Meryl Streep e o Oscar #aquecimentoOscar

São 67 anos de vida e 40 anos desde que Meryl Streep estreou em seu primeiro filme. E pode até soar estranho e frio se prender a números quando estamos falando da carreira de uma atriz que já disse e continua a dizer tanto em suas atuações,  mas a verdade é que são eles quem nos ajudam a ter uma dimensão do que é essa história.

Pra começar que são 20 indicações ao Oscar e 29 ao Globo de Ouro (!), além de uma premiação em Cannes, duas no Emmy, duas no BAFTA e uma no Festival de Berlim. E não é só isso. Meryl recebeu ainda uma Medalha Presidencial da Liberdade – título que é considerado a mais alta condecoração civil dos Estados Unidos!

Meryl Streep

A primeira indicação de Meryl ao Oscar foi em 1979, como atriz coadjuvante pelo filme O franco Atirador. Só que já nessa época ela não era uma completa desconhecida do público. Além de ter atuado muito no teatro, inclusive em grandes produções da Broadway, Meryl havia estrelado a minissérie Holocausto, que havia tido um sucesso enorme de audiência e lhe rendido um Emmy de melhor atriz.

Foi assim que ela passou a se tornar uma figurinha carimbada nas premiações de Hollywood, especialmente porque em uma indústria tão complicada quanto essa, ela já chamava atenção pelo talento fora do comum. E assim sendo, o que não faltaram foram papeis difíceis – e extremamente elogiados pela crítica – que passaram a se suceder em uma velocidade chocante na sua carreira.

Ela foi uma mãe que lutava pela guarda de seu filho em “Kramer vs Kramer”, assim como uma pacata dona de casa vivendo um romance extraconjugal em “As Pontes de Madison”. Foi também uma professora de violino em “Música do Coração” e a temida editora da revista de moda Runway em “O Diabo Veste Prada”. Se transformou em Julia Child – a famosa autora de livros de culinária e apresentadora de TV – no filme “Julie & Julia”, e foi ainda uma socialite que sonhava obstinadamente em ser uma cantora de ópera (sem, no entanto, ter talento para isso) em sua mais recente indicação ao Oscar, em o longa “Florence – Quem é essa mulher?”.

As 20 indicações de Meryl Streep ao Oscar

Sempre colocando sua vida pessoal longe do olhar da imprensa, Meryl depositou toda a atenção dos fãs, de Hollywood e obviamente da crítica especializada nos trabalhos que fazia. E, muitas vezes, utilizou desse espaço que tinha para apoiar ou mesmo levantar questões importantes dentro e fora da indústria cinematográfica.

No último Globo de Ouro, por exemplo, quando recebeu uma homenagem na premiação, fez um discurso emocionante condenando as recentes medidas tomadas pelo presidente dos EUA, Donald Trump, que prometeu deportar milhões de imigrantes. Além disso, em 2015, durante o discurso de Patricia Arquette no Oscar pedindo igualdade salarial para homens e mulheres, Meryl foi uma das primeiras a ficar de pé e gritar em apoio a colega de profissão.

Foi ela também uma das atrizes a participar de uma campanha em 2016 contra (novamente) Donald Trump, em oposição a comentários sexistas que o até então candidato à presidência havia falado. E foi a atriz também quem não teve medo de durante uma renomada premiação cinematográfica em 2014, relembrar os perigos de se “endeusar” certas figuras do cinema como Walt Disney, que a despeito de todo o trabalho que realizou, teve sua carreira marcada por episódios racistas e misóginos.

Meryl Streep no Oscar

Meryl recebendo a estatueta por Kramer vs Kramer em 1980

Considerada uma atriz que “começou tarde” na carreira, Meryl se tornou uma lenda viva no cinema. O recorde de indicações ao Oscar pertence a ela, que só não tem o maior número de estatuetas da premiação porque fica atrás da igualmente maravilhosa Katherine Hepburn – que ganhou 4 vezes enquanto Meryl “apenas” ganhou três.

Com um dos currículos mais respeitados da área, a atriz estará mais uma vez concorrendo ao Oscar desse ano como melhor atriz. Ela não é apontada como favorita para levar o prêmio pra casa, mas continua a fazer de seu nome uma presença constante no cinema e nas premiações da área, não importa quanto tempo passe ou quantas outras atrizes apareçam e (ainda bem) façam muito sucesso nas telonas.

Tudo porque, acredito eu, certos brilhos e um talento de verdade realmente nunca se apagam.

Beijos e até amanhã com mais #aquecimentoOscar!

There is too much love to go around these days

{para escutar durante o post} 🎧

Fevereiro já vai quase pela metade, mas o primeiro shooting de 2017 finalmente aconteceu.

No último domingo, depois de ter dormido quase nada porque fui em uma festa de drag queens no sábado (sim, de drag queens <3), eu e a Ari aproveitamos o sol da manhã para irmos fotografar. E deixando a modéstia de lado, preciso contar que eu amei as fotos e fiquei bem feliz do primeiro ensaio de 2017 ter acontecido assim: ao som dessa música, numa manhã de sol, rodeada de ar puro e com esse balão tão bonitinho, que ainda tá cheio e enfeitando o quarto ao lado.

Espero que vocês curtam as fotos tanto quanto eu :)

Beijos e até logo mais.

Desbravando São Paulo #6

Aproveitando que no último dia 25 de janeiro foi aniversário de São Paulo e que na última vez que estive por lá conheci alguns lugares muito incríveis, resolvi fazer o Desbravando São Paulo #6 aqui no blog,  com lugares pra comer, passear e ter bons com momentos com os amigos.

Pra quem quiser ver outros posts que já rolaram com indicações de lugares pra visitar em São Paulo, é só clicar aqui.

E ah, contem depois nos comentários quais desses lugares vocês conhecem ou quais ficaram com vontade de conhecer, e me indiquem lugares legais pra ir também! Vou colocar na lista pra minha próxima visita.

Foto do site oficial do restaurante

Foto do site oficial do restaurante

O Consulado Mineiro tem diversas unidades espalhadas por São Paulo, mas a que eu fui, acompanhado da Babi, do Lucas e da Naína, fica em frente a feirinha da Benedito Calixto. Foi lá inclusive onde ficamos enrolando enquanto não chegava nossa vez de entrar no restaurante, já que fomos almoçar tarde e pegamos uma senhora fila pra entrar. Parece, aliás, ser meio comum esse movimento todo no lugar, o que faz com que o pessoal fique esperando a sua vez ali na rua bebendo, em um ambiente bem leve e descontraído.

Almoçamos em uma das mesas lá de dentro e os pratos deles são super fartos, tipicamente mineiros e muito, muito gordos. Sabe comida de vó que você não consegue parar enquanto não vê o fundo da panela? Bem isso!

Achei um lugar muito gostoso pra ir almoçar em um final de semana quando você não tá preocupada com o tempo ou com alguns quilos a mais na balança. Nós que estávamos em quatro dividimos dois pratos, ficamos mega satisfeitos e o valor pra cada um foi bem justo diante da qualidade e quantidade de comida que foi servida.

Consulado Mineiro
Praça Benedito Calixto, 74
Site do Consulado Mineiro

Foto do instagram da sorveteria, o @fridaemina

O Frida & Mina é uma sorveteria supercharmosa ali em Pinheiros, toda pequenininha e delicada, com sorvetes que tem um sabor irresistível.  Todos os sabores (e as casquinhas!) são feitos artesanalmente lá na própria sorveteria, com produtos naturais e frescos. O mais legal disso tudo é que como o espaço de produção deles é de vidro, você consegue ver tudo isso sendo feito enquanto escolhe o que vai saborear. E que sabor, meus amigos! Os sorvetes de lá são super diferentes e deliciosos. Indico fortemente o crocante de macadâmia (que eu pedi uma bola e não queria que terminasse nunca mais), mas chutaria dizer que vale a pena voltar muitas vezes lá e experimentar um pouquinho de todos.

Tenho que admitir que não é um sorvete barato. Mas, ainda assim, acaba valendo a pena pelo sabor e texturas diferentes, qualidade da produção e pela casquinha que é puro amor.

Frida & Mina
R. Artur de Azevedo, 1147 – Pinheiros
Site da Frida & Mina

Foto do meu instagram @paulinhav

Foto do meu instagram @paulinhav

É muito difícil dizer em poucas palavras porque vale a pena visitar o bairro da Liberdade, já que ele é tão grande e tem tantos lugares – dos mais famosos até os mais escondidinhos – que merecem ser conhecidos. Babi já me levou em alguns desses lugares em uma outra visita que fiz na cidade, mas nessa última vez passeamos por lá despretensiosamente, fizemos compra em um mercadinho da região e admiramos as tão famosas lanternas das suas ruas.

E isso é uma das coisas mais gostosas de lá: não são apenas os restaurantes, lojinhas ou insira aqui seu lugar preferido que tem na Liberdade que são legais. O bairro, por si só, é cheio de vida, de pequenas feirinhas nas calçadas, de decorações diferentes e coloridas, de pessoas falando alto e se apinhando pra andar em um lugar que tem ritmo próprio.

Acho que é uma parte de São Paulo muito intensa e muito diferente de todo o resto, que merece ganhar um pouco do nosso tempo pra ser conhecida melhor, mesmo que sem um destino certo. Se deixa levar.

Foto do meu instagram @paulinhav

Foto do meu instagram @paulinhav

A Beth é um potinho de amor em forma de padaria. Só assim pra explicar pra vocês as comidas e bebidas deliciosas que eles fazem nesse lugar, que é super pequenininho e fica numa ruinha charmosa ali na Vila Mariana. Eles têm uma produção de pães artesanais sem conservantes, e absolutamente tudo que tem lá pra comer é tão natural e te enche de amor a cada mordida que fica impossível não querer voltar muitas vezes.

Fui lá em um domingo pra experimentar o cardápio de brunch e tava tudo muito delicioso e cheio de gente (tão cheio que muitas pessoas ficavam sentadas na calçada mesmo porque o lugar é pequeno e tem pouquíssimas cadeiras). No dia anterior havia tido um evento especial deles com o tema de Gilmore Girls (!) e ainda tinham adesivos sobrando pras pessoas escolherem se eram team Logan, team Jess ou team Dean. Como não amar?

Portanto, visitem, comam, comprem (inclusive na lojinha online deles) e se deliciem. É muito bom!

Beth Bakery
Rua Paula Ney, 338 – Vila Mariana
Site da Beth

Foto do meu instagram @paulinhav

O parque da Aclimação é um pedaço lindo de verde em São Paulo, que fica aberto diariamente das 6h as 22h e que é perfeito pra caminhar, correr, desestressar um pouco  e, se você tiver uma amiga fotógrafa como a Babi, ainda ganhar de brinde fotos suas tiradas lá.

Além disso, o parque tem um lago lindo, uma concha acústica e vários pequenos cantinhos charmosos em que dá pra fazer um piquenique ou mesmo levar um livro pra ler. É um lugar até que bem movimentado pelo tanto de gente que vai pra lá se exercitar, mas que é repleto de pequenos cantos onde você pode parar, ficar sozinho, respirar e recuperar as energias.

Parque da Aclimação
End.: Rua Muniz de Souza, 1119 – Aclimação
Site do Parque

Beijos e bom final de semana

Começos de ano, aniversários e tudo no meio do caminho

Faz alguns dias fiz 27 anos.

Lembro que quando era pequena, não achava nada legal essa coisa de fazer aniversário no começo de janeiro, logo quando eram férias e a maioria dos meus amigos tinha ido viajar. As fotos que tenho dessa época tão aí pra provar que não minto: nunca consegui reunir todo mundo que queria nas minhas comemorações, já que sempre tinha algum amiguinho ou amiguinha que a família tinha decidido ir pra praia e voltar só no começo das aulas.

Como uma criança que amava fazer aniversários, eu nunca conseguia esconder minha chateação quando alguém vinha me dizer que não podia ir na minha festa, especialmente porque eu era uma criança com poucos, porém bons amigos – e achava o máximo poder reunir todo mundo na minha casa em um mesmo dia, com bolo, refrigerante, salgadinho e um monte de brincadeiras que não faziam o menor sentido, mas que a gente amava.

Só que aí, conforme eu fui crescendo – e percebendo que mudar a data do meu aniversário era algo meio que impossível – a minha relação com o dia 10 de janeiro também começou a ser outra. Primeiro porque percebi que isso de ter amigos faltando nas minhas comemorações era algo que com que eu teria de me acostumar: se não fossem as férias da escola, seriam as férias do trabalho, o recesso de fim de ano e até mesmo a distância geográfica. E segundo porque percebi também que fazer aniversário logo no começo de janeiro tinha uma grande vantagem – especialmente pra mim que tenho esse sentimento inexplicável com finais/começos de ano e tudo que eles significam em termos de mudanças de vida.

Demorou um tempo pra eu entender que o universo tava esfregando na minha cara que sim, começos de ano são mesmo meu momento. Aqueles em que não só faço um monte de listas (religiosamente), mas também paro para pensar na minha vida, no que tô fazendo de certo, no que tô fazendo de errado e também no que não tô fazendo. E, correndo o risco de soar clichê: me propor a ser alguém melhor. Ou ao menos tentar, mesmo que nos pequenos atos, nas pequenas coisinhas do dia a dia.

Não vou mentir e dizer que é fácil. Ou que eu consigo fazer tudo que quero. Ou que é só querer basta conseguir. (A vida é bem mais dura do que isso, Xuxa). Mas isso de me renovar a cada Natal, a cada virada de ano, a cada aniversário (e nunca me cansar do processo) me faz mesmo mais alegre, mais otimista, mais valente. Alguém que acredita que essa jornada toda vale a pena por si só e que é ainda mais importante do que a linha de chegada. Porque eu não quero ser feliz só lá no fim, eu quero ser feliz no caminho todo.

Que 2017 e esses 27 recém chegados anos me proporcionem muito disso. Eu boto muita fé.

Beijos e boa semana

1001 filmes para ver antes de morrer #1

Finalmente os dias sem internet acabaram – e consequentemente, tenho um monte de freelas e pesquisas pra colocar em dia. Mas, como nos últimos dias o computador já estava instalado e eu queria voltar a atualizar o blog o quanto antes, aproveitei pra começar de fato o projeto do 1001 filmes para ver antes de morrer, um projeto que eu apresentei aqui há muito, muito tempo, em uma galáxia muito distante, e cheguei a gravar alguns vídeos dele que nunca foram pro ar pelo simples fato que eu nunca tinha tempo pra editar.

Bom, o tempo livre dos últimos dias me permitiu então fazer isso, e o primeiro vídeo do projeto, onde falo sobre Juventude Transviada, Spoorloos e As Patricinhas de Beverly Hills, já tá no ar!

Contem quais desses filmes já assistiram e fiquem a vontade pra deixarem suas opiniões nos comentários, ok? Quero muito saber o que vocês acharam.

Beijos e bom restinho de domingo!