Para ver o que rolou no primeirosegundo  e terceiro dia é só clicar nos links.

A. Niemeyer

A. Niemeyer

Em sua segunda apresentação na SPFW, a marca A. Niemeyer, comandada pelas amigas Renata Alhadeff e Fernanda Niemeyer, resolveu trazer elementos do surf de uma maneira diferente ao que estamos acostumados a ver em desfiles. Primeiro porque esse surf aqui se passa em uma praia invernal, mais especificamente a praia Montauk, dos EUA, que é famosa pelas suas ondas congeladas. E segundo porque o foco de sua apresentação reside depois da atividade esportiva, quando os surfistas chegam em casa após um dia agitado e só querem encontrar conforto e tranquilidade.

Para criar esse clima de paz de espírito, as amigas trouxeram uma paleta de cores que vai do branco, passa pelo cinza, pelo azul e chega ao marrom, em looks que apostam no oversized e em peças bastante aconchegantes de tricô. Além disso, o jeans também aparece na coleção, em diferentes lavagens e propostas (destaque para as calças pantalonas) e as estampas maxi xadrezes, que parecem reinar absolutas nessa temporada.

Vale um destaque ainda para a parceria inédita realizada entre a marca e a joalheria Tiffany & Co., que ficou responsável pelos acessórios do desfile, e também pelos sapatos Converse, da All Star, que estavam nos pés de algumas das modelos e tiveram padronagens desenvolvidas exclusivamente para a ocasião.

Lenny Niemeyer

Lenny Niemeyer

Para sua nova coleção, Lenny Niemeyer decidiu celebrar sua própria carreira e, de maneira repaginada, trouxe de volta algumas peças e tecidos que foram hits ao longo da história da sua marca. As adições vieram todas inspiradas na mulher brasileira e nas belezas naturais de nosso país, algo, aliás, já visto no próprio casting de modelos, extremamente variado em suas etnias.

Na passarela, a mistura entre o tropical, com diversas estampas de flores e folhagens; o artesanal, com um trabalho notável de macramê de franjas e a palha aparecendo em alguns looks; e o tecnológico, com alguns elementos como pedras, couro e madeira impressos em 3D, ditaram a coleção. Com uma cartela de cores supervibrante, especialmente nas peças finais que eram uma mistura de vestidos com saídas de praia, a apresentação contou ainda com diversos elementos de alfaiataria, maiôs bastante estruturados e bolsos utilitários.

Salinas

Salinas

Apresentando uma das coleções mais encantadoras dessa temporada, a Salinas decidiu fazer seu novo desfile através de uma história de verão. Para isso, a marca criou na passarela a ideia do Salinas Club Hotel, um resort que além de possuir uma deliciosa piscina de frente para o mar, ainda oferecia diversas atividades esportivas, como o vôlei, o tênis, o frescobol… Assim, suas hóspedes – no caso, as modelos da apresentação – vieram vestidas à caráter, com looks beachwear vintage que podiam ser usados para qualquer um desses momentos.

Entre os grandes highlights da coleção estão as estampas geométricas, que permearam quase todo o desfile, mas não ficaram de fora também os desenhos de onda, de redes de vôlei e de bolas. Além disso, ganharam destaque ainda alguns maiôs com golinha polo, um conjuntinho que lembrava os ladrilhos do fundo da piscina e até um maiô super fun, com o próprio nome do clube estampado.

Para arrematar tudo isso e dar ainda mais veracidade a história contada, o styling da apresentação veio preciso, com toalhas na cabeça e nos ombros das modelos, roupões e bolsas gigas à tiracolo, e óculos retrô mui belos desenvolvidos em parceria com a marca Zerezes.

Beira

Beira

Em sua primeira apresentação oficial no SPFW (a marca já havia participado do projeto Estufa), a Beira preferiu, ao invés de apresentar uma coleção do zero, misturar coisas novas com um apanhado das melhores peças dos seus últimos lançamentos. A grife, aliás, defende a ideia de que suas coleções são todas uma extensão uma da outra, de forma que não haja uma quebra de linearidade nas ideias da marca e que as peças possam ser lançadas no seu devido tempo. Escolhas, aliás, que vêm de encontro ao seu DNA, já que a Beira preza pelos mínimos detalhes, desde a escolha dos tecidos até o acabamento perfeito das roupas.

Responsável por fazer looks sem gênero definido, a grife trouxe para a passarela peças que variam muito pouco na sua cartela de cores, e que preferem focar praticamente apenas no design. Nos materiais utilizados, há uma presença bem forte de elementos naturais, que vão desde casulos de bicho da seda descartados até tramas feitas com garrafa PET. Tudo isso em um intenso trabalho de pesquisa, que foca principalmente na construção da peça, pensando em cada bolso, em cada costura, em cada volume apresentado. Uma marca para se ficar de olho, com toda certeza.

Cotton Project

Cotton Project

“Se você pudesse se livrar de suas obrigações e começar uma vida nova, como ela seria?” Essa foi a pergunta que abriu o desfile da Cotton Project e que a marca, diante daquilo que acredita, foi respondendo ao longo de sua apresentação. Partindo da premissa de que vivemos em tempos caóticos e que é preciso desacelerar um pouco, a grife propôs uma fuga da cidade para o campo, focando em elementos da roça com uma pegada western para construir suas peças.

Diversos tons de marrom dominaram a coleção, que contou com uma profusão de chapéus, tecidos de camurça, camisas xadrezes e conjuntinhos com um quê de alfaiataria. Além disso, os casacos de pelúcia e o conjunto de pijama ganharam destaque na apresentação, trazendo um ar mais descolado ao desfile.

Rafael Varandas e Acácio Mendes, os nomes por trás da Cotton Project, dividiram ainda com o público do evento uma espécie de guia existencial, com 10 frases para ajudar cada um de nós a encontrar o seu próprio caminho, a sua própria vida nova. Seguem aqui embaixo as frases para quem ficou curioso.

  1. O que acreditamos ser libertador pode acabar se tornando fundamentalmente restritivo;
  2. É impossível se livrar da ansiedade, mas você pode mudar a formal na qual se relaciona com ela;
  3. A demanda por variedade é mais opressiva que a continuidade;
  4. As pessoas são mais felizes quando estão em busca de algo que ainda não alcançaram;
  5. A natureza não dá saltos;
  6. A ilusão do individualismo pode mitigar o poder do coletivo;
  7. Seja positivo, seu estado emocional da forma as suas percepções, pensamentos e memórias;
  8. A insegurança é um sistema de controle social usado pelo capitalismo;
  9. O futuro é vegetariano;
  10. A tecnologia, quando usada em equilíbrio, pode ser incrível.

Lino Villaventura

Lino Villaventura

Em um desfile muito belo que celebrou seus 40 anos de trabalho, Lino Villaventura resolveu revirar seu baú de memórias e trazer para a passarela uma mistura de novas ideias com detalhes e preciosismos que fizeram de sua marca a estrela que é atualmente. Para isso, o estilista trouxe desde hits da sua carreira, como os tecidos texturizados e cheios de nervuras, até inspirações frescas e surpreendentes, como os pontilhismos que dominaram a maior parte da coleção e que deram um efeito extremamente dramático ao desfile.

Esses pontilhismos, aliás, que apareceram tanto nos looks quanto nas maquiagens das modelos (assinada por Marcos Costa), lembram muito os alinhavos que são feitos no avesso das peças durante o processo de costura, causando assim um efeito curioso na passarela como se algo estivesse fora de lugar. Em seguida deles, uma série de padrões geométricos apareceram em shapes nada comuns, que já são característicos das apresentações de Lino e sempre agradam ao seu público.

Um daqueles típicos desfiles em que é impossível não sair impactada.

Apartamento 03

Apartamento 03

Foi inspirado por algumas memórias da sua infância, quando começou a se encantar pelo universo da costura, influenciado especialmente por sua mãe, que o designer Luiz Claudio resolveu construir sua coleção mostrada no penúltimo dia de SPFW N45. Em looks bastante delicados e que emocionaram a imprensa especializada, o designer fez dessa coleção uma homenagem as mulheres que passaram pela sua vida e que trabalham ao seu lado no ateliê da Apartamento 03.

Assim como na coleção de Lino Villaventura, o próprio processo de costura parece ter se transformando em metalinguagem para o que foi mostrado na apresentação. Como exemplo, temos os bordados de rosas que se desfiavam e criavam detalhes muito bonitos nos conjuntos, e dando sequência a eles, as plumas e os fios desmanchados que chegaram a dominar looks inteiros no final da apresentação. Tudo muito singelo, em um trabalho que valoriza o processo de construção da roupa tanto quanto seu aspecto final.

Beijos e até mais!

Fotos: Zé Takahashi/Ag. FOTOSITE para o FFW