Andei lendo: “História da Moda no Brasil”

Uma das coisas que eu mais amo nessa vida é ler. E não é uma coisa da boca pra fora ou uma coisa que faço ‘quando sobra um tempinho’. Não, eu amo mesmo poder passar horas e mais horas lendo, aumentando minha biblioteca (da caixola e da vida real) com livros e mais livros. E entre as minhas últimas aquisições e leituras tá o livro “História da Moda no Brasil – das influências às autorreferências” de Luís André do Prado e João Braga.

Como eu precisava pesquisar mais sobre moda nacional para algo que estava escrevendo – e percebi como livros de moda nacional eram a) ou muito raros ou b) ou muito rasos – perguntei no twitter/facebook alguma indicação. A Márcia Mesquita do queridíssimo Bainha de Fita Crepe me indicou então essa leitura. E lá fui eu atrás do meu exemplar.

Não foi um livro lá muito fácil de ler, mas não porque tenha uma linguagem muito rebuscada ou algo assim, ao contrário, ele é bem fluido, com uma linguagem fácil e gostosa de acompanhar. O problema maior é que são 640 páginas em um tamanho não muito convencional de livro, aqueles de centro de mesa, sabe? Então a primeira dificuldade e acho que a mais perceptível é em como segurá-lo. Depois de um tempinho fica difícil achar uma posição confortável suficiente pra você não precisar levantar, dar uma espreguiçada e voltar só depois que os músculos relaxarem. Pra mim então que adora levar livro na bolsa em todo lugar que vai, foi bem triste, porque eu só conseguia ler em casa em algum lugar bem confortável – nem pensar ficar deitada na cama lendo, por exemplo. O tamanho dele (em quantidade de páginas, eu digo) nem chega a ser um empecilho, mas como é um livro essencialmente de pesquisa acaba ficando um pouco cansativo o tanto de nomes e datas que vão aparecendo.

Imagem: http://www.fontedesign.com.br/para-ler/historia-da-moda-brasil/

Imagem: http://www.fontedesign.com.br/para-ler/historia-da-moda-brasil/

Desse jeito que eu to falando até parece que não gostei do livro, mas gente, juro que não é nada disso! haha O livro é ótimo, o trabalho de pesquisa empreendido é incrível, mas acho que foi um erro meu mesmo de querer lê-lo como um livro convencional, tipo abrir na primeira página e seguir daí em diante. Então todas essas coisas aí de cima são, na verdade, ‘dicas’ de como lê-lo de maneira mais proveitosa do que propriamente uma crítica. Nada impede que você queira ler um capítulo todo só de uma vez, mas acho que é um livro pra ser descoberto aos poucos, com cuidado.

Ele foi feito pensando nisso, inclusive, tanto que cada capítulo corresponde a uma época específica, tipo dos anos 1961 aos anos 1975 (capítulo cinco), e isso permite com que você possa fazer uma busca mais selecionada de acordo com aquilo que você estiver procurando. Além disso, não precisa ficar com medo de ‘perder o fio da meada’ porque – exatamente por ser um livro de pesquisa – todos os nomes, datas, enfim, tudo é resgatado o tempo inteiro pelos autores, fazendo com que você não se sinta perdida por não saber quem é pessoa x ou y.

d6f8a2a18d2f9c2960d627b27b59ac08ad08b540

Eu fiquei muito surpresa do quanto os autores foram precisos na sua pesquisa histórica. A história da moda brasileira é mesmo resgatada desde lá do seu comecinho, com a chegada dos portugueses no Brasil e o encontro com nossos indígenas, até meados de 2010, ano em que o livro foi lançado. Todos os momentos importantes da moda brasileira são lembrados, passando primeiro pela nossa moda copiada da França, depois por nomes da moda brasileira no famoso ‘Agulha de Ouro’ – onde a imagem profissional ficava de lado muitas vezes em prol da imagem pessoal, do ‘vamos causar’ – e chegando até as semanas de moda que realmente deram uma guinada sem precedentes na indústria brasileira de moda.

Pra mim, em especial, foi uma delícia entender um pouco mais sobre a importância do jeans no nosso país. Eu, que não sou muito fã de jeans e o evito sempre o máximo possível – um dia talvez eu fale disso aqui – achei interessante entender o porquê, e sim existe um porquê, o brasileiro é tão ligado ao jeans, tendo ele como nossa roupa básica pra qualquer ocasião. Nada me marcou tanto como o slogan usado pela US Top: ‘A liberdade é uma calça velha, azul e desbotada.” Essa frase é o resumo de tudo aquilo que as marcas de jeans representaram em seus primeiros tempos: a libertação daquela moda certinha que vinha de pai pra filho. Mais do que uma calça jeans, aquela ‘calça velha e desbotada’ era um símbolo de juventude, de contestação.

dener

“Histórias da moda no Brasil” pode ser encontrado na Saraiva por R$148,00 e é um livro importante pra se ter em uma biblioteca – não só daqueles que se interessam por moda, mas pra qualquer um que se interesse pela história de nosso país. Além de trazer as mudanças do setor têxtil e de vestuário brasileiro ao longo dos anos, o livro faz um paralelo com as transformações do próprios país – social, política e econômica – contextualizando com cada momento de nossa moda.

E como cereja no topo do bolo tem imagens lindíssimas, como as desse post que estão nas páginas do livro.

Pra informar e inspirar.

A história de uma capa de revista

Como já contei por aqui, dia 10 foi meu aniversário (23 aninhos, eee!) e no meio dos votos de felicidade, dos doces da festa e das pessoas queridas que passaram essa data comigo, tiveram também os presentes.  E um deles me deixou muito emocionada.

capas

As 100 capas mais icônicas da Vogue em 100 lindos cartões postais

Os cartões foram publicados pela Penguim e são uma curadoria das 100 capas mais incríveis da Vogue, desde 1892, quando a revista foi lançada. Tem grandes estrelas do cinema, da música e, claro, da moda – como Kate Moss, Lady Gaga e Jean Shrimpton  – até ilustrações lindíssimas que vão desde mulheres com um certo je ne sais quoi até ilustras de acessórios e vitrais. Uma mistura bonita que reconstrói a própria história da revista. E eu amo presentes que contam histórias.

Separei então 5 capas da caixinha pra falar aqui. Elas têm histórias incríveis por trás de si, que fazem a gente pensar como a capa de uma revista leva em consideração tantas coisas na hora de ser produzida e que, quando chega em seu destino final, às mãos das leitoras, nem dá pra suspeitar o tanto de caminho que ela já percorreu.

5 capas, 5 histórias

53876--637x0-2

Michaela Bercu usando uma camisa Christian Lacroix de 10 mil dólares e uma calça jeans de 50 dólares

Para capas que sempre traziam mulheres super chiques em seus vestidos ainda mais chiques, essa capa da Vogue novembro/1988 é um verdadeiro choque de contrastes. Ainda que tenha essa jaqueta ryqueza, é gostoso ver como a menina da capa (a modelo Michaela Bercu) aparece fora de estúdio e em plano americano, raridades até então nas capas da Vogue, e parece tão feliz, tão solta, tão jovem, fugindo daquela ideia de que a modelo precisa ter uma super pose. A imagem é bonita porque é refrescante e porque a gente fica com a clara sensação de que mais do que uma imagem imposta, do que ‘uma mulher luxuosa’, Michaela é feliz.

Essa foi a primeira capa da Vogue US sob o comando de dona Anna Wintour, e se não gerou repercussão pela ousadia de fazer algo tão fresh, gerou pela calça jeans usada pela modelo. Há boatos de que Michaela deveria usar uma saia que fazia conjuntinho com a jaqueta (Christian Lacroix), mas que como a saia não serviu, Anna teve a brilhante ideia de tentar a calça. Deu certo e sob as lentes de Peter Lindbergh o resultado foi essa lindeza, que colocou o estilo hi-lo pela primeira vez na capa da publicação.

1314-imagem_0-vogue 1950

A capa é de janeiro de 1950 e traz uma das imagens mais conhecidas de toda a história da publicação. Clicada por Erwin Blumenfeld, o destaque dos olhos e, principalmente, dos lábios colocou um dos maiores queridinhos das mulheres – o batom vermelho – literalmente na boca de todo mundo. Não que ele ainda não fosse popularizado, mas a capa da Vogue atestou o que provavelmente toda mulher vai descobrir em alguma época de sua vida: um batom vermelho é transformador!

No ano passado, a Chanel, numa grande sacada, se inspirou nessa mesma capa para criar o vídeo da sua campanha do batom Rouge Allure. Além de ficar uma gracinha, o vídeo resgata essa mesma aura da capa, deixando a gente com vontade de correr pra loja mais próxima e comprar um batom vermelho novo.

v1

17 de dezembro de 1892. Essa é a data da primeira revista Vogue… E da primeira capa a gente nunca esquece! Acho que mais do que contar uma história por trás de si, essa capa conta uma história do que iria vir depois dela: 120 anos da publicação (121 em dezembro desse ano) e o apelido de ‘bíblia da moda’. Sem contar o tanto de mulher inspiradora que já foi editora dessa revista e que levou seu olhar pras páginas da publicação (alô, Diana Vreland!). A Vogue teve e tem sua história entrelaçada com a própria história da moda, assim como a de todo mundo que ajudou a construí-la.

08041409_blog.uncovering.org_vogue

 Durante as décadas de 10 e 20 a Vogue só trouxe ilustrações em suas capas. Entre esses 100 cartões postais têm muitas das revistas dessa época, ou seja, muitas ilustrações lindíssimas que usaram e abusaram do nome “Vogue” trazendo-o disposto de formas diferentes na revista. Achei muito vanguardismo haha.

Mas, em julho de 1932, surgiu uma nova ideia para a capa da revista: uma fotografia ao invés de uma ilustração. A imagem, que trouxe uma modelo em sua roupa e touca de banho, segurando uma bola em cima da cabeça, tem um jogo de sobras interessante e apesar de não ter tido uma continuidade tão imediata – a revista voltou para as ilustrações e só em 1940 decidiu apostar novamente na fotografia – já adiantava o que dali há alguns anos invadiria as capas de revista de moda de todo o mundo.

vogueusa-april1992-demarchelier-100th-cover

Em abril de 1992 a Vogue comemorou nada menos que 100 anos de vida e claro que a capa da publicação tinha que ser tão ou mais especial quanto a própria data. As supermodelos da década de 90 foram chamadas pra fazer uma imagem que não precisava mais do que um cenário branco – vestidas em produções GAP tão brancas quanto – pra ser fantástica. É o tipo de capa que não precisa contar uma história, porque a imagem de cada uma dessas mulheres já conta muitas histórias por si só.

Fotografada por Patrick Demarchelier a foto traz Claudia Schiffer, Yasmeen Ghauri, Niki Taylor, Elaine Irwin, Tatjana Patitz, Karen Mulder, Cindy Crawford e o mega trio Linda Evangelista, Christy Turlington e Naomi Campbell. Apenas o top 10 mais badalado do mundo das passarelas na década de 90.

E é claro que histórias assim não são mérito apenas de 5 capas da Vogue. São muitas imagens e muitas histórias que já foram ou ainda serão contadas, e que farão a gente sonhar um pouco mais com esse universo meio mágico e lindo das capas de revistas.
E pra vocês, quais as histórias mais legais por trás da capa de uma revista?

O (re)começo é sempre melhor

Eu demorei bem mais do que eu imaginava pra voltar a ter um blog de moda, mas a data de estreia dele não poderia vir em melhor hora. Primeiro porque mais do que nunca eu quero falar, aprender, pesquisar, inspirar, trabalhar e ser feliz, tudo de braços dados com a moda, e segundo porque assim a data de aniversário dele fica pertinho do meu próprio aniversário (10/01). 23 anos, mon dieu!

O little blog (of fashion) não poderia então ter nascido de outro jeito ou em outra hora. Nele eu quero falar de moda em seu sentido mais amplo, acrescentando arte, decoração, beleza, cinema, música e, claro, inspiração. Porque, no fundo, moda é uma mistura de todas essas coisas aí. Não é ~só~ sobre roupas e sapatos, mas sim sobre o novo, sobre aquilo que vai pela cabeça das pessoas, que direciona suas vontades, que move o aqui e agora. Moda é o aqui e agora. Amplo assim mesmo.

Pra celebrar essa nova fase e, claro, o novo blog, decidi que vale a pena sim resgatar várias categorias do blog antigo, mas que outras tantas novas categorias e vontades vão aparecer por aqui. Aos poucos tudo isso vai sendo apresentado, mas espero que esse meu cantinho de estudo tenha muito a crescer. E que eu – e você – cresça junto com ele.

Bem-vindos a todos aqueles que vierem aqui. O blog e a autora são pequenos, mas o coração e a vontade de escrever são imensos.

tumblr_lcue7lnJR71qe0hneo1_500_large_large

Ps: agora o blog tem fanpage. Só clicar e curtir!

“No filme acelerado da história moderna, começa-se a verificar que, dentre todos os roteiros, o da Moda é o menos pior.”
(O Império do efêmero – Gilles Lipovetsky)