de mostrar que a moda, em essência, vai muito além da “tendência da próxima estação”.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Esqueça os biquínis e as muitas horas debaixo de sol. O verão 2018 da PatBo fala sim sobre a praia, mas não do jeito que estamos acostumados. É como se as modelos fossem até lá apenas pra passear, pra molhar os pés na areia, mas não de fato entrar no mar. Essa mistura entre uma quase moda praia com uma moda urbana acerta em cheio, e traz uma riqueza de estampas e detalhes pra coleção que fizeram desse um dos melhores desfiles da marca.

Além disso, uma das coisas mais interessantes dessa apresentação é a evolução de looks apresentados, que começam na década de 20 e desembocam nos dias atuais. Impossível ver as primeiras peças desfiladas e não lembrar das mulheres dos livros de história passeando com suas sombrinhas em pleno Rio de Janeiro de décadas atrás. Um pouco de história, muito de moda e um sem fim de inspirações.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Apesar de ser o segundo desfile da Two Denim no SPFW, essa é a primeira vez que a marca se apresenta sobre a direção de Karen Fuke, ex-estilista da Triton e alguém que definitivamente sabe se conectar com a moda jovem. Isso fica bem claro em toda a apresentação da Two Denim, que mistura elementos do universo da dança flamenca com o jeans, grande estrela da marca, em uma coleção descolada e moderna.

O denim, que aparece em calças, jardineiras, vestidos, jaquetas, saias, blusas e até botas, se mistura a outras peças de algodão, sempre de maneira descontruída e assimétrica. Importante destacar o trabalho com os babados, grande referência do figurino da dança flamenca, que invade as barras e mangas das camisetas (sempre em um efeito “cascata”) e aparece também de maneira sobreposta nas saias.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Possivelmente um dos desfiles mais aguardados dessa semana de moda devido a boa repercussão que suas últimas apresentações tiveram, a LAB continua a fazer bonito. Em uma apresentação pra cima, com muita música e muita animação, a marca comandada pelos irmãos Emicida e Evandro Fióti fez de novo a sua mágica: eles falaram da moda das ruas, da moda acessível, da moda que pensa em todos os tipos de corpo, pra um público e um evento que quase nunca se lembram disso. Inspirados por dois grandes temas – a liberdade e o voo dos pássaros – a coleção segue o estilo despojado de suas outras apresentações, mas agora com um pouco mais de cor e estampa em suas peças. Uma marca que, além da boa roupa que faz, tem uma importância e representatividade enorme dentro do SPFW.

Fotos: Zé Takahashi da Agência FOTOSITE para o FFW

São Paulo Fashion Week N44 / Dia 1

Ontem começou mais uma edição do SPFW, dessa vez com a Iódice abrindo os trabalhos da temporada (a À La Garçonne já havia se apresentado no sábado, mas por motivos que não foram divulgados, a marca ficou de fora do line-up oficial do evento). Com uma programação muito mais corrida do que o normal, esse SPFW N44 terá apresentações só até quinta-feira (e não até sexta, como de costume), com uma média de oito desfiles acontecendo por dia! Ou seja, dá-lhe correria pra acompanhar tudo o que vai rolar essa temporada, que acontece mais uma vez na Bienal do Ibirapuera.

Infelizmente, dessa vez não vou conseguir dar um pulinho por lá pra conferir a edição, mas em compensação, decidi fazer aqui no blog algo de que gosto muito: falar um pouco sobre as inspirações de cada desfile e dar meu pitacos sobre as coleções apresentadas. Espero que vocês acompanhem os posts e tenham um tantinho de paciência, já que eles podem atrasar um pouquinho, mas aos poucos vão aparecendo por aqui :)

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 1

Mesmo fora da programação oficial do SPFW, decidi falar sobre a apresentação linda da À La Garçonne, marca comandada por Alexandre Herchcovitch e Fábio Souza, que desfilou sábado no Theatro Municipal de São Paulo.

Assim como em outras coleções, a marca não se prendeu a um estilo único e colocou na passarela uma variedade de peças que tendem a agradar diversos públicos. Os looks vão do total streetwear até vestidos rodados de estampa liberty, e é bem gostoso ver uma grife que faz da sua pluralidade sua marca registrada.

Em uma entrevista que os designers deram para o site da revista Marie Claire, achei especialmente interessante quando Herchcovitch disse que a À La Garçonne era uma marca para todo mundo, com a liberdade de fazer o que quisesse, a hora que quisesse. E é esse mesmo o conceito que se vende na passarela. São quase 70 looks que vão da menina de camiseta branca com o nome da marca impresso, até as mulheres poderosas com vestidos cheios de rendas, e os garotos de parka (sempre presentes nos desfiles da marca) e peças militares. Tudo lá com o bom gosto de sempre da ALG e o styling incrível de Maurício Ianês.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 1

Foi em clima de aniversário, na comemoração de seus 30 anos, que a Iódice fez seu desfile no Palácio Tangará, hotel que foi inaugurado há pouco tempo em São Paulo. E como todo aniversário que se preze, especialmente naqueles em que a data comemorada é tão simbólica, há sempre um pouco de nostalgia no ar, como se olhássemos para o passado para ter forças para enfrentar o futuro.

A proposta que a Iódice colocou na passarela segue bem essa ideia e mistura tudo aquilo que já faz parte da história da marca com um pouco de frescor dos novos tempos. Na homenagem ao passado, estão lá as mulheres sensuais da grife, de vestidos longos e fendas aparentes, sempre com peças assimétricas. Do frescor dos novos tempos, vem as cores e estampas geométricas, todas inspiradas pelo trabalho da artista Sonia Delaunay, além de um pouco de brilho e franjas, que aparecem ora nos casacos, ora nas barras das saias e ora em camadas nos vestidos.

Uma festa colorida, sexy e elegante, bem como os 30 anos merecem.

Fotos: Zé Takahashi da Agência FOTOSITE para o FFW

 

Beijos e até amanhã com os desfiles do segundo dia.

SPFW TRANS N42: algumas impressões e links sobre a última edição

Essa edição do SPFW foi muito diferente de todas as outras.

Foto do FFW mostrando a entrada do evento feita Kleber Matheus e que ficava toda iluminada em neon à noite

A entrada do evento foi feita pelo artista Kleber Matheus e ficava toda iluminada em neon à noite. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Pra início de conversa, a sigla TRANS, de transição, foi acrescentada ao nome do evento, em uma referência as mudanças que estão acontecendo na semana de moda de São Paulo e que passam a valer já na próxima edição.

Uma dessas mudanças é a assimilação do sistema “see now, buy now”, que em resumo (um dos links daqui de baixo se aprofunda mais nesse tópico) consiste na venda imediata (ou quase isso) das coleções apresentadas na edição, de forma que não haja um espaço de tempo tão grande entre o desfile e a chegada das roupas às lojas. Isso implica também na mudança do calendário verão/inverno, já que agora as marcas que adotarem esse modelo passarão a desfilar com peças da estação em vigor.

Além disso, a partir do ano que vem, o SPFW passa a acontecer nos meses de março e agosto, em uma forma de ajustar esse novo sistema com as engrenagens do mercado têxtil.

O corredor da entrada do evento dava direito para uma arvorezinha <3 Foto: Agência Fotosite para o FFW.

O corredor da entrada do evento dava direito para uma arvorezinha muito fofa e, em seguida, para a área de livre circulação. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Mas as diferenças não pararam por aí. Nessa edição, o SPFW deu um rápido adeus a Bienal e foi acontecer ali do ladinho, em uma tenda montada no meio do Parque Ibirapuera, ao lado do Museu Afro Brasileiro. O espaço ficou totalmente diferente, inclusive com uma parte aberta para o parque, cheia de espreguiçadeiras bem gostosas que serviam como uma pausa muito bem-vinda em meio a correria da semana de moda.

Por causa do espaço reduzido havia apenas uma sala de desfile no local e o line-up (que já foi mais enxuto do que o normal porque algumas marcas precisaram pular a edição para conseguirem ajustar sua produção), acabou tendo que se dividir em muitas apresentações externas. O que, ainda que complique a vida da imprensa e deixe o calendário cheio de horários malucos, acabou se mostrando interessante e até quase que imprescindível para os desfiles de algumas marcas.

Foto do FFW mostrando as cadeira estilo espreguiçadeiras que ficavam na área externa

As cadeiras estilo espreguiçadeiras que ficavam na área externa da edição e que quase fizeram eu tirar um cochilo no final da tarde de sexta-feira. Foto: Agência Fotosite para o FFW.

Como de praxe dei um pulinho no último dia do evento, sexta-feira, pra conferir in loco alguns desfiles e toda a estrutura dessa fase de transição. A visita, aliás, foi bem menos corrida do que nas últimas vezes, já que havia um espaçamento bem grande entre os desfiles que eu assisti e, assim, pude fazer uma coisa que quase nunca consigo: visitar os stands e participar das ações de cada um. Tirei foto polaroid no stand da Instax 70, brinquei de boomerang com os canudos personalizados da Coca, tomei um Magnum de creme brulé maravilhoso que tavam dando no carrinho da marca e fiz mais um monte de outras atividades que em anos de SPFW nunca tinha conseguido fazer.

E, claro, assisti a algumas apresentações. Duas, para ser mais exata.

Vi dois desfiles nesse dia, e ainda que os dois tenham sido completamente diferentes e com propostas quase que extremas, foi ótimo assistir duas apresentações que tiveram destaques bem positivos pra essa edição.

Highlights do desfile da MEMO. FOTO: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW.

Highlights do desfile da MEMO. Foto: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW.

O primeiro desfile que assisti foi o da Memo, marca fitness da Patricia Birman, herdeira do Grupo Arezzo, que fez sua estreia no SPFW. Eles já haviam feito uma parceria com a estilista Lollita antes e resolveram repetir a dobradinha para essa coleção (pelo que foi divulgado pela marca, a cada nova edição da semana de moda um estilista diferente será convidado a preencher esse cargo).

Ainda que eu tenha ido com zero de expectativas assistir ao desfile, achei tudo bem fresco, e uma combinação que de cara asim não me parecia muito animadora, acabou rendendo um bom resultado na passarela e fazendo muito sentido pra esse momento em que vivemos, onde o sportwear já mostrou que tem espaço além das academias faz tempo.

Em seguida foi a vez de ver o maravilhoso João Pimenta. E ainda que ele sempre faça um trabalho muito bonito (tenho amigos – e amigas também! – que brincam que se fossem rico teriam apenas João Pimenta no armário), ele conseguiu se superar nessa edição e criar uma coleção masculina extremamente bonita, que é bastante conceitual em muitos aspectos, mas, que ao mesmo tempo, consegue mostrar força de mercado e um ar fresco para o que se vê da moda masculina atual.

Highlights do desfile do João Pimenta. FOTO: Ze Takahashi / FOTOSITE para o FFW

Highlights do desfile do João Pimenta. Foto: Ze Takahashi da Agência Fotosite para o FFW

Como teve muita gente da imprensa fazendo um trabalho bem incrível nessa edição, com pautas que permeavam muito além de tendências e críticas de desfiles (que eu gosto muito também, diga-se de passagem!) achei que valia a pena compartilhar alguns links por aqui.

Leiam, vejam e compartilhem – porque eles merecem.

Transgressão foi a palavra que definiu este SPFW

Agência Fotosite

Foto Agência Fotosite

A maravilhosa da Vivian Witheman fez um balanço desse SPFW pro site da Elle Brasil, e nele ela fala sobre alguns momentos muito especiais dessa edição que foram de extrema importância pra história do evento e da própria moda brasileira. Entre eles está o desfile de Ronaldo Fraga e da LAB, marca comandada pelo Emicida e pelo Fióti.

Diferente de apenas pincelar o que aconteceu nas apresentações, Vivian faz (como sempre) uma análise profunda da situação e do que ela representa dentro da “alta roda da moda brasileira”, mostrando como o trans do nome do evento já parecia ser um prenúncio de todas as transgressões que estavam por vir.

Veja-agora-comprZzzzzz

Lá no Petiscos, a Mariana Inbar explicou mais detalhadamente no que consiste esse sistema do “see now, buy now” e como ele repercutiu nas marcas internacionais que já adotaram esse mecanismos nas suas últimas coleções.

O texto todo é bem interessante não apenas pra se entender melhor essa mudanças, mas pra se avaliar até que ponto ela é de fato positiva (ou não) para a moda.

Ronaldo Fraga fala ao FFW sobre a moda como ato político

O final do desfile de Ronaldo Fraga. FOTO: Gabriel Cappelletti | Agência Fotosite

O final do desfile de Ronaldo Fraga. Foto: Gabriel Cappelletti da Agência Fotosite para o FFW

A jornalista Juliana Lopes do FFW escreveu um texto desmembrando o desfile de Ronaldo Fraga em muitas nuances, desde a importância da mensagem passada pela coleção, até o casting de modelos escolhido e a história por trás das roupas mostradas.

Pincelado com algumas falas do próprio Ronaldo logo após o desfile, é ainda mais emocionante olharmos assim, com lupa de aumento, cada detalhe dessa apresentação, percebendo a importância dela não apenas pra moda, mas para a problematização de uma questão tão brutal que enfrentamos no Brasil.

Quem merece nosso shot?

Já na página do facebook do Altas da Moda, um canal de moda bem maneiro feito pelo trio de jornalistas Luigi Torres, Giuliana Mesquita e Guga, rolaram lives de todos os dias do evento e um vídeo de encerramento da temporada com os destaques da edição.

Vai ter gorda no SPFW, sim!

Ainda que feito de forma bastante humorada, o vídeo gravado por Juliana Romano e Lucas Castilho para o seu canal, o “A Gorda e o Gay”, lança um questionamento bem interessante “A moda ama os gays e odeia as gordas?”.

A pergunta que não quer calar é o ponto de partida para os dois buscarem indícios de uma representatividade de mulheres gordas no evento e – o que é uma pequena, mas importante mudança nesse cenário – encontrarem ao menos uma modelo dentro dessas características.

Vamos falar sobre os preços?

Ainda que não seja nenhuma cobertura do evento, quis encerrar esse post com um texto postado hoje no site do Laboratório Fantasma falando sobre o preço da coleção LAB Yasuke. Mais do que uma marca que traz um preço acessível pra diversas camadas da população brasileira, é muito, muito importante e legal ver a preocupação da LAB de explicar o motivo dos preços, a cadeia de produção e a história por trás das roupas e de tudo isso.

É um exemplo pra inúmeras outras marcas do nosso país, vocês também não acham?

Bisous, bisous e bom final de semana!

As mulheres do verão 2017 da Tory Burch

Na última quinta-feira a New Yok Fashion Week encerrou seus desfiles de verão 2017 com uma apresentação comentadíssima de Marc Jacobs, que fez uma coleção inspirada na cena clubber dos anos 90. A beleza e bom trabalho do desfile são incostentáveis, e nessa matéria aqui do FFW dá pra conferir quais foram os pontos-chaves dessa apresentação tão falada.

Só que nessa temporada americana, ainda que eu tenha ficado encantada com a apresentação de Marc Jacobs – e de Jason Wu, Rodarte e outros nomes dos quais sempre falo aqui no blog – o desfile que mais me chamou a atenção foi mesmo o da estilista Tory Burch, que criou uma coleção que começa inspirada no estilo de vida mais formal e corrido da costa leste dos EUA e, como se estivéssemos em uma viagem bem gostosa, desemboca no clima mais descolado e relax da costa oeste.

Ainda que a mudança de região seja feita de forma gradual nos looks apresentados, ficam bem evidentes as influências de que a estilsta se valeu pra traduzir o clima e o lifestyle desses lugares.

O estilo preppy dos colégios norte-americanos, por exemplo, aparece de um jeito bem sutil e bem belo no começo da coleção, com os casaquinhos de colégio, os sapatos com saltos baixos e os laçarotes. Eles aparecem como se fossem detalhes de uma roupa mais formal, mais elaborada, feita mesmo para uma mulher que tem uma vida profissional e social agitadas.

Além disso, ainda nessa primeira fase do desfile, – quando a história contada ainda transita por New York, Filadélfia e os outros estados da costa leste – afora as estampas e tecidos lindos, o que mais me chamou atenção foi a forma como todos esses elementos foram combinados na passarela. Mais até do que peças bem feitas, com ótimos cortes e caimentos, o acerto dessa coleção é a inteligência do styling, do jeito criativo de mostrar como é possível usar as roupas de diferentes maneiras.

Quando a costa oeste começa a surgir na passarela, parece até que uma brisa mais suave vem anunciando a sua chegada.

É bastante profissional e bonito o jeito como a elegância da primeira parte do desfile continua presente, mas agora em um clima mais boho, mais descontraído, mais leve. Saem as estampas navys e xadrezes, e entram os motivos geométricos.

Ainda que o colorido e a descontração sejam os dois grandes símbolos dessa nova mulher da coleção, o que ganhou mais minha atenção nessa parte foi a esperteza que alguns detalhes trouxeram para os looks, como os sapatos desenhados (que parecem ser de camurça) e os colares de pérolas enormes, que poderiam até parecer deslocados, mas que fazem sentido quando inseridos na proposta das peças.

Nessa “brincadeira” de mostrar em uma mesmo desfile dois estilos quase que opostos, indo de uma mulher mais formal para uma mulher mais relax, o que a estilista Tory Burch faz é unir o melhor de dois mundos, numa forma um tanto quanto estratégica de atingir não apenas diferentes tipos de mulheres, mas também de agradar a uma mesma mulher em momento diferentes do seu dia.

As estampas e as peças lindas continuam lá, mas além de contarem uma história que funciona de um jeito muito legal na passarela, elas abrem um leque bastante interessante para as vendas da marca. Não à toa, Tory Burch é uma verdadeira business woman, que foi além do mundo da moda e, desde 2013, vem expandindo seus negócios também para o mundo da beleza, com perfume, maquiagens, cosméticos e muito mais. A estilista, aliás, figurou na lista da Forbes desse ano como uma das 50 mulheres mais ricas e bem-sucedidas dos EUA.

Alguém, definitivamente, pra ficar – ainda mais – de olho.

Um dia na 40ª edição do SPFW

Assim como fiz em quase todas as últimas edições do SPFW, na semana retrasada dei um pulinho no último dia do evento – que é sempre numa sexta-feira, o que me permite conciliar com mais facilidade a ausência no trabalho e também emendar o fim de semana em São Paulo – e fui rever alguns amigos queridos, conferir o clima dos corredores e, é claro, assistir alguns desfiles da temporada de moda paulistana.

E, sim, nessa edição, tava mais animada do que de costume pra ir ao SPFW. Primeiro porque o evento voltou pra Bienal do Ibirapuera (as últimas edições foram todas no Parque Villa-Lobo), um lugar que eu, particularmente, considero a verdadeira casa do SPFW e que parece acolher muito mais a galera. E em segundo, porque exatamente no dia que eu ia pra Bienal, ia rolar a estreia de uma nova marca no line-up, a Ratier, e a possibilidade de acompanhar esse primeiro momento de uma grife tão jovem (a Ratier foi lançada em 2014!) me deixou muito ansiosa.

Foto de um dos corredores da temporada, onde vários looks e imagens que marcaram esses 20 anos de evento estavam expostos. Repararam na imagem ali em cima do desfile A Costura do Invisível do Jum Nakao? É um dos meus preferidos da vida <3

Há que se dizer logo de início que ainda que o SPFW tenha voltado pra Bienal, muita coisa mudou na edição desse ano em relação a todas as outras edições que aconteceram por lá. Os motivos podem ser muitos, mas eu acredito que, além do fato da semana de moda de São Paulo estar comemorando 20 anos, e consequentemente a edição querer fazer diferente dessa vez, o espaço da Bienal foi pensado de uma maneira muito mais minimalista pra ser “menos gastadeira”. Isso porque os corredores foram muito mais reduzidos do que nas outras edições, o que não apenas concentrou as pessoas quase todas em um mesmo andar, como diminui muito o espaço para ser decorado (a crise chega pra todo mundo, né?).

Assim, enquanto o público em geral ficava pelo segundo andar da Bienal, aproveitando os food trucks, os lounges e as exposições dos 20 anos, o terceiro andar se dividia entre a sala de imprensa e uma grande sala de desfile, que abrigou três apresentações ao longo da semana: Animale, Ellus e Reinaldo Lourenço.

O clima dos corredores tava muito relax, e pelo que conversei com alguns amigos que trabalharam a semana toda por lá, essa edição foi muito mais tranquila do que as últimas. Não teve Gisele (o que já faz uma diferença absurda), não tiveram tantos famosos e, ao que parece, dessa vez a temporada tava mais lotada de profissionais do que público em geral.

Pedacinho do desfile da Ratier, meu preferido do dia.

Essa edição tiveram várias ações super legais acontecendo junto com os desfiles: o lançamento do novo guaraná da Schweppes, que manteve geladeiras abastecidas com o produto totalmente de graça pro pessoal que transitava pelos corredores (obrigada de coração!); o espaço da TNT com tatuadores trabalhando full time – uma amiga me disse que na quarta, todos os horários até a sexta-feira já estavam agendados!; a Magnum distribuindo picolés de graça (outro obrigado de coração!) e vários outras ações que envolviam postagem de fotos no Instagram e que tinham filas gigantescas o dia todo. Assim, o dia todo mesmo.

E um detalhe meio bobinho, mas que achei muito bonito nessa temporada: as salas de desfiles recereberem nomes, como Copan, Casa das Canoas e Espaço Niemeyer.

Wagner Kallieno e seu inverno 2016

Wagner Kallieno e seu inverno 2016

Nas exposições desse ano, além de uma parede incrível de chapéus, casquetes e fascinators projetada pelo designer e stylist Davi Ramos e que a gente já dava de cara logo que chegava na Bienal, foram também exibidos vários looks importantes da história do SPFW (inclusive os que estiveram aqui no FFW Fashion Tour!), além de imagens de vários momentos marcantes do evento e um telão giga onde desfiles memoráveis ficavam passando a todo momento.

Primeiro desfile da Colcci sem Gisele

E, claro, tiveram os desfiles também.

Sexta-feira o line-up do SPFW tava bem extenso, com duas marcas fazendo suas apresentações de manhã em desfiles externos, Giuliana Romanno e Patricia Viera, e mais quatro marcas fazendo suas apresentações à tarde, na Bienal: Wagner Kallieno, Ratier, Colcci e Amapô.

Como eu fui um pouco depois do almoço pra Bienal e assisti todos os desfiles que por lá rolaram, deu pra fazer um balanço bem pessoal das coisas que vi e que mexeram comigo nas apresentações.

Pra começar que foi um prazer abrir o dia com um desfile do Wagner Kallieno. Acho ele um designer que merece demais ser prestigiado, porque além de ser dono de uma moda super autoral, que vai atrás de materiais nacionais que são de uma qualidade gigante e que podem produzir uma moda universal, ele conseguiu mostrar que o que não falta é gente talentosa fora do tão visado eixo Rio-São Paulo-Belo Horizonte.

Depois veio a estreia maravilhosa da Ratier, meu desfile preferido do dia. Eu quero muito fazer um post só sobre a marca, porque fiquei completamente fissurada na proposta deles, mas vale dizer que a Ratier é do Renato Ratier, dono da D-Edge. O trabalho dele é muito focado no urbano e tem uma postura bastante underground (e que inclusive me lembrou Alexandre em começo da carreira) e uma amiga me contou que o conceito por trás da loja, do site e de tudo o que elas fazem e que orbitam em torno da marca, é altamente inspirador <3

O lado trevoso da Amapô

Teve também a Colcci, que fez seu primeiro desfile depois da saída da Gisele (acho que agora é pra valer mesmo haha), mas ainda assim, a apresentação tava completamente lotada, o que faz bastante sentido quando a gente lembra que a marca é uma das mais comerciais do evento.

E pra encerrar essa 40ª edição com um bom drama, veio a Amapô, com um casting e uma coleção super trevosos e performáticos. Tem o vídeo do desfile aqui pra quem quiser ver. Foi mara, foi bem feito, foi corajoso e muito a cara da Pitty e da Carô, designers da marca.

A única coisa chata foi o que aconteceu antes do desfile, quando depois de esperar muito tempo pra entrar na sala, o telão que deveria subir pra dar o start na apresentação, simplesmente travou. Só que é aquilo, né, gente, aparelhos dão problema, falhas acontecem e atrasos são chatos, mas infelizmente existem. Tenho certeza que as estilistas também tavam super chateadas com a situação, então nada justifica as vaias terríveis que rolaram, nada justifica a gritaria das pessoas atrás de mim de que isso era falta de respeito, nada justifica as grosserias que eu vi.  Era pra ter acabado de um jeito lindo, mas faltou educação e bom senso de uma grande parte da galera que foi ver o desfile.

E vocês, acompanharam essa edição? O que acharam? Contem aí nos comentários!

Bisou, bisous