Para conferir o que rolou no primeiro e segundo dia de apresentações, é só clicar nos respectivos links.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

No terceiro dia de desfiles do SPFW N44, Giuliana Romanno, estilista bastante conhecida por sua alfaiataria sempre muito bem executada, abriu as apresentações trazendo novamente esse elemento tão presente no seu DNA, mas com uma modelagem quase que desconstruída. A assimetria, por exemplo, aparece em muitas das peças, bem como a leveza dos tecidos e dos shapes, que fogem de uma silhueta totalmente definida.

A coleção, além disso, foi toda pontuada por peças brancas e de tons claros (inclusive o rosa millennial, cor considerada mais pop do momento), focando na fluidez e na sensação de suavidade. Um outro lado de Giuliana que a imprensa especializada e os convidados do desfile – que ocorreu na galeria Nara Roesler – parecem ter aprovado com felicidade.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Parece mesmo que a cada nova temporada, o status que Vitorino Campos possui de garoto prodígio da moda parece fazer ainda mais sentido. Nessa coleção, por exemplo, – que a meu ver é uma das mais importantes desse verão 2018 – o designer abriu mão de desfilar suas peças para deixá-las expostas (e possíveis de serem compradas!) na loja Pair, localizada nos Jardins, e também para apresentá-las ao público através de um editorial. Um conceito diferente, mas bastante eficaz.

Dessa forma, público e imprensa conseguiram observar ainda com mais proximidade os detalhes da coleção, criada toda em tons de branco, com poucos detalhes em preto, e que teve como inspiração o álbum Araçá Azul, de Caetano Veloso. Em um estilo quase futurista, as peças iam de trench-coats (maravilhosos!), até calças, macacões e camisetas com a palavra Trance escrita.

Uma coleção limpa, moderna e com uma visão de mercado bastante diferenciada, já que Vitorino disponibilizou alguns dos moldes das roupas para serem baixados de graça em seu site.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

O terceiro dia de desfiles do SPFW foi mesmo intenso. Depois de Vitorino Campos foi a vez de Lenny Niemeyer fazer uma das apresentações mais inspiradores de sua carreira, não apenas pelo tema da coleção, mas especialmente pela forma como essas aspirações foram traduzidas nas peças.

Tudo começou com as pesquisas que Lenny fez acerca do trabalho de duas artistas suecas chamadas Hilma Af Klint e Emma Kunz, duas mulheres que durante o século XIX incorporavam à sua arte elementos espirituais, misturando processo artístico com rituais místicos. Admirada pelo trabalho que encontrou, Lenny transportou alguns desses conceitos (e das formas encontradas na arte das suecas) para suas peças. O resultado é um verão de formas geométricas, capas esvoaçantes, tons degradês marcantes e maiôs com recortes estratégicos (formando eles mesmo desenhos). Um mosaico de cores e formas que impressiona e impacta. Estonteante do primeiro ao último look.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Ainda que seja grande a divisão entre quem amou e odiou a coleção apresentada por Vanessa Moe no terceiro dia de SPFW, algo que não se pode negar mesmo estando em qualquer um desses extremos, é que a estilista respeitou o tema que se propôs a falar. Diferente de marcas que vire e mexe caem na questão da apropriação cultural, Vanessa se propôs a mostrar uma coleção que de fato valoriza e exalta a cultura aborígene da Austrália, país em que a estilista mora há 15 anos. Para isso, não só os produtos utilizados em suas peças e até mesmo a maquiagem das modelos (que em sua maioria fazem parte de clãs da Oceania) vem de fato de materiais próprios dessas tribos, como ainda houve um cuidado muito grande em homenagear o poder dessas comunidades – dentro, é claro, de uma realidade tão diferente quanto a de uma semana de moda. Uma maneira bonita e respeitosa de mostrar que a moda, em essência, vai muito além da “tendência da próxima estação”.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Esqueça os biquínis e as muitas horas debaixo de sol. O verão 2018 da PatBo fala sim sobre a praia, mas não do jeito que estamos acostumados. É como se as modelos fossem até lá apenas pra passear, pra molhar os pés na areia, mas não de fato entrar no mar. Essa mistura entre uma quase moda praia com uma moda urbana acerta em cheio, e traz uma riqueza de estampas e detalhes pra coleção que fizeram desse um dos melhores desfiles da marca.

Além disso, uma das coisas mais interessantes dessa apresentação é a evolução de looks apresentados, que começam na década de 20 e desembocam nos dias atuais. Impossível ver as primeiras peças desfiladas e não lembrar das mulheres dos livros de história passeando com suas sombrinhas em pleno Rio de Janeiro de décadas atrás. Um pouco de história, muito de moda e um sem fim de inspirações.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Apesar de ser o segundo desfile da Two Denim no SPFW, essa é a primeira vez que a marca se apresenta sobre a direção de Karen Fuke, ex-estilista da Triton e alguém que definitivamente sabe se conectar com a moda jovem. Isso fica bem claro em toda a apresentação da Two Denim, que mistura elementos do universo da dança flamenca com o jeans, grande estrela da marca, em uma coleção descolada e moderna.

O denim, que aparece em calças, jardineiras, vestidos, jaquetas, saias, blusas e até botas, se mistura a outras peças de algodão, sempre de maneira descontruída e assimétrica. Importante destacar o trabalho com os babados, grande referência do figurino da dança flamenca, que invade as barras e mangas das camisetas (sempre em um efeito “cascata”) e aparece também de maneira sobreposta nas saias.

São Paulo Fashion Week N44 | Dia 3

Possivelmente um dos desfiles mais aguardados dessa semana de moda devido a boa repercussão que suas últimas apresentações tiveram, a LAB continua a fazer bonito. Em uma apresentação pra cima, com muita música e muita animação, a marca comandada pelos irmãos Emicida e Evandro Fióti fez de novo a sua mágica: eles falaram da moda das ruas, da moda acessível, da moda que pensa em todos os tipos de corpo, pra um público e um evento que quase nunca se lembram disso. Inspirados por dois grandes temas – a liberdade e o voo dos pássaros – a coleção segue o estilo despojado de suas outras apresentações, mas agora com um pouco mais de cor e estampa em suas peças. Uma marca que, além da boa roupa que faz, tem uma importância e representatividade enorme dentro do SPFW.

Fotos: Zé Takahashi da Agência FOTOSITE para o FFW