Quando assisti pela primeira vez o vídeo daqui de baixo, percebi que nunca antes havia visto Charles Chaplin sem as roupas e a maquiagem que o tornaram tão famoso. Ainda que sua importância dentro do cinema e da comédia palestão tenha ido muito além da atuação, já que Chaplin também dirigiu e roteirizou diversos filmes, foi mesmo sua pintura carregada e suas roupas tão características que acabaram ficando pra sempre na nossa memória.

Carlito e seu chapéu coco, seu terno preto, seus sapatos enormes, sua bengala que nunca parava quieta… É fácil reconhecer o personagem mais famoso de Chaplin. Ele se tornou uma figura intrínseca ao cinema, representante-mor da época em que na telona as cenas não tinham falas e as expressões precisavam falar por si só.

Mas, mais do que tudo isso, o que eu sinto que Charles Chaplin realmente levou de mais importante para os longa-metragens foi a sua capacidade de transformar seus filmes em uma voz. Em um meio de se debater, ainda que não explicitamente, aspirações políticas e problemas sociais.

No entanto, nem todos estavam contentes com essa influência do diretor: em 1952, ele foi oficialmente proibido de permanecer nos EUA sob a alegação de propagar ideias comunistas, tendo que se exilar na Europa até 1972. Nesse ano, Chaplin finalmente voltou aos EUA, dessa vez para receber um Oscar honorário da academia devido ao conjunto de sua obra e a influência que teve para o cinema.

Não sei se é expressão assustada, se é a emoção explícita no rosto de Chaplin ou se são os aplausos de pé que ele recebeu – a maior ovação até hoje da história da premiação – que me fizeram ficar tão hipnotizada por esse vídeo quando o vi. Esse é com certeza um dos momentos mais bonitos da história do evento, porque, pelo menos pra mim, mostra um reconhecimento muito maior do que uma atuação, direção ou qualquer outra categoria em que se possa ganhar uma estatueta. Chaplin dedicou sua vida ao cinema, entregou sua liberdade em prol do cinema e defendeu seus valores e visões través do cinema. Ele enxergava nos filmes um poder que muito poucos enxergavam e pagou um preço alto por isso. Um preço que anos depois ele parecia suportar sem ressentimentos ou raivas, devido ao reconhecimento não só da academia, mas principalmente de si próprio, de que tudo valeu a pena.

 

Pra quem quiser ver mais vídeos marcantes da história do Oscar, o canal oficial deles no youtube é maravilhoso. Cliquem e se emocionem tanto quanto eu hehe.

Bisous, bisous e até amanhã com mais #aquecimentoOscar