Eu amo música e amo cinema, mas amo mais ainda quando essas duas áreas se juntam.

Nem precisa necessariamente ser um musical, mas, às vezes, uma pequena cena de um filme ou série que teve uma trilha sonora que casou muito bem com aquela situação, que fez muita diferença para o resultado final da história. Isso já me deixa absurdamente apaixonada!

Foi pensando nisso, que surgiu a ideia de fazer esse post aqui, listando as 20 cenas musicais mais importantes, significativas e bonitas que eu já assisti. Tem drama, comédia, romance e músicas dos mais variados gêneros, mas todas essas cenas, sem exceção, possuem uma mesma coisa em comum: são incríveis e se tornaram inesquecíveis pra mim.

E é claro que eu vou dividir esse post em dois, porque se não, haja barra de rolagem pra dar conta de ver tudo :p

Minha cena preferida, do meu filme preferido, onde toca minha música preferida <3

Acho que depois dessa introdução já deu pra sacar o quanto eu amo “Quase Famosos”, né? Já falei, inclusive, sobre o que o filme representa pra mim nesse post aqui, e não canso nunca de rever essa cena porque a acho uma das mais mágicas que já assisti.

Acho incrível que mesmo assistindo esse trecho isolado, fora de contexto do filme, ele produz um efeito muito revigorante na gente. Dá pra sentir o clima de tensão no ônibus e como a música é a responsável por unir as pessoas e por deixar tudo bem de novo. E pode paracer bobo, mas acho que já me senti muito como o William, procurando um lugar chamado “casa” e percebendo que, na real, eu já estou nela.

Bônus: têm muitas cenas de Quase Famosos que eu queria colocar aqui, mas me contive e decidi colocar apenas uma cena de cada filme/série pra não ficar um texto imenso. Ainda assim, não pude resistir em deixar pelo menos o link de outra cena que eu amo muito desse filme e que acabou nem entrando na montagem final da história. O que é uma pena, né, já que qualquer cena que tenha Stairway to Heaven como pano de fundo, já diz o quanto é incrível por si só. Afinal, como diz William, “this song will change your life.”

Além de “Bonequinha de Luxo” ser um dos meus filmes mais amados (alô, coleção Audrey Hepburn!), a cena em que Audrey canta Moon River é absurdamente encantadora. A música, a interpretação de Audrey, a câmera enfocando as primeiras palavra do texto de Paul, o enquadramento da atriz na janela tocando o violão… Sabe quanto tudo se encaixa de uma maneira perfeita? Essa cena é assim.

“The was once a very lovely,  very frightened girl. She lived alone except for a nameless cat.”

“10 coisas que eu odeio em você” é uma das comédias românticas mais engraçadas e bonitinhas que existem (cês sabiam que o filme é uma adaptação bem moderninha de “A Megera Domada” do Shakespeare?) e atire a primeira pedra a menina que quando adolescente nunca escreveu em algum diário, caderno ou agenda o poema que a Kat recita pro Patrick no final do filme.

A cena em que Heath Ledger (ai, que saudade!) canta “Can’t Take My Eyes Off You” durante o treino de futebol feminino, é daquelas que não tem como a gente ver e não dançar junto, com direito a passinho coreografado e braços abertos acompanhando o ator haha.

“O casamento do meu melhor amigo” é daquelas comédias que eu não canso de assistir! Primeiro porque eu adoro a Julia Robert e ela tá especialmente espetacular nesse filme, e segundo porque o Rupert Everett interpreta um personagem tão divertido e carismático que mesmo sabendo o que acontece em cada cena, eu sempre me divirto e fico enfofada com as suas aparições.

Essa cena em que eles cantam “I say a little prayer for you” é tão marcante – pra mim e pra história do cinema – que eu não consigo mais escutar essa música sem lembrar instantaneamente dela. E é batata como toda vez que eu a assisto, me pego cantando junto com os personagens.

Eu não podia deixar algumas séries de fora dessa lista e, com toda certeza, Anos Incríveis é uma delas.

A série por si só já é muito famosa pela sua trilha sonora, que é tão incrível, mas tão incrível, que foi o motivo número um pelo qual a história de Kevin Arnold demorou tantos anos pra sair lá dos anos 80/90 e desembarcar aqui nos anos 2000: os direitos autorais das músicas beiravam um valor estratosférico (só pra vocês terem ideia tem Beatles, Rolling Stones, Bob Dylan e Jimi Hendrix entre os artistas da trilha) e só no final de 2014 que a gente vai finalmente poder ter o box dessa série na nossa estante.

Entre as muitas cenas marcantes do seriado, eu não consigo desapegar do final do primeiro episódio, quando Kevin encontra Winnie depois de um dia muito triste pra ela (vou tentar não dar spoiler haha) e acontece o primeiro beijo dos dois ao som de “When a man loves a woman”. Some-se a essa boa música a narração do protagonista sempre cheia de grandes lições e você tem a síntese do que é Anos Incríveis <3

Na época em que eu não trabalhava e não tinha redação, fechamento e uma crazy life por trás de tudo isso, eu chegava em casa da escola, almoçava, ligava a TV e me preparava pra assistir Dirty Dancing. Sério, eu perdi a conta de quantas vezes esse filme passou na Sessão da Tarde e quantas vezes eu o assisti, dançando loucamente, é claro, a música título do filme.

É difícil dizer o que tem de tão bom por trás dessa história, já que a protagonista é tão bobinha e o enredo tão água com açúcar, mas acho que um dos fatores que mais contribuíram pra ele ter se eternizado na história do cinema é mesmo sua trilha sonora e essa ideia da música nos dar coragem para ser quem de fato somos, a transpormos barreiras, a enfrentarmos nossos medos.

Como? Também não sei explicar, mas a garota de 24 anos que há cinco minutos dançava enquanto selecionava esse vídeo pro post acha que a chave desse sucesso deve estar aí.

“Quero ser Grande” é aquele tipo de filme que a gente vê hoje em dia e pensa “como que ninguém via nada de errado nisso”? haha Tirando esse pequeno detalhe, eu adoro esse filme, mas a cena do piano supera qualquer outra e faz a gente ficar com essa música em um looping infinito na cabeça.

Ah, Casablanca! (insira aqui muitos suspiros).

Apesar de ser um clássico eu demorei um bocado pra ver esse filme, mas me apaixonei quase que instantaneamente. Ainda tá na minha listinha de DVDs que quero adquirir em breve e essa cena em particular, com essa música maravilhosa sendo tocada no piano por Sam para Ilsa (Ingrid Berman, essa maravilhosa!) é uma cena tão envolvente, tão bonita que dá vontade de fechar os olhos e só ficar escutando a canção.

“We’ll always have Paris.”

“Hairspray”, de 2007, é um dos meus musicais preferidos e ainda esse ano eu quero muito ver o original, de 1988, que imagino que seja tão incrível quanto. Eu adoro a história desse filme e fico imaginando como no teatro ele deve ser ainda mais maravilhoso (ele é um musical da Broadway também!)

Além de falar muito sobre música, claro, Hairspray é filme que se passa no começo dos anos 60 e traz um pouco da realidade social da época, mostrando como a segregação racial ainda era tão forte nos EUA.

Essa cena aqui é bem grandinha, mas vale a pena ver e dançar ao som de “You can’t stop the beat” (até porque não dá mesmo pra ouvi-la e ficar parado) e se você ainda não assistiu esse filme, não preciso nem falar que já tem que ir fazer isso já, né?

“500 days of summer” é um filme que se eu assistir mil vezes, nas mil vou chorar, me emocionar e ficar pensando ainda muito – e intensamente – sobre tudo o que ele quer dizer. Porque ele tem uma história que causa muitas sensações na gente, que podem ir de um extremo ao outro, e que sempre são intensas.

A cena aqui de cima é um pouco da representação do lado doce desse filme, quando Tom dança pela ruas, passarinhos cantam à sua volta e o mundo todo parece sorrir e ser um lugar melhor. Todos os exageros e fofurices dessa parte representam muito intensamente esse lado do filme. A outra parte… Bom, você vai ter que assistir pra saber porque eu não sou dessas de dar spoiler haha.

Bisous, bisous e até mais!

Continua…