Foram 11 anos de namoro entre a minha irmã e o Murilo. 11 anos de uma história que eu vi em parte diariamente, na época em que eu ainda morava em Leme e eu e minha irmã dividíamos o mesmo teto (aliás, não só o mesmo teto, mas também o mesmo quarto, que agora perdeu sua última moradora) e outra parte esporadicamente, nos feriados ou finais de semana em que eu ia visitar minha família.

11 anos. 132 meses. 4015 dias.

Agora para pra pensar quanta história cabe em todo esse tempo.

Acho que exatamente por ter acompanhado tantos dias, tantos momentos e tantas histórias dos dois, que esse casamento foi muito importante pra mim.

Foi uma honra ter sido chamada pra madrinha, é claro. E confesso, foi muito emocionante também. Nunca fui madrinha na vida e fui bem saltitante mandar fazer o vestido (do jeito, tom e detalhes exatos que eu queria), organizar o chá de panela, planejar o cabelo, ajudar na escolha dos docinhos (essa parte foi bem boa mesmo) e todas as coisas que desde o começo do ano foram acontecendo e saltando na agendinha de “tarefas da madrinha”. Mas acho que ainda mais importante do que ter sido chamada pra ocupar um lugar na igreja mais perto dos dois, foi ver uma história de 11 anos, que eu acompanhei toda de pertinho, ter um novo começo.

Olha, não quero entrar em méritos sobre religião nesse post. Até mesmo porque eu tenho umas opiniões bem contundentes sobre o assunto, já que acredito que o casamento independe da festa, da cerimônia religiosa, do papel passado ou não, do que os outros pensam. Tem a ver só com esse momento em que a gente tem certeza de que é isso. É essa pessoa mesmo que vai ficar do nosso lado sorrindo junto, segurando as pontas juntos, criando um gato ou cachorro, dividindo sonhos, torcendo e fazendo parte da nossa felicidade. Por tanto tempo quanto a vida permitir.

Casamento pra mim sempre significou isso. E ver duas pessoas que eu tanto gosto e que são tão importantes pra mim chegando nesse momento da vida em que as duas pensam “é isso”, é extraordinário. E meio mágico também.

As fotos aqui desse post são, portanto, uma maneira de lembrar e re-comemorar esse momento tão bonito, para a Fer e para o Murilo, é claro, mas também pra quem entende quanta beleza existe por trás dessas fotos.

A maioria das imagens é um apanhado de fotos de facebook de amigos e da minha máquina (que o Diego que bateu), mas as de rosto foram batidas pela talentosíssima – responsável pelo cabelo e maquiagem meu e da minha irmã – Juliana Balduino. Além de maquiadora, a Ju dá cursos de maquiagem e tem um canal maravilhoso no youtube que vale a pena conferir. Segue o link. Vale também falar que meu vestido foi feito pelo Ricardo Miller, que foi um anjo e ouviu atentamente todas as instruções (e chatices) que eu queria nele. Fiquei meio enfofada que algumas pessoas me disseram que eu tava parecendo a Elsa do Frozen <3

E um último parabéns e abraço (virtual também valé, né?) para os noivos. Obrigada mesmo por ter deixado eu também fazer parte dessa história.

Bisous, bisous