Eu já falei disso lá na página do blog, mas sério, fiquei tão feliz de ver uma revista dedicando um espaço de suas páginas pra esse assunto que eu queria mesmo escrever mais sobre isso.

Mas calma! Vamos começar essa história do começo que ninguém deve estar entendendo nada…

No final de semana passado saí com dois amigos queridos, a Ariane e Pedro, pra comprar presentes pras nossas respectivas mães (isso foi no sábado e domingo era dia das mães) e também pra caçar coisas legais pra gente, que ninguém é de ferro haha. No meio de tudo isso, fizemos uma parada estratégica na banca e eis que, no momento em que meu celular tocava – namorado saindo do futebol e querendo se juntar ao nosso passeio, há! – vi a nova Gloss desse mês num dos cantinhos do lugar. Vou confessar que nunca tinha comprado uma Gloss (sim, shame on me), mas é claro que eu já vi a revista diversas vezes, só nunca tinha calhado de parar na banca e arrematar uma pra mim.

Essa edição de maio tá com uma capa deusa com a Julia Petit e, de quebra, ainda tem uma matéria bem bacana sobre blogueiras (onde, inclusive, aparece a dona Juliana Cunha, uma das garotas que eu mais admiro na blogosfera e no jornalismo) Bom, daí pra comprar a revista foi um pulo, né. Saí de lá com minha edição nas mãos, fui pro apartamento dos amigos e, enquanto eles arrumavam umas coisas, sentei no sofá e comecei a leitura.

Look total gracinha da dona Julia Petit

Look total gracinha da dona Julia Petit

E sim, essa edição de maio tá uma lindeza, mas o ponto onde eu queria chegar – ou mais especificamente o texto onde eu queria chegar – atende pelo nome de “Foco no resultado”.

Esse foi o título dado a matéria que foi a razão-mor do meu surto de felicidade com a revista. E o motivo é muito simples: em anos de compras de revistas – especializadas ou não em beleza – foram poucas as vezes que encontrei uma matéria que falasse sobre makes para meninas com óculos. E né, a matéria da Gloss não é giga (vocês tão perdendo tempo, revistas de beleza!) e foi a resposta de uma dúvida de leitora, mas ainda assim foi um achado e tanto no meio desse problema gigante que é a hora de passar maquiagem pra quem usa óculos.

Que fique claro: se você jogar o assunto no google, você até vai achar bastante coisa, mas o problema é que quase sempre as matérias esquecem das meninas que tem um grau de correção alto (e vamos lembrar que não é todo mundo que pode/quer/tem dinheiro pra fazer cirurgia, certo?). e acabam investindo nas mesmas fórmulas de sempre, trazendo um “passo a passo pra x ocasião”. E não que isso seja ruim, ao contrário, quanto mais gente falando do assunto, melhor ainda! Mas o grande problema de quem usa óculos é que nossas dúvidas são muito mais lá na “raiz da maquiagem”, envolvendo coisas como segurar o pincel (lembre que sem os óculos você não enxerga quase nada!), cores que se sobressaem mais, espelhos específicos pra esse tipo de problema e até armações adaptadas (tipo essa, que eu ainda sonho um dia poder usar).

Eu nunca fui uma perita em beleza, mas no ano passado comecei a escrever sobre o assunto devido ao trabalho e aí botei a mão na massa – e nas makes – e fui aprender pra poder escrever direitinho. Sei ainda bem pouco, beeem pouco e leio aqui e acolá pra todo dia ir aprendendo um pouquinho mais. Só que esse lance de makes para garotas com óculos sempre foi algo difícil pra mim, tanto no quesito aprender para escrever, quanto no quesito aprender pra botar em prática. Como uma garota que usa óculos desde os seis anos (pra quem não sabe tenho 23), e que viu ao longo de todo esse tempo seu grau aumentar e aumentar, lidar com maquiagens nunca foi fácil.

Tenho pra mim que demorei tanto tempo pra descobrir esse lado da beleza exatamente por isso. Eu não sabia muito bem como pegar todos aqueles batons e sobras e lápis e bases e fazer aquilo aparecer mesmo com o óculos na frente. Fui perder o medo só com os 20 anos e, ainda hoje, admito ser meio travada pra colocar todas essas coisas em prática.

Um 3x4 de "sem e com óculos"

Um 3×4 de “sem e com óculos”

Pra quem nunca usou óculos na vida ou pra quem usa só pra ler, deve ser difícil imaginar passar quase que 24 horas do dia grudada neles, mas gente… Eu tenho 12 graus (!) É tipo algo MUITO ALTO e até onde meus exames disseram, não conseguirei fazer uma cirurgia tão cedo. Se não fossem as santas lentes de cristal (essas lindas e fininhas) eu provavelmente usaria aqueles óculos de fundo de garrafa. Daí que crescer assim, sem praticamente enxergar nada, não é fácil. E sim, eu até tenho lentes de contato, mas são daquelas rígidas e daí só arrisco usá-las em ocasiões bem especiais, já que além de cansarem muito os olhos elas não se encontram naquela lista de coisas confortáveis pra se usar.

Logo, eu e meu companheiro fiel óculos sempre enfrentamos essa batalha com o espelho: eu tiro ele pra fazer a maquiagem e tenho que grudar no espelho pra conseguir enxergar alguma coisa. Se não tiro, não consigo fazer lápis, delineador, whatever, funcionar do jeito devido. E não para por aí! Mesmo que alguém me maquie – e né, cadê beauty artist 24 horas pra nos acompanhar? – os óculos encobrem muito do que tá ali. Enfim, uma bagunça.

O que eu aprendi nesses últimos anos foi totalmente na base do testa, testa e testa mais um pouquinho. Diego é a prova viva de quantas vezes eu passei delineador em um mesmo dia até conseguir fazer o risco bonitinho haha. E mesmo uma maquiagem “normal” eu vou adaptando pra aparecer no meu rosto do jeito que deveria. É, gente, não é fácil.

Nesse lance de tentativa e erro aprendo todo dia um pouco mais, e vou descobrindo maquiagens que dão super certo pro dia a dia, pra balada, pra jantar com o mon amour, etc. Ainda que pra isso eu tenha que tentar fazê-la várias e várias vezes. A verdade é que pra quem usa óculos nos 365 dias do ano, as opções são quase sempre mais restritas, então, não tem jeito. Tem que se jogar na frente do espelho e testar até achar o que dá mais certo pra você.

Editorial da Vogue Japão de janeiro/2012 dedicado a óculos + make. Dessas coisas que fazem nosso olhar brilhar, sabe? <3

Entre erros e acertos, certeza mesmo é que eu nunca vou desistir de me maquiar, ainda que pra isso eu tenha que escutar o namorado na maior das delicadezas falando ‘tá borrado só um pouquinho aqui’ e quando eu coloco o óculos to parecendo uma palhaça hahaha. Com o tempo, a gente pega o jeito ;}

E né, obrigada a Gloss, essa linda, que fez eu me sentir tão bem e tão feliz em uma única página de revista. Fez meu dia, de verdade.

E ah, se alguém tiver uma experiência com óculos divertida/legal pra contar, compartilha nos comentários que eu quero muito saber!