Para ver as inspirações dessa edição e o que rolou no primeiro dia de evento, é só clicar aqui.

UMA | Raquel Davidowicz

Uma Raquel Davidowic

A escolha do Museu da Imigração como cenário para o desfile da Uma, primeira marca a se apresentar no segundo dia de SPFW, não poderia ter sido melhor. A coleção criada por Raquel Davidowicz foi inspirada exatamente na miscigenação e na presença cada vez mais constante de imigrantes em nosso país, colocando assim looks na passarela que além de fazerem referência ao nomadismo, pareciam ter a capacidade de se transformar naquilo que fosse necessário para a sobrevivência de seu portador.

Com uma cartela de cores que variava entre o preto, pérola, cinza e azul-marinho, o que não faltaram foram amarrações, sobreposições, bolsos e diversas camadas de tecido na apresentação. Tudo ajudando a criar looks que além de confortáveis, eram práticos, quase utilitários, ideais para proteger as modelos.

Na primeira fila do desfile, à convite de Raquel Davidowicz, estava a suíça Emma Ferrer, embaixadora da ONU que possui um papel social muito forte no auxílio a refugiados e que é neta da musa Audrey Hepburn. Uma presença bastante simbólica, eu diria.

Osklen

Osklen

Não é segredo para ninguém o quanto a sustentabilidade sempre foi uma palavra de peso dentro da Osklen. Com o DNA da marca praticamente construído sobre ela, as apresentações de Oskar Metsavaht sempre foram muito aguardadas pela imprensa e pelo público, que queriam ver de perto quais novidades tecnológicas e sustentáveis o designer iria apresentar dessa vez. E na coleção desfilada pela marca na segunda-feira, as expectativas quanto a isso se mostraram mais uma vez bastante satisfatórias.

Com um desfile que privilegiava matérias-primas sustentáveis (desde algodão reciclado até solados feitos com casca de arroz e resíduos de borracha), a Osklen mostrou a importância de se consumir uma moda confortável, funcional, precisa e que agrida o menos possível o ambiente. Intitulada sob o nome de ASAP (As Sustentable As Possible), palavra inclusive que apareceu impressa nas roupas várias vezes durante o desfile, eles apostaram em peças largas, cheias de franjas e, assim como a UMA, com amarrações e camadas de tecidos.

Uma coleção que sacramenta um trabalho criativo e consciente de mais de 20 anos da grife.

Samuel Cirnansck

Samuel Cirnansck

As roupas de festa de Samuel Cirsnanck sempre encantam, mas nesse desfile em especial elas foram acrescidas de duas coisas que tornaram a coleção ainda mais desejável: brilhos e a gatinha Hello Kitty, musa inspiradora da apresentação.

Além de ter aberto o desfile e assistido a todo o show da fila A, a gatinha mais famosa do mundo teve seu rosto bordado em diversas peças da coleção, inclusive em alguns sapatos e bolsas. Ela mesma estava vestida com um glamouroso vestido brilhante e serviu como um start muito gracioso pra as outras modeles invadirem a passarela.

Durante a apresentação, vestidos longos, bordados, cintura marcada e partes debaixo super fluidas apareceram aos montes, mas sem dúvida foram os brilhos e pedrarias que dominaram de cabo a roupa a coleção, inclusive em alguns looks de silhuetas mais usáveis durante o dia. Segundo a Vogue, alguns vestidos chegaram a levar 6 mil cristais e 30 dias para serem bordados. Um primor que, definitivamente, poucos designers possuem.

João Pimenta (masculino)

João Pimenta (masculino)

Acostumados que estamos com a alfaiataria sempre tão primorosa de João Pimenta, faz sentido se espantar um pouco com esse último desfile do estilista. Mas se espantar de uma maneira bem boa, é importante dizer, já que agora sua alfaiataria continua presente, mas de uma maneira muito mais descontraída.

A silhueta das peças dá espaço para formas mais amplas, enquanto a cartela de cores se abre para opções muito mais variadas de tons. Uma pitada urbana que surgiu graças a parceria com o stylist Thiago Ferraz, que conseguiu manter o shape reto, conciso e extremamente elegante das roupas de João, com seu estilo mais relax. Os xadrezes e maxi zíperes foram muito explorados, assim como as jaquetas e coletes, sempre cheias de bolsos (roupa urbana é roupa utilitária!) e as calças curtas com a barra virada para cima. Destaque ainda para as referências ao mundo do surf na coleção, que marcaram essa primeira apresentação de João Pimenta na sua divisão entre desfiles masculinos e femininos.

Patbo

PatBo

A coleção desfilada por PatBo na segunda-feira na Bienal do Ibirapuera fala sobretudo sobre uma mulher errante, uma “mulher cigana”, como a estilista mesma diz, que ama conhecer e explorar o mundo. Só que essa mulher vai além, e não apenas se encanta por todo lugar que passa, mas também pega um pouquinho de todos eles para si.

É com base nessa premissa que as peças mostradas por PatBo na sua apresentação vão trazendo influências dos mais diversos cantos do mundo, sem perder, no entanto, duas características essenciais: o xadrez (aparecendo aqui em diversas peças e em diversas padronagens) e os bordados de flores, particularidade tão inconfundível da marca. É bonito, aliás, ver essa mulher independente na passarela que vai do urbano ao festivo num piscar de olhos, e que continua sendo cool usando jacquard ou calça sleepwear.

Vale ainda um olhar mais apurado para os acessórios da coleção que fazem parte de uma parceria com a designer Claudia Arbex, e para os sapatos desfilados que são uma colaboração com a marca Manolita.

Lilly Sarti

Lilly Sarti

Sempre uma delícia de assistir, o desfile da Lily Sarti veio com os elementos que são marca registrada da grife, como os babados, que permearam toda a apresentação e apareceram muitas vezes em vestidos inteiros, e também a delicadeza das peças, dessa vez muito pautada pela cartela de cores bastante suave.

Com uma bossa que remontava aos anos 70, fosse no shape das peças, ou mesmo nos conjuntinhos com calça pantalona tão característicos da década, as irmã Sarti fizeram uma coleção extremamente fluida (assim como muitas das suas roupas), que pareceu agradar em cheio o público da Bienal. Somado a tudo isso, vinha ainda um leve toque latino, com blusas ciganas, algumas transparências e tops com parte da barriga de fora. Tudo muito belo.

Beijos e até mais!

Fotos: Zé Takahashi/Ag. FOTOSITE para o FFW

Fotos Patbo: Marcelo Soubhia/Ag. FOTOSITE para o FFW