(esse texto foi escrito no último dia 12 de junho, dia dos namorados)

P. S. I love you

Eu sei, eu sei. Não existe coisa mais clichê do que escrever um texto sobre o seu namoro no dia dos namorados. Mas eu amo essa data especialmente por isso: porque tá todo mundo tão inspirado, tão aberto a falar sobre o amor, tão aberto a se sentir bobo, apaixonado, usando de todo o pacote de coisas bregas possíveis pra dizer sem medo um “eu te amo”, que é contagiante.

Ainda que seja 17 de maio o dia que eu e o Diego mais amamos, e que de fato comemoramos algo que mudou as nossas vidas – o começo de uma história que seis anos depois ainda continua a crescer, a se mexer, a ser divertida e a ensinar muito pra nós dois -, eu acho o dia dos namorados uma data apaixonante! O dia de ver juras de amor. rosas, bombons, declarações espalhadas por aí e amar cada segundinho disso, sem medo de parecer brega ou o que for.

E é um pouco por causa de tudo isso que esse texto aqui surgiu.

Limitless undying love which shines around me like a million suns

Vamos voltar um pouquinho no tempo, para o começo de 2009.

Foi quando eu e Diego nos conhecemos, logo no início da faculdade.

Diego vinha de Mogi Mirim e tinha acabado de tomar uma decisão que, como ele mesmo diz, não sabia muito bem no que ia dar. Morar em Bauru, cursar jornalismo, seguir um caminho totalmente diferente do que até então parecia ser o certo… Havia um turbilhão de dúvidas na sua cabeça.

Eu vinha de Leme e tava tão assustada e ansiosa quanto ele. Porque tirando quando eu era criança e dizia que queria ser bombeira (haha), logo que eu passei a frequentar a escola e ter uma noção do que era uma carreira, eu já sabia que queria ser jornalista. E era exatamente esse sonho que eu estava vindo realizar em Bauru, o que me deixava feliz e morrendo de medo na mesma proporção.

A gente se conheceu logo no nosso primeiro dia na cidade, quando ele apareceu em casa junto com outras pessoas, todas ajudando na mudança de uma república de jornalismo. Foi aí nesse primeiro “olá” que tudo começou, e não porque a gente tenha caído de amores um pelo outro e se apaixonado assim, à primeira vista. Mas porque nós ficamos muito, muito, muito amigos à primeira vista.

I wanna hold your hand

Foi Diego quem fez eu assistir Pulp Fiction pela primeira vez; foi Diego quem me mostrou que o amor que eu tinha pelos Beatles podia ser ainda maior; foi o Diego quem me acompanhou no meu primeiro show em Bauru; e também era o Diego que passava madrugadas em casa junto com uma turma de amigos tendo conversas sobre a vida, o universo e tudo mais. Foi o Diego quem esteve presente me ajudando, aconselhando e se divertindo comigo, logo quando eu cheguei por aqui.

Essa amizade que despertou logo nos nossos primeiros dias de faculdade foi muito importante pra mim. E pra ele também. Éramos dois estranhos em uma cidade diferente, em uma universidade diferente, rodeados de pessoas novas nas nossas vidas. Longe da família, dos amigos, de tudo aquilo que parecia até então certo. A gente se deu bem logo de cara e até hoje eu acho que essa amizade despertada tão de início foi uma das coisas mais maravilhosa da nossa relação. Porque foi ela que construiu toda a base do nosso relacionamento. Foi ela que fez a gente se descobrir primeiro um ao outro e então se apaixonar um pelo outro.

And then while I’m away I’ll write home every day and I’ll send all my loving to you

Nos nós beijamos pela primeira vez no dia dia 17 de maio de 2009. E foi de um jeito tão natural, tão incrível, tão diferente de tudo que eu já tinha passado, que foi aí que nós percebemos que já estávamos mesmo apaixonados um pelo outro. Era amizade ainda, – porque sempre vai haver amizade – mas era amor também.

Nunca houve um “estamos namorando”. Depois do primeiro beijo a gente simplesmente viveu o que os dois estavam sentindo e as coisas foram acontecendo. Com a amizade e o amor misturados a gente passou a se conhecer ainda mais, a se divertir ainda mais, a se apaixonar ainda mais, a ser companheiros ainda mais. E olhando agora pra trás, eu vejo que as coisas aconteceram de uma forma tão linda, tão natural, tão apaixonante e cheia de respeito que não me surpeende que a gente tenha construído essa relação tão bonita. E que cresce cada dia mais.

Ao longo desses mais de seis anos de namoro, a gente aprendeu um bocado – juntos e separados. E estivemos lá um pelo outro também. Nas madrugadas estudando pra provas, nas festas com os amigos, no primeiro dia do trabalho novo, na apresentação de TCC, na adoção dos nosso gatinhos, nos problemas da vida, nas alegrias do dia a dia, nas viagens, nas palavras, nos erros, nos acertos…

Falling, yes I am falling

Já faz dois anos e meio que, oficialmente, passamos a dividir um apartamento, e para surpresa de alguns e confirmação de outros, as coisas deram muito certo – e continuam a dar.

Tanto que a gente tem um monte de planos aí pela frente: casar no campo, viajar o mundo inteirinho se possível, achar um lugar um pouco maior pra viver, fazer uma série de coisas, ter um monte de experiências, crescer pessoal e profissionalmente e estar lá pelo outro nas vitórias individuais, nas vitórias em conjunto e em qualquer momento feliz ou doloroso da vida.

Will you still need me, will you still feed me, when i’m sixty-four?

E, por fim, o que eu posso dizer é que nós estamos muito animados pelo que vem aí pela frente. Porque como diria aquela canção dos Beatles (que a gente tanto gosta): as coisas vão ser ainda mais divertidas e cheias de amor com o tempo, especialmente quando a gente tiver sessenta e quatro anos.

Disso eu tenho certeza.

Bisous, bisous